Book Chat #01 - Resenha Negativa: Pró ou Contra?

Book Chat

Hey pessoal, tudo bem?

O Book Chat é uma coluna criada pela Misty do blog The Book Rat e tem por objetivo discussões que envolvam o tema "Livros e Literatura". A coluna é feita originalmente em vídeo, contudo, decidi fazê-la em forma de post e pretendo, sempre que possível, trazer algum convidado para discutir o tema em pauta juntamente comigo.

Como este é o post de estréia, nada melhor do que fazer uma discussão sobre um tema um pouco polêmico na blogosfera literária ultimamente e nossa convidada especial é a Gleice Couto do blog Murmúrios Pessoais. E o tema da semana é:


Resenha Negativa: Pró ou Contra?

Sou a favor de a pessoa expressar a sua opinião. Todos têm o direito de falar o que bem entendem... Desde que não confundam crítica com falta de respeito. A linha é tênue e, infelizmente, temos visto algumas pessoas ultrapassando. E o pior: sem propriedade.

Escrever resenhas requer não somente o conhecimento do português (indispensável), mas também domínio de questões técnicas relacionadas à estrutura de narrativa, construção de personagens e plot. E pra isso, gente, só estudando. Ok, a esmagadora maioria dos blogueiros faz isso de hobby (eu!) e trabalha em outras áreas que não a editorial. Ninguém aqui tem diploma de "crítico literário". Portanto, além disso tudo, destaco o bom senso. 

Com bom senso vamos longe (e em qualquer área de nossas vidas). Com ele, você consegue dizer, no seu jeito único, que se apaixonou por um livro, que se esqueceu em suas páginas, que viveu outra vida - e isso sem mencionar técnica, apenas o coração. Com ele, você também consegue demonstrar o quanto aquela trama não faz sentido, o quanto a achou superficial e seus personagens não te encantaram - novamente, sem precisar de nenhum conhecimento técnico pra isso. Nas duas formas só foi preciso uma coisa: educação.

A resenha negativa é tão importante quanto à positiva. Através de ambas, conceitos e impressões podem ser revistos. Mas a questão é: você faz a resenha negativa com propriedade? Possui argumentos válidos (mesmo que não sejam técnicos)? Porque se for pra dizer que não gostou porque não foi com a cara; ou que não gostou de algo que nem leu, sinceramente, está perdendo uma boa oportunidade de ficar calado.

Blogueiro não é formador de opinião, ele exprime sua opinião. Tão somente isso. Nada de lavagem cerebral, nem de mover as massas. Então, mais humildade, colegas da blogosfera literária. Acredito que estamos aqui apenas para nos divertir, fazer amizades e falar sobre livros - bem ou mal, mas nos limites da boa convivência.

Abraços,
Gleice Couto



Este é um tema que envolve muito mais do que apenas ser a favor ou contra esse tipo de resenha, pois envolve temas como qualificação, bom senso, capacidade de análise crítica e o famoso "vou fazer resenha um mar de flores para agradar a editora e ganhar mais livros". Contudo, não posso discorrer minúcias sobre tais temas, caso contrário esse post seria quilométrico...Hahahaha.

Em um primeiro momento, assumo que concordo plenamente com nossa amiga Gleice Couto no que tange à competência para fazer uma crítica ao texto alheio. Para fazer é realmente necessário uma formação e muito estudo, pois se vamos colocar defeito no que os outros fazem, devemos antes ser, no mínimo, melhores. Entretanto, erros gritantes como: falta de acentuação, erros de digitação, palavras repetidas e a palavra "preciso" escrita com Z, são notórios para nós blogueiros que fazemos tal "trabalho" por diversão e para propagar a leitura em nosso país.

Tal análise nos leva ao ponto mais polêmico dessa discussão, qual seja, a "venda" de resenhas para conseguir uma determinada parceria, agradar um autor ou ganhar mais livros de editoras. Tenho plena consciência de que o mesmo livro pode, e é, diferente aos olhos de cada pessoa. Uma história que conseguiu abalar minhas estruturas e me proporcionar horas de devaneios, pode não ter o mesmo efeito em outro leitor. Porém, é um absurdo, que livros com erros grosseiros de português, ausência de uma continuidade na narrativa, personagens "sem sal" e erros de digitação ganhem 4/5 estrelas de um determinado resenhista, o que induz aos leitores ao erro já que eles confiam na palavra do blogueiro, unicamente para cair nas graças da editora. É neste ponto que devemos usar do bom senso e valorizar nosso trabalho já que, por mais que nosso objetivo não seja "fazer a cabeça" de nossos leitores, muitos despertam o desejo por um determinado livro após ler uma resenha positiva do mesmo.

Desta feita, penso que resenhas negativas são sim necessárias para que você possa realmente conhecer uma obra, mesmo que também existam resenhas positivas da mesma, porém, o que não pode acontecer, é a resenha que foi feita negativamente em face a algum ódio por autor ou editora, e a positiva unica e simplesmente para "puxar saco" e ganhar mais livros. Seja sincero sobre o que você leu. Embase suas opiniões com argumentos válidos e acima de tudo, preocupe-se em escrever algo para seus LEITORES e não para as editoras.

E você, o que pensa sobre o assunto? Deixe sua opinião nos comentários. ^_^

 Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 6º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos.
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.