Book Chat #03 - Preconceito Literário


Hey pessoal, tudo bem?

O Book Chat é uma coluna criada pela Misty do blog The Book Rat e tem por objetivo discussões que envolvam o tema "Livros e Literatura" de uma maneira geral. A coluna é feita originalmente em vídeo, contudo, decidi fazê-la em forma de post para facilitar as um pouco as coisas. 

Preconceito Literário

Quem nunca sofreu algum tipo de preconceito por parte de amigos ou familiares só porque gostava de algum livro ou gênero específico? Ou que quando disse para um amigo/conhecido que gostava de ler Crepúsculo/50 Tons de Cinza foi alvo de chacotas e exposições ao ridículo? Pois é, isso ocorre mais do que você pode imaginar e é fruto de uma sociedade que, ao esconder dos demais o que realmente gosta ou o que realmente é, julga aqueles que não possuem tal medo meramente por não se preocuparem com a opinião alheia.

Confesso que já fiz MUITA piada com quem lia Crepúsculo e pegava muito no pé, mas nunca ofendendo ou faltando com respeito, pois eu também já li todos os livros da série e quando ia para o ensino médio com o livro na mochila para ler nos intervalos também era alvo de piadas e comentários maldosos. Contudo, a diferença é como disse: jamais ofendi ou julguei o gosto de quem lê, uma vez que minha piadas eram voltadas para os personagens e não para quem lia o livro. Edward é primo da TinkerBell.

O verdadeiro problema começa quando ultrapassamos o limite da boa convivência e invadimos a esfera intima da pessoa, fazendo com que ela não só fique magoada, mas acabe por desistir da leitura pelo simples medo do que os outros irão pensar. Vi outro dia no blog Minha Vida Por Um Livro, da Marina, ela comentando em um dos vídeos que uma menina mandou um e-mail/carta (não lembro qual foi) dizendo que tinha vergonha de admitir em publico que estava lendo o livro X e os colegas de sala não a deixavam em paz e foi justamente isso que me motivou a escrever este texto.

Todos os dias vejo blogueiros e leitores publicando nas redes sociais que 50 Tons de Cinza é um lixo, que quem lê Crepúsculo não é hétero e que se você não gostou de Jogos Vorazes você não sabe o que é um livro bom. Acordem para a vida pessoal. Não é porque eu não gostei - ou gostei - de um livro que serei menos que o outro ou serei mais que ele. Cada um tem direito de formar a sua própria opinião sobre determinado livro e expor da maneira que quiser, contudo, não devemos nunca violar a esfera alheia. O dito popular "o seu direito termina quando o do próximo começa" soa familiar para vocês? Não devemos julgar ou crucificar um amigo por ler Crepúsculo ou chamar de promíscua um mulher que achou em 50 Tons de Cinza um motivo para elevar sua auto-estima e acreditar na sua "deusa interior". Nós devemos é celebrar que a cada dia mais leitores surgem e que a literatura está se propagando pelo país. 

Agora levanto aqui um outra questão: Qual a quantidade de "brincadeiras" e piadas as pessoas tem que aguentar até que comece a violência e assédio moral propriamente dito? Crianças e adolescentes sofrem de preconceito e bullying todos os dias em todos os lugares e sabe o que acontece? Nós observamos isso acontecer e não tomamos nenhuma atitude. Seria por medo de ir contra o "grupinho cool" da escola/faculdade/trabalho? Ou seria medo de sair da zona de conforto para ajudar o próximo? 

Temos que aprender a respeitar o gosto alheio porque um dia seremos nós que seremos alvo de preconceito. Não somos donos da verdade e não é porque um livro X não me agradou que ele não vai agradar a outras milhares de pessoas. A exemplo temos o livro Circo da Noite que é um de meus favoritos mas que não agradou a MUITA gente no meio literário, mas nem por isso eu fui no blog deles e comecei a postar comentários desrespeitosos e a brigar com os autores da resenha só porquê sua opinião difere da minha (sim, isso já aconteceu aqui no Vida de Leitor). 

Bom pessoal, espero nestas poucas palavras ter conseguido colocar alguns de vocês para pelo menos pensar um pouco na maneira que agem ou pensam, pois o que é engraçado para nós, pode ser humilhante para outro. Ou o que dizemos em tom de brincadeira pode ofender e magoar alguém próximo de você. 

P.s: Antes que comecem a me crucificar, este texto não foi indireta ou insinuação para nenhum blogueiro em particular ou nada parecido. São apenas crenças que tenho e indignações que me fazem pensar sobre até que ponto o ser humano é capaz de chagar para alcançar o topo.

Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 7º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos.
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.