Insurgente - Veronica Roth


Hey pessoal, tudo bem?

Justamente quando achava que a Tia Veronica não conseguiria se superar, ela chega sambando na cara da  Erudição e mostrando que as coisas são bem mais complicadas do que aparentam e que Tris e Quatro/Tobias não são de brincar em serviço. Insurgente foi um dos lançamentos mais aguardados do primeiro semestre de 2013 e realmente cumpriu o que prometeu, nos apresentando um enredo cheio de reviravoltas e uma aventura completamente alucinante.













Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama - e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.

Insurgente começa logo onde Divergente terminou, ou seja, não há aquele lapso temporal comum em outros livros e isso é bom, pois ajuda o leitor a lembrar o que aconteceu no final do volume anterior sem que ele tenha que reler a obra. Quatro e Tris estão no trem em direção à sede da Amizade para buscar ajuda e assim conseguir lidar com o fato de que a Erudição está querendo tomar o controle das demais facções e com isso criar um sistema de governo onde todos estão sob o efeito de uma simulação, criando assim uma sociedade utópica. Tris terá que provar que Audácia foi realmente a facção que escolheu, já que sua vida e a daqueles que ama estão correndo perigo e ela precisa fazer o que for preciso para garantia que nada aconteça.

Elenco da adaptação cinematográfica 

"As lágrimas acumulam-se em meus olhos e não tento afastá-las. Em vez disso, olho para o ambiente ao meu redor através delas, e ele fica borrado. Há alguns dias, nunca teria chorado na frente de Peter, mas não ligo mais. Ele é o menor dentre meus inimigos."
Pág. 332

Como disse no inicio desta resenha, Insurgente não só foi um dos mais esperados livros de 2013 como também conseguiu me cativar de uma maneira que sinceramente não esperava que fosse acontecer. A autora não tem medo de mostrar que o mundo é cruel e que os responsáveis por isso são as próprias pessoas, conseguindo descrever em seu romance um dos possíveis futuros da raça humana caso sua busca por poder continue a crescer. 

Os diálogos são muito bem elaborados e ela soube fazer a dosagem certa entre eles e os momentos de descrição, criando grandes expectativas sobre o que acontecerá em seguida. Os personagens apresentaram um nível de desenvolvimento espantoso comparado com Divergente - exceto Peter, que continua o mesmo ser desprezível e vil - tornando Tris uma de minhas protagonistas favoritas de séries distópicas. 

Capa e título do 3º livro

"A batalha que estamos travando não é contra um grupo em particular. É contra a própria natureza humana, ou pelo menos o que ela se tornou."
Pág. 507
Os livros da trilogia Divergente, em minha opinião, devem ser leituras obrigatórias para todos aqueles que são apaixonados por literatura. Se você nunca leu nada relacionado a distopias, recomendo veemente que comece com os livros da Tia Veronica, eles são simplesmente sensacionais e eu agradeço muito à Jéssica do Lendo e Comentando e ao Nick do Tudo Por Um Livro, pois foram os que me incentivaram a descobrir os mistérios das facções. 

Confira mais novidades no SiteTwitter e Facebook da Editora Rocco.


Como disse acima, quem me apresentou a trilogia foram a Jéssica e o Nick - mas só a Jéssica que me deu os livros de presente (vê se aprende Nick! Hahahahaha). A versão que ela me deu foi a americana e juntamente com os livros veio o "The World os Veronica Roth's #1 NYT Bestselling Divergent Series" e nele, além de quiz, trilha sonora e informações exclusivas, temos também o manifesto todas as facções e irei traduzir abaixo um trecho do manifesto da Audácia. Espero que gostem!

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Em vidas confortáveis.

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Que o silêncio é útil.

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Em boas maneiras.

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Em limitar nossas vidas.

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Em mentes vazias, bocas vazias ou mãos vazias.

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Que aprender coisas violentas encoraja
Violência desnecessária.

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Que devemos ser autorizados a ficar de braços cruzados.

NÓS NÃO ACREDITAMOS
Que alguma outra virtude é mais importante que a bravura.
Trecho do Manifesto da Facção Destemor

Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 7º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Ask - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.