O Problema dos Três Corpos - Cixin Liu

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Escrito por Cixin Liu, O Problema dos Três Corpos foi uma inesperada e grata surpresa, já que sua narrativa se mostrou competente em suas propostas e traz reflexões acerca do ser humano e suas relações em um dos momentos mais "obscuros" e de amplos conflitos ideológicos na China, a Revolução Cultural Chinesa




China, final dos anos 1960. Enquanto o país inteiro está sendo devastado pela violência da Revolução Cultural, um pequeno grupo de astrofísicos, militares e engenheiros começa um projeto ultrassecreto envolvendo ondas sonoras e seres extraterrestres. Uma decisão tomada por um desses cientistas mudará para sempre o destino da humanidade e, cinquenta anos depois, uma civilização alienígena a beira do colapso planeja uma invasão. O problema dos três corpos é uma crônica da marcha humana em direção aos confins do universo. Uma clássica história de ficção científica, no melhor estilo de Arthur C. Clarke. Um jogo envolvente em que a humanidade tem tudo a perder.





Após ver seu pai sendo morto e sua família sendo "dividida" pelas forças da Revolução Cultural Chinesa, Ye Wenjie, assim como seu pai, torna-se uma astrofísica. Passando por momentos tensos enquanto servia na Cordilheira Grande Khingan, onde conheceu Bai, um repórter do Diário da Grande Produção, o qual lhe empresta um banido livro chamado Primavera Silenciosa, escrito por Rachel Carson, e lhe pede para transcrever uma carta. Entretanto, após ser traída por Bai, Ye é presa por conspirar contra a Revolução e depois de certo tempo acaba sendo convidada para trabalhar como astrofísica na Base da Costa Vermelha, onde irá viver o restante de sua vida. 

Décadas depois, passamos a conhecer um especialista em nanomateriais, Wang Miao, cujo futuro terá influências diretas das pesquisas e projetos desenvolvidos por Ye Wenjie e outros astrofísicos e engenheiros. Após ser convidado pelo governo para descobrir fatos inexplicáveis que vinham acontecendo com outros cientistas, acaba sendo cercado por um singular jogo online de realidade virtual chamado Três Corpos, onde lhe é apresentado uma civilização alienígena e alguns objetivos, como descobrir o calendário climático do planeta. Fascinado com a logística do game, ele irá tentar resolver o problema dos Três Corpos, porém, durante esse percurso, algumas coisas serão reveladas, o que o conduzirá para uma enorme conspiração. 

Cartaz divulgado durante a Revolução Cultural.

À medida que avançava em suas reflexões, uma dedução lhe deu calafrios: É possível que a relação entre a humanidade e o mal seja semelhante à relação entre o oceano e um iceberg que flutua em sua superfície? Tanto o oceano quanto o iceberg são feitos do mesmo material. O iceberg só parece diferente porque tem outra forma. Na realidade, é apenas uma parte do vasto oceano...
Era impossível esperar um despertar moral da humanidade assim como impossível esperar que os humanos movessem a Terra com seus próprios cabelos. O despertar moral exigia uma força externa à raça humana.

Pág.: 24

Um dos principais pontos positivos deste livro é justamente o seu embasamento na Revolução Cultural Chinesa, proposta por Mao Tsé-Tung, que mobilizou as massas chinesas, trazendo um pouco de veracidade para a narrativa desenvolvida por Cixin Liu, o que, querendo ou não, acabou ocasionando em sensações e emoções de grande impacto, até mesmo pelo fato dele expor de uma forma nua as crueldades das guerras e suas consequências, como as mortes em vão dos soldados e civis, e o desmatamento que esses conflitos proporcionam. Além disso, acredito que a história de vida do autor também possa ter influenciado na ambientação e na explicação de algumas informações, o que deu um toque de "pessoal" à trama. 

O livro, que se integra ao gênero de Ficção Cientifica, carrega consigo uma demasiada quantidade de informações técnicas sobre a movimentação dos astros, Física Clássica e Física Moderna e suas tecnologias, deixando a leitura um pouco complicada para aqueles não detêm conhecimentos prévios. A narrativa é feita em terceira pessoa, o que proporcionou ambientações fantásticas, principalmente durante as sessões de Wang no jogo.   

O objetivo do jogo parece simples, mas acaba envolvendo e intrigando diversos cientistas devido as circunstâncias do planeta Trissolaris, onde o sol se comporta de duas maneiras: (1) ausente, diminuindo a temperatura do astro e congelando seus habitantes; (2) próximo, incendiando tudo e todos. Com isso, cria-se uma necessidade de descobrir quando as eras estáveis se iniciam e se encerram. Outro fato interessante é que a população deste mundo tem o costume de se desidratarem e se hidratarem devido as imprevisíveis catástrofes naturais citadas acima. 

Cixin consegue expor as dificuldades ideológicas vivenciadas durante a Revolução Cultural de forma crítica sem fazer uso da sutileza para se expressar. Desta forma, vemos como os cientistas e intelectuais da época foram reprimidos por serem considerados violentos revolucionários, inclusive chegamos a ver que a Teoria da Relatividade de Albert Einstein foi simplesmente taxada como um produto e símbolo do capitalismo e que suas palavras eram impostoras. Liu brinca com esses jogos de símbolos e expressões durante o desenvolvimento da narrativa de uma forma explícita que chega a ser chocante. 

Autor

O universo não era desolador. Não era vazio. Era cheio de vida! A humanidade havia dirigido seu olhar para os confins do universo, mas não fazia ideia de que a vida inteligente já existia nas estrelas mais próximas da Terra!
Pág.: 222

O Problema dos Três Corpos faz parte de uma trilogia, portanto, não há um final definitivo. Entretanto, seu encerramento consegue provocar o leitor a continuar a leitura ao deixar algumas pontas soltas, o que pode incomodar algumas pessoas. Além disso, senti uma falta de personalidade em Wang Miao, contrastando com Ye Wenjie. Depois de me surpreender com esse livro de forma positiva, fico no aguardo do segundo volume, onde espero algumas respostas e ter novamente o contato com essa agradável escrita. 

A diagramação está simples, mas com um ótimo espaçamento entre linhas e um tamanho de fonte agradável. Na edição temos páginas amareladas, uma lista de personagens e uma bela ilustração na capa que acredito ser uma representação do planeta Trissolaris. Quanto a revisão, não encontrei erros aparentes.