Resenha + Promoção: A Corte do Ar - Stephen Hunt

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Unindo tecnologia "futurística" às cidades vitorianas do século XIX, o Steampunk vem conquistando uma legião de fãs. Como nunca tinha lido nada do gênero resolvi descobrir um pouco mais sobre essa realidade reconstruída lendo A Corte do Ar.

Para participar da promoção: clique aqui.


Quando a órfã Molly Templar testemunha um assassinato brutal no bordel onde foi colocada como aprendiz, seu primeiro instinto é correr de volta para o orfanato em que cresceu. Ao chegar lá e encontrar todos os seus amigos mortos, percebe que ela era o verdadeiro alvo, pois seu sangue contém um segredo muito cobiçado pelos inimigos do Estado. Enquanto isso, Oliver Brooks é acusado pela morte do tio, seu único familiar, e forçado a fugir na companhia de um misterioso agente da Corte do Ar. Perseguido pelo país, Oliver se vê cercado de ladrões, foras da lei e espiões, e pouco a pouco desvenda o segredo que destruiu sua vida. Molly e Oliver são confrontados por um poder antigo que se julgava destruído há milênios e que agora ameaça a própria civilização. Seus inimigos são implacáveis e numerosos, mas os dois órfãos terão a ajuda de um formidável grupo de amigos nesta aventura cheia de ação, drama e intriga.
Incapaz de se manter por muito tempo em um emprego Molly acaba sendo indicada a um bordel para trabalhar como prostituta, mas seu destino muda assim que seu primeiro cliente mata uma moça diante seus olhos. Desesperada ela foge para o internato onde cresceu e lá descobre que quase todos seus amigos foram mortos e que ela é alvo de um assassino. Sem ter para onde ir, ela acaba fugindo para cidade subterrânea habitada por foras da lei, onde começa a descobrir alguns detalhes sobre si.

Paralela à história de Molly, desenvolve-se a de Oliver, um rapaz que não pode sair do condado onde vive por ter sido exposto a uma substancia que faz com que as pessoas desenvolvam poderes instáveis, conhecida como Brumaencantada(sim, se escreve junto). Ele encontra o tio e a empregada mortos em casa e ao correr ao posto policial percebe que sua vida também corre perigo. Acusado por mortes que não cometeu, o rapaz se vê obrigado a fugir com um amigo de seu falecido tio. As tragédias que cercam a vida desses jovens são apenas o início de uma série de acontecimentos que os levarão a desvendar um pouco sobre os perigos que os rodeiam.

"Se você não vive no limite, está ocupando espaço demais." – Stephen Hunt*
"- Eu até podia suportar a minha prisão, Oliver, se não fosse a Guarda Especial. Só gente bonita, todos os meninos e meninas lindinhos, comendo do bom e do melhor, com as suas fardas de encantados trotando que o Estado os chama ao dever. Parecem um bando de cachorrinhos mimados e tolerantes. No começo, costumava fazer algumas visitas aos seus sonhos, Oliver, mas agora isso está além daquilo que sou capaz de suportar."
Pág. 130
Quando peguei esse livro me senti completamente perdida com tantas informações. Como se trata de um novo mundo, o autor teve que fornecer diversos detalhes, principalmente pelo fato de que o fundo político presente é complexo e essencial para a compreensão do contexto, portanto o leitor deve ficar atento para não confundir as diversas facções presentes e acabar tendo que voltar algumas páginas.

Os personagens são bem desenvolvidos e diversificados, cada um exercendo um papel fundamental para a história. Além dos humanos existem robôs, caranguenarbianos, encantados, e vários outros. Stephen Hunt foi simplesmente genial na apresentação de cada ser construído e o cenário é fantástico, levando o leitor a um futuro "totalmente desconhecido" gerado por acontecimentos que extrapolam os limites da imaginação.

Stephen Hunt autor de A corte do ar.
"- Não havia armas na Pousada das Setenta Estrelas. Meu tio costumava dizer que a melhor arma que um homem podia usar era a sua própria mente. As armas nos fornecem falsa coragem, fazem com que nos comportemos de maneira estúpida."
Pág. 134
A capa é PERFEITA, os desenhos presentes são ressaltados por verniz localizado e a janela com a imagem de aeróstato é feita de uma espécie de plástico, só quem teve a oportunidade de vê-lo em mãos tem ideia do capricho presente nessa edição. A diagramação infelizmente não é tão agradável, apesar das páginas amarelas, a fonte utilizada é pequena, o que torna a leitura cansativa em determinados momentos. 

O livro conta com um Glossário de Chacália nas últimas páginas. Lá encontramos algumas palavras desconhecidas/criadas pelo autor, porém algumas, necessárias para a compreensão da história, não estão presentes e só conseguimos ter uma noção do significado delas após a leitura de algumas páginas. A revisão está impecável e eu recomendo a leitura, mas devo ressaltar um fato: este livro é para ser lido com calma em face à gama de informações, portanto aconselho que faça isso durante o período de férias ou quando um longo tempo disponível. ^_^

* Imagem via Interação Literária

Abraços,
  Tamires Souza
TAMIRES DE SOUZA
É Resenhista aqui no Vida De Leitor. Desenvolveu sua paixão pela leitura ainda criança através de revistas em quadrinhos e desde então não vive sem um livro dentro da bolsa. Está terminando o Ensino Médio e sonha um dia cursar uma faculdade de Direito. Seus livros favoritos são: Série Rangers Ordem dos Arqueiros, A Seleção e a Série A Mediadora
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.