Arena 13 - Joseph Delaney

Hey pessoal, tudo bem?

Não sei se o problema é com os livros ou comigo mesmo, mas 2016 está sendo um ano farto em decepções literárias. Quem acompanha o blog sabe que sou um grande fã da escrita de Joseph Delaney e que a série As Aventuras do Caça-Feitiço está entre as minhas favoritas, contudo, não posso dizer que Arena 13 foi uma leitura proveitosa, afinal, sua narrativa foi tão boring que acabei abandonando a obra. 




Primeiro livro da nova trilogia do autor best-seller de As Aventuras do Caça-Feitiço.
Leif tem uma única ambição: tornar-se o melhor lutador da famosa Arena 13. Lá, os espectadores apostam em qual lutador vai derramar sangue primeiro. E, em ajustes de contas, apostam em qual lutador vai morrer. Mas a região é aterrorizada por Hob, um ser maligno que se deleita torturando a população e exibe o seu poder devastador desafiando combatentes da Arena 13 a lutas até a morte quando bem entende. E isso é exatamente o que Leif quer, pois ele conhece bem os crimes de Hob. E, no cerne da sua ambição, arde o desejo de vingança. Leif procura revanche contra o monstro que destruiu a sua família. Mesmo que isso lhe custe a vida.





O livro conta a história de Leif, um jovem do Sul que sonha em competir na Arena 13, um local bélico cujos combates buscam sempre derramar sangue e cortar carne humana, para então conseguir seu tão almejado acerto de contas com o Hob, um djin sanguinário que atormenta cidades e suga o sangue e a alma de suas vítimas. Contudo, para ingressar na Arena, ele precisa se tornar um discípulo e passar por um treinamento, e é aí que ele conhece Tyron, o melhor treinador que o mundo já conhecera. O caminho para conquistar seu lugar entre os discípulos do treinador será árduo, mas o protagonista não desiste facilmente. 

Hob

1. O objetivo dos combates na Arena 13 é cortar carne humana e derramar sangue. Combatentes humanos são os alvos.
2. Nenhum combatente humano pode vestir armadura, nem proteção de qualquer tipo. Coletes de couro e calções são obrigatórios; a carne humana deve ficar acessível a uma lâmina. 

A história em si é muito promissora e a ambientação desse novo mundo é muito bem feita, contudo, a forma como o autor decidiu narrar cada um dos detalhes foi o que tornou a leitura tão lenta e enfadonha. Entendo que o autor precisa mostrar para o leitor os detalhes de sua nova criação, mas penso que Joseph pecou pelo excesso. A lentidão da narrativa poderia ter sido suprida por diálogos mais dinâmicos e combates mais rápidos, mas infelizmente não foi o que aconteceu. Quem gosta de ler sobre lutas em seus mínimos detalhes vai amar Arena 13, mas infelizmente esse estilo narrativo não dá muito certo comigo. 

Os personagens são bem construídos e cativam o leitor, mas não o suficiente para fazer com que fiquemos desesperados para saber o que irá acontecer com eles, ou que sintamos na pele suas dores e anseios. Leif é o típico garoto de cidade pequena que vai para a cidade grande tentar seus sonhos no intuito de aprimorar suas técnicas para obter vingança por acontecimentos de seu passado, o que não é algo tão inovador no mercado editorial. Gostei bastante de Tyron, pois ele é bom no que faz e sabe disso. Como ele mesmo diz, a Arena 13 é o seu território. 

Leif

1. Regras de ajuste de contas.
O objetivo do ajuste de contas é matar o adversário.
(...) Pode-se degolar a garganta ou decepar a cabeça - a decisão pertence ao vencedor.

Se não fosse pela narrativa arrastada e a constante necessidade do autor de expor cada detalhe do que estava acontecendo, pelo menos até a página 150 (onde consegui chegar T_T), a obra seria um sucesso, pois reúne todos os elementos que mais prezo em um livro: um bom vilão, um protagonista que tem um objetivo em mente e corre atrás de seus sonhos, um mestre implacável e claro, muitas batalhas sanguinárias *_*.

A edição está simples, mas bem elaborada. A capa possui uma ilustração muito bem feita em tons de azul, amarelo e vermelho, e o título é feito com verniz localizado e em alto relevo. O interior conta com páginas amareladas e uma fonte e espaçamento entre linhas mediano. Recomendo que cada um leia e tire suas próprias conclusões. 

PS: A única semelhança que essa obra possui com As Aventuras do Caça-Feitiço é que ambos os discípulos, Leif e Tom, possuem um enorme desrespeito pelas regras. Os mestre dizem "não faz isso que vai dar mer$%", eles vão lá e fazem, e adivinha o que acontece.... dá mer$%!!!