O Estranho Caso do Yoda de Origami - Tom Angleberger


Hey pessoal, tudo bem?

Esta obra é uma excelente recomendação para quem está cansado de livros com temas muito polêmicos ou triângulos amorosos complexos. Com uma narrativa descontraída e muito divertida, Angleberger nos relembra como é bom ser criança e fazer coisas que elas fazem, como deitar no chão da biblioteca, fazer dedoches de origami, ficar no canto observando a garota que gosta no outro canto do salão de festa sem ter coragem de chamá-la para dançar e acima de tudo, ser você mesmo.

DOUG É UM GAROTO MUITO, MUITO ESTRANHO. Ele sempre faz coisas esquisitas, como usar a mesma camiseta durante um mês, dançar feito maluco e se deitar no chão da biblioteca. Isso é constrangedor, principalmente para Tommy, que passa o recreio com ele todos os dias. Por outro lado, Doug faz uma coisa muito legal: origamis. Um belo dia, ele cria um dedoche de origami do Yoda, o sábio personagem da saga Guerra nas estrelas. E aí tem início um grande mistério. O Yoda de Origami prevê o futuro e sempre sabe como lidar com uma situação difícil. Seus conselhos funcionam mesmo e logo a maioria dos alunos da escola está fazendo fila em busca de soluções para seus problemas. Tommy não entende como o Yoda de Origami pode ser tão sagaz se o Doug é tão sem noção. Tommy precisa resolver esse mistério antes de aceitar seu conselho sobre uma garota. Este é o relatório que Tommy preparou ao investigar O estranho caso do Yoda de Origami. Para torná-lo imparcial, ele incluiu os comentários de Herbert, um colega que nunca acreditou no Yoda de Origami.
O livro conta a história de vários pré-adolescentes e dentre eles os principais são Tommy e Doug. Este é o cara mais estanho da escola e tende a ficar fazendo maluquices ao passo que aquele é mais centrado e amigo de todos. Eis que um dia Doug cria um dedoche na forma do Yoda, anão verde que parece o Mestre Ancião, do filme Guerra nas Estrelas e esse dedoche começa a dar conselhos e a responder as mais complexas perguntas dos demais alunos, incluindo coisas sobre o futuro. Não é o boneco que fala por si só, é o próprio Doug que conversa como se fosse o Yoda, mas com uma voz meio macabra. Até o dia em que Tommy decide entrar na brincadeira e pergunta algo muito importante, só que ele não sabe se pode ou não confiar no Yoda, pois ele acha que é tudo uma encenação e que Doug está pregando uma peça em todos. Será que Doug é mesmo tão esperto ao ponto de conseguir se fazer passar por um personagem tão sábio?Ou os poderes do dedoche são verdadeiros e ele está realmente usando a Força?

Yoda de Origami

"Um dia, a professora Tina pediu que ele pegasse a bola no armário de equipamentos para a aula de educação física. Como estava demorando, a professora mandou o Lucas ir buscá-lo. O Doug estava dentro do armário batendo na porta e gritando: "Esquilos! Venham me salvar!"
O Lucas abriu a porta para ele e o Doug disse: "Ah, pensei que abrisse para o outro lado.""
Pág. 43

Como disse no começo do texto, este é um livro para ser lido de maneira descontraída e despreocupada, por isso, se pensa se deparar com grandes questões do cotidiano ou palavras dignas de Shakespeare, desista. Esta é uma obra sobre crianças e para crianças - ou para aqueles cuja "juventude nunca morrerá". Desta feita, e iniciando a leitura dessa obra com estes detalhes em mente, temos um dossiê muito bem elaborado e cheio de comentários feito pelos alunos que buscam provar a veracidade ou não do tal Yoda de Origami, nos remetendo a uma época em que não tínhamos que nos preocupar com faculdade, carreira e nosso futuro. Sem generalizar, digo que esta obra é, no mais, uma ótima maquina do tempo capaz de transportar nossa mente para memórias há muito esquecidas.

Os personagens são bem superficiais, como já esperado, e após cada relato dois outros alunos da escola fazem contrários sobre o que aconteceu, muitos deles hilários ao passo que outros nem tanto. O livro também passa a ideia de que não devemos julgar uma obra pela capa, ou uma pessoa pelo que ela aparenta ser e o exemplo disso é Doug, que mesmo sendo um grande estereótipo de uma criança com sérios transtornos, não deixa de viver a vida ao máximo e se diverte da maneira que pode.

Yoda de "verdade"

"- Desses sentimentos livre-se, Mike. Ódio e vingança ao lado negro apenas levam."
Pág. 29

A edição feita pela Sextante é simplesmente PERFEITA! O livro possui capa dura e verniz localizado no título e na ilustração. As páginas são uma espécie de imagem de um papel - ele está como se tivesse sido maltratado pelo tempo - e sempre há ilustrações (desenhos feitos à mão) no final e no meio de algumas páginas, sendo que muitos deles representam alunos ou cenas narradas. Ao final ainda tem um tutorial de como fazer seu próprio Yoda de Origami *__*. Quer mais ou já está desejando desesperadamente esse livro na estante? HAHAHA No mais, uma leitura recomendada para quem quer fugir para sua infância ou curar uma boa ressaca literária. 

Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 8º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Ask - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.