Herdeira do Fogo - Sarah J. Maas

Hey pessoal, tudo bem?

Quando terminei Coroa da Meia-Noite, segundo livro da série, fiquei louco para conferir a continuação e descobrir o que aconteceria com Celaena agora que foi enviada para Wendlyn, bem como qual seria o destino de Chaol e Dorian agora que sabem que a assassina é ninguém menos que Aelin Galanthynus, herdeira do trono de Terrasen. Entre treinamentos árduos, traições, mortes e algumas cenas desnecessárias, Herdeira do Fogo foi um livro que cumpriu tudo o que prometeu.





Celaena ressurge das cinzas ainda mais forte e letal. E parte em uma jornada em busca de uma obscura verdade: uma informação sobre sua herança e seus antepassados que pode mudar sua vida e o futuro de dois reinos para sempre. Enquanto isso, forças sinistras começam a despontar no horizonte e têm planos malignos para dominar o seu mundo. Agora, depende de Celaena encontrar coragem para enfrentar tais perigos, além de seus próprios demônios, e fazer a escolha mais difícil da sua vida.







A obra é dividida em dois momentos, Herdeiras das Cinzas e Herdeira do Fogo. Na primeira parte temos nossa assassina perambulando pelo novo país, até o momento em que encontra Maven, Rainha Feérica - e Rowan, um guerreiro que irá ficar responsável pelo seu treinamento até que ela seja considerada digna de obter as respostas sobre as Chaves de Wyrd. Tal treinamento envolve muito sofrimento, lutas e uso de magia, pois, por uma razão ainda desconhecida no começo do livro, a magia ainda não havia sido extinta em Wendlyn. 

A segunda parte da história é onde a ação acontece, nossa protagonista está mais confiante e aos poucos vai dominando seus poderes e sua forma feérica, o que devo confessar ter sido algo sensacional de ler. Por outro lado, Chaol e Dorian enfrentam problemas maiores em Adarlan, pois a influência do Rei cresce a cada dia, e seus planos de dominação estão causando mais mortes que o normal, ainda mais depois da chegada do misterioso Aedion Ashryver, um dos generais mais temidos do Reino.

 Príncipe Rowan

A cada transformação, o poço ficava mais profundo, aquele fogo selvagem subia e caía, chegando cada vez mais ao topo... 
Celaena gritou de verdade então, porque a garganta queimava, ou talvez, fosse a magia saindo, por fim liberada. 
Magia...
Pág.: 106

Apesar de ter adorado o livro e ter finalizado a leitura em menos de 72 horas, muitas das partes contidas na obra são absolutamente desnecessárias, principalmente as partes que retratam o "treinamento" das bruxas dos clãs. A prova disso foi que fiz uma experiência de pular dois capítulos que narravam esse núcleo e não houve nenhuma alteração para com a história, ou seja, são partes que poderiam ter sido tiradas e não fariam falta alguma. Contudo, apesar desse pequeno problema, a narrativa de Sarah Maas está mais impecável que nunca. Passava horas do dia tentando adivinhar o que iria acontecer em seguida e quando chegava em casa do trabalho a única coisa que queria fazer era sentar e terminar o livro. 

Os personagens também tiveram seu devido papal. A adição de Rowan e Aedion, cada um em seu núcleo, fez com que a história ficasse mais dinâmica e o foco não ficasse somente em Celaena, Dorian e Chaol. Cada um deles foi responsável por algo dentro da história que, quando analisado como um todo, seria decisivo para o desfecho final do livro. Também gostei de Maven e Sorscha, mas as cenas com elas eram breves, por isso não consegui me conectar muito com as personagens.

 Aelin Galanthynus

Aelin não deu a eles um momento para reunir a escuridão de volta. Puxando poder do poço infinito dentro de Rowan, ela conjurou fogo e luz, brasas e calor, o brilho de mil alvoradas e poentes. Se os valg desejavam a luz do sol de Erilea, então a daria a eles. 
Pág.: 438

O final foi sensacional e perturbador. Celaena confronta Maven e mostra para ela quem realmente é, bem como a extensão do seu poder. Já em Ardalan, Dorian, Chaol, Sorscha e Aedion enfrentam uma provação própria quando o Rei descobre segredos ocultos envolvendo todos,  o que coloca a segurança do reino em jogo. Depois de tantas reviravoltas, o momento do confronto final se aproxima e estou louco para conferir o próximo volume da série.

A edição segue o mesmo padrão dos demais livros. Temos Celaena na capa empunhando uma arma, o título em tinta metálica dourada e o fundo em tons de branco misturado com verde. No interior encontramos uma diagramação simples, um mapa, uma fonte mediana e um espaçamento entre linhas satisfatório. Não encontrei erros de revisão. Leitura mais que recomendada.