Escuridão Total Sem Estrelas - Stephen King

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Há muito tempo não lia contos tão bem desenvolvidos quanto os presentes em Escuridão Total Sem Estrelas. Stephen King conseguiu reunir todas as suas qualidades narrativas, o que proporcionou uma experiência, como leitor, além do imaginado. Por se tratar de contos, basicamente histórias com desenvolvimento rápido, King apresenta quatro contos capazes de mexer com o seu psicológico e causar momentos de aflição, medo, raiva e ódio. 


Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Em Escuridão total sem estrelas os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas.
Em 1922, o agricultor Wilfred e o filho, Hank, precisam decidir do que é mais fácil abrir mão: das terras da família ou da esposa e mãe. No conto Gigante do volante, após ser estuprada por um estranho e deixada à beira da morte, Tess, uma autora de livros de mistério, elabora uma vingança que vai deixá-la cara a cara com um lado desconhecido de si mesma. Já em Extensão justa, Dave Streeter tem um câncer terminal e faz um pacto com um estranho vendedor. Mas será que para salvar a própria vida vale a pena destruir a de outra pessoa? E, em Um bom casamento, uma caixa na garagem pode dizer mais a Darcy Anderson sobre seu marido do que os vinte anos que eles passaram juntos.
Os personagens dos quatro contos de Stephen King passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada — bom senso, piedade, justiça ou estrelas — para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.

Em 1922 passamos a conhecer Wilfred, um típico fazendeiro e pai de família, que se vê em uma difícil decisão: os 100 acres de terras em Hemingford Home ou a sua esposa, Arlette, que havia herdado aqueles terrenos do pai. O plano inicial dela era vendê-los para uma grande empresa e com o dinheiro da venda, mudar com seu marido e filho, Henry, para a cidade. Contudo, Wilf desejava aquelas propriedades e não queria se mudar para o ambiente urbano. Em Gigante no Volante, somos apresentados a Tess, uma escritora que após uma inesperada palestra, aceita a indicação de um atalho para voltar para casa e economizar tempo. Ao passar com seu carro em madeiras cheias de pregos, ela é ajudada por um homem gigante que mais tarde iria estuprá-la e jogar seu corpo em um cano pensando que ela está morta. Entretanto, ela estava viva e irá atrás de vingança.

Em Extensão Justa temos a história de Dave Streeter, um bancário que está com câncer em estágio terminal. Ao conhecer um estranho comerciante lhe oferecendo uma extensão de seus dias, sua vida muda completamente, pois tudo tem um preço, e muitas vezes o valor exigido pode ser a vida de alguém. Após mais de vinte e sete anos de casamento e dois filhos já criados e bem educados, Darcy acreditava que tinha Um Bom Casamento e que sabia tudo sobre seu marido. Entretanto, tudo muda ao descobrir um esqueleto dentro de um armário. Isso irá lhe deixar em uma difícil escolha que poderá refletir não só na sua vida, mas também na dos demais ao seu lado.

As laterais do livro são feitas na cor preta.

Acredito que exista outro homem dentro de cada homem, um estranho, um Homem Conivente. E acredito que, em março de 1922, quando os céus do condado de Hemingford estavam brancos, e cada campo estava coberto de neve lamacenta, o Homem Conivente dentro do fazendeiro Wilfred James já tinha julgado minha esposa e decidido seu destino. Era uma justiça de sentença de morte. A Bíblia diz que um filho ingrato é como o dente de uma serpente, mas uma esposa irritante e ingrata é ainda pior.
Pág.: 12

Como já sabem, o livro é composto por quatro contos inéditos escritos pelo mestre do horror, Stephen King. Escuridão Total Sem Estrelas não é uma simples obra para somente ser lida, mas também para ser refletida, justamente pelo fato de transmitir ao leitor uma realidade sombria e cruel da natureza do ser humano e sua capacidade de realizar atos horríveis e de extrema crueldade e violência, física e/ou psicológica. Tirando Extensão Justa, onde a trama toma rumos mais sobrenaturais, o mais perturbador não são as histórias em si, mas as possibilidades delas existirem na vida real, de haver pessoas com características semelhantes a dos personagens presentes nos contos, isto é, que fazem de tudo e mais um pouco para sustentar sua ganância, suas ilusões, seus ódios e sua vingança. Ao contrários de muitos pensamentos, o foco dos contos não está em mostrar a violência, mas demonstrar os impactos psicológico causados aos personagens. 

O desenvolvimento das histórias é outro ponto que surpreende, visto que o autor consegue sustentar seu mistério e qualidade até o último ponto final. A curiosidade, aflição e outras sensações são puramente consequências dos fatos apresentados durante os avanços feitos na trama. A narrativa também tem seu lugar, especialmente a de 1922, onde o conto é apresentado como se fosse uma carta de confissão feita pelo próprio Wilfred. Desta forma, o leitor consegue captar todos os pensamentos psicopatas e doentios do personagem e sua forma de persuadir seu filho, Henry. Apesar disso, a história que ganhou mais meu apreço foi Extensão Justa, mesmo ele tendo menos de quarenta páginas, pois foi criativa e complexa, e mesmo sendo consideravelmente pequena, tem uma excelente finalização. 

"Monstros são reais e fantasmas são reais também. Vivem dentro de nós e, às vezes, vencem" - Stephen King

Deitada sob a luz do abajur apoiado na mesa de cabeceira, cochilando sem perceber, Darcy pensou que se tivesse conseguido contar à mãe o que procurava, se houvesse explicado sobre a Garota Sombria que não era bem ela, talvez tivesse feito algumas visitas a um psiquiatra infantil. Mas não era a garota que a interessava, nunca havia sido a garota. O que a interessava era a ideia de que havia um mundo inteiro atrás dos espelhos e, se conseguisse passar para aquela outra casa (a Casa Sombria) e sair pela porta, o restante daquele mundo estaria à espera dela.
Pág.: 336

As histórias são macabras, sinistras, perturbadoras e reflexivas. Todas essas características fizeram deste livro um dos melhores livros de contos que já li até o momento. A escolha do título não poderia ter sido outro, além de brincar com a metáfora, Stephen King consegue mostrar o lado sombrio do ser humano, uma realidade obscura e que demonstra que a maldade pode surgir da onde menos esperamos. Poderia deixar a minha recomendação a todos, mas por ser uma obra impactante, deixo para aqueles que gostam de um bom suspense capaz de mexer com seu psicológico.

A diagramação está simples, com um tamanho de fonte agradável e um ótimo espaçamento entre linhas. Na edição, temos páginas amareladas, laterais pretas, uma capa que traduz toda a essência dos contos e no final do livro encontramos um posfácio onde o autor mostra seu processo criativo e os acontecimentos que o levou a escrevê-los. Quanto a revisão, não encontrei erros.

#EscuridãoTotalSemEstrelas