Caminho das Sombras - Brent Weeks

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

A maior decepção para um leitor é iniciar a leitura de uma obra e logo nas primeiras páginas perceber que ela não irá agradá-lo, a persistência sempre me leva a ler mais alguns capítulos, pois na maioria das vezes acabo me envolvendo pelo enredo e ficando curiosa para descobrir como termina. Entretanto, Caminho das Sombras não conseguiu me fisgar a esse ponto.


Para Durzo Blint, matar é uma arte... e ele é o artista mais talentoso da cidade. Temido por muitos, Durzo é uma lenda viva com as mãos manchadas de sangue e nenhuma culpa pelas vítimas que deixa pelo caminho.
Esse mundo sombrio também não é novidade para o jovem Azoth. Sobrevivendo entre becos sujos, ele aprendeu que a esperança é uma piada. Pelas regras das guildas, crianças são agredidas e surradas todos os dias.
Tentar contestar essa realidade seria um risco alto demais. Mas quando a morte se torna questão de tempo para ele e seus amigos, Azoth se vê forçado a vencer o medo e agarrar a chance de virar um derramador, um assassino. Ele precisa se tornar discípulo de Durzo Blint.
Para ser aceito, o garoto abandona sua antiga vida e abraça uma nova identidade. Ao se tornar Kylar Stern, ele aprenderá a transitar no mundo dos nobres, sobreviver às magias de seus inimigos e cultivar uma amizade muito especial: a da escuridão.


Azoth, Jarl e Menina-Boneca são três órfãos criados nas Tocas que integram a guilda comandada por Rato: um rapaz cruel que não mede esforços para aplicar castigos em quem o desafia ou deixa de pagar as taxas. O sonho de Azoth sempre foi sair das ruas e tornar-se aprendiz de Durzo Blint (o derramador mais famoso da cidade), porém o assassino não aceita alunos.

Após reagir a uma das provocações de Rato, Azoth passa a acreditar que será espancado até a morte, mas o que o líder da Dragão Negro faz é ainda pior. Ao não puni-lo, um sentimento de esperança é despertado entre as crianças e elas passam a ver Azoth como um possível novo líder. Mas por sua rebeldia, Jarl acaba sofrendo as consequências, e Menina-Boneca seria a próxima, e isso faz com que Azoth saia em busca de uma solução e acaba encontrando Blint em um beco. Depois de um breve diálogo com o derramador, o rapaz recebe uma missão que poderá mudar sua vida, caso a cumpra será aceito como aprendiz, caso fracasse trará muito sofrimento para si e seus amigos.

Durzo e Azoth

Felicidade? Eu só quero não sentir mais medo. Blint não sentia medo. As pessoas tinham medo dele. Sussurravam o nome dele com assombro.
Pág.: 66

Quando iniciei a leitura desse livro achei inevitável não compará-lo a Rangers – Ordem dos Arqueiros, a essência de ambos é muito parecida, mas a narrativa de Caminho das Sombras apresenta linguagem e conteúdo mais complexos, violentos e pesados. A escrita de Brent Weeks não me agradou, ele apresenta os fatos pelo ponto de vista de vários personagens, o que acabou me deixando confusa. Em alguns momentos foi preciso reler alguns capítulos para me situar melhor.

O protagonista possui onze anos, porém sua lealdade, persistência, coragem e esperteza chamaram minha atenção, em certos momentos o achava chatinho, mas logo em seguida ele me surpreendia com sua crescente maturidade. Durzo é misterioso e convencido, é descrito como um assassino hábil conhecedor de venenos e bom em lutas, vive atormentado por um erro do passado e isso interfere em sua personalidade atual.

Autor

- A vida é vazia. Quando tiramos uma vida, não estamos tirando nada de valor. Derramadores são matadores. É só isso que fazemos. É só isso que somos. Não há poesia no ofício da amargura – falou Durzo Blint.
Pág.: 68

Como já disse, essa história não me conquistou nem um pouco, após perceber que estava completamente perdida e sem entender quem era quem (muitos personagens possuem nomes parecidos) decidi que seria melhor abandoná-la e possivelmente dar uma nova chance em outro momento. Há um conflito interessante ocorrendo, porém não me senti tentada a querer desvendá-lo porque fiquei com aquela sensação de já ter lido/assistido algo parecido em outro lugar.

Minha decepção com a obra iniciou-se com a capa, não gostei da imagem e efeitos utilizados e com certeza este seria um dos últimos livros para o qual eu olharia em uma livraria. A diagramação é agradável aos olhos, as páginas são de tom amarelado, há um bom espaçamento entre as linhas e a fonte é de tamanho mediano. Como não terminei essa leitura, não posso opinar sobre o final, ou se a narrativa melhora. Recomendo que cada um leia para tirar as próprias conclusões, afinal, a obra pode ser maravilhosa para outra pessoa.