Pela Noite Eterna - Veronica Rossi

Olá Vintagers, como vão?

Vocês não têm noção sobre como eu amo sagas/séries literárias! Para alegrar meu “coraçãozinho”, a Rocco lançou recentemente a continuação da Trilogia Never Sky, da Veronica Rossi, e eu não poderia perder a oportunidade de passar para vocês a minha experiência com Pela Noite Eterna. Vamos lá?




Ambientada 300 anos após uma catástrofe que devastou a Terra, num mundo dominado por um governo autoritário disposto a manter o poder a qualquer preço, a trilogia Never Sky acompanha a saga da jovem Aria, ex-moradora de Quimera, um núcleo de civilização protegido por um domo e sem qualquer contato com o mundo exterior, e Perry, considerado um Forasteiro. Se no primeiro volume da série, Sob o céu do nunca, os destinos dos jovens se cruzam numa improvável (e perigosa) aliança pela sobrevivência, agora, em Pela noite eterna, eles anseiam por um reencontro. Mas muitos obstáculos e algumas armadilhas se impõem no caminho dos dois. Fantasia, ação, ficção científica e uma história de amor inesquecível fazem da série de Veronica Rossi um mundo perigoso e cruel, mas ao mesmo tempo belo e digno da tradição de sagas como Jogos Vorazes e Divergente.




Resumo

Faz apenas alguns meses que Ária descobriu o paradeiro de sua mãe. Meses desde que Perry se tornou o líder dos Marés e que ela o viu pela última vez. Agora Ária e Perry estão prestes a se reencontrar. É um momento pelo qual os dois aguardam com grandes expectativas e que pode significar muito para todos. Mas este momento pode não ser tão mágico assim, pois a tribo de Perry não vai aceitar nada de uma ex-Ocupante como ela. Além disso, ele está perdendo o controle da tribo, e com as tempestades de Éter piorando a cada dia, a única esperança de paz e segurança que resta é encontrar Azul Sereno. Mas será que esse paraíso existe de verdade?

Ameaçados por tentações poderosas e pelos falsos amigos, ambos questionam se serão capazes de sobreviver à Noite Eterna.


Opinião

Neste segundo livro da Trilogia Never Sky nos deparamos novamente com um mix de ficção científica e romance que, assim como no primeiro livro, é muito legal e balanceado. Porém, desta vez a jornada dos personagens fica ainda mais difícil, pois o cenário apocalíptico se encontra ainda pior devido às tempestades de Éter terem alcançado níveis alarmantes. 

No colégio, Ária havia estudado a história da União, o período após a grande Chama Solar que tinha corroído a esfera magnética terrestre, espalhando o Éter ao redor do globo. Nos primeiros anos, a devastação tinha sido catastrófica. A polaridade da Terra tinha sido revertida, repetidas vezes. O mundo foi consumido por incêndios. Inundações. Rebeliões. Doenças. Os governos se apressaram em construir os Núcleos, conforme o Éter se intensifica, assolando constantemente. Outra, era como os cientistas chamavam a atmosfera alienígena, logo que esta surgiu, pois desafiava qualquer explicação científica, um campo eletromagnético de composição química desconhecida que parecia água e golpeava com uma potência jamais vista. O termo evoluiu para Éter, palavra que pegaram emprestada dos filósofos antigos que falavam de um elemento semelhante.
 Pág.: 85

É impossível não perceber como Ária se torna mais valente e destemida, a descoberta do paradeiro de sua mãe, a busca pelo Azul Sereno, por Talon e o fato de a garota descobrir que é metade Audi (certa mutação que os sobreviventes desenvolveram e que os ajuda a sobreviver no mundo fora dos núcleos, no caso de Ária, uma audição mais aguçada) a fez se preparar melhor para as adversidades do ambiente. Apesar dela ser a personagem principal da trama, este volume foca mais em Perry que, ao se tornar o Soberano de Sangue, precisou deixar seus interesses pessoais para viver em função de sua tribo, assim como controlar os conflitos e inseguranças de pessoas que dependem dele e vivem a cada dia em um ambiente hostil. 

Diante de todos esses contratempos, nos deparamos com duas pessoas completamente apaixonadas que infelizmente possuem missões distintas e precisam cumprir as promessas que fizeram.

 A evolução de Ária e Perry

Os personagens secundários são mantidos e dessa vez temos a aparição surpresa de uma personagem muito falada no primeiro livro, porém com um destino desconhecido. Uma atenção especial à linda amizade construída por Ária e Roar. O rapaz, que já era o melhor amigo de Perry, ganhou um destaque especial desenvolvendo um grande relacionamento com a garota onde vemos companheirismo, proteção e muito respeito. 

Edição

Enquanto flutuavam pelo rio Cobra, ela lhe contou sobre o acordo de Hess e Sable sobre seus temores quanto às condições de Quimera. Falou sobre os Reinos, seus prediletos e os nem tanto, e de todas as pessoas que achava que ele iria gostar. Ela lhe contou sobre sua experiência mais assustadora: era um empate, entre o momento que achou que Perry tinha sido capturado pelos Corvos, no outono, e quando não conseguia encontrar Roar, no rio Cobra. E o seu momento mais triste: quando encontrou a mãe em Quimera. Contou sobre Perry. Coisas íntimas que nunca tinha contado a ninguém. Nunca me poupe, Roar lhe dissera uma vez. E agora ela não estava poupando. Nem podia, mesmo que quisesse. Perry estava sempre em seus pensamentos.
Págs.: 262/263.

Assim como a maioria das trilogias, o segundo livro serve como uma ponte para nos mostrar o real desfecho da trama e assim acontece com Pela Noite Eterna. Apesar de não existirem muitas reviravoltas e nem um final surpreendente, Veronica conseguiu manter o alto nível da obra e deixou aquele gostinho de quero mais. Destaque, como sempre, para a alternância dos capítulos entre Perry e Ária, fazendo a leitura não se tornar cansativa. A capa traz Perry com o semblante fechado, o que nos remete às duras provações que o personagem tem pela frente ao assumir tamanha responsabilidade.

Digo de olhos fechados que adorei a obra, ela com certeza faz aumentar as expectativas para o último livro, pois nossos personagens têm uma grande jornada pela frente tentando sobreviver ao Éter e buscando pelo lugar onde todos poderão viver abaixo de um céu onde não existe o perigo. Estou muito animada e ansiosa para saber como essa aventura termina e acredito que assim como nos outros, Rossi não vai nos decepcionar. *__*


Rock kisses e até a próxima!