Sociedade dos Meninos Gênios - Lev AC Rosen

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Sociedade dos Meninos Gênios foi o primeiro livro do gênero Steampunk que li, e devo admitir que adorei a escrita e toda a ambientação da trama. Além disso, é perceptível referências a heróis já conhecidos que populam as HQ's e as telas dos cinemas. Ademais, os artifícios que compõem a obra são interessantes e exercem uma força gravitacional incrível, prendendo-nos do inicio ao fim. 





Chantagem, mistério, confusões de gênero, coelhos falantes e um assassino autômato: mergulhe na trajetória de Violet Adams, que assume a identidade de seu irmão gêmeo para conseguir uma vaga na mais prestigiada universidade de Londres, que é exclusiva para meninos. Inspirado em clássicos como Noite de reis, de Shakespeare, e A importância de ser honesto, de Oscar Wilde, SOCIEDADE DOS MENINOS GÊNIOS traça um retrato pitoresco e provocativo da aristocracia vitoriana, oferecendo diversão, aventura e uma reflexão bem-humorada sobre a questão do gênero.





Nessa trama conhecemos os irmãos gêmeos de dezessete anos, Ashton e Violet Adams. Após seu pai embarcar em uma viagem para uma convenção de astrônomos onde discutiriam o marco da onde as horas seriam contadas, a jovem cientista vislumbra uma grande oportunidade para ingressar na Faculdade de Illyria, porém, como a escola só admitia pessoas do sexo masculino, ela e seu irmão arquitetaram um arriscado plano que poderia gerar várias manchetes nos grandes jornais, conquistando a sociedade em si, caso fosse descoberto.

Mas nem tudo seria fácil, pois havia um grande obstáculo para enfrentar, cujo nome era Sra. Wilks, governanta da casa dos Adams. Sem medir esforços, eles conseguem contornar isso e assim começam a trabalhar no esplêndido plano que consistia em transfigurar Violet à imagem de um homem, implementando aulas de como se comportar como tal e assim assumir a identidade do irmão. Entretanto, Jack, um conhecido da família, também estava ingressando na mesma faculdade, onde depois de alguns meses, estariam vivenciando o movimento das engrenagens e as grandes chantagens que obscurecerão seus futuros. 

Image and video hosting by TinyPic
Autômatos assassinos, uma ameaça robótica a quem visita os porões. 
"- O duque? - disse ele. - O duque não é nada em Illyria. Um figura decorativa. Ele não foi sequer convidado a conhecer os segredos da escola. Ele não seria nada contra nós. Suas palavras pairaram no ar, confiantes e elétricas, embora a chuva continuasse a cair em torno deles."
Pág. 239
A narrativa é bastante descritiva quanto aos maquinários que dão vida a obra. Entretanto, em nenhum momento ela se tornou cansativa, devido ao seu fácil entendimento. Percebi algumas enrolações que estavam ali presentes mais para decorar a trama com seus atributos científicos, tanto que as engrenagens estão sempre sendo relatadas, algo que poderia ter sido mais equilibrado, no entanto, creio que isso faça parte do gênero. Além disso, ela é narrada em terceira pessoa e sob o ponto de vista de vários personagens, ato que fora bem executado. 

Apesar da trama ser instigante a ponto de te prender na leitura por horas, ela se mostrou falha em alguns momentos, deixando algumas pontas soltas que poderiam terem sido mais exploradas ao invés de ficar argumentando absurdamente a funcionalidade das máquinas, podendo ter explorado mais as ideias da Sociedade dos Gênios. Ademais, o porão da escola torna-se o lugar mais misterioso, com diversos segredos escondidos ali, deixando claro que os pilares que sustentam toda as leis dentro daquele ambiente podem serem ímprobos e cabulosos. 

Violet nos é apresentada como uma jovem cientista, que apesar de ser adorável, não gostava do esterótipo da sociedade. É a partir desse ponto que o seu plano decorre, com o intuito de se revelar na feira de ciência no final do ano, para assim mostrar ao mundo que as mulheres são capazes de serem geniais, e não que eram apenas consideradas como mães, dançarinas e donas de casa. Seu irmão é totalmente o inverso da irmã, já que ele é um convicto admirador da arte e tudo que a compõe, frequentando teatros, tocando piano e além disso, selando um amor proibido com seu cocheiro (condutor do coche), Antony. 

Image and video hosting by TinyPic
Lev AC Rosen, autor da obra
"[...] E o lema, escrito na imagem da engrenagem, fora alterado para ARTIFICES DOMINATORES HOMINI SUNT - "Os Inventores São os Homens Mais Importantes". Não... não bem os mais importantes. Era mais como os governantes. Ernest contraiu o queixo e franziu a testa. Aquela insígnia parecia uma paródia de tudo o que ele amava em Illyria."
Pág. 482
O final poderia ter sido mais elaborado e aprofundado, já que tudo aconteceu com uma certa rapidez. Porém, ele foi a parte mais eletrizante de toda a obra e talvez a mais contraditória de todas (claro que não irei dizer por motivos de spoiler). O autor bem que poderia escrever um spin-off, aprofundando mais sobre a origem da Sociedade e assim, relatando a constituição e construção de Illyria,  uma vez que estes foram apresentados de uma forma vaga. 

A diagramação está um pouco simples, porém, a edição está impecável, trazendo a Violet caracterizada de Ashton estampando a capa. Além disso, no inicio dos capítulos há imagens de engrenagens e o tamanho da fonte usada, que por sinal é bonita, é mediano, mas nada que atrapalhe a leitura da obra.


BookTrailer produzido pelo Grupo Editorial Novo Conceito


Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre Negra, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.