Brilho - Amy Kathleen Ryan

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

A busca por um planeta habitável sempre rondou nossas vidas aqui na Terra. De uma forma reluzente, Brilho, da escritora Amy Kathleen Ryan, acabou por abranger essa temática ao mesmo tempo que vai detalhando os diversos problemas que as naves enfrentarão bem como apresentando dados físicos, nos mostrando um pouco do quanto o universo é maravilhoso. Intrigante na medida certa, essa incrível obra vai sendo construída tendo por base a genética humana. 






A Terra não existe mais, e em duas naves que procuram um novo mundo no espaço, uma menina de 15 anos precisa casar e engravidar para garantir a sobrevivência da humanidade. Enquanto isso, uma sucessão de acontecimentos eletrizantes torna a jornada pelo espaço algo absolutamente imprevisto.


Depois de alguns acontecimentos, alguns humanos saíram da Terra em busca de um novo planeta para ser colonizado. Para realizar tal proeza, duas enormes naves foram construídas - New Horizon (NH)Empyrean - empregando um verdadeiro ecossistema, já que ambas tinham grandiosas áreas de cultivo. A missão a ser concluída era basicamente genética, conseguir manter a espécie humana até chegar à "Nova Terra". Contudo, todas as mulheres da New Horizon, que fora lançada um ano antes, tornaram-se inférteis, arruinando as esperanças de sobrevivência e, além disso, tornando-se uma ameaça às jovens que habitavam a Empyrean

Após 43 anos, a NH inesperadamente se aproximou da Empyrean enquanto eles atravessavam uma nebulosa, levantando algumas dúvidas, como a possibilidade deles estarem doentes, deixando a população a mercê das respostas do capitão Jones. Neste ponto conhecemos Waverly, uma jovem de 15 anos que sempre achou incomodo o fato da tripulação aspirar o casamento dela com Kieran, que em breve assumiria o cargo de capitão. Depois de algumas frustadas negociações, a Empyrean sofre uma invasão e as jovens acabam sendo "sequestradas" pela nave irmã, desconstruindo as vidas tranquilas que todos mantinham. 

Image and video hosting by TinyPic
O quão longe o ser humano iria para salvar a sua espécie? 
"Ele com dezesseis anos, e ela com quinze, eram as duas crianças mais velhas a bordo da Empyrean, e o relacionamento dos dois parecia natural, além de ser até mesmo esperado pelo restante da tripulação. No entanto, mesmo que não houvesse pressão social, Waverly seria a primeira escolha de Kieran."
Pág. 16
Harmônica, é a palavra que mais se adéqua ao definir a estruturação da narrativa, já que ela é feita em terceira pessoa e vai sendo desenvolvida sob o ponto de vista da Waverly, elucidando o que acontecia no interior da NH após ter sido sequestrada. Também temos a narração sob o ponto de vista de Kieran, relatando os danos sofridos após a invasão que a Empyrean sofreu. Além disso, a trama traz assuntos questionáveis sobre política e religião que serviram como plano de fundo para explicar algumas eventualidades, proporcionando um ritmo de leitura consideravelmente dinâmica e instigando o leitor a cada página. 

Waverly tem características fortes e consistentes. A jovem, cujos questionamentos são como combustível para movê-la, demonstrou coragem durante toda a sua estadia na NH, aparentando estar interessada em começar um motim para assim voltar à sua nave original. Contudo, em nenhum momento fui convencido que a personagem tinha somente 15 anos, já que suas temperadas atitudes "elevam" sua idade. Além disso, o triângulo amoroso infelizmente adentrou essa obra e assim construiu um laço entre a jovem, Kieran e Seth, deixando os dois adolescentes disputarem o coração da moça.

Toda a ambientação dos cenários onde a trama está sendo arquitetada é feita de maneira minuciosa, nos mostrando tanto a estrutura exterior quando a do interior das naves, como suas enormes áreas dedicadas ao cultivo. Entretanto, a sinopse tem algumas falhas quanto a informação do livro, já que a Terra ainda existe, mesmo que esteja inabitável.

Assim como ocorre traições na trama, eu me senti traído, iludido quando o assunto é vilão, já que aparentemente a autora arquitetou duas ilustres e impiedosas figuras, mas que de maneira alguma se comparam aos grandes vilões de outras obras. O jeito que Anne Mather, conhecida como Pastora, dialogava com as jovens raptadas chegava a ser satírico, sempre as chamando de "queridas", sem mencionar as desculpas que ela inventava que não convenciam ninguém. Contudo, em alguns momentos ela assumia uma postura mais carismática quando estava interessada em obter algum benefício. Já o capitão Jones foi o que mais me surpreendeu com tamanha proeza ao fazer algo (não posso revelar por ser spoiler), mostrando o que o poder em mãos erradas pode causar, mas ainda assim não conseguindo me convencer.

Image and video hosting by TinyPic
Capa americana
"- Às vezes, em nossas vidas, temos de enfrentar uma grande perda, cujo vazio se eleva e não nos deixa escolhas além de suportá-la. O que mais podemos fazer? Olhar para fora dos nossos portais vazios, para a imensidão do Universo, para os pontinhos das estrelas que pareciam eternas, e nos sentirmos tão pequenos, tão sozinhos. Insignificantes. Como poderíamos fazer algo realmente importante em tão imenso cosmo?"
Pág. 166
Confesso que quando iniciei a minha leitura desconhecia a forma como a autora iria desenvolver sua trama. Porém, depois de ler as últimas páginas, pude perceber que ela conseguiu explorar detalhadamente uma pequena temática de uma forma brilhante, deixando no leitor aquele gostinho de quero mais. Brilho faz parte de uma trilogia e com isso espero mais segredos, revelações, intrigas e traições nos próximos volumes, lembrando que almejo uma adaptação cinematográfica para essa eletrizante e inquietante obra.

A diagramação está considerável e a edição está bem trabalhada, já que a arte gráfica presente na capa é composta por pequenos pontos feitos em glitter. Além disso, há pequenas citações de outras obras em algumas páginas escuras que fazem a troca de narrador. A Editora Geração disponibilizou um trecho do livro e caso queiram lê-lo, clique aqui


Booktrailer produzido pela Geração Editorial

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre Negra, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.