39 Clues: O Ladrão de Espadas - Peter Lerangis

Resenha

Hey pessoal, tudo bem?

É com prazer que informo que Peter Larangis conseguiu concertar o fiasco que foi o livro anterior, Uma Nota Errada (resenha AQUI!), e restaurou minha fé na série 39 Clues. Só espero que Jude Watson consiga dar continuidade à narrativa com o mesmo nível de excelência.










Amy e Dan decidem ir para o Japão seguindo a dica encontrada em Veneza: uma espada de samurai. Mas já no aeroporto são surpreendidos por um golpe de seus concorrentes. Ian e Natalie Kabra tomam suas passagens e embarcam no avião, sequestrando a au pair Nellie. Sozinhos, os irmãos Cahill são abordados pelo tio Alistair Oh e rumam com ele para o Oriente.

O livro começa exatamente de onde havia terminado no volume anterior. Os irmãos Cahill estão viajando rumo ao Japão para desvendar mais uma pista envolvendo duas espadas e um guerreiro samurai a muito esquecido. Como sempre, eles são passados para trás por um de seus rivais e sua au pair Nellie é sequestrada, ao mesmo tempo que as espadas desaparecem, dado inicio assim a mais uma caçada às pistas das pistas das pistas. Hahahahaha.
"O dedo ossudo de Bae Oh começou a tremer.
- Quem... quem é?
- Ora, é seu herdeiro - respondeu a voz. - Que foi, estraguei seu dia? e que lindo dia deve ter sido: você me viu morrer e achou que não ia mais precisar fazer você mesmo o serviço.
- Mas... - Bae Oh cuspiu. - Como você pode ter sobrevivido...?
- Muita gente está se perguntando isso. Mas eu garanto que, quando eu tiver dado um jeito em você, ninguém vai fazer essa pergunta."
Pág. 167
Os personagens estão a mesma coisa dos livros anteriores, sinceramente isto não é uma coisa boa, pois após 3 livros, espera-se que no mínimo eles estejam um pouco mais maduros. Mas não é o que acontece. Amy está a "sabe tudo", mas que morre de vergonha, de sempre ao tempo que Dan continua uma criança boba e com ideias ridículas, salvo quando ele utiliza sua memória eidética para resolver algum anagrama ou charada que ninguém mais conseguiria. Temos a volta do personagem Alastair Oh, um dos meus favoritos, que é o personagem mais bem construído da série, apesar de ainda faltar algo.

A narrativa de Peter é diferente e divertida, porém diálogos como: "- É sânscrito, seu cérebro de tatuagem" e  o uso excessivo e onomatopeias como "plec" e "ploft" fazem meus olhos sangrarem. Atenção autores, o diálogo é tão importante quanto a descrição.

O final deste livro compensou qualquer um dos problemas acima, pois ele foi um final fora de série. Com direito a explosões, ameaças e a descoberta de mais uma pista que nos promete uma aventura incrível. Espero que não reparem no tamanho da resenha, mas como este é o terceiro volume de uma série, seria difícil me prolongar mais um pouco sem ocorrer em spoiler.


Abraços,
    Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 6º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos.
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.