Infinity Ring: O Alçapão - Lisa McMann

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Que a verdade seja dita: O Alçapão, escrito pela Lisa McMann, conseguiu superar todas as minhas expectativas e, além disso, retirar o primeiro volume da série do seu reinado como meu favorito. A obra em si não é perfeita, mas devo salientar que a autora conseguiu equilibrar as características dos personagens, fato que até então não havia visto nos volumes anteriores. 

Essa resenha pode conter spoilers dos volumes anteriores da série.


Depois de lutarem ao lado de guerreiros medievais para corrigir mais uma Fratura, Dak, Sera e Riq retornam aos Estados Unidos e logo se envolvem em uma armadilha mortal. O ano é 1850, um pouco antes da Guerra Civil, quando o país está dividido em relação à escravidão. Nesses tempos sombrios, a Ferrovia Subterrânea é a única esperança de muitos escravos, que conseguem escapar por essa rota secreta. Mas a SQ aos poucos está tomando o controle dos trilhos, colocando a vida de muitos fugitivos em perigo e ameaçando apagar aquela ferrovia da história. Riq é forçado a se separar do grupo e encontrará dificuldades que o levarão a enfrentar seu próprio passado. Dak e Sera, por outro lado, tentam descobrir em quem podem confiar e o que precisa ser feito para consertar mais uma Fratura.




Depois de se aventurarem na Paris medieval e na Casa Branca, em 1814, os três jovens continuam sua jornada atrás das próximas fraturas. Sendo assim, eles deixaram a majestosa residência presidencial para trás e foram parar em 1850, justamente na época onde a questão escravocrata estava sendo discutida, já que algumas leis que permitiam a captura de escravos alforriados foram aprovadas, prejudicando até quem protegia os negros de serem capturados. 

Por ironia do destino, logo que chegaram em 1850, os jovens acabaram sendo enganados e assim, caindo em uma planejada armadilha que os trancafiaram em um porão. Tentando decodificar a dica da próxima fratura que o SQuare mostrara, Riq, o único negro do grupo, vislumbra uma oportunidade para realizar uma fuga, porém ele é raptado e enviado para ser leiloado juntamente com Kessiah e seus dois filhos. Sem medir esforços, antes de ser levado, ele saiu aos berros gritando uma solução para resolver o enigma no formato de uma carta que o aparelho mostrava para seus amigos, Dak e Sera, que se encontravam no cômodo subterrâneo da casa. 

Image and video hosting by TinyPic
Enigma presente em uma das páginas
"- Está longe de ser justo, mas agora é lei - a mulher afirmou. - E não é só isso. Qualquer um que for acusado de ajudar um escravo fugido a burlar a lei pode ser punido. Chegamos a um ponto em que ninguém confia em ninguém."
Pág. 53
A narrativa talvez seja o ponto alto desse livro, dado que a mesma não se mostrou cansável e é de fácil entendimento, devido à sua linguagem. Contudo, a autora não só usou, como abusou, das reticências, fato que achei desnecessário em algumas partes. Porém, isso não prejudica em nada a leitura, que por sinal, foi bastante rápida. 

Comparando com o segundo volume - resenha aqui -, a trama "tomou" alguns calmantes e apaziguou um pouco os ânimos já que no livro anterior ela era ambientada dentro de uma guerra entre os Parisienses e os Vikings. Entretanto, devo ressaltar que a temática trabalhada nessa obra foi a que mais admirei, visto que possibilita uma maior exploração, dadas as circunstâncias que a História nos detalha. Além disso, a autora tratou do assunto dando uma certa leveza, sem ser polêmica.  

Como a temática trabalha a questão escravocrata, obviamente, o personagem que teve uma maior participação foi o Riq e assim conhecemos mais sobre ele, já que acaba contando algumas histórias que sua avó lhe contava e revelando alguns acontecimentos que levou à formação da sua família. Além disso, ele deixou de ser egocêntrico e transpareceu estar mais sentimental, contudo, as suas reminiscências "diminuíram" um pouco e, como se fossem transmissíveis, elas foram atormentar Dak. 

Falando no pestinha, ele teve um assustador amadurecimento, nos mostrando na maioria das vezes seu lado sério. Contudo, as suas brincadeiras e zoações não tiveram tantos efeitos negativos na trama, vez que elas voltaram a ser inteligentes e, acima de tudo, engraçadas. Sera foi a única personagem que não notei grandes mudanças, mantendo as mesmas características de sempre. 

Além disso, ao contrário dos volumes anteriores onde vemos somente uma única pessoa representando os Guardiões da História, nessa obra vemos vários, mas somente alguns tiveram uma importante participação na trama. Comparando com os anteriores, esses são mais desenvolvidos e são claramente abolicionistas.


Image and video hosting by TinyPic
Capa do volume 4 da série: A Maldição dos Ancestrais, de Matt de la Peña
"- Ótimo. Então programe as coordenadas latitudinais e longitudinais, e não se esqueça de levar em conta a curvatura do eixo e a velocidade da Terra, os horários de verão, os anos bissextos e o Dia da Marmota - Sera instruiu e pôs as mãos nas costas. - Qualquer dúvida é só perguntar."
Pág. 189
Creio, vigorosamente, que os acontecimentos que dão encerramento à obra poderiam ter sido mais trabalhados, pois foram apresentados de uma maneira muito rápida. Espero ansiosamente o quarto volume da série, com lançamento previsto para Maio, para dar continuidade a essa magnífica aventura. Caso queiram ler o primeiro capítulo do livro, cliquem aqui

A diagramação segue os mesmos moldes dos volumes anteriores e a edição está perfeita, trazendo novamente as páginas com tonalidade amarelada, um tamanho de fonte satisfatória e uma arte gráfica presente na capa, que além de ser bela, condiz fortemente com a trama. Leitura mais que recomendada! 

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre Negra, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.