Ninfeias Negras - Michel Bussi

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

O Voo da Libélula foi um dos livros mais elogiados de Michel Bussi, no Brasil, em 2015 e desde então tinha vontade em descobrir o porquê disso. Infelizmente, ainda não tive a oportunidade de ler essa obra, contudo, felizmente pude apreciar Ninfeias Negras, um livro dotado de qualidades cuja trama se mostrou mais que inteligente ao trazer um caso enigmático e intrigante envolvendo três mulheres com vidas diferentes, mas interligadas por um ponto em comum. 



Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho.
É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte - principalmente as protagonistas.Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.

Nesta trama passamos a conhecer três mulheres que compartilham um único desejo: ir embora de Giverny, a bela cidade retratada nos quadros de Monet. Contudo, o brilho e a beleza deste local "acabou" quando um conhecido médico foi assassinado, dando início a uma investigação onde cada ação levava a mais perguntas do que respostas, além de agitar a população. Ao mesmo tempo, somos apresentados a vida das três mulheres, onde a primeira é uma idosa observadora, a segunda uma professora amargurada com seu casamento, e terceira uma menina de 11 anos que aspira ser uma pintora. A ligação ou interesses delas com o crime é um dos grandes mistérios a serem descobertos por nós, leitores. 

Nenúfares (Nymphéas), Claude Monet (1903)
Esses treze dias transcorreram em suas vidas qual um parênteses. Muito breve. E também impiedoso. Esse parênteses começou com um assassinato, no primeiro dia, e terminou com outro, no último. Estranhamente, os policiais só se interessaram pela segunda mulher, a mais bela; a terceira, a mais inocente, teve de investigar sozinha. A primeira, a mais discreta, pôde observar todo mundo com tranquilidade. E até matar!
Pág.: 12

Ao contrário de muitos livros onde a previsibilidade dos fatos é um caso recorrente, Ninfeias Negras é uma daquelas obras onde o leitor é surpreendido por não conseguir decifrar alguns acontecimentos com extrema facilidade ou o seu encerramento devido à algumas táticas adotadas pelo autor ao longo da trama, contribuindo para o suspense e a curiosidade, criando assim uma incrível atmosfera de pura tensão e ansiedade. Apesar de ser considerado um Thriller Policial, acredito que a trama do livro consegue ir além disso, já que ela se desprende da tradicional narrativa centrada no investigador e na motivação explicita, e abraça a arte e a dramaticidade como uma velha amiga de uma forma interessante e capaz de atiçar as emoções daqueles que estão lendo. 

Tirando alguns detalhes, todos os fatos e dados expostos ao longo da trama são reais, como o fato da cidade de Giverny, na Normandia (França), ser o berço de um dos maiores nomes do Impressionismo, Claude Monet. Poucos livros conseguiram submergir a minha imaginação quase que em sua totalidade. Dito isso, é impossível ler Ninfeias Negras e não se colocar dentro dos cenários e locais ou sentir as sensações que os personagens estão experimentando. A escrita do Michel Bussi também foi crucial para isso, pois ele intercala sua narrativa entre a primeira e a terceira pessoa, o que acabou por impulsionar a leitura e ajudar com a compreensão da história. 

Ninfeias Negras é um livro recheado de informações sobre as ninfeias, Giverny e a história da arte, sobretudo Monet e o movimento Impressionista, levando grandes parágrafos ou trechos para expressar esses conhecimentos, o que pode acabar cansando alguns leitores. Além disso, tanto os personagens principais quanto os secundários foram bem desenvolvidos e apresentaram histórias de vida envolventes, além de terem tido a sua importância para o desenvolvimento da trama. 

Giverny, França
[...] Nós aqui vivemos dentro de um quadro. Estamos emparedados! Achamos que estamos no centro do mundo, que valemos a viagem, como se diz. Mas o que acaba escorrendo em nós é a paisagem, o cenário. Uma espécie de verniz que nos cola ao cenário. Um verniz diário de resignação. De renúncia... Louise, a catadora de dentes-de-leão de Giverny transformada em princesa da Boêmia; ela é uma lenda, Laurença. Esse tipo de coisa não acontece. Não mais.
Pág.: 166

Por mais que você colete informações e dicas ao longo da leitura, é impossível prever o final do livro. Esse talvez seja o maior diferencial de Ninfeias Negras dentro do subgênero Thriller Policial e o que mais me surpreendeu. Esta obra mescla elementos artísticos com um ótimo suspense capaz de te surpreender onde você menos espera, além de ser uma excelente leitura para os amantes da história da arte e aos que querem conhecer um pouco mais sobre o movimento impressionista. Desta forma, deixo a minha recomendação a essas pessoas e aos que adoram um ótimo suspense. 

A diagramação está com um ótimo espaçamento entre linhas e um agradável tamanho de fonte. Quanto a edição, contamos com páginas amareladas, títulos com verniz localizado e uma arte na capa representando uma ninfeia negra. Não encontrei erros aparentes na revisão.