Novembro, 9 - Colleen Hoover

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Sempre vi o amor como algo que não precisa somente da aparência para existir, podemos nos sentir atraídos por ela, mas nos apaixonamos por quem a pessoa é, pelos sonhos, escolhas, desejos e até mesmo pelos defeitos. E quando o amor vem, não há distância que o impeça de ficar. Novembro,9 fala sobre o amor que enfrenta os erros, as mágoas, a dor e vários quilômetros de distância.



Autora número 1 da lista do New York Times retorna com uma história de amor inesquecível entre um aspirante a escritor e sua musa improvável. Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?





A data fazia Fallon se lembrar de um momento de dor, mas para seu pai não representava nada, pois foi o dia em que, por um descuido, incendiou a casa e se esqueceu da filha em meio às chamas, fazendo com que ela sofresse terríveis queimaduras por todo o corpo e precisasse abrir mão de sua promissora carreira como atriz. Desde então a vida dessa jovem nunca mais foi a mesma, ela passou a se esconder por trás do cabelo longo e blusas de frio que tampam toda a pele, sua autoestima a impedia de acreditar que alguém fosse achá-la atraente. Até conhecer Ben.

O almoço com o pai era para ser um teste, a data foi escolhida estrategicamente, seu acidente estava completando dois anos, e ela esperava que Donovan dissesse algo, mas o pai era um babaca, em todos os amplos sentidos dessa palavra. A sorte de Fallon era que naquela noite se mudaria para Nova York. Quando o almoço com o pai começa a tomar forma de briga, um rapaz sentado na mesa atrás deles decide se aproximar e fingir ser o namorado da moça, tomando partido em sua defesa, logo o pai vai embora e os dois passam a se conhecer melhor. Quem diria que uma data tão ruim poderia ser marcada por sensações tão boas?

Você jamais conseguirá se encontrar enquanto estiver perdida em outra pessoa.

Rio outra vez, depois pressiono o rosto em seu peito e o abraço também. Por que ele não estava lá no segundo em que acordei no hospital, dois anos atrás? Por que tive de enfrentar dois anos inteiros antes de finalmente ter alguma confiança?
Pág.: 64

Depois que Fallon se muda para Nova York, ela e Ben decidem se ver uma vez por ano, naquela mesma data, durante cinco anos, assim ele teria conteúdo para um nova história, pois passaria a escrever sobre eles, e ela teria tempo para amadurecer antes de entrar de vez em um relacionamento. A relação dos personagens é bastante inusitada e romântica, adorei ver a persistência de ambos em tentar manter esse ritual apesar de todas as dificuldades que aparecem com o tempo. Confesso que em alguns momentos fiquei angustiada, querendo que tudo se resolvesse logo.

Fallon é sarcástica, em todas suas falas podemos perceber certo tom de crítica ou amargura, ela usa palavras fortes e engraçadas para passar a impressão de que lida bem com a própria realidade, quando na verdade só quer esconder como realmente se sente. Ben é um rapaz doce e sincero, conseguiu arrancar de mim boas gargalhadas, e apesar de alegar que não é do tipo de pessoa que gosta de romance, acaba tendo atitudes dignas de um bom livro água com açúcar.

Em cada página, um pouco do que eles viveram.

Preciso me lembrar que existe mais de um jeito de as pessoas demonstrarem amor. E apesar de o jeito dele e o meu serem contrários, ainda é amor.
Pág.: 339

Em comparação com outros livros da Collen, este não é o melhor que já li. Entretanto, também não é o pior, só não está no mesmo patamar que O Lado Feio do Amor. A obra apresenta um enredo bem construído, personagens cativantes e um elemento surpresa capaz de deixar o leitor sem chão. O final é simplesmente lindo, essa autora sempre consegue passar uma mensagem capaz de nos deixar pensando durante horas a respeito do que foi lido. A história avança de ano em ano, e durante o encontro dos personagens descobrimos o que cada um fez durante o ano anterior. Depois de alguns capítulos percebi que mal podia esperar para saber o que aconteceria com os dois no ano seguinte, pois a relação deles começa a mudar.

A capa é enigmática, se não conhecesse o estilo da autora ficaria em dúvida sobre qual é o conteúdo da obra, gostei bastante dessa neutralidade. A diagramação é simples e agradável aos olhos, as páginas são de tom amarelado e a fonte é mediana. Não encontrei erros de revisão ou digitação. Leitura recomendada.