Fração de Segundo - Kasie West

Olá Vintagers, como vão?

Yees, é hora de falar sobre continuações! A resenha de hoje é sobre o livro Fração de Segundo, volume dois da série Encruzilhada, escrito pela autora Kasie West. Na resenha do primeiro livro perguntei a vocês o que fariam se tivessem que fazer uma escolha e pudessem ver o futuro de cada uma delas. Hoje pergunto a vocês: Se tivessem a oportunidade de apagar uma parte da sua história, o que apagariam?



Por causa de sua habilidade paranormal, Addie é capaz de Investigar seu futuro sempre que se depara com uma escolha, mas isso não torna sua realidade mais fácil. Depois de ser usada pelo namorado e traída por Laila, sua melhor amiga, ela não hesita em passar as férias com o pai no mundo Normal. Lá ela conhece Trevor, um garoto incrivelmente familiar. Se até pouco tempo ele era um estranho, por que o coração de Addie acelera toda vez que o vê?
Enquanto isso, Laila guarda um grande segredo: ela pode Restaurar as memórias de Addie - só falta aprender como. Muita gente poderosa não quer que isso aconteça, e a única pessoa que pode ajudar Laila é Connor, um bad boy que não parece muito disposto a colaborar. Como ela vai ajudar a amiga a alcançar o futuro feliz que merece.




Resumo

Quando seus pais se separaram, a vida estável e tranquila de Addie se tornou uma bagunça. Após usar seu poder e “Investigar” seu possível destino, ela decidiu ficar com sua mãe no Complexo enquanto seu pai se mudou para o mundo Normal. Vivendo cheia de incertezas e se sentindo mal, a garota decide passar um feriado com seu pai.

Passar um tempo longe do Complexo parecia uma boa idéia, até a garota descobrir que sua habilidade está com algum problema, pois agora, além de Investigar os Destinos, ela consegue Desacelerar o Tempo, habilidade misteriosa que a faz sofrer toda vez que é usada. Em um momento de desatenção ela encontra Trevor, um garoto Normal que chama sua atenção. No entanto, ele vê que Addie guarda algum tipo de segredo, despertando assim seu interesse por ela. Addie se vê totalmente ligada a esse garoto que mal conhece e precisa entender o porquê desta atração, e a única pessoa capaz de ajudar é sua melhor amiga Laila.

Addie e Laila

Não era necessário encostar na cabeça da pessoa para Apagar sua memória, mas facilitava. Por ter que concentrar um pouco mais nesse caso e ter certeza de que havia chegado ao caminho certo, pus a mão sobre a cabeça dele. Três semanas atrás. As lembranças de curto prazo estavam mais agitadas, e tive que passar por elas para chegar à memória armazenada. Encontrar e Apagar uma memória de longo prazo podia ser complicado, mas encobrir o feito não era tão difícil. As pessoas normalmente não percebiam quando se esqueciam de fatos que tinham acontecido num determinado dia, várias semanas antes. Não achavam esquisito. No entanto, se perdiam os últimos cinco minutos. Estranhavam muito.
Pág.: 108

No Complexo, Laila guarda o bilhete que Addie deixou após acordar da Investigação e descobre que nele a amiga pede que restaure sua memória. Como forma de se redimir por seus erros passados, a garota começa a desenvolver sua habilidade, porém ela descobre que Connor, um garoto anti-social, é o único capaz de ajudá-la.

Opinião

Eu sou Team Sofredoras, pois quando Addie finalmente escolheu qual seria o melhor caminho a seguir para salvar as pessoas que ela ama, fiquei muito na bad. Estava com o coração na mão quando a garota abriu mão de tudo que ela sempre quis pelo mais puro amor, uma atitude linda por sinal. Desta vez vemos muito pouco do Complexo, e uma manifestação muito maior das habilidades dos nossos personagens. Addie se vê em uma nova vida, mas o desenvolvimento de sua habilidade, e o seu coração preso a uma pessoa que ela nem conhece, faz a garota se sentir insegura. O que mais me chama a atenção nesta história é a autora conseguir introduzir essas habilidades tão incríveis nos personagens. Não é algo sobrenatural, como vemos nas outras histórias, mas sim uma capacidade de desenvolver o cérebro de certas pessoas. 

Geralmente as continuações são chatas pelo fato de os autores terem que estender algo que às vezes deu certo somente uma vez. Contudo, só tenho elogios para Fração de Segundo, se ele não é melhor que o primeiro livro, ficou super empatado. Neste livro temos a oportunidade de conhecer muito melhor os personagens, a autora conseguiu trabalhar muito bem a personalidade deles e o amadurecimento. Outro plus super interessante é que somos presenteados com a divisão do livro entre Addie e Laila. A amiga da protagonista é espontânea, engraçada, e apesar de ter medo de demonstrar seus sentimentos, ela é intensa e leal na medida certa (Team Laila). Além de Trevor e Duke, temos como personagens secundários Connor, um rapaz misterioso, e Eli, o irmão de Laila.

Eu sabia que ele ainda não podia me amar. Só tinha começado a me conhecer agora. Então, era a melhor resposta que podia me dar. Uma nova onda de felicidade se formou dentro de mim. O tempo não ia voltar ao normal tão rápido. Passei os dedos pelo cabelo dele e o beijei de novo. Mesmo durante o beijo, continuamos devagar, com calma, o que apenas intensificava e aprimorava meus sentidos cada vez que ele respirava. 
Pág.: 255

Os capítulos da obra são divididos entre os pontos de vista de Addie e Laila, como já fora dito, o que deixa a narrativa menos cansativa e com mais expectativas. A capa como sempre surpreendente, feita em uma espécie de soft-touch, mas algo bem leve, sem dar aquela sensação de total emborrachamento.

Desde o primeiro livro a autora nos dá a oportunidade de refletir sobre nossas escolhas e o que nos faz decidir a tomar o caminho certo, e em Fração de Segundo não é diferente. Contudo, dessa vez ela nos mostra que somos sim capazes de consertar erros e que nem sempre trilharemos o caminho certo, mas que nunca é tarde para remediarmos decisões erradas.


Rock kisses e até a próxima!