Vida de Escritor #09 - Leila Kruger

Entrevista


Hey pessoal, tudo bem?

Que tal conhecer um pouco mais dessa autora super fofa e atenciosa? Com vocês, Leila Kruger...

Confiram a resenha do livro AQUI!




1 - Conte-nos um pouco sobre você. 

Bom, nasci em uma cidade chamada Ijuí, no interior do Rio Grande do Sul, uma cidade muito bonita e fundada por imigrantes. Depois fui para outras cidades e acabei em Porto Alegre, onde estudei. Sobre minha pessoa, posso dizer que amo a arte, principalmente literatura, música e cinema. Amo escrever, e é através da escrita que acho que melhor consigo expressar o que sinto e penso. Ainda estou descobrindo “quem sou eu”, e acho que a jornada em busca dessa pergunta se chama “vida”. 


2 - Como nasceu a Leila escritora? O que te motivou a escrever? 


Acho que a gente já nasce escritor, podendo ou não desenvolver essa aptidão. O que me inspira para escrever é a própria vida, meus sentimentos, o que vejo, o que penso, meus sonhos e desejos. Escrevo desde o começo da adolescência. Mas, profissionalmente, não faz muito tempo. Descobri que não consigo viver sem escrever. 


3 - Além de escrever o que mais você gosta de fazer? 


Ouvir música, assistir a filmes, conversar com os amigos, ler, ficar engendrando planos que parecem impossíveis só para ter o que sonhar. Gosto de olhar coisas simples que fazem o mundo bonito. 


4 - A história de Ana Luiza poderia ser a história de muita gente e, na trama, realmente conseguimos conhecer a personagem profundamente. A história surgiu de algum acontecimento vivenciado por você ou foi fruto de pesquisa? 


Claro, surgiu de coisas que vivi e vi. Mas também fiz pesquisa. Acho que há muitas Anas Luizas por aí, ao menos em certos aspectos. Como ela, muitos procuram o amor de verdade, que vai além das baladas de rock e dos poemas de Vinícius de Moraes. Como ela, muitos sentem o peso das perdas e desistem de seus sonhos. Como ela, muitos procuram se reencontrar. 


5 - Alguns dos personagens foram baseados em pessoas que você conhece? 


Todos eles! Acho que só consigo escrever sobre o que vejo. Não que os personagens sejam exatamente como pessoas que conheci e conheço, mas são partes de pessoas que existiram ou existem, ou até são essas pessoas quase que totalmente. 


6 – Pela história é possível perceber que você é grande fã de autores de poesia como Mario Quintana, Clarice Lispector e Pablo Neruda. Quais autores você considera suas principais referências literárias? 


Clarice Lispector, Mario Quintana, Umberto Eco, Oscar Wilde, Erico Veríssimo. Mas tô sempre descobrindo autores. E acho que deveria ler mais os clássicos. 


7 – Como foi o processo de escrever o livro? Quanto tempo durou desde a ideia inicial até a finalização da história. 


O processo começou há anos. Comecei a escrever e parei várias vezes. Até que escrevi e, do início até a última revisão, deu mais ou menos um ano e meio. A escrita me envolveu totalmente, e é esse envolvimento que espero que ocorra com os leitores ao lerem. 


8- E depois como foi escolher uma editora? Você participou da escolha da capa e do projeto gráfico ou ficou tudo sob responsabilidade da editora? 


Enviei para várias editoras, tive duas propostas, preferi a editora mais conhecida. Na verdade três propostas, mas uma delas era muito onerosa. A capa foi criada pela editora, e tem sido muito elogiada. A diagramação também ficou muito boa, a editora está de parabéns. Mas eu me envolvi no projeto gráfico. A capa tem tudo a ver com a história. 


9 - Tem planos de escrever outros livros num futuro próximo? Se sim pode falar um pouco a respeito de algum? 


Com certeza. Meu próximo livro, que estou finalizando, vai ser um livro de poesias. Mas já estou fazendo um novo romance, que vai ser bastante diferente de Reencontro, mais amadurecido tanto em estrutura como em linguagem e menos intimista. Porém essa característica de desenvolver os personagens psicologicamente e tentar traduzir sentimentos e emoções através dos fatos é uma característica minha, além do texto que chega a ser prosa poética em certos momentos. Mas procuro deixar o texto coeso e claro, e vou engendrar uma trama repleta de aventura. A próxima história vai envolver amor e mistério em vários lugares do mundo, e abordar temas cruciais da vida. 


10 – Pode deixar uma mensagem para os leitores do blog? 


Gostaria de sugerir que apoiassem a literatura nacional, que está reflorescendo com boas obras que não ficam atrás das estrangeiras. No mais, sempre procuro deixar a mensagem de que não desistam de seus sonhos, por mais absurdos que pareçam. Pois aqueles que acham seus sonhos absurdos são aqueles que não tiveram coragem de realizar seus próprios sonhos, de arriscar e mudar o mundo. Ler também é sonhar, nos transporta a mundos imaginários que podem se tornar reais em certos sentidos e nos fazer ver a vida de formas diferentes. Por fim, espero que possam ler Reencontro e que apreciem o livro, uma história de amor, amizades, dependência química que é um tema bem atual, fé e reencontros! Vou deixar o endereço do meu blog, onde podem ler umas poesias e escritos meus: http:/leilakruger.blogspot.com Agradeço a oportunidade da entrevista e o incentivo à literatura nacional.


Abraços,
   Carol Mylius
CAROLINA MYLIUS
Colaboradora e Resenhista aqui no VDL e tem um BLOG com todos os seus trabalhos. É ilustradora por profissão e por paixão. Ama os livros desde criança e tem a sorte de trabalhar com eles buscando ajudar os autores a mostrar um pouco de sua obra através das capas que ilustra. Seus livros favoritos são: Tiger's Curse, PerdidaA Primeira Regra do Mago, Série Academia de Vampiros.
Twitter/Facebook/Skoob - carol@vidadeleitor.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.