Vintage Rock Resenha: Paperboy - Pete Dexter


Olá Vintagers, tudo bem?

Hoje apresento a vocês mais uma experiência de leitura com o livro Paperboy, escrito pelo autor Peter Dexter. Um livro no estilo policial que nos apresenta um complexo caso policial onde um Xerife de uma pequena cidade que tinha uma reputação não muito boa foi brutalmente assassinado.

Narrado de uma maneira que nos faz entrar de cabeça na trama, Paperboy faz com que nos misturemos com personagens de diferentes índoles, alguns (ou quase todos) psicologicamente torturados.



Hillary Van Wetter foi preso pelo homicídio de um xerife sem escrúpulos e está, agora, aguardando no corredor da morte. Enquanto espera pela sentença final, Van Wetter recebe cartas da atraente Charlotte Bless, que está determinada a libertá-lo para que eles possam se casar. Bless tentará provar a inocência de Wetter conquistando o apoio de dois repórteres investigativos de um jornal de Miami: o ambicioso Yardley Acheman e o ingênuo e obsessivo Ward James.
As provas contra Wetter são inconsistentes e os escritores estão confiantes de que, se conseguirem expor Wetter como vítima de uma justiça caipira e racista, sua história será aclamada no mundo jornalístico. No entanto, histórias mal contadas e fatos falsificados levarão Jack James, o irmão mais novo de Ward, a fazer uma investigação por conta própria. Uma investigação que dará conta de um mundo que se sustenta sobre mentiras e segredos torpes.


Resumo

O Xerife Thurmond Call, da pequena cidade de Lately, que tinha um histórico intrigante de sempre assassinar negros, foi brutalmente assassinado em uma noite chuvosa após ter matado a pontapés o vendedor de carros Jerome Van Wetter, integrante de uma perigosa família da cidade, os Van Wetters. Logo em seguida, seu primo Hillary, conhecido por ser o membro da família mais violento, foi condenado à morte pelo assassinato do Xerife.

Enquanto aguarda julgamento no corredor da morte, Hillary se corresponde com a sedutora e psicologicamente torturada Charlotte Bless (que sente algum tipo doentio de “fetiche” em se relacionar com detentos prestes a morrer, mulher louca O.o). Essa intrigante personagem se apaixona pelo condenado e promete fazer de tudo para inocentá-lo e tirá-lo da cadeia.


De alguma maneira, contar uma história verídica faz com que você volte a vivê-la.
Pág. 143

Para isso Charlotte convida os famosos jornalistas de Miami, Ward James e Yardley Acheman para investigarem o caso do assassinato do Xerife, reunir provas e mostrarem à mídia que Hillary é inocente. Os jornalistas aceitam de prontidão e viajam para a pacata cidade em busca de fatos para realizarem uma matéria digna de um prêmio. A história é contada pelo jovem Jack James, irmão mais novo de Ward, que é contratado como motorista particular dos jornalistas e acompanha de perto tudo o que se passa durante as investigações. No desenrolar da história, somos levados a situações estranhas onde o intuito é realmente deixar o leitor curioso e apreensivo.

Opinião

Quando pegamos em livro policial para ler, estamos em busca de histórias emocionantes e com o final surpreendente, não é? Fico imensamente triste em dizer que não é isso que acontece com Paperboy. O enredo é simplesmente gigante, com uma escrita bastante difícil (não que eu não goste), o que se dá pelo simples fato de que há muita “enrolação” e às vezes a história se torna monótona e você se perde um pouco. Uma coisa que me deixou muito puta irritada são as partes que o autor está prestes a concluir o mistério e então ele simplesmente finaliza a cena e nos leva para outro momento (que raiva... hehehe).

Ler é um dos melhores prazeres da vida.

E o que dizer do desfecho do livro? Nada (isso mesmo, você leu certo: N A D A) porque simplesmente não existe desfecho, a história não é concluída e as lacunas não são fechadas. Antes que você pense, eu já respondo para você: Já procurei saber e não encontrei nenhuma referência que fale de uma continuação do livro (muito triste). Digo isso, pois no decorrer do livro você descobre que a história é interessante, fica apreensivo e se morde de curiosidade em saber o que vem depois e então isso é privado de você. Esse foi o fator decisivo para minha insatisfação.

Mas vamos falar de coisa boa, acredito que não exista nenhum livro que seja totalmente ruim. Como disse anteriormente, a obra possui em enredo interessante, que nos prende e nos faz querer saber mais. Ele nos faz refletir sobre o limite a que podemos chegar sem perder nossa integridade e relata vários acontecimentos brutais e insanos (que achei que super combina com histórias policiais).


Recomendo Paperboy para você que tem paciência com livros extensos e histórias complexas. Ao começar a ler, prepare-se para entrar em uma história diferente e envolvente, porém não espere um final emocionante. 

Rock Kisses e até a próxima!