Mago: Aprendiz - Raymond E. Feist

Hey pessoal, tudo bem?

Tive com esse livro uma relação de amor e ódio. Ao passo que ele apresenta uma aventura épica repleta de magia, seres fantásticos e grandes viagens pelas florestas élficas e minas anãs, ele também apresenta uma narrativa um pouco lenta e um foco muito grande em personagens e situações que a meu ver poderiam ser excluídas da obra, deixando-a mais sucinta e dinâmica. Contudo, apesar desse pequeno problema de narração, esse livro entrou para a lista de Top Livros de High Fantasy que Recomendo Para os Amigos, afinal, quem nunca quis se aventurar por outros mundos?


Na fronteira do Reino das Ilhas existe uma vila tranquila chamada Crydee. É lá que vive Pug, um órfão franzino que sonha ser um guerreiro destemido ao serviço do rei. Mas a vida dá voltas e Pug acaba se tornando aprendiz do misterioso mago Kulgan. Nesse dia, o destino de dois mundos altera-se para sempre. Com sua coragem, Pug conquista um lugar na corte e no coração de uma princesa, mas subitamente a paz do reino é desfeita por misteriosos inimigos que devastam cidade após cidade. Ele, então, é arrastado para o conflito e, sem saber, inicia uma odisseia pelo desconhecido: terá de dominar os poderes inimagináveis de uma nova e estranha forma de magia… ou morrer. Mago é uma aventura sem igual, uma viagem por reinos distantes e ilhas misteriosas, onde conhecemos culturas exóticas, aprendemos a amar e descobrimos o verdadeiro valor da amizade. E, no fim, tudo será decidido na derradeira batalha entre as forças da Ordem e do Caos.
O livro conta a história de Pug, um órfão que mora nas torres do castelo do Duque de Crydee e que tem por objetivo se tornar um grande guerreiro e trabalhar a serviço do Duque. Contudo, nem tudo sai como planejado e, ao demonstrar um poder oculto, ele se torna aprendiz de Kulgan, o Mestre Mago daquele ducado. Após dar inicio a seu treinamento, Pug enfrente dificuldades para controlar seus poderes, sendo suas grandes façanhas frutos de acidentes no uso da magia e não por sua verdadeira intenção. Como se não bastasse, um navio de uma frota nunca vista naufraga na costa de Crydee e de dentro dele sai apenas um guerreiro, trajando uma armadura de um material único e falando um idioma que não pertence às terras do Reino. O que você faria se dois mundos estivessem prestes a colidir e a única maneira de salvar o mundo ao qual pertence fosse aprender uma magia há muito esquecida, ou morrer? 

Mapa de Midkemia
"- Enviei os cavaleiros mais rápidos aos elfos e aos anões, com pombos que trariam respostas. A Rainha dos Elfos mandou uma mensagem dizendo que está a caminho de Crydee e que chegará aqui dentro de dois dias.
Tully sacudiu a cabeça.
- Em toda a minha vida, não me recordo de ouvir dizer que Lady Aglaranna tivesse saído de Elvandar. Isso me gela até os ossos.
- A situação deve estar perto de uma crise grave para que venha até aqui. Espero estar enganado, mas acho que não somos os únicos com notícias desses tsurani - disse kulgan.
Um silêncio baixou sobre o quarto e Pug foi tomado por uma sensação de impotência. Afastou-a, mas seus ecos o seguiram durante vários dias."
Pág. 113
Como disse no inicio do texto, a narrativas de Raymond Feist é um pouco lenta e detalhada, mas isso é até compreensível, afinal, por ser o primeiro livro da obra ele precisa descrever seu mundo (que é lindo e a editora ainda mandou um mapa gigante para acompanharmos a aventura *__*) e sua mitologia para que o leitor consiga imaginar cada batalha e cada luta. Contudo, isso pode ser incomodo para quem gosta de uma narrativa mais rápida e dinâmica, como é o meu caso, mas isso não tira o brilhantismo da obra. 

Um aspecto da narrativa que amei, apesar do que foi citado acima, foi que o autor conseguiu pegar fatos históricos do nosso mundo e converter de uma maneira que iria se encaixar como uma luva no mundo criado por ele, e o maior exemplo que achei foi a maneira como ele descreveu a descoberta de que o mundo não era plano, mas sim um globo, como podem conferir no quote abaixo. 

Arte usada na capa. 
"- E assim era a noção de que o mundo era plano, até Rolendirk, um mago, devo lembar-lhe, enviar sua visão mágica a tal altura que descobriu a curvatura no horizonte, demonstrando claramente que o mundo é um globo!"
Pág. 59
Apesar de o personagem principal ser Pug, temos a narrativa sob o ponto de vista de vários outros personagens que também considero como principais, pois exercem um papel de suma importância na trama, o que os tornam personagens bem desenvolvidos e trabalhados, afinal, ao ver o mundo sob seus olhos conseguimos ter uma noção de como é sua personalidade e mentalidade. Minha única objeção a tal fato são os momentos em que os fatos são narrados sob o ponto de vista de Arutha, um personagem que acho insuportável (não que ele seja, mas eu não vou com a "cara" dele).

Faist criou dois mundos inimagináveis e belos, cuja magia é insuperável. Fico feliz que a editora Saída de Emergência Brasil vai dar continuidade na publicação da série que conta com quatro volumes, vez que o trabalho que estão fazendo quanto a edição está incrível. A arte da capa é linda e possui verniz localizado, a diagramação é simples e a revisão está impecável. Eu marquei como favorito no Skoob e dei 4 estrelas, sendo a leitura mais que recomendada a todos vocês!

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 8º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.