Cortina de Sangue - Braz Chediak

Braz Chediak consegue, em apenas 254 páginas, nos envolver com uma trama rápida, dinâmica e cheia de reviravoltas. Cortina de Sangue tem um estilo de escrita que está escasso, atualmente, no mercado de livros policiais brasileiros.


Sinopse

Num ritmo alucinante, o detetive Popeye, alcoólatra e amoral, procura uma atriz desaparecida durante a gravação de uma novela. O tempo corre e, pouco a pouco, ele vai se deparando com personagens que parecem ter saído de um pesadelo,um velho ator que tem fixação em Hamlet, uma bela jovem viciada em cocaína, médicos corruptos e artistas marginalizados. Todos convivendo entre si num emaranhado de mentiras e falsidades, como se vivessem num grande palco cuja cortina não esconde as misérias reais de cada um.




Popeye é um detetive particular cheio de problemas pessoais, principalmente os problemas que envolvem álcool e sua ex-mulher, que o largou, levando junto Francisco, o filho deles. Popeye é chamado para investigar o sumiço de uma atriz famosa, mas tem que fazer isso discretamente, pois a mídia não pode saber do desaparecimento da estrela.

Popeye começa a usar de seus métodos curiosos para investigar o caso, e durante toda a trama não para de pensar em Laura (sua ex-mulher) e em Carol, uma ex-prostituta com quem ele se envolve eventualmente. Popeye interroga diversas pessoas ligadas ao passado de Leila Santoro - a atriz - e percebe que o caso é mais complexo do que um simples desaparecimento, tornando-se uma rede com diversas ligações perigosas e passados obscuros.

A leitura de Cortina de Sangue é rápida e flui com muita facilidade, pois o autor não abusa da descrição de cenas e nem usa detalhes inúteis para preencher espaços. Um exemplo que utilizei ao falar sobre o livro para uma amiga é de que em uma linha, Popeye está dormindo e seu telefone toca. Na linha seguinte, ele já está de banho tomado e em seu carro, se dirigindo ao local onde fora chamado. Ou seja, o livro é realmente rápido, possuindo um ritmo alucinante, e só assim para essa história caber dentro das 254 páginas do livro.

O que mais me atraiu nesse livro foi o fato dele se passar no Rio de Janeiro, com o autor dando nomes às ruas e bairros por onde o personagem passava. E eu comecei a ler o livro pouco antes de viajar ao Rio e terminei pouco depois de voltar para Porto Alegre, logo eu ia reconhecendo alguns locais do livro e conseguia visualizar as cenas, as ruas, os locais que o autor descrevia. Quando li que o prédio onde Leila Santoro vive fica na Rua Bolívar, quase esquina com a Av. Atlântica, pensei na hora: "caraca, eu fui no Bob's que fica nessa esquina"! Sei que isso é ridículo, mas gostei muito de conseguir identificar alguns locais pelo qual eu passei em minha ida ao RJ.

Enfim, é um livro que recomendo para quem gosta de suspense policiais ou para quem curte livros rápidos.

Um abraço a todos,
Bruno Thomaz


Ah, para quem não conhece o autor, eis uma pequena ficha da carreira dele:


  • Nome Completo: Braz Chediak
  • Natural de: Três Corações, MG, Brasil
  • Nascimento: l.º de Junho de l942


Filmografia - Ator

1972 - Os Mansos
1963 - O Homem Que Roubou a Copa do Mundo 

Filmografia - Diretor

1983 - Perdoa-me por Me Traíres
1981 - Álbum de Família
1981 - Bonitinha Mas Ordinária
1978 - O Grande Desbum...
1975 - O Roubo Das Calcinhas
1975 - Eu Dou O Que Ela Gosta
1974 - Banana Mecânica
1972 - Os Mansos
1971 - Dois Perdidos numa Noite Suja
1971 - As Confissões de Frei Abóbora
1970 - Navalha na Carne
1968 - Os Viciados 















Observação: Caso o formulário de comentário não esteja vísivel, atualize a página.