Mangás de Shakespeare: A Tempestade - William Shakespeare




Hey pessoal, tudo bem?

Sempre fui grande fã da cultura japonesa e minha paixão por mangás e animes é inigualável  Imaginem a minha cara quando vi que a Galera Record estava lançando a coleção Shakespeare em Mangá - *__*. É a junção de tudo o que é bom: literatura e "quadrinhos". Se você sabe quem é o Tio S., recomendo que corra e compre todas as obras já lançadas dessa coleção. Se não sabe, se mata corre no Google e faça uma pesquisa sobre a vida e obras dele. Garanto que já viu ou ouviu falar de alguma de suas peças pelo menos uma vez na vida. Afinal, "há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe vossa vã filosofia".


A tempestade é uma história de vingança, é uma história de amor, é uma história de conspirações oportunistas, e é uma história que contrapõe a figura disforme, selvagem, pesada dos instintos animais que habitam o homem à figura etérea, incorpórea, espiritualizada de altas aspirações humanas, como o desejo de liberdade e a lealdade grata e servil. Uma Ilha é habitada por Próspero, Duque de Milão, mago de amplos poderes, e sua filha Miranda, que para lá foram levados à força, num ato de traição política. Próspero tem a seu serviço Caliban, um escravo em terra, homem adulto e disforme, e Ariel, o espírito servil e assexuado que pode se metamorfosear em ar, água ou fogo. Os poderes eruditos e mágicos de Próspero e Ariel combinam-se e, depois de criar um naufrágio, Próspero coloca na Ilha seus desafetos (no intuito de levá-los à insanidade mental) e um príncipe, noivo em potencial para a filha. Se o amor acontece entre os dois jovens, se a vingança de Próspero é bem-sucedida, se Caliban modifica-se quando conhece os poderes inebriantes do vinho numa cena cômica com outros dois bêbados, tudo isso Shakespeare nos revela no enredo desta que por muitos é considerada sua obra-prima – uma história de dor e reconciliação.

Bom pessoal, não vou entrar em detalhes sobre o enredo da obra, pois isso pode ser aferido na sinopse. Para quem não fez a pesquisa que falei para fazer no inicio - coisa feia hein!? ¬¬ - o Tio S. escrevia peças de teatro e dentre suas mais renomadas obras estão: Hamlet, A Tempestade, O Mercador de Veneza e Romeu e Julieta. Quem já teve a oportunidade de ter alguma de suas peças em mãos, verá que no começo ele sempre fazia uma apresentação de todos os seus personagens e, na versão em mangá, este fato ganhou uma nova roupagem - muito melhor a meu ver. Não temos só o tradicional texto onde aparece o nome do personagem e quem ele é na história, mas sim, temos varias ilustrações - bem desenhadas e coloridas - de cada um deles, bem como alguns quotes que aparecerão ao longo da leitura. Confira abaixo:



O que me fez gostar tanto deste livro não foi a história em si, mas a possibilidade de, através do desenho, mostrar as reações dos personagens e os cenários da ilha. Não gostei muito do Próspero pois, mesmo ele sendo o Duque de Milão por direito e ter sido traído por seu irmão, ao ir para a ilha e tramar uma tremenda vingança ele acabou por usar as "pessoas" como marionetes. Tudo bem que o Caliban é meio grotesco - pé grande feelings - e que é filho de uma bruxa maligna from hell, mas isso não quer dizer que o cara precisa ser um escravo e se submeter sempre à vontade do "mestre".

Gostei muito do Ariel, o espírito. Mesmo estando preso à vontade de Próspero, ele usou de seu livre arbítrio e senso do que é certo ou errado para impedir que o irmão do verdadeiro Duque de Milão matasse o Rei enquanto ele dormia.

"-Por que não nos mataram logo, então?
-Não ousaram, conscientes de que o meu povo me amava, mas às pressas nos levaram. Mas adentro umas léguas, nos deixando no casco apodrecido de um navio. Por instinto até os ratos já o haviam deixado. Até lá nos içaram para que gritássemos em coro com as ondas.
-Ai de mim! Quanta dor não te causei.
-Foste um anjo que me salvou a vida.¹"
   Pág. 34 e 35

Miranda e Ferdinando são bem chatinhos. Ele naufragou na ilha e acha que seu pai está morto e ao ver Miranda se apaixona perdidamente por achar que era uma divindade e que foi ela, juntamente com o pai (Próspero), que o salvaram. Ela, como sempre morou na vida e nunca viu um "par de calça" na frente, acha ele o homem mais lindo da face da terra e fica perdidamente apaixonada. Só faltou falarem que vão fugir e viver de amor. ¬¬

Quem nunca leu nada desse autor, irá estranhar um pouco a narrativa. Ele usa um vocabulário um pouco mais rebuscado e a tradução foi feita de maneira a traduzir o estilo narrativo decassílabo branco inglês para o decassílabo branco português, tendo muitas rimas e sendo levemente alterado para se adequar ao nosso vocabulário. 

Recomendo esse mangá para todos. Os novos e os velhos do mundo shakespeariano. Mesmo sendo voltado para um público mais jovem, nada impede que alguém que já leu as obras originais passe bons momentos ao lado das ilustrações lindas e bem desenhadas feitas por Paul Duffield.

1 - Rosa: Miranda. Azul: Próspero

Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 7º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos.
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.