Book Chat #02 - Blogueiros São Influentes? + Modinhas Literárias

Book Chat

Hey pessoal, tudo bem?

O Book Chat é uma coluna criada pela Misty do blog The Book Rat e tem por objetivo discussões que envolvam o tema "Livros e Literatura" de uma maneira geral. A coluna é feita originalmente em vídeo, contudo, decidi fazê-la em forma de post e pretendo, sempre que possível, trazer algum convidado para discutir o tema em pauta juntamente comigo.

Essa semana nossa convidada é a Letícia do antigo Bom Humor Literário, que foi hackeado recentemente. Os temas da pauta de hoje são:


Blogueiros São Influentes?

Blogueiros são realmente influentes? Acredito que sim pelo seguinte motivo: a partir do momento que você publica algo na internet você não sabe que tipo de pessoa vai ler. Já tem quem diz que somos formadores de opinião. Esse acredito que seja um termo exagerado, ideias e conceitos estão aí para serem compartilhados desde sempre, imortalizados pelos livros, blogueiros não fazem mais do que difundir essas informações. Não somos originais a tal ponto. 

O fato é que vivemos de influências desde a nascença. Acontece na TV, nos jornais e nos livros, quase em todos lugares. A difusão da informações nessa geração dita Milleniun (e você já pode imaginar pelo nome quem são) é impressionante já que usam da internet como um conector de opiniões. E por vezes se identificam mais com pessoas a milhares de quilômetros dos que aquelas que divide a casa. 

Amizades e pessoas que confiam em você tendem a se influenciar, mas não há garantias, até porque as pessoas tem a inteligência de seguir seu próprio estilo. Contudo não é impossível acontecer. Se seus leitores acreditam nas suas análises, parabéns, não vejo essa influência como um mal. Você está querendo que a pessoa leia um livro e não se mate na marginal.
Não me influencia, este é o meu caso, uma resenha morna e moldada a cor do arco-íris, por assim dizer, um breve resumo sem sal. Mas simplesmente não comento, deixo de ler e até de visitar.A forma de não concordar é que acho vaga e tola. Milhares de opiniões na internet, se alguém discorda basta respeitar, não há necessidade de discutir, pois se procurar bem, achará outras centenas que batem com a sua.

O que não entendo é esse puritanismo no sentido de blogueiro ser influente. Talvez achem que esse termo puxa logo para o lado de ser “vendido”, bom, isso é risco que todos correm. Parcerias nada mais são do que avaliações de produtos, comuns em qualquer empresa. A partir do momento que você tem elo com uma empresa ou faz propaganda de tal produto, o que difere é a honestidade diante da situação. Apontar os dois lados da crítica (que sempre existe) é o mais imparcial que se pode ser. 

Mas se acham que enganam como essa história de "criei meu blog só pra passar minha opinião e mais nada", de fato não vejo somente isso. E, ora, criam promoções pra segui-los até no raio do último perfil social deles? E se não quer ser influente porque reclama quando perde seguidor? Como se uma ovelha tivesse se desviado do caminho. 

Se você quer mostrar só seu gosto literário na internet, lamento, você está fazendo isso errado, ou ao menos mascarando essa pretensão de ser (ou tentar ser) influente. O que está na rede é para ser visto, ainda mais no caso de opiniões as pessoas são muito influenciadas, portanto, escreva um diário se quiser passar em branco.

Se um blogueiro quer mesmo não influenciar ninguém, que tire a caixa de seguidores do blog, desative os comentários e cancele as parcerias,pois a própria estrutura do blog diz isso. Só assim poderá passar por um leitor mais exibido, que quer só mostrar daquilo que gosta. E mesmo assim não há garantias de que uma pessoa leia, se identifique e agregue aquilo pra ela, não de um modo alienatório, mas sim como uma descoberta de si mesmo. 

*As opiniões aqui expostas são minhas, em casos de queimaduras procure o Dr. Respeito no Hospital Ali na Pia tem Louça.

Abraços,
Letícia
@Bmliterário - Facebook

Modinhas Literárias

Hey pessoal, tudo bem? 

Como nossa querida amiga Letícia, vulgo DogFace, abordou praticamente todos os parâmetros do tema “Blogueiros são Influentes”, irei tecer breves comentários sobre a influência que certos lançamentos exercem no mercado editorial fazendo com que a famosas “modinhas” apareçam. 

O sucesso das franquias Crepúsculo e Cinqüenta Tons de Cinza são inegáveis, assim como também é inegável a quantidade de livros que tentaram conquistar seu tão sonhado lugar na lista de Best Sellers do The New Tork Times copiando descaradamente as idéias presentes nos livros, em alguns casos até mesmo o estilo da capa, como foi o que ocorreu com uma editora nacional, ou o título, como no caso do livro Cinqüenta Tons de Galinha (livro de receita). O_O 

Entendo perfeitamente o motivo de isso ocorrer, até porque, quem não quer seus 15 minutos de fama e sucesso!? Mas não concordo quando isso ocorre, já que para mim, fazer sucesso com base na ideia de outros, é o mesmo que plágio. Você não transcreveu o livro, mas pegou a ideia e simplesmente alterou. 

Outro aspecto que temos que levar em consideração é o quanto o ser humano é influenciável. Não sejamos hipócritas, você é influenciável, eu sou influenciável, todo mundo é influenciável, não por opção, mas pela maneira que somos criados, já que a própria sociedade impõe padrões de comportamento. Um exemplo clássico disso é o caso das concubinas e dos casamentos homo afetivos. Por mais que muitas pessoas considerem certo, e palmas para elas pois TODOS sem exceção merecem respeito, muitas pessoas ainda torcem o nariz e preferem viver dentro de sua zona de conforto. Voltemos ao tema em questão. 

Sei que na literatura atual está cada vez mais difícil criar algo original e jamais visto, mas o que muitas pessoas não percebem é que mesmo a história sendo clichê, se ela for bem feita, ela pode ser original. O Nicholas Sparks é o maior exemplo do que falei. Todos os seus livros giram em torno de relacionamentos adultos e adolescentes e envolvem tragédias, mas a maneira como ele trata cada uma das histórias é que fazem delas o sucesso que são. 

Garanto a vocês que a gratificação de ter seu trabalho reconhecido por próprio mérito é mil vezes melhor do que ter seu nome famoso em face ao sucesso alheio, pois você sempre será comparado e nunca será o ponto de comparação. 

E vocês? Qual a opinião de cada um sobre os temas abordados? Deixem sua perspectiva nos comentários. ^_^

 Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 6º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos.
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.