O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Alguns dos primeiros livros que li foram romances de época, e graças a uma das minhas amigas meu interesse por tal gênero só aumentou no decorrer dos anos, pois fui apresentada a diversos livros, séries e filmes. Hoje vou falar a respeito de O Príncipe dos Canalhas, um romance que se passa no século XVIII, mas que é retratado por meio de uma linguagem bem atual.


Sebastian Ballister é o grande e perigoso marquês de Dain, conhecido como lorde Belzebu: um homem com quem nenhuma dama respeitável deseja qualquer tipo de compromisso. Rejeitado pelo pai e humilhado pelos colegas de escola, ele nunca fez sucesso com as mulheres. E, a bem da verdade, está determinado a continuar desfrutando de sua vida depravada e pecadora, livre dos olhares traiçoeiros da conservadora sociedade parisiense. Até que um dia ele conhece Jessica Trent...
Acostumado à repulsa das pessoas, Dain fica confuso ao deparar com aquela mulher tão independente e segura de si. Recém-chegada a Paris, sua única intenção é resgatar o irmão Bertie da má influência do arrogante lorde Belzebu.
Liberal para sua época, Jessica não se deixa abater por escândalos e pelos tabus impostos pela sociedade – muito menos pela ameaça do diabo em pessoa. O que nenhum dos dois poderia imaginar é que esse encontro seria capaz de despertar em Dain sentimentos há muito esquecidos. Tampouco que a inteligência e a virilidade dele pudessem desviar Jessica de seu caminho.
Agora, com ambas as reputações na boca dos fofoqueiros e nas mãos dos apostadores, os dois começam um jogo de gato e rato recheado de intrigas, equívocos, armadilhas, paixões e desejos ardentes.


Desde o seu nascimento, Sebastian Ballister foi convencido de que era o ser mais feio que já habitara a face da Terra. Considerado por muitos a própria cria de Belzebu, maltratado pelo pai e abandonado pela mãe, ele teve que aprender a superar críticas desde pequeno. Com uma inteligência invejável conseguiu triplicar a riqueza da família e tornar-se um homem absurdamente rico e disposto a desfrutar do melhor que o dinheiro pode oferecer: jogos, bebidas e prostitutas, pagando apenas o preço que ele considerava justo. Considerado um dos maiores libertinos de Paris, convenceu-se de que o melhor a fazer seria jamais se envolver emocionalmente com uma dama, já que elas são um gasto desnecessário.

Jessica Trent é uma inglesa solteirona que vai a Paris para "salvar" o irmão que só se afundava em dívidas na companhia do Lorde Belzebu (apelido de Sebastian). Acostumada a receber vários pedidos de casamento, ela jamais se sentira atraída por um homem, até conhecer Sebastian. Decidida de que seria melhor fisgá-lo do que ser fisgada, ela passa a tentar conquistá-lo, enquanto ele, para preservar sua reputação de mulherengo, evita cair nos encantos dessa dama.

A mais bela das damas se apaixona pelo mais horrendo dos homens. 

Você me fez desejá-la, disse ele na língua de sua mãe. Você fez com que eu me sentisse solitário, apaixonado. Você me fez desejar o que eu jurei que nunca precisaria, que nunca procuraria.
Pág.: 92

Apesar da história ser bastante interessante, temos um começo um pouco morno, pois estava focado no relacionamento de duas pessoas que se amam e ao mesmo tempo se odeiam. Mas quando o enredo ganha mais personagens, a dramaticidade fica mais interessante e a relação dos protagonistas se torna tão polemica que chega a ser digna de apostas, já que ambos são muito imprevisíveis. A linguagem é de fácil compreensão e a escrita de Loretta Chase é leve e cômica, sendo capaz de prender o leitor por horas e ainda assim deixá-lo ávido por um pouco mais.

Chega a ser engraçado o relacionamento dos protagonistas, pois vivem uma relação de gato e rato. A batalha que eles traçam é divertida pelo fato de ser equilibrada, os dois oponentes são inteligentes e calculistas, sempre traçando o próximo passo para ver quem será o primeiro a se render. Ao nos recordarmos da história da A Bela e a Fera, podemos ter uma breve ideia de como são estes personagens: de um lado a bela e formosa dama, capaz de enxergar beleza onde ninguém mais vê, e do outro o ser mais horrendo e mal humorado que existe.

Autora

E meu, jurou ela, ao deslizar as mãos sobre aquele peito largo e rijo. Jessica o teria e guardaria para si, mesmo que isso a matasse. Dain podia ser um monstro, mas era seu monstro. Não compartilharia aqueles beijos tempestuosos, nem aquele corpo grande e esplendido com mais ninguém.
Pág.: 123

Loretta é uma premiada autora de romances históricos, sendo O Príncipe dos Canalhas o primeiro livro escrito por ela que tive a oportunidade de ler, e confesso que já estou ansiosa para ler vários outros. Ao criar um mocinho com alma de vilão, ela faz com que torçamos por ele e ao mesmo tempo passemos a odiá-lo. Diria que vale a pena ler este livro apenas para conhecer as ambiguidades de Sebastian, porém, ao me lembrar de Jessica, uma mulher com a mente muito a frente de seu tempo vivendo em uma sociedade machista e puritana, encontro um motivo a mais para indicá-lo. Os toques de erotismo que a autora dá para a obra é outro ponto que deve ser ressaltado, pois são cenas suaves e sensuais.

Estou fascinada por essa capa, ela entrou para minha lista de favoritas. A diagramação está simples, mas bem feita, as páginas são amareladas, a fonte é de tamanho mediano e o espaçamento entre as linhas é agradável aos olhos. Não encontrei erros de revisão. Leitura recomendada!