Príncipe da Noite - Germano Pereira

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Príncipe da Noite é o primeiro romance do autor Germano Pereira e, para mim, deveria ser o último. Um livro que pode ser definido por uma única palavra: CONFUSO, que em nenhum momento me agradou. Para terem um comparativo, até Bruxos e Bruxas - resenha aqui - foi melhor que esse emaranhado de confusões psicológicas. 


Toda manhã, o psicanalista Gabriel se surpreende ao acordar: sempre encontra uma mulher diferente dormindo ao seu lado. Ele nunca se lembra do seu nome, nem da maneira como a conheceu. A única coisa que resta de suas aventuras noturnas é um lapso de memória. Mas esta noite tudo se repetirá: quando cruzar com uma bela mulher, na noite seguinte, perderá o controle de quem é, porque o seu outro “eu” é capaz de tudo para satisfazer seus desejos mais primitivos. Mantendo esse segredo somente para si, Gabriel leva uma vida aparentemente normal na grande Londres, ouvindo diariamente os problemas de seus pacientes, enquanto tenta fugir das loucuras de sua ex-namorada. Mas nada é verdadeiramente normal para um homem que pode ser controlado pelo Príncipe da Noite...
Quando se fala a palavra "psicanalista", logo vem em  nosso pensamento uma pessoa sã e pronta para instruir outras pessoas. Porém, Gabriel, que trabalha nesse ramo e é uma pessoa bem sentimental e inibida, sofre de um distúrbio de dupla personalidade, algo que ele ignora ao invés de buscar alguma intervenção medica. Como o nome do livro já deixa claro, o Príncipe, uma pessoa sem sentimentos e desprovida de medo, sempre aparece no período da noite, seduzindo as mulheres e as levando para a cama, tornando-as vitimas sexuais. A princípio Gabriel não se importa com tais acontecimentos, mas depois clama ao Príncipe para parar com tais atos. Conseguirá ele dominar seu dominador

Qual escolher? Príncipe ou Gabriel? 

"Distante e do lado oposto ao terreno sepulcral encontra-se o Príncipe, soldado do afeto, serial killer do sexo que, apesar de ofuscado pelos acontecimentos tortuosos da vida, direciona-se guiado sempre pelo brilho da luz do amor."
Pág. 9
O começo do livro é bem parado, mostrando o cotidiano de Gabriel, que está sempre fazendo referências filosóficas e, obviamente, assumindo o seu lado "sombrio". Contudo, a trama vai se desenvolvendo e acontecimentos vão surgindo, até que algo acontece (não poderei entrar em detalhes por ser spoiler) que alavanca a sua leitura, porém, nem tanto. 

A narrativa foi o principal problema que tive com essa obra, vez que ele é narrado em primeira pessoa, demonstrando todos os pensamentos de Gabriel e intercalando os capítulos com os do Príncipe, e isso foi executado de forma desorganizada, deixando-nos um pouco confuso quanto à identificação de quem está narrando. Além disso, os pensamentos vão se desembolando de uma forma excessivamente filosófica, podendo desnortear alguns leitores. 

Os parágrafos são enormes, só para vocês terem ideia, alguns ocupam quase uma página inteiraIsso sem contar que fui obrigado a ler esse livro com um dicionário do lado, pois em alguns momentos aparecem algumas palavras muito rebuscadas e que quase não são usadas diariamente. De todos os personagens, Gabriel foi o que mais chamou a minha atenção, visto que as lembranças das noites e das regalias do Príncipe o atormentava, porém, quando essas memorias vinham, ele disfarçava e esquecia, o que não seria uma atitude de uma pessoa normal, não é mesmo? 

Algo que achei não usual foi a escrita do Germano Pereira, pois ele conseguiu adicionar em sua obra o tema "sexo", mas sem fazer-se uso de passagens eróticas, como vemos em alguns livros como Quero Ser Seu - resenha aqui -, por exemplo, não deixando em nenhum momento de transcrever os sentimentos amorosos dos protagonistas.

Germano Pereira, graduado em Filosofia na USP, autor e dramaturgo. 

"O Príncipe da Noite é um Drácula que suga meu ser, meu sangue e o de todos que passam por ele, mesmo que eu saiba. É assustador. Do que mais o Príncipe seria capaz? Tenho medo de mim mesmo. 
Pág. 338
Apesar de ser uma leitura diferente e que muitos tenham gostado, ela não me convenceu e conseqüentemente classifiquei o livro como mediano, já que o final não foi nada surpreendente e o autor ainda o fez de maneira a deixar espaço para uma possível continuação, que não deveria ser escrita.

A diagramação está agradável, porém a edição está um pouco simples, vez que eu esperava mais da arte gráfica presente na capa, mas o tipo de folha que compõem a obra é o amarelado, que todos amamos. Gostaria de deixar claro que esta resenha retrata a minha opinião, ou seja, o que para mim não foi bom, para outros pode ser excelente, cabendo a cada um tirar as próprias conclusões.

Simbolizando a minha luta e vitória por ter terminado a leitura desse livro, redigi essa resenha escutando Survivor - Eye Of The Tiger e Vangelis - The Chariots of Fire. o/

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre Negra, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.