O Reino de Mira - Mateus Lins


Hey pessoal, tudo bem?

O Reino de Mira possui todos os requisitos para adentrar na temática Contos de Fadas. Estão presentes: Um reino, uma princesa, um plebeu que conquista o coração da referida monarca, uma floresta mágica, uma bruxa, um dragão e um unicórnio muito divertido. Mas o que o difere dos demais Contos de Fadas? A resposta é simples. Ele não só apresenta personagens muito bem construídos como acompanha suas vidas em suas batalhas, tanto externas quanto internas, bem como o crescimento de caráter de cada um deles. Até mesmo uma simples árvore pode representar uma papel de suma importância dentro da Floresta dos Quatro Ventos.








Do que você seria capaz para proteger aqueles que ama? O Reino de Mira traz à tona a história de Mira, uma princesa cheia de responsabilidades que vive em um castelo cercado por um magnífico e pacífico reino. Entretanto, os tempos trazem surpresas à garota e desafios vão se traçando para ela e seu melhor amigo, Pedro. A chegada inesperada de uma nova personagem muda todo o rumo da história e obriga Mira e Pedro a embarcarem na maior aventura de suas vidas. Juntos adentrarão em uma jornada mágica, onde o impossível se torna possível, onde mistérios vivem promissoramente e o destino é cada vez mais incerto.
O livro conta a história de Mira, a princesa do reino. Quando Elen, uma bruxa, lança um feitiço sobre todos seus súditos e apenas Mira não é afetada, ela decide se infiltrar no castelo e ocupar o lugar de conselheira da princesa. Um dia, após vários esforços de submetê-la a seu poder, Elen decide que chegou a hora de assumir seu "lugar" como soberana do reino e lança uma espécie de maldição por toda a região, exceto na Floresta dos Quatro Ventos, fazendo com que esqueletos voltassem à vida para lutar a seu favor. Eis que Mira, com a ajuda de seu amigo de infância, Pedro, precisam buscar a ajuda de Septimus, um druida muito poderoso que vive nas entranhas da floresta, para poder quebrar o feitiço de Elen e retornar o trono a quem é de direito.

Castelo do Reino de Mira
"Um zumbido pode ser ouvido nos arredores do acampamento, e cruzando um trecho envolto por palmeiras imperiais, um velho homem surgiu, terminando com a tranquilidade local. Ele montava um unicórnio branco, no qual sua crina se espalhava ao vento, exaltando um brilho completamente natural e resplandecente. Ambos iluminaram a paciente noite que começara a nascer."
Pág. 119 - 120
Como disse no inicio, essa obra pode ser considerada um novo conto de fadas, mas o que a difere é a narrativa e aventuras dos personagens. Uma floresta sombria protegida por dríades e um campo de rosas guardado por um dragão não é algo muito comum no corrente gênero e é justamente por isso que este livro é tão especial.

A narrativa é linear e destinada ao público infantil/juvenil - mais o primeiro que o segundo, o que torna o livro algo leve e prazeroso. A diagramação é simplesmente perfeita, contendo imagens, desenhos e divisões de capítulos muito bem elaboradas. Não achei erros gramaticais nem de revisão. Contudo, como nem tudo são rosas - exceto o jardim das rosas... Rsss - senti que alguns dos diálogos presentes na obra aconteciam muito rápidos e alguns deles eram óbvios demais, devendo o autor então procurar explorar mais esta área nos próximos livros. Outro aspecto que acho que pode ser melhor trabalhado é a passagem de tempo. Estou tendo problemas com livros que fazem uma passagem muito rápida. Esta obra possui apenas 220 páginas e 13 anos se passaram durante a narrativa ao passo que já li livros que possuem 800 páginas e contam a história de 3 ou 4 dias. Mas isso varia de leitor para leitor e essa é uma observação pessoal.

Floresta dos Quatro Ventos

Dedico este parágrafo aos meus personagens favoritos, quais sejam, Brian e Otto, Unicórnio e Dragão respectivamente. Vocês vão pensar "Nossa, seu personagem favorito é um unicórnio?". Sim, é e não me envergonho disso porque ele além de divertido não é como os Poneis Malditos que ficam rodando nos carroceis aguardando o momento oportuno de devorar sua alma. Já Otto me agradou pelo simples fato de ser um dragão. Sério pessoal, vocês não tem noção do quão apaixonado eu sou por essa raça. Queria até ter um dragão de comodo em casa mas o cara do Ibama disse que não podia. ¬¬

Diferença entre Brian e um Ponei Maldito. Sacaram!? Hein? Hein? O_O

Recomendo a todos que querem uma leve aventura e um reino encantado à beira de uma floresta mágica. Agora se você quer algo mais dinâmico,  recomendo que leia mesmo assim, pois em muitas cenas me peguei torcendo pelos personagens e dando várias gargalhadas de Brian sonhando em um dia voar nas costas de um dragão. 

Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 7º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos.
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.