Coração Ardente - Richelle Mead


Hey pessoal, tudo bem?

Coração Ardente foi o primeiro livro da série Bloodlines que não me agradou completamente. A autora decidiu contar a história também sob o ponto de vista de Adrian e isso fez com que a imagem que tinha do personagem fosse completamente destruída. Temos aqui a aplicação prática do famoso ditado: "em time que está ganhando não se mexe". 


No quarto volume da série Bloodlines, enquanto Sydney Sage esconde seu romance ardente com o vampiro Adrian Ivashkov, a ameaça de ser descoberta — e mandada para a terrível reeducação — é maior do que nunca. Criada desde criança para desprezar os vampiros, a alquimista Sydney Sage acabou vencendo seus preconceitos em sua última missão. Aos poucos, a garota não só criou laços de amizade com esses seres como acabou se apaixonando por um deles — o irresistível Adrian Ivashkov — e, surpreendendo até a si mesma, decidiu levar o relacionamento proibido adiante, em segredo. Tudo se complica quando Zoe, sua irmã, se junta à missão. Sydney precisa guardar seu segredo enquanto tenta fazer com que a caçula perceba como as crenças alquimistas estão equivocadas. Enquanto isso, Adrian sofre com os fortes efeitos do espírito — um elemento mágico que, ao mesmo tempo em que lhe confere poderes, pode levá-lo à loucura. Sydney é seu maior incentivo para abrir mão desses poderes e buscar uma saúde mental equilibrada, mas Adrian nem consegue imaginar como seria vê-la machucada e não poder fazer nada. Agora, ele precisa escolher entre sua sanidade e a capacidade de ajudar a todos — especialmente aqueles que ama.

Agora que sua irmã se mudou para a escola Amberwood, Sydney tenta conciliar sua vida como Alquimista, seu namoro com Adrian - um vampiro que é considerado o sonho de muitas mulheres - e sua vida como Bruxa, vez que agora ela faz parte de um coven. E os problemas não param por aí, com a presença constante de Zoe, ela passa a ficar ainda mais sob os holofotes dos Alquimistas e isso pode colocar o futuro de toda missão em risco, já que é extremamente proibido qualquer relacionamento com os vampiros que não seja puramente profissional. Para uma pessoa cujo único problema era garantir que o mundo sobrenatural ficasse escondido dos humanos, nossa protagonista conseguiu aventuras para mais de uma vida.

Professora Terwilliger

E, quando acabou, eu não queria soltá-la. Olhei para o rosto dela, com as bochechas coradas e os fios de cabelo úmido, e pensei: Não importa se é uma união de animais selvagens ou uma junção sublime de almas: ela é minha e eu sou dela.
Pág.: 298

A narrativa, de certa forma, continua a mesma. Temos os capítulos narrados por Sydney e com ele tem-se as mais complexas aventuras, seja no mundo alquimista, seja no mundo bruxo. O verdadeiro incomodo está nas partes narradas por Adrian, que como foi dito no começo da resenha, não fazem jus ao personagem. Ele era tido como um cara mulherengo e cheio de vícios, com uma personalidade indomável e postura sarcástica, e a autora conseguiu transformar ele em um bobão romântico que é só Sydney isso, Sydney aquilo, Sydney aqui, Sydney lá... É como se ele passasse a ser outro personagem, ocorrendo basicamente o que aconteceu com o Quatro/Tobias em Convergente

Exceto por Adrian, os personagens de uma forma geral não sofreram alterações. Temos mais desenvolvimento de alguns, como Noah e Zoe, irmã de Sydney. Devo confessar que ela é a mais irritante de todas, pois é a tipica criança alienada que acredita em tudo o que o pai fala e que quer fazer de tudo para chamar a atenção dele e mostrar que já consegue cuidar de si, sem medir as consequências de seus atos. Ela é TÃO irritante que queria atirá-la na vala mais profunda do inferno. 

Se tivesse que escolher alguém para ser a Sydney no cinema, seria ela.

- Aonde você vai? - Eddie perguntou.
- Pra rua - respondi. - Plano de fuga nº 82: ir para algum lugar onde não tenha que sentir nada por um tempo.
 Ele trocou um olhar preocupado com Jill e perguntou:
- Quando você volta?
Centrum remanebit.
Balancei a cabeça e virei as costas.
- Não importa.
Pág.: 406

O final do livro foi simplesmente alucinante. Jamais imaginei que aquilo pudesse acontecer, pois mesmo sabendo que o fato gerador daquele desfecho iria causar um grande dano ao grupo, não imaginei que seria aquele. Estou ansioso para ler  próximo volume da série, que está previsto para o primeiro semestre de 2015, mas estou também com um certo receio de que a autora tente modificar novamente a história e inclua outros pontos de vista além do dos protagonistas, o que não me agraria. 

A edição segue o mesmo padrão das anteriores, uma capa metálica com um título em preto e a imagem do que deduzo ser um lírio enfeitando o título. O que não gostei na edição foi a cor da capa, penso que a intenção era deixar em um tom laranja metálico, como o azul e dourado dos livros anteriores, mas a cor utilizada não colaborou com o efeito e deixou a capa mais simples que o esperado. A diagramação também está simples e achei apenas um erro de digitação em toda a obra. Leitura recomendada para quem quer saber o desfecho da série. 

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 10º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.