Eldest - Christopher Paolini

Resenha

Hey pessoal, tudo bem?

Como não se apaixonar por um livro que possui em seu enredo: elfos, anões, guerreiros, espadachim e, acima de tudo, DRAGÕES? Para quem não conferiu a resenha de Eragon, primeiro volume do Clico da Herança, basta acessar este link AQUI!







Eldest acompanha o amadurecimento do jovem guerreiro protagonista da história. A narrativa começa três dias após a cruel batalha travada por Eragon para libertar o Império das forças do mal. O Cavaleiro de Dragões se vê envolvido em novas e emocionantes aventuras. Em busca de um tal Togira Ikonoka, O Imperfeito que é Perfeito, que supostamente possui as respostas para todas as suas perguntas, Eragon parte, junto com Saphira, o dragão azul que o acompanha desde o início da aventura, para Ellesméra, a terra onde vivem os elfos. Lá, eles pretendem aprender os segredos da magia, da esgrima e aperfeiçoar o seu domínio da língua antiga.

Este livro começa exatamente na cena onde Eragon terminou só que, no lugar de uma ardente batalha, temos a contagem de corpos e o choro das famílias que perderam algum ente nesta guerra sangrenta. Quando um grupo de Urgals tentava escapar, Ajihad, o atual líder dos Varden, os segue, mas é preso em uma terrível emboscada que acaba por tirar sua vida, deixando assim seu posto de liderança vago. Quando tal fato ocorre, uma luta pelo poder se inicia, e Eragon, o cavaleiro de dragão, terá um papel de suma importância. Como toda tragédia não vem sem companhia, os Gêmeos e Murtagh, filho de Morzan, estão desaparecidos e foram considerados mortos, não sabiam eles que existiam traidores dentre os Varden.

"O mundo está se esticando e ficando mais fino, Eragon. Logo ele se romperá e a loucura vai jorrar. O que você sente é o que os dragões sentem e o que os elfos sentem - a marcha inexorável do destino enquanto o fim de nossa era se aproxima. Chore por aqueles que morrerão no caos que deverá consumir Alagaesia. E torça para que possamos ter um futuro mais brilhante com a força de sua espada, de seu escudo, das minhas presas e das minhas garras."
Pág. 508

Enquanto lia Eragon, percebi que o estilo de escrita do autor era bom e bem desenvolvido, contudo, ainda notava um toque infantil na sua escrita, o que se dava pelo fato de ele ter somente 15 anos quando concluiu o primeiro volume da série. Não posso dizer o mesmo de Eldest, a escrita de Paolini amadureceu muito, seus diálogos se tornaram mais dinâmicos e o desenvolver na personalidade dos personagens teve um grande avanço, principalmente na de Eragon após seu treinamento com os Elfos. Acho que o autor conseguiu expressar muito bem o que seria ser treinado nas artes e costumes desse povo.

Voltando ao assunto do treinamento, Eragon passa por árduas horas praticando luta, magia e Rimgar (uma espécie de alongamento envolvendo posições que desafiam a flexibilidade máxima de um corpo e que podem ser aplicados em batalha no manuseio de uma espada), o que faz com que sua personalidade seja moldada de maneira a deixá-lo com um pensamento bem mais adulto do que o que tinha no primeiro livro.

"Quando chegar a hora e você precisar de arma, olhe embaixo das raízes da árvore Menoa. Depois, quando tudo parecer perdido e o seu poder não for suficiente, vá até a pedra de Kuthian e diga o seu nome para abrir o Cofre das Almas."

A única coisa eu não me agradou nessa história é que o tempo que Eragon passou na terra dos elfos, não foi realmente aproveitado em batalha, já que a cena final de luta foi tão curta que nem deu para regar o solo a sangue direito. Ai eu pergunto, pode uma batalha dessa produção? ¬¬. Espero que no próximo livro, que por sinal eu já estou louco para ler, a grande batalha envolvendo um dos últimos cavaleiros de dragão seja um pouco mais extensa e que consiga transmitir para o leitor a verdadeira sensação de estar em uma luta.

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do VDL. Cursa o 5º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, O Sussurro Mais Sombrio  e  Withe Cat.
Twitter/Facebook/Skoob - matheus@vidadeleitor.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.