O Círculo Rubi - Richelle Mead

 Hey pessoal, tudo bem?

Jamais pensei que algum dia iria escrever uma resenha negativa de um livro da tia Richelle Mead, ou que iria me decepcionar tanto com o último livro de uma série que tenho como uma das minhas favoritas. O Círculo Rubi foi a personificação do ditado "se está fazendo $uce$$o, pra quê parar?", pois não só possui capítulos desnecessários, como também conseguiu arruinar definitivamente um de meus personagens favoritos (Sydney) e uma história que acompanhei por três anos. 

Esta resenha pode conter spoilers dos volumes anteriores.



Depois que Sydney Sage escapou das garras dos alquimistas, que a torturaram por viver um romance proibido com Adrian Ivashkov, o casal passou a viver exilado na Corte Moroi. Hostilizada por todos ao seu redor por ser uma humana casada com um vampiro, a garota quase não sai de casa e perde a noção do tempo, trocando o dia pela noite.
Mas logo Sydney se vê obrigada a abandonar seu refúgio, já que seu coração continua apertado desde que Jill Dragomir desapareceu. O sumiço da jovem princesa vampira coloca em risco toda a estabilidade política dos Moroi… Então quem estará por trás desse sequestro? Sydney precisa dar um jeito de trazer a amiga de volta — e ao mesmo tempo alcançar sua própria liberdade.





A história continua alguns dias após o desaparecimento de Jill Dragomir, e foi aí que já começaram os problemas na narrativa e uma clara enrolação por parte da autora. A princesa Dragomir representa um papel muito grande na política Moroi e Alquimista, e ainda assim temos páginas e mais páginas onde a autora descreve como está sendo a vida de recém casados de Adrian e Sydney, todos os problemas que estão enfrentando, o preconceito, o uso do poder do espírito, etc, no lugar de colocar todo mundo para procurá-la.

Quando a autora finalmente decide que é hora dos protagonistas tomarem uma atitude e irem atrás de Jill, ela começa a incluir na trama uma "caça ao tesouro" criada por uma personagem que nem lembrava que estava viva cujo prêmio é a suposta localização da princesa. Não feliz com isso tudo, Mead ainda decide ir incluindo cenas totalmente desnecessárias dentro das cenas que já eram dispensáveis, como o aparecimento do pai de Dimitri (que permaneceu na história por 3 páginas apenas), ou cenas de fuga contendo pseudo momentos de ação, para ao final tudo ser resolvido em três ou quatro capítulos. Conseguem sentir o tamanho da minha frustração?

 Como eu imagino a Sra. Terwilliger

- Como assim "sumiu"?
- Ela atacou Rand por trás e o deixou inconsciente. Depois fugiu antes que Lana chegasse lá para fazer o parto.
Mesmo aturdido, Adrian conseguiu focar nessa reviravolta improvável.
- Olive... derrubou alguém... em trabalho de parto? Como?
- Não faço ideia - Rose disse, com tristeza. - Mas ela sumiu... Acho que fugiu para a floresta.
Pág.: 168

E você acha que a enrolação foi o ápice da narrativa? Então leia o quote acima. Nele, uma mulher em trabalho de parto, que estava fraca e sangrado, conseguiu derrubar dois dampiros (que possuem força e agilidade bem maior que a do ser humano) e correu para a floresta para ter seu filho. Qual a justificativa que a autora deu? "Não faço ideia". E não foi só isso, temos cenas onde prédios inteiros entram em chamas e milagrosamente o caminho da protagonista está livre, um feitiço de última hora que consegue salvá-la, e por aí vai. Todas cenas que, a meu ver, demonstraram que a autora não queria nem se dar ao trabalho de achar uma forma de explicar, ela apenas queria que o livro tivesse muitas páginas.

 Como eu imagino os Alquimistas

O final também foi uma decepção, mas ao mesmo tempo conseguiu ser satisfatório. A autora conseguiu responder todas as perguntas importantes e narrar uma cena final envolvendo o resgate de Jill com maestria. Contudo, nem todas as questões foram respondidas e pelo que conheço da autora isso foi proposital para que houvesse alguma espécie de spinn-off, o que não me agrada pois Bloodlines já é uma ramificação de Vampire Academy

A edição segue os mesmos padrões dos livros anteriores, contendo uma capa em um tom metalizado de rosa, uma imagem de fundo que representa as arestas de um rubi, páginas amareladas e uma fonte mediana. Não encontrei erros de digitação, revisão ou tradução aparentes. Recomendo que cada um leia e tire as próprias conclusões sobre o último livro da série, pois, da mesma forma que eu não gostei, muitos amigos meus que acompanham a série adoraram o desfecho, então cabe a você ler e decidir. ;)