A Fera - Alex Flinn

Olá gente!
Essa vai ser uma resenha dupla, feita por mim e pelo Matheus. A primeira parte vai ser a minha visão do livro e logo abaixo o Matheus complementa. 

A primeira vez que vi a capa da edição americana desse livro e fiquei sabendo de que se tratava de uma releitura do conto A Bela e a Fera, um dos meus contos de fadas favoritos, fiquei com muita vontade de lê-lo.

Estava decidida a comprar a versão em inglês quando vi a notícia que o livro seria lançado no Brasil, em breve pela editora Galera Record. A data do lançamento mudou várias vezes e eu não me aguentava mais de ansiedade.

Acabei por assistir ao filme antes de conseguir ler o livro e gostei bastante da história, mesmo sendo a Fera interpretada pelo ator Alex Pettyfer, apenas um garoto sem cabelo e com várias tatuagens e cicatrizes pelo corpo. O filme só fez aumentar minha vontade de ler o livro.

Quando saiu a pré-venda lá estava eu comprando com a esperança que chegasse logo, e até assim a data de lançamento mudava constantemente. Finalmente o livro chegou e pude começar a ler.

Como todos já devem conhecer o conto da Bela e a Fera não vou me estender muito explicando a trama do livro, a não ser os pontos que considero mais importantes.

Na história a Fera é Kyle Kingsbury, um jovem rico, bonito e que não se importa nem um pouco de humilhar aqueles que não considera de seu nível. Mas Kyle teve a infeliz ideia de se indispor com Kendra, uma garota de sua escola, gorda e esquisita, e que não escondia o desprezo que sentia por pessoas como Kyle. Vocês já devem ter adivinhado que Kendra é a bruxa da história e lança em Kyle a fatídica maldição onde este terá apenas dois anos para encontrar alguém que ame e que o ame também, independente da aparência externa.

No livro Kyle é realmente transformado numa fera com pelos e garras e seu pai, que preza a aparência acima de tudo, o coloca para viver isolado em uma casa enorme na companhia, apenas, de Magda, uma criada latina, e Will, um professor cego.

A história está dividida em seis partes e antes de cada parte há um diálogo, em uma sala de bate papo virtual, onde todos os participantes, entre eles Kyle como Fera, são personagens de contos de fadas que foram amaldiçoados por bruxas. Alguns diálogos são engraçados, mas a maioria é apenas uma forma de gerar algum humor, sem muito sucesso na minha opinião, mas sem acrescentar nada a história.

A Bela da trama é Lindy, uma jovem comum que estuda na mesma escola de Kyle como bolsista, mas possui uma vida muito diferente da dele. Lindy mora num dos piores bairros de Nova York e busca se empenhar nos estudos para conseguir melhorar de vida enquanto tenta ajudar seu pai, que passa a maior parte do tempo drogado.

O livro é bom mas a história não me prendeu tanto quanto eu imaginava. A primeira parte, que vai até quase a metade do livro, é praticamente só focada em Kyle buscando se adaptar a sua nova vida como fera. Esse pedaço foi o mais arrastado para mim, mas quando Lindy entra na vida de Kyle a história passa realmente a fluir e me vi bastante envolvida com a trama.

Outra coisa que é possível perceber são as semelhanças que existem entre a história do livro e A Bela e a Fera da Disney. Alguns elementos como a Rosa e o espelho mágico que permite a Fera ver qualquer pessoa estão presentes também no livro (talvez a rosa faça parte do conto clássico, mas acredito que o espelho foi ideia da Disney). Algumas cenas do livro também me lembraram muito o longa de animação da Disney.

Eu recomendo para aqueles que gostam de histórias de amor com um toque de magia e conto de fadas.

O filme, estrelando a atriz Vanessa Hudgen e o ator Alex Pettyfer, já foi lançado nos EUA no início do ano, mas no Brasil a data de lançamento mudou várias vezes e até agora não foi decidida quando o filme virá para os cinemas brasileiros. Quem quiser conhecer um pouco mais sobre o filme pode conferir o trailer abaixo:




Abraços,
Carol


Fala pessoal, tudo bem com vocês?

Como a Carol já mencionou quase tudo acima, não me excederei muito sobre o tema.
Quando li Beastly, A Fera, aqui no Brasil, o filme tinha acabado de ser lançado nos EUA, em março, e não havia previsão de lançamento por aqui, nem do filme nem do livro. Como já foi citado, o livro apresenta a releitura do conto A Bela e a Fera, porem narrado em pleno século XXI.


Como toda releitura, existem alguns pontos que são semelhantes ao original, bem como os que são introduzidos na história pelo autor. Enquanto no livro a Fera é realmente um ser cheio de pelos, garras e presas, no filme ele é apenas um rapaz cheio de cicatrizes e tatuagens, o que foi interessante já que para uma sociedade que valoriza a beleza acima e muitos outros valores, essa seria a aparência de uma verdadeira “fera.”


Kyle Kingsbury, a Fera, é o típico garoto rico e mimado que não sabe levar um NÂO como resposta, se achando mais quente que o sol e tratando as outras pessoas como lixo. Já Lindy é o oposto de Kyle – não dizem que os opostos se atraem?- ela é gentil, inteligente e esforçada. Além de tomar conta da própria vida, tem de conviver com um pai drogado que é capaz de oferecê-la como garantia apenas para se ver livre das conseqüências de seus próprios atos.


Uma ENORME diferença na adaptação cinematográfica é o fato de não existir a Rosa, que é o “cronômetro” do feitiço lançado pela bruxa, mas sim uma tatuagem em forma de roseira na qual com o passar o tempo as rosas iam desabrochando e não perdendo suas pétalas como na versão original.


Para aqueles que ainda não leram o livro, sugiro que vejam a adaptação antes, assim a decepção é menor. 
Dentre as 3 capas, a versão brasileira ganha de 10x0. Segue abaixo a versão americana e a versão Movie Tie:



Abraços,
Matheus Braga - @MatheusBragaM

Página do livro no Skoob
Compre o livro aqui.


Observação: Caso o formulário de comentário não esteja vísivel, atualize a página.