Dias Infinitos - Rebecca Maziel

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Assim como várias outras criaturas sobrenaturais, os vampiros passaram por uma evolução no decorrer dos anos. De vilões sanguinários e inescrupulosos que queimam à luz do sol, foram promovidos a mocinhos, capazes de se apaixonar e de resistir à luz solar sem virar poeira. No livro Dias Infinitos, uma nova perspectiva desses seres é apresentada, já que ao mesmo tempo em que são os tenebrosos vilões, eles também são retratados como os heróis por quem torcemos.


Cansada de passar seus infinitos dias perseguindo e matando vítimas inocentes, Lenah Beaudonte, uma poderosa vampira da era vitoriana, decide abandonar seu coven de comparsas decadentes e transformar-se em humana. Mas o ritual capaz de transformá-la é extremamente perigoso. É necessário que um vampiro se sacrifique por ela, e não só isso; Lenah precisará passar 100 anos hibernando.
Felizmente, Rhode, o grande amor da vida dela, resolve se sacrificar para realizar esse sonho. E a transformação é bem-sucedida. Após 592 anos, Lenah acorda em um corpo humano, na prestigiosa escola particular Wickham, em Massachusetts. Ela está completamente sozinha em outro século e precisa aprender a viver no mundo moderno, como uma adolescente comum. E justamente quando Lenah parece ter se adaptado à nova vida, feito novos amigos e até arrumado um namorado, o passado volta para assombrá-la. Seus ex-companheiros vampiros embarcam em uma caçada mortal para encontrá-la e capturá-la. Agora não só Lenah, mas todos que ama correm perigo. Será que ela conseguirá escapar e salvar os amigos sem revelar seu maior segredo?


Lenah Beaudonte é uma das vampiras mais antigas e poderosas de sua espécie, cruel ao extremo, sempre sentiu prazer em torturar e matar pessoas. Quando sua maldade chega a patamares inaceitáveis, seu companheiro e criador, Rhode, decide abandoná-la por algumas décadas na esperança de que ela volte a ser um pouco mais racional. Durante a ausência de seu amante, ela decide criar um coven integrado apenas pelos vampiros mais poderosos do mundo, unidos a ela por magia.

Apesar de ser tratada como uma rainha por seus seguidores, Lenah passa a sentir os anos de carnificina e sofrimentos pesarem sob seu corpo, tornando-se indiferente a tudo, e passando a pensar apenas em como gostaria de voltar a sentir as coisas da mesma forma que os humanos. Após passar 170 anos longe, Rhode retorna com o que poderia ser a solução para os problemas de sua amada, um ritual capaz de revertê-la à sua forma humana, mas que custaria a vida dele, cem anos de hibernação e muita cautela da parte de ambos, já que o coven jamais aceitaria perder sua rainha.

O problema... é que estou apaixonado por voce. – Rhode Lewin

O amor que sentia por Rhode fluiu pelos ombros até os pés, e eu desejei que pudesse ficar arrepiada. A emoção do amor para um vampiro funcionava dessa maneira, como uma reação, uma satisfação – alívio. Matar minhas vítimas pelo sangue não estava funcionando mais. O amor que Rhode e eu tínhamos era tudo o que me restava.
Pág.: 98

A história é uma mistura de dois tempos, o atual em que a protagonista vive e tenta se adaptar, e a época em que ela era vampira, sendo ele apresentado na forma de flashbackss. Após se tornar humana, Lenah torna-se uma típica personagem de livros teen que retratam uma garota esquisita que se apaixona pelo cara mais popular do colégio. O único grande problema que encontrei no desenvolvimento desse romance foi que Lenah se mostra apaixonada por Rhode e Justin, apesar de saber que por um ela está ligada pelo amor vampiresco que é bastante forte, e pelo outro por um amor humano, o que torna difícil saber porquem ela está realmente apaixonada ao longo da narrativa.

Confesso que não consegui formar uma opinião muito concreta a respeito de alguns personagens, no início da história eles são apresentados de uma forma, mas à medida que a narrativa evolui percebemos que a visão inicial que tivemos deles estava errada. Acredito que alguns dos personagens secundários poderiam receber mais enfoque e serem mais bem trabalhados, já que o pouco que nos é mostrado demonstra que poderiam ser cruciais para o melhor entendimento de certos fatos. Apesar de não receber muito enfoque, Rhode é o personagem do qual mais gostei, ele é inteligente, sensato e seu jeito de pensar e agir é cativante.

Autora

Coloquei a mão em cima da mão de Tony e a deixei ali parada um instante. O que eu podia dizer ? Eu espalhava a morte. Ficava feliz em matar. Tinha sido tão boa em estar morta.
Pág.: 143

O final do livro é bastante conclusivo, e me levou a pensar que se tratava de um volume único, contudo, descobri que existem outros dois volumes dessa série já publicados em outros países, então estou muito ansiosa para lê-los. Boa parte dos livros de vampiros que já li até hoje apresentam uma visão gloriosa desses seres, porém, em Dias Infinitos a autora procurou apresentar o lado conturbado dessas criaturas que tem como um de seus maiores desejos o de deixar a vida eterna e voltar a sentir as coisas como um humano. Eu gostei muito dessa versão, pois mostram que os poderosos vampiros muitas vezes tem inveja de sua caça. 

A capa, feita por Igor Campos, é linda e bem detalhada; a diagramação é simples e agradável aos olhos; as páginas são em tom amarelado e a fonte é de tamanho mediano. Não encontrei erros de revisão. Leitura recomendada!