Infinity Ring: A Caverna das Maravilhas - Matthew J. Kirby


Saudações, caros leitores, como vocês estão?


Infinity Ring - resenhas aquié uma série que a cada livro vem me conquistando mais, diante de tantos acertos e qualidades que sobrepõem seus pequenos defeitos. Em A Caverna das Maravilhas, quinto volume da série, escrito por Matthew J. Kirby, começamos a perceber que as coisas não são tão simples e conseguimos perceber, finalmente, um grande amadurecimento dos personagens e da trama em si. 




Próxima parada: Bagdá, 1258. É para lá que o Anel do Infinito manda Sera, Dak e Riq, com o objetivo de corrigir mais uma falha histórica em sua missão de salvar a humanidade. Em meio a caravanas de mercadores e feiras onde são vendidos perfumes, sedas, tapetes e especiarias, os três aventureiros precisam descobrir um jeito de impedir a destruição de uma das maiores bibliotecas da época. Os mongóis estão cada vez mais perto, e o cerco a Bagdá é inevitável. Pelo que Dak sabe, os invasores vão jogar todos os livros da cidade no rio Tigre, até deixá-lo preto de tanta tinta! Mas a importância dessas páginas vai além da preservação de documentos históricos: sem as informações contidas ali, os três viajantes do tempo não poderão continuar a missão, e tudo o que eles conseguiram até então irá por água abaixo. Agora, os riscos são maiores do que nunca.




Depois dos acontecimentos vivenciados em A Maldição dos Ancestrais, nossos viajantes do tempo partem para sua décima segunda viagem com destino a Bagdá, no ano de 1258. Todo o esforço do trio parte da necessidade de concertar a linha cronológica da História, para que assim o temido Cataclismo seja evitado. Ainda com as vestimentas características da cultura chinesa, os jovens aventureiros terão que consertar uma das maiores fraturas já encontradas, o que será decisório para o futuro da missão. Para que isso ocorra, eles primeiro terão que desvendar um simples enigma, além de terem que adentrar os portões de Bagdá. Sem nenhuma referência de quem seja o Guardião do Tempo, eles se veem perdidos diante de tantos acontecimentos e das más ideias de Dak. E o que é pior, eles devem evitar que um grande acervo de livros, em especial uma única e importante obra, sejam destruídos com o Cerco, o que será um grande desafio.

Matthew J. Kirby, autor

- Sem esse livro - revelou Arin - a primeira e importantíssima Grande Fratura, a Fratura Fundamental, não poderá ser corrigida, e a missão inteira estará condenada ao fracasso. Novas Fraturas vão começar a ocorrer, mais rápido do que poderíamos dar conta. A Terra será destruída pelo Cataclismo. Nós, Guardiões da História, sempre soubemos que chegaria o momento de resgatar esse conhecimento sobre a Fratura Fundamental.
Pág.: 25

Ao contrários dos volumes anteriores, neste o trio se encontra em completa perdição, simplesmente por não terem informações completas. Isso chegou até a ser um ponto positivo para a trama em si, já que olhando para as aventuras anteriores, as coisas estavam mais "fáceis" em comparação, gerando assim limitações e mais dificuldades na missão. Além disso, pude perceber um distanciamento de Dak e Sera, que talvez seja pelo desgaste que eles vem sofrendo nas últimas missões ou puramente pelo fato dele irritar qualquer um, apesar de que nesta obra ele teve um amadurecimento considerável, mas ainda continua com suas brincadeiras e zoações que sempre atingem Riq.

Sobre a narrativa, digo que não percebi muitas alterações, visto que ela é feita na terceira pessoa, para que assim o leitor tenha uma visão dinâmica dos acontecimentos, além da apresentação do ponto de vista de todos os personagens. Contudo, a escrita do autor foi uma das que mais gostei, em razão da incomplexidade das palavras, bem como não apresentar uma escrita que resulte em uma leitura arrastada e sem emoção. Porém, ela fica atrás somente da que encontramos em O Alçapão, que ainda continua sendo a minha trama preferida. 

Capa estadunidense do sexto volume

- Ah, não - murmurou Abi, sacudindo a cabeça, com os olhos arregalados. - "A tinta do sábio é mais sagrada que o sangue do mártir". Assim disse o Profeta, que a paz esteja com ele.
Pág.: 57

Já estamos quase chegando no último volume da série e por isso as coisas começam a se movimentarem mais freneticamente. Intenso é uma ótima palavra para resumir essa trama, que por mais simples seja, mostrou que nem sempre encontramos simplicidades nos fatos, e que obstáculos podem surgir da onde menos esperamos. Confesso que quase surtei ao ver a previsão do lançamento do próximo livro, Atrás das Linhas Inimigas, previsto para Janeiro de 2015. 

Seguindo os mesmos parâmetros dos livros anteriores, na diagramação encontramos uma fonte com um agradável espaçamento entre as linhas. Já a edição conta com páginas amareladas e tanto os títulos quanto as ilustrações presentes na capa seguem o mesmo modelo da comercializada nos Estados Unidos, ou seja, com verniz localizado. Sobre a revisão, encontrei somente um erro, ou melhor, a ausência de um conectivo,  mas nada que altere o sentido do trecho. 

- Caso queira ler um trecho do livro, clique aqui.

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre NegraTigana, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.