Vintage Rock Resenha: A Transformação de Raven - Sylvain Reynard

Olá, Vintagers!

Sou uma amante inegável de livros de fantasia com um toque de romance, e hoje apresento a vocês um livro do autor* Sylvain Reynard que cativou o meu coração tanto pela história quanto pelos personagens. A Transformação de Raven é o primeiro livro da série Noites em Florença, publicado pela Editora Arqueiro, que é repleta de elementos artístico-culturais envolventes que, somados à sensualidade, o sobrenatural e um amor capaz de ultrapassar barreiras, produziram um livro memorável.


Florença, o berço do Renascimento. Um lugar culturalmente fervilhante, perfeito para quem quer esconder segredos ou está em busca de uma segunda chance. Como a doce Raven, que se muda para a cidade na tentativa de esquecer os traumas do passado e se dedicar à sua maior paixão: a restauração de pinturas renascentistas.
Um dia, voltando para casa do trabalho na Galleria degli Uffizi, sua vida muda para sempre. Ao tentar evitar o espancamento de um sem-teto, Raven é atacada. Sua morte parece iminente, mas seus agressores são impedidos e brutalmente assassinados. Assustada e prestes a perder os sentidos, ela só consegue vislumbrar uma figura sombria que sussurra: Cassita vulneratus.
Ao despertar, Raven faz duas descobertas perturbadoras: uma semana se passou desde o ocorrido e ela se transformou por completo. Quando volta ao trabalho, mais uma surpresa: alguém conseguiu burlar o sofisticado sistema de segurança da galeria e roubar a inestimável coleção de ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia.
Em busca da verdade, Raven cairá diretamente nos braços do Príncipe de Florença – tão belo quanto poderoso, tão sedutor quanto maligno –, que lhe apresentará um submundo de seres perigosos e vingativos, cujas leis ela precisa aprender depressa se quiser se manter viva e salvar os que a cercam.

Resumo

A cidade de Florença, pilar do Renascimento e de belíssimas obras de arte, é o palco perfeito para uma história sombria com personagens cheios de segredos como Raven, que é restauradora de quadros na Galleria degli Uffizi. Ela é uma mulher gentil e corajosa que apesar de cativar a todos com sua simpatia, desperta pena na maioria das pessoas, pois possui uma deficiência física nas pernas que a obriga a usar uma bengala. Devido à sua limitação, ela não ligava para sua aparência, motivo pelo qual sempre usava roupas largas para esconder seus "quilinhos a mais".

Um dia, voltando de uma festa na casa de uma amiga do trabalho, Raven presencia um amigo andarilho que sempre ajudava sendo espancado por um grupo de marginais e, devido à sua natureza protetora, não mede esforços para ajudá-lo. Ela foi brutalmente espancada e, quando estava à beira da morte e prestes a perder os sentidos, nossa protagonista vê uma estranha figura sombria que apenas sussurra em seu ouvido: Cassita Vulneratus. Em seguida ela perde os sentidos.

Raven

Na sua opinião, contudo, todos os seres humanos tinham algum tipo de deficiência: física, social, mental, moral e assim por diante. Segundo ela, aceitar a verdade em relação a si próprio, e talvez até conseguir abraçá-la, era o modo correto de lidar com uma deficiência, e não negá-la, escondê-la ou, horror dos horrores, tentar erradicá-la da sociedade.

Ao acordar, Raven tem duas surpresas um tanto quanto esquisitas: uma semana se passou e ela se transformou por completo, sua deficiência desapareceu e ela ficou mais magra, se tornando uma mulher super mega atraente. Quando ela volta ao trabalho mais uma surpresa: alguém conseguiu passar pelo sistema de segurança da Galleria e roubou a coleção de Botticelli sobre A Divina Comédia.

A Pimavera de Botticelli

À procura da verdade, e por ser uma das suspeitas do crime,  Raven descobre, através de um professor chamado Gabriel - o mesmo do livro O Inferno de Gabriel - que um dos prováveis responsável pelo crime se chama William York. Ao procurá-lo, ela cai direto nos braços do enigmático Príncipe de Florença - um homem maravilhosamente lindo, poderoso e super sedutor - que revela ser um V.A.M.P.I.R.O – ai gente, eu amo vampiros - e o governante do submundo de Florença. O Príncipe mostra para nossa protagonista um universo totalmente desconhecido, cheio de sedução, erotismo e poder.

Opinião

Neste momento eu sou um poço de felicidades por ter a oportunidade de ler esse livro maravilhoso, nunca havia lido nenhum livro do autor, porém, já ouvi falar muito bem de suas obras como O Inferno de Gabriel, que é um pouco ligado a A Transformação de Raven, pois os personagens centrais daquele fazem uma breve aparição neste, o que eu achei bem interessante, pois com isso o autor conseguiu transmitir uma identidade muito forte em suas histórias.

A protagonista é uma restauradora de obras de arte que é diferente do todas as outras protagonistas dos livros que li recentemente, pois ela foge dos padrões de beleza impostos pela sociedade, e esse foi um dos pontos que mais me cativou, porque apesar de admirar várias obras de autores renomados, sempre me sinto um pouco incomodada pelo fato das personagens principais serem sempre magras e perfeitas. Somos apresentados também ao Príncipe de Florença, um homem misterioso e sedutor que promete virar a cabeça de Raven. 


Confesso que fiquei um pouco indecisa sobre que tipo de criatura seria o Príncipe, pois isso é omitido na sinopse do livro, mas minhas apostas foram confirmadas, ele é um vampiro – lindão e sedutor *--* –. Garanto às garotas que não tem como não se apaixonar e querer um desses em casa, pois Willian é um dos vampiros “Antigos” que, apesar de não ser revelado a idade dele, tem entre 700 e 800 anos e, em razão disso, teve a oportunidade de conhecer grandes artistas, como Botticelli, tornando a história repleta de elementos culturais renascentistas, o que torna a narrativa bem rica.

A história de amor entre Raven e Willian, apesar das dificuldades impostas, é muito bonita, pois é visível que o autor conseguiu criar uma química bacana entre os dois. Um dos pontos mais altos é a aceitação de ambos os lados: Raven, que se pretende ficar com Willian precisa aceitar sua natureza de vampiro – no início ela tenta lutar contra isso – e Willian, que aceita Raven do jeito que ela é e a ama pelo que ela tem por dentro. Isso é lindo *--*.


[...] Ficaram parados por um tempo que pareceu uma eternidade, a jovem humana e o vampiro com muitos séculos de idade, unidos em um abraço desesperado sobre um telhado... Eram o mais improvável dos casais. No entanto, estava claro para ambos que formavam um par perfeito.

A edição do livro é simples, mas bem feita. Temos uma capa bonita, fontes de uma tamanho que facilita a leitura, páginas amareladas e uma capa linda. Não achei erros de tradução ou revisão aparentes.

Boa leitura e até a próxima!

*Mesmo ninguém sabendo se é autor ou autora, irei me referir a ele no masculino.

Rock kisses!