MAGO: Espinho de Prata - Raymond E. Feist


Hey pessoal, tudo bem?

O blog ficou um pouco desatualizado nos últimos dias, mas isso ocorreu em face à tão temida Prova da OAB (segunda etapa). Contudo, como não posso deixá-los na mão, trago hoje a resenha do terceiro livro de uma das séries que descobri esse ano e que já tem "cadeira cativa" na minha estante. O livro em questão é Espinho de Prata, uma livro no estilo High Fantasy que nos faz viajar por um mundo onde magia e traição estão em toda parte. 






Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, a Mão - o mais jovem larápio do Zombadores, a Guilda dos Ladrões - surpreende um sinistro Falcão Noturno prestes a assassiná-lo. Que poder maléfico fez com que os mortos se levantassem para combater em nome da Guilda da Morte? E que magia poderosa poderá derrotá-los? Mas primeiro o Príncipe Arutha, na companhia de um mercenário, um bardo e um jovem ladrão, terá que fazer a viagem mais perigosa da sua vida, em busca de um antídoto para o veneno que está prestes a matar a bela Princesa no dia do seu próprio casamento.


O livro tem sua trama focada em Arutha e Anita, e o tão aguardado casamento real. Contudo, nem tudo sai como planejado e Anita acaba sendo envenenada com uma substância extraída da planta Espinho de Prata, uma flor rara cuja existência se tornou um mito. Na companhia de pessoas de sua inteira confiança, o príncipe de Krondor sai em uma missão cujo objetivo é encontrar o antidoto para o mal que ataca sua prometida, mas um grande inimigo se levanta no horizonte e promete trazer ruína a Midkemia. 

Krondor

- Ela irá sobreviver?
- Por enquanto, ela vive - respondeu Pug. - Arutha, a Princesa existe entre momentos e assim permanecerá, para sempre jovem, até a remoção do feitiço. Quando o tempo voltar a fluir para ela, então precisará de uma cura, se de fato existir uma cura. 
Pág.: 158

O rumo que a história tomou, infelizmente, não me agradou muito, mas isso não quer dizer que o livro é ruim, muito pelo contrário, mesmo não atingindo minhas expectativas, é uma livro muito bem desenvolvido e recomendado, só penso que uma série que se chama MAGO tenha um foco maior em magia e feitiçaria, e não na busca de uma cura feita por um humano normal sem um pingo de poder senão seu sangue real. Um grande ponto a favor da obra são os personagens, quem leu minhas resenhas de Aprendiz e Mestre sabe que odiei Arutha em ambos os livros, mas agora que o terceiro foi narrado sobre sua perspectiva e pude estar um pouco em sua mente, percebi que havia julgado-o mal e que ele é um personagem forte e descontraído em alguns momentos. Pug e os demais personagens continuam os mesmos e Jimmy, A Mão, se tornou um personagem cativante, apesar de seus probleminhas com roubo. 

A narrativa segue o mesmo padrão dos livros anteriores, mas pude notar que agora o autor deu uma diminuída nas passagens de tempo. Nos livros anteriores ele fez com que vários anos se passassem em poucas páginas, mas nesse ele conseguiu se controlar e manteve uma linha temporal bem elaborada e consistente com a corrida contra o tempo que está presente na história. Ademais, seu mundo e estilo de descrever paisagens e batalhas não sofreram alterações, o que pode ser interpretado como algo bom ou ruim. 

A batalha contra a Guilda da Morte. 

- Você tem muito a aprender. Ficará um ano conosco e, quando partir daqui, possuirá um poder e um entendimento que agora só consegue vislumbrar. Sem esses ensinamentos, não conseguirá sobreviver à batalha que se aproxima. Com eles, você poderá ser a salvação de dois mundos. 
Pág.: 385

O final do livro foi surpreendente e prevejo uma grande aventura para Pug, como pode ser visto no quote acima, o que me faz crer que o próximo volume terá muito mais magia e ensinamentos antigos em sua história. Jimmy, como dito acima, se tornou cativante e desempenhará um papel de suma importância no reino, não posso falar mais que isso sem dar spoilers, sorry pessoal.

A edição segue o mesmo padrão das demais. Há verniz localizado na imagem da capa e a lombada possui a letra G impressa, o que fará que, quando todos os livros forem lançados, a palavra MAGO seja formada ao colocá-los lado a lado. Não encontrei erros de digitação ou revisão. Leitura recomendada. 

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 9º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.