O Circo da Noite - Erin Morgenstern

Resenha

Hey pessoal, tudo bem?

Não tenho palavras para descrever este livro. Ele é diferente de tudo o que li e abalou todas as minhas bases durante cada um de seus capítulos. Infelizmente, a real e única tristeza foi saber que ao terminar tal história, nunca poderei colocar um cachecol vermelho como um verdadeiro Rêveur¹ e comprar um ingresso para poder ver este espetáculo.


Sob suas tendas listradas de preto e branco uma experiência única está prestes a ser revelada: um banquete para os sentidos, um lugar no qual é possível se perder em um Labirinto de Nuvens, vagar por um exuberante Jardim de Gelo, assistir maravilhado a uma contorcionista tatuada se dobrar até caber em uma pequena caixa de vidro ou deixar-se envolver pelos deliciosos aromas de caramelo e canela que pairam no ar. Por trás de todos os truques e encantos, porém, uma feroz competição está em andamento: um duelo entre dois jovens mágicos, Celia e Marco, treinados desde a infância para participar de um duelo ao qual apenas um deles sobreviverá. À medida que o circo viaja pelo mundo, as façanhas de magia ganham novos e fantásticos contornos. Celia e Marco, porém, encaram tudo como uma maravilhosa parceria. Inocentes, mergulham de cabeça num amor profundo, mágico e apaixonado, que faz as luzes cintilarem e o ambiente esquentar cada vez que suas mãos se tocam. Mas o jogo tem que continuar, e o destino de todos os envolvidos, do extraordinário elenco circense à plateia, está, assim como os acrobatas acima deles, na corda bamba.

Um jogo está acontecendo. Nenhuma das partes pode interferir diretamente no trabalho da outra. O Circo é o palco e a morte determinará o vencedor. Este é o enredo base desta maravilhosa obra onde  Célia e Marco, dois mágicos, são amantes e inimigos, que proporcionam ao publica do Circo dos Sonhos maravilhosas tendas e grandes espetáculos. Até que tal amor passa a não ser bem visto por alguns e, misteriosamente, as pessoas que estão envolvidas com o circo começam a morrer.
"Os portões de ferro estremecem e se destrancam, como que por vontade própria. Abrem-se para fora, convidando a multidão a adentrar. Agora o circo está aberto. Agora você pode entrar."
Pág. 9
Muitas pessoas não gostaram desta obra, pois ela realmente propõe algo na sinopse que  não acontece no livro, qual seja,  "uma feroz competição está em andamento: um duelo entre dois jovens mágicos". Sim, Célia e Marco treinam desde jovens para esta competição e ambos são incrivelmente poderosos, cada um a sua maneira, mas o que realmente acontece é que nenhum dos dois sabe que o outro é seu oponente, pelo menos não até certo momento, e acabam se apaixonando um pelo outro e nisso a história vai  se desenvolvendo. A meu ver, o personagem principal deste livro não são os mágicos, mas sim o Circo dos Sonhos. Suas tendas em preto e branco, suas apresentações únicas e seu ambiente, proporcionam sim ao leitor um banquete para os sentidos. Perdi a conta de quantas vezes me imaginei adentrando os portões de ferro torcido, caminhando pelo  Jardim de Gelo ou ascendendo uma vela na Árvore dos Desejos.

O único aspecto que me desagradou neste livro é que a narração não tem uma temporalidade linear e isso me confundia muitas vezes já que, em alguns momentos estávamos em 1891 e em outros já em 1903. Isso foi muito confuso, pois todos os personagens do livro, sem exceção, possuem personalidades fortíssimas e são muito bem construídos e, justamente por isso, muitas vezes temos que ir ao passado para saber de sua história.
"Labirinto das Nuvens
Uma excursão em dimensão.
Uma ascensão ao firmamento.
Não existe começo.
Não existe fim.
Entre por onde preferir.
Saia quando quiser.
Não tenha me do de cair."
Não sei se somente eu me encantei com os Jantares da Meia-Noite oferecidos por Chandresh ou se mais alguém também ficou esperando receber o convite. A ideia de Erin para esta parte do livro foi formidável. Somente lendo para saber do que estou falando, é algo de tirar o fôlego e deleitar os sentidos. Como já havia dito acima, cada personagem neste livro possui a sua história e o seu devido papel no Circo, mesmo que não diretamente. Os diálogos criados por Morgenstern só não são mais deliciosos de ler do que as passagens onde temos uma descrição detalhada de como é o Circo. Como queria ter um relógio daquele aqui em casa. T_T

Recomendo a leitura para todos que desejam perder-se em um Labirinto de Nuvens ou andar no Carrossel. Por mais que ele proponha algo diferente do que apresenta, está é uma leitura obrigatória para todos que adoram um bom livro.

1. O nome do circo é Le Cirque des Rêves, que significa O Circo dos Sonhos. Todo mundo que ama o circo e que, se fosse permitido, ficaria o dia todo dentro desta maravilha são chamados de Rêveurs.

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do VDL. Cursa o 6º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, O Sussurro Mais Sombrio  e  Withe Cat.
Twitter/Facebook/Skoob - matheus@vidadeleitor.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.