'Salem - Stephen King

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Admiradas sejam as histórias criadas pelo mestre do horror, Stephen King. Quem me conhece, sabe que sou fanático por seus livros e pela forma como ele narra suas tramas, além de admirar as referências à outras obras. Em 'Salem, as coisas não seriam diferentes, até mesmo pelo fato de encontramos uma instigante história de vampiros com elementos sobrenaturais, bastante suspense e alguns misteriosos assassinatos/sumiços. 


Ambientado na cidadezinha de Jerusalem's Lot, na Nova Inglaterra, o romance conta a história de três forasteiros. Ben Mears, um escritor que viveu alguns anos na cidade quando criança e está disposto a acertar contas com o próprio passado; Mark Petrie, um menino obcecado por monstros e filmes de terror; e o Senhor Barlow, uma figura misteriosa que decide abrir uma loja na cidade.
Após a chegada desses forasteiros, fatos inexplicáveis vêm perturbar a rotina provinciana de Jerusalem's Lot: uma criança é encontrada morta; habitantes começam a desaparecer sem deixar vestígios ou sucumbem a uma estranha doença. A morte passa a envolver a pequena cidade com seu toque maléfico e Ben e Mark são obrigados a escolher o único caminho que resta aos sobreviventes da praga: fugir.
Mas isso não será tão simples, os destinos de Ben, Mark, Barlow e Jerusalem's Lot estão agora para sempre interligados. E é chegada a hora do inevitável acerto de contas.


Jerusalem’s Lot é uma pacata cidade localizada no Maine, e foi onde Ben Mars, escritor, passou parte da sua infância. Já adulto, ele decide retornar para escrever seu novo livro e um de seus objetivos assim que chegasse era alugar a Casa Marsten, mas acaba descobrindo que outra pessoa, o Sr. Straker a serviço de seu misterioso sócio, havia comprado a residência. Entretanto, isso não priva Ben de relembrar seus piores medos, já que a casa tem suas próprias histórias guardadas na mente dos moradores de ‘Salem e, principalmente, na sua.

O mal havia retornado e uma criança desapareceu depois de um passeio pelo bosque, e seu irmão, que não se lembrava de nada, morreu misteriosamente dias depois de anemia. Além deles, outras pessoas começaram a desaparecer e a ficarem doentes sem explicações. Resta a Ben, Mark, Padre Callahan e outras pessoas salvarem ‘Salem deste mal que os atormentam.

Capa do DVD do filme de 1979
Você me perguntou o que acho. Vou lhe dizer. Acho que é relativamente fácil para as pessoas aceitarem coisas na telepatia e na parapsicologia, porque não lhes custa nada. Não lhes tira o sono à noite. Mas a ideia de que um homem pode morrer e deixar o mal como legado é muito mais perturbadora.
Pág.: 139

'Salem foi originalmente publicado como A Hora do Vampiro, aqui no Brasil, e aos que não sabem, este foi o segundo romance escrito pelo Stephen King. Como a maioria de seus escritos, esta obra teve duas adaptações cinematográficas, uma realizada em 1979 e a outra em 2004. Se há uma coisa que admiro bastante em seus livros é a narrativa, uma vez que ela é bastante descritiva, mostrando todos os detalhes do ambiente e caracterização dos personagens, o que deixou o desenvolvimento da história mais agradável. Apesar disso, esses detalhes não interferem na fluidez da leitura, muito pelo contrário, eles até ajudam a instigar o leitor a ler mais rápido. Ela é feita em terceira pessoa e mostra o ponto de vista de vários personagens. 

Este livro apresenta uma quantidade absurda de personagens, mas ao contrário de outros autores, King consegue desenvolver perfeitamente e aproveitar todos dentro da trama, relatando de forma detalhada o passado, medos, segredos e cotidiano de cada um, além de interligar as histórias entre si. Contudo, quem conhece King sabe que ele não pensa duas vezes em matar seus personagens, mesmo que ele seja importante dentro do enredo, portanto, não se apague a nenhum. Quanto a história, ela não chega a ser assustadora, mas podemos perceber claras referências, e até mesmo uma homenagem, a Bram Stoker, visto que seus vampiros tem aquelas características clássicas, como não sair durante o dia, dormir em caixões forrados com terra de cemitério, sentir dores diante de uma cruz e, principalmente, não brilhar no sol.

A primeira metade do livro da mais destaque à apresentação dos personagens, da cidade e seus mistérios, dentre outras coisas, artifício que foi utilizado para situar o leitor, além de conter maiores elementos de terror. Apesar disso, o autor não deixa de desenvolver a história em nenhum momento, mesmo que ela esteja sem segundo plano, contudo, senti que SK poderia ter revelado o vilão mais ou menos no final da obra, pois assim ele conseguiria manter um maior suspense sobre a sua identidade, já que ela foi revelada na metade do livro.

Ilustração mostrando Stephen King e suas criações... 
E, padre Callahan... eles o convenceram a vir? Foi o que pensei. Tenho observado-o desde que cheguei a Jerusalem's Lot. Assim como um bom enxadrista estuda os movimentos dos adversários, concorda? Mas a Igreja Católica não é mais antiga das minhas adversárias! Eu já era velho quando ela nascia, quando seus membros se escondiam nas catacumbas de Roma e pintavam desenhos de peixes no peito para poderem se reconhecer. Eu já era forte quando o tímido clube de adoradores do cordeiro era fraco. Meus ritos já eram antigos quando os de sua Igreja sequer haviam sido concebidos. No entanto, não a subestimo. Sou sábio no bem assim como no mal. Não baixo a guarda.
Pág.: 363

O final do livro consegue surpreender, mas como eu havia dito, surpreenderia mais se a identidade do vilão fosse mantida como desconhecida até certo momento da história. No entanto, isso não faz com que a trama seja ruim, muito pelo contrário. Enfim, 'Salem foi uma ótima leitura que me surpreendeu em quase tudo, superando minhas expectativas. Deixo a minha recomendação para aqueles que curtem um bom suspense com elementos sobrenaturais e vampirescos, em seu estilo mais clássico. 

A diagramação está simples, com um tamanho de fonte agradável e um ótimo espaçamento entre linhas. Já na edição, temos páginas amareladas e uma capa relevando o clima da história. O livro é divido em três partes principais, que se subdividem em vários capítulos. Quanto a revisão, não encontrei nenhum erro.