ALMANOVA - Jodi Meadows

Hey pessoal, tudo bem?

Judi Meadows criou um mundo com uma mitologia impar e demonstrou uma criatividade fora do normal ao escrever ALMANOVA. Contudo, devo dizer que apesar disso, e do fato de que essa obra possui uma das capas mais lindas que tenho na minha estante, me decepcionei um pouco com a história em si, pois esperava algo mais bem desenvolvido e um foco maior no fato da personagem principal ser uma almanova/sem-alma. 

ALMANOVA Ana é nova. Por milhares de anos, no Range, milhões de almas vêm reencarnando, num ciclo infinito, para preservar memórias e experiências de vidas passadas. Entretanto, quando Ana nasceu, outra alma simplesmente desapareceu... e ninguém sabe por quê. SEM-ALMA A própria mãe de Ana pensa que a filha é uma sem-alma, um aviso de que o pior está a caminho, por isso decidiu afastá-la da sociedade. Para fugir deste terrível isolamento e descobrir se ela mesma reencarnará, Ana viaja para a cidade de Heart, mas os cidadãos de lá temem sua presença. Então, quando dragões e sílfides resolvem atacar a cidade, a culpa deverá recair sobre... HEART Sam acredita que a alma nova de Ana é boa e valiosa. Ele, então, decide defendê-la, e um sentimento parece que vai explodir. Mas será que poderá amar alguém que viverá apenas uma vez? E será também que os inimigos – humanos ou nem tanto -- de Ana os deixarão viver essa paixão em paz? Ana precisa desvendar grandes segredos: O que provocou tal erro? Por que ela recebeu a alma de outra pessoa? Poderá essa busca abalar a paz em Heart e acabar por destruir a certeza da reencarnação para todos?
Por séculos os humanos que residiam em Heart - e região - sempre reencarnavam. Todos já foram crianças, idosos, homens e mulheres e vivem há milhares de anos naquela região. Contudo, algo inusitado acontece e uma mulher chamada Cianna não retornou dos mortos, encarnando em seu lugar uma moça chamada Ana, uma almanova, ou como os moradores a chamam, uma sem-alma. 

Durante toda sua vida ela sofreu e foi maltratada pelo fato de ter sido a responsável pela "real morte" de Cianna, se culpando pelo ocorrido e pensando que sua existência era um desperdício. Contudo, curiosa para saber o porque daquilo estar acontecendo justamente com ela, ela decide ir para Heart visitar a biblioteca da cidade em busca de informações e precedentes para seu caso e, após ser atacada por Sílfides, ela conhece Sam, um dos poucos que realmente acreditaram nela e que a veem como uma pessoa e não como um erro. Conseguiria um ser imortal amar alguém que viveria apenas uma vida?


"- Sinceramente? Eu acho que as pessoas não têm certeza se vale a pena conhecê-la. É como decidir se vale a pena fazer amizade com uma borboleta, já que ela não estará ali de manhã.
Até respirar doía."
Pág. 58
Como disse no começo desse texto, a mitologia criada por Jodi é algo incrível. A ideia de que as pessoas vivem eternamente, sempre reencarnando e tendo a possibilidade de viver sob várias formas, bem como o mundo e seres míticos em si, é algo de tirar o fôlego. Entretanto, como também dito, esperava muito mais de um livro que prometia tanto, pois achava que a narrativa tomaria um rumo mais voltado para o mistério envolvendo as reencarnações e o fato de Ana ser a primeira almanova em séculos, tendo um foco maior em sua pesquisa e motivo de existência. Mas o que realmente temos é a personagem remoendo mágoas do passado, achando que não merece ser amada, e um romance muito sem sal entre ela e Sam.

De todos os personagens, o que mais gostei foi Stef, que além de um gênio da tecnologia, possui um humor diferente do normal e uma personalidade cativante. Sem contar que também é uma ótima dançarina. Como esperado, a personagem que mais odiei foi Lim, mãe de Ana, que sempre a tratou da pior maneira possível e a culpa pelo fato de Ana ter nascido no lugar de Cianna. Ela possui uma personalidade repudiante e atitudes de uma pessoa que, a meu ver, não merecia a vida eterna pois leva desgosto e tragédia a todo lugar que vai. 

Capa de Infinite, terceiro livro da série. 


"Não. Isso não estava certo. Uma sem-alma não poderia amar."
Pág. 49
Penso que o final foi um pouco corrido demais e muito sem explicações. Acho que a autora poderia ter dado pelo menos um gostinho do que seria realmente o muro ou como Ana nasceu em face aos acontecimentos provocados por seu "pai", bem como o motivo dos dragões e outros seres míticos quererem tanto destruir a torre de Heart. Mas, infelizmente, teremos que esperar alguns meses para descobrir todas essas respostas.

A edição está linda. Como disse, essa é uma das capas mais lindas que tenho na estante e a diagramação está perfeita, tendo um espaçamento legal entre linhas, uma fonte de um tamanho que facilita a leitura e ilustrações em cada inicio de capítulo. Não achei erros de revisão ou algo que demonstrasse uma tradução falha. Recomendo que cada um leia a obra e tire as próprias conclusões, afinal, quem sabe a autora não dá uma repaginada e faz um livro dois de "explodir cabeças"?

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 9º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.