As Aventuras do Caça-Feitiço: O Destino - Joseph Delaney

 Hey pessoal, tudo bem?

Acompanho As Aventuras do Caça Feitiço desde 2011 e não me recordo de ter passado tanta raiva com um livro da série como passei com esse. O Destino é uma obra chave para a trama, pois traz uma grande reviravolta na história e em seus personagens, contudo, também é um livro que serve de prova definitiva de que Tom Ward, o personagem principal, é um ser humano idiota! Mesmo com três anos de treinamento, depois de ter enfrentados clãs de feiticeiras, ogros, fantasmas e o próprio Diabo, ele ainda tem atitudes infantis e simplesmente ignora os conselhos do Sr. Gregory, coisa que ele faz em todos os livros e acaba mal em todas as vezes. 



O Caça-feitiço, Tom e Alice continuam fugindo da guerra no Condado e, desta vez, foram para na Irlanda. Lá, Tom precisará enfrentar um grupo de magos ansiosos por banir o Caça-feitiço e seu aprendiz de suas terras e aumentar seus poderes malévolos. Essa perigosa missão levará Tom até a Espada do Destino, uma lâmina com um lado obscuro e ávida por sangue... Será que essa nova arma dará a ele alguma chance na luta contra o Maligno? Uma coisa é certa: para sobreviver, Tom precisará de treinamento, e somente Grimalkin, a feiticeira assassina, poderá ajudá-lo. Será a batalha das trevas contra as trevas... A série As aventuras do Caça-feitiço já vendeu mais de 100 mil exemplares no Brasil. O primeiro volume da série, O Aprendiz, chegou aos cinemas em fevereiro de 2015 em uma superprodução com grande elenco: Jeff Bridges, Julianne Moore, Ben Barnes e Djimon Hounsou.




A guerra no Condado continua e o Caça-Feitiço, Tom e Alice devem partir para a Irlanda, já que foram praticamente expulsos da Ilha de Mona. Contudo, os problemas começam a surgir logo na viagem quando uma grande tempestade atinge o barco e Tom avista no céu dois grandes olhos malignos, um azul e o outro verde. Como se não bastasse, ao chegar na ilha eles são apresentados a uma novo ser das trevas, o boquirroto, uma criatura que não está registrada nas páginas do Bestiário. Entre o Maligno querendo sua alma, uma seita de magos que querem invocar o deus Pã, uma nova criatura e um inimigo do passado, Tom e Alice precisam mais do que nunca da ajuda de Grimalkin, a feiticeira Assassina. Às vezes, somente as trevas podem combater as trevas.

 Irlanda

Uma coroa, uma coroa de rosas, um punho com espinhos,
Uma coroa, uma coroa de rosas, uma cabeça com chifrinhos. 
Vou dar uma risada e então a testa franzir,
E todos vão cair!
Pág. 278

Esse livro dividiu bastante minha opinião, como vocês puderam perceber logo no começo do texto. Por um lado, temos uma trama muito bem elaborada, novas criaturas das trevas, inimigos poderosos e um desenvolvimento de enredo excelente. Por outro, Tom continua a ter atitudes estúpidas e desprovidas de qualquer raciocínio. Para vocês terem ideia do que estou falando, em uma cena ele está perdido, cansado e com fome no meio de uma terra desconhecida, até que encontra um homem com aparência fantasmagórica que diz que ele deve pedir abrigo em uma cabana próxima. Ele vai, vê que a cabana está caindo aos pedaços, bate na porta e pede abrigo, momento este em que uma mulher, também de aparência fantasmagórica, abre a porta e fala que ele pode entrar, mas que deveria deixar seu bastão de caça-feitiço do lado de fora da casa E ELE DEIXA!!! Ele está em um local novo, cheio de perigos, o próprio Diabo quer a alma dele, várias feiticeiras juraram sua morte, e ele entra na cabana de uma desconhecida no meio do nada e deixa sua única defesa do lado de fora! Minha vontade era de entrar no livro, pegar o bastão e bater na cabeça dele até ele deixar de ser tão idiota!

Apesar dos pontos negativos, a obra traz uma narrativa muito bem trabalhada, pois temos o desenvolvimento de outros personagens, como foi o caso do Sr. Gregory em relação com as trevas. Em um determinado momento ele mesmo admite que é de uma geração diferente da de Tom, e que talvez quando seu aprendiz for o Caça-Feitiço, ele possa usar as trevas a seu favor, como já vem sendo feito com a ajuda de Alice e Grimalkin. O ponto ápice da trama é o treinamento para derrotar o Maligno. A Feiticeira Assassina se tornou uma de minhas personagens favoritas, mesmo que ela seja uma sem escrúpulos e tenha ódio  do caça-feitiço, assim como ele, ela está disposta a engolir o orgulho e a trabalhar ao lado de Tom para alcançar um objetivo em comum.

 Arte conceitual de Grimalkin. Créditos na imagem. 

- Entre - disse com voz gentil. Lembro-me de pensar que contrastava com a rouquidão coaxante de Thin Shaun. - Mas deixe seu bastão do lado de fora. Não haverá necessidade de trabalho de caça-feitiço aqui.
Sem desconfiar de nada, obedeci sem fazer perguntas, apoiei meu bastão contra a parede ao lado da janela e entrei na cabana. 
Pág. 119

O final foi sensacional. Todos sabíamos qual seria o verdadeiro destino de um determinado personagem e estávamos esperando isso desde o terceiro livro, e finalmente aconteceu. Quem leu sabe de quem estou falando e o que essa mudança representa para a trama em si. A cada página estamos mais perto da batalha final contra as trevas que é descrita no começo de cada livro da série, o momento da criação da Wardstone, a pedra do Guardião. Apesar dos pontos negativos que citei sobre o protagonista, não vejo a hora de concluir essa série *__*.

A edição segue os mesmos padrões dos livros anteriores. Temos uma capa verde com a ilustração de uma das cenas do livro, um efeito que faz com que ela pareça ser feita de couro e lindas ilustrações ao longo da história. As páginas são amareladas e não encontrei nenhum erro de revisão. Leitura mais que recomendada.