Não Chegue Tão Perto - Luana Lewis

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Muitos já devem ter percebido que a mente humana, bem como o ser humano, apresenta suas complexidades e excentricidades. Como não tenho ainda a total capacidade de entender o processo por trás disso, resta-me ler bons livros que trabalham com essa temática mal explorada em alguns romances. Apesar de ser sua entrada no mundo da "ficção", Luana Lewis não deixa a desejar com sua obra Não Chegue Tão Perto



Romance de estreia da Luana Lewis, psicóloga e autora de livros de não ficção, Não chegue tão perto é um suspense psicológico digno da melhor tradição do gênero. Na trama, intercalada em três tempos, Stella Davies é uma psicóloga assombrada pelo terrível desfecho de um caso em que trabalhou envolvendo a guarda de uma criança e que tem que lidar com uma jovem que surge em sua porta alegando ser sua enteada. Cabe ao leitor ligar os pontos e encontrar a verdade por trás das histórias de Stella, de seu marido, o prestigiado psicanalista Max, de Lawrence, o antigo paciente da psicóloga, e da jovem Blue, inteligentemente construídas por Luana Lewis a partir de suas experiências clínicas ao lidar com traumas de crianças e adolescentes.





A trama gira em torno de Stella Davies, uma psicóloga que vive assombrada pelo passado. Esse "medo" fica implícito logo no primeiro capítulo onde ela está decidindo se deixa ou não Blue, uma misteriosa jovem de 15 anos que diz ter morado naquele local, entrar em sua casa. Devido ao mal tempo da região, ela acabou se rendendo e deixando-a entrar, até para saber o motivo da visita. Em um dos diálogos, a menina diz ser filha do marido de Stella, Max. A partir desse momento a autora começa a apresentar seus três planos temporais que se seguiram da seguinte forma: (1) durante o processo judicial envolvendo a guarda da filha do Sr. Simpson; (2) algumas consultas psicológicas envolvendo uma garota conturbada emocionalmente; (3) Stella, Blue e suas complexidades. 

Difícil lidar com pessoas que vivem somente na defensiva.

Stella repassou mentalmente as informações registradas nos documentos. Algumas alegações da ex-mulher eram apavorantes. Uma imagem em particular sempre voltava à sua mente. Sua ex-mulher descreveu como Simpson havia socado sua barriga quando ela estava com sete meses de gravidez. Mas, novamente, eram alegações de uma dependente química pouco confiável que lutava com unhas e dentes para ter a custódia da única filha.
Stella tinha de convencer Simpson de que era do interesse dele deixar que ela entrasse. Ela acreditou nele quando disse que amava a filha e queria o melhor para ela. Mas só o amor dele não significava que fosse capaz de lhe dar um lar onde ela ficasse física e emocionalmente segura.
Pág.: 62

Luana Lewis já apresenta dois livros de não-ficção publicados no exterior, sendo eles: An Adult's Guide to Childhood Trauma e Dealing with Rape, ambos voltados para sua área de formação, Psicologia. Apesar da história se tornar cansativa em alguns momentos, não posso negar que a autora exerceu um bom desempenho ao desenvolver a sua narrativa, uma vez que ela fez uso de elementos que instigam e levam o leitor a arte da dedução, principalmente nas partes envolvendo as referidas consultas psicológicas, já que os personagens nestes trechos são chamados simplesmente de "ele" e "ela", ou seja, de alguma forma você quer fazer conectivos com as outras histórias e deduzir quem eles possivelmente são. 

Pelo fato da trama ser narrada em terceira pessoa, há um grande nível em detalhamentos, o que tornou a leitura um pouco mais agradável, pois é a partir deles que as emoções, sentimentos, reações, pensamentos dos personagens, além dos ambientes, são transmitidos aos leitores. Para mais, a autora foi bem organizada ao estruturar e apresentar sem deixar confuso seus três planos temporais, pois, como dito, são três histórias narradas em diferentes épocas, mas todas ligadas a Stella e seu conturbado passado "profissional".

Apesar de algumas personalidades que dão vida e sentido à obra não terem tido o merecido reconhecimento, confesso que tive um pequeno receio de Blue, uma vez que seu caráter, inicialmente, é duvidoso e exala perigo. Por outro lado, as consultas conduzidas por Stella ao Sr. Simpson, a pedido da justiça, só mostrou o quanto o ser humano pode ser egoísta, defensivo e fechado mesmo quando a situação pede uma certa abertura da sua vida pessoal, afinal, ele estava correndo risco de perder a possível guarda da filha por não cooperar com o processo.

Luana Lewis

O que você estava pensando quando a deixou entrar?
Pág.: 247

Stella, como já era de se esperar, foi a mais bem desenvolvida, ficando impossível não gostar dela, mesmo sabendo dos seus problemas pessoais e emocionais. Dito isso, digo que ela carrega vários aspectos que populam uma parcela das mentes humanas, como sonhos, o trabalho, uma vida idealizada, medos e determinação. Enfim, Não Chegue Tão Perto não está perto de ser o melhor livro do gênero, mas também não faz feio, já que seu principal ponto, que foi desenvolver um thriller psicológico, foi muito bem explorado. Como a Glória Pires diria: "Que desempenho! Fabuloso!". 

A diagramação está simples, com um ótimo espaçamento entre linhas e um tamanho de fonte agradável. Já na edição contamos com páginas amareladas e uma capa que consegue captar toda a essência da obra. Quanto a revisão, não encontrei erros aparentes. A tradução foi feita por Maira Paula.