Dois Irmãos - Fábio Moon & Gabriel Bá

Olá Vintagers, como vão?

Ando meio sumida por aqui devido a projetos pessoais, mas sempre que posso apareço por aqui para dividir com vocês minhas experiências literárias. Hoje é a vez do livro Dois Irmãos, baseado na obra do escritor Milton Hatoun e adaptado em forma de quadrinho por Fábio Moom e Gabriel Bá. Para que está se perguntando: Sim, essa é a história que a Globo adaptou para minissérie.

Um dos livros mais importantes da literatura brasileira contemporânea, Dois irmãos vem, desde seu lançamento há quinze anos, conquistando novas gerações de leitores. E foi com o mesmo entusiasmo desses leitores que Fábio Moon e Gabriel Bá embarcaram na missão de adaptar o romance de Milton Hatoum para uma graphic novel. Entre os mais premiados da última década, os irmãos quadrinistas vêm igualmente arrebatando fãs e trazendo uma verdadeira legião de leitores às HQs. Suas obras foram publicadas em diversos países, atravessando fronteiras culturais e políticas.
Ao mesmo tempo que preserva a força narrativa de Hatoum, esta adaptação evidencia o talento de Bá e Moon na construção de histórias que alternam entre a tragédia, a delicadeza, a brutalidade e o humor. No traço deles, a vida dos gêmeos Yaqub e Omar ganha novos contornos épicos. A Manaus dos quadrinhos, feita de um jogo de luz e sombras, acolhe este drama que cruza gerações e, seja nos grandes planos ou nos mínimos detalhes, carrega o enredo original de energia e vitalidade.


Resumo

Zana já não aguentava mais as rivalidades entre seus filhos gêmeos, e em uma conversa com o marido decidiram separá-los por um tempo para que os ressentimentos sumissem de vez. Porém o que os pais não sabiam eram que os anos em que Yaqub ficou no Líbano só fizeram aumentar a angustia e o sentimento de desprezo que habitavam nele.

Era justo ele, o mais velho ir? Por que logo ele? Yaqub se perguntava sempre. Enquanto ele ficava naquele país que também era seu mas não fazia parte dele, seu gêmeo caçula estava no Brasil se esbaldando de tudo que era do bom e do melhor. Seria Omar o preferido de sua mãe?

Ao voltar para casa, Yaqub constatou que todos realmente eram omissos às barbaridades que Omar fazia, então, como refúgio, se aprofundou na Matemática e resolveu provar através do conhecimento que ele era melhor que o seu irmão. Após se formar, juntou suas coisas e partiu para São Paulo em busca de oportunidades. Enquanto isso, Omar mal se prestou a terminar a escola.

A trama de Dois Irmão se desenrola ao redor do desabrochar dos gêmeos e nos retrata o triste drama familiar de uma família desestruturada. Uma intrigante história de romances mal correspondidos, super proteção parental e muita inveja. Será que os irmãos um dia se entenderão?


Opinião

Não costumo ler quadrinhos, não por não gostar, mas porque raramente me dei uma oportunidade de ler histórias nesse estilo. Em Dois Irmãos, me senti muito à vontade com esse estilo de escrita. Me Surpreendi, positivamente, com o poder que os dramas familiares presentes na trama te fazem se envolver. A obra narra os eventos cronológicos de uma família libanesa que vivia em Manaus bem como as desavenças e conflitos de opiniões dos personagens e, em destaque conhecemos os gêmeos Yaqub e Omar, iguais na aparência, porém totalmente diferentes na personalidade e caráter. O foco central é a rivalidade entre os dois.

Os personagens são bem construídos e isso deixa a história bem consistente. Nela, conhecemos Yaqub, o gêmeo retraído que se sentia excluído pela mãe, e que é mandado para o Líbano ainda criança como uma forma de se afastar do irmão, situação que o fez se dedicar aos estudos em excesso, fazendo-o se tornar um grande engenheiro. Vemos também Omar, o gêmeo caçula e inconsequente. Para mim, Omar é um “chato de galocha”, mimado e que adora usufruir dos prazeres da vida. Como deu para perceber, devido à personalidade de Omar, os gêmeos nunca se deram bem, havia naquela casa um ar de rivalidade que os fazia brigar por tudo e, infelizmente a mãe Zana alimentava os distúrbios de Omar. Por falar em Zana, ela nos é apresentada no início da história como uma mulher, além de apaixonada pelo marido, uma mãe super protetora que passa dos limites quando o assunto é filhos. Halim é o pai que nunca quis ter filhos, mas aprendeu que a paternidade também engrandece o homem. Vemos Domingas, que é uma índia órfã e empregada da mansão e que também  é considerada da família. Rãina é a irmã mais nova dos gêmeos e não possui muito destaque na obra. E por ultimo conhecemos Nael, que é filho de Domingas com um dos gêmeos e um dos personagens centrais da história.


A trama é toda narrada em terceira pessoa e no decorrer da trama é que percebemos que Nael é o narrador dessa complexa história. A leitura é bem rápida, porém, sem deixar de ser complexa devido às trocas de cenas e palavras diferentes, em outros idiomas. Em certos momentos precisei parar e pensar um pouco. 

As ilustrações são simplesmente maravilhosas e muito bem elaboradas, elas são de uma sensibilidade extraordinária e em vários momentos nem é necessária a leitura do texto para a compreensão da cena. Porém preciso compartilhar minha opinião com vocês: Achei a fonte muito pequena, o que dificulta um pouco a leitura - apenas um detalhe de uma pessoa meio ceginha (haha)-. Não se assuste com o tamanho do livro, apesar da quantidade de páginas, a leitura pode ser concluída em apenas dois dias.

Confessar que após ler essa obra fascinante, estou com muita vontade de ler a história original. Super recomendo o livro para você que gosta de histórias com personagens impactantes e dramas intrigantes. É um casamento bem perfeito de uma obra clássica com um trabalho artístico memorável.


Espero que gostem. Rock Kisses!