Vida de Parcerias #01

Nesses três meses de existência, o Vida de Leitor foi agraciado com alguns autores e editoras que gostaram do blog e viram no Vida de Leitor uma boa ferramenta para divulgarem seus trabalhos. Aquilo que é comumente chamado de parceria.

parceria: sf. Reunião de pessoas que visam a interesse comum; sociedade.
Pude reparar que, por inexperiência provavelmente, nunca apresentamos os nossos parceiros a vocês, leitores do blog. Eis a minha chance de reparar esse pequeno deslize. Começa hoje uma série de posts apresentando nossos parceiros, sempre trazendo um autor e uma editora. Nesse primeiro, eis a Vanessa Bosso e a Editora Arqueiro!

Van Bosso

Vanessa Bosso é redatora publicitária há mais de 10 anos. Há pouco menos de 3 anos descobriu sua vocação de escritora, quando escreveu seu primeiro romance: "2012, Uma Aventura No Fim do Mundo", publicado pela Editora Novo Século. Possui três livros para lançar ainda esse ano. Em agosto sai "O Elemental" pela Editora Baraúna. Em setembro é vez de "Senhor do Amanhã" e em outubro, "O Imortal". Os dois últimos serão publicados pela editora Dracaena.Se você quiser saber um pouco mais sobre a Vanessa, clique aqui e confira a entrevista que a autora concedeu ao Vida de Leitor, ou visite o Mundo da Van, o blog da autora. A Vanessa já nos enviou um exemplar de "2012, Uma Aventura no Fim do Mundo" e um exemplar de "O Elemental". Ambos estão na fila de leitura e em breve teremos resenhas para vocês.

Editora Arqueiro
A Arqueiro é a antiga Sextante Ficção. Possui em seu catálogo autores como Dan Brown, Harlan Coben e James Patterson. Confira alguns dos lançamentos da Arqueiro:

A Linguagem das Flores


Victoria Jones sempre foi uma menina arredia, temperamental e carrancuda. Por causa de sua personalidade difícil, passou a vida sendo jogada de um abrigo para outro, de uma família para outra, até ser considerada inapta para adoção. Ainda criança, se apaixonou pelas flores e por suas mensagens secretas. Quem lhe ensinou tudo sobre o assunto foi Elizabeth, uma de suas mães adotivas, a única que a menina amou e com quem quis ficar... até pôr tudo a perder. Agora, aos 18 anos e emancipada, ela não tem para onde ir nem com quem contar. Sozinha, passa as noites numa praça pública, onde cultiva um pequeno jardim particular. Quando uma florista local lhe dá um emprego e descobre seu talento, a vida de Victoria parece prestes a entrar nos eixos. Mas então ela conhece um misterioso vendedor do mercado de flores e esse encontro a obriga a enfrentar os fantasmas que a assombram. Em seu livro de estreia, Vanessa Diffenbaugh cria uma heroína intensa e inesquecível. Misturando passado e presente num intricado quebra-cabeça, A linguagem das flores é essencialmente uma história de amor – entre mãe e filha, entre homem e mulher e, sobretudo, de amor-próprio.

A Vida em tons de cinza
Lina Vilkas é uma lituana de 15 anos cheia de sonhos. Dotada de um incrível talento artístico, ela se prepara para estudar artes na capital. No entanto, a noite de 14 de junho de 1941 muda para sempre seus planos. Por toda a região do Báltico, a polícia secreta soviética está invadindo casas e deportando pessoas. Junto com a mãe e o irmão de 10 anos, Lina é jogada num trem, em condições desumanas, e levada para um gulag, na Sibéria. Lá, os deportados sofrem maus-tratos e trabalham arduamente para garantir uma ração ínfima de pão. Nada mais lhes resta, exceto o apoio mútuo e a esperança. E é isso que faz com que Lina insista em sua arte, usando seus desenhos para enviar mensagens codificadas ao pai, preso pelos soviéticos. A vida em tons de cinza conta a história de um povo que perdeu tudo, menos a dignidade, a esperança e o amor. Para construir os personagens de seu romance, Ruta Sepetys foi à Lituânia a fim de ouvir o relato de sobreviventes dos gulags. Este livro descreve uma parte da história muitas vezes esquecida: o extermínio de um terço dos povos do Báltico durante o reinado de horror de Stalin. Para Estônia, Letônia e Lituânia, essa foi uma guerra feita de crenças. Esses três pequenos países nos ensinaram que a arma mais poderosa que existe é o amor, seja por um amigo, por uma nação, por Deus ou até mesmo pelo inimigo. Somente o amor é capaz de revelar a natureza realmente milagrosa do espírito humano.

Eu sei o que você está pensando
“De forma magistral,Verdon mantém seu protagonista sempre um passo à frente do leitor. E cria o tipo de mistério que faria Sherlock Holmes perder o sono.” - The New York Times

Eu sei o que você está pensando propõe um enigma que parece insolúvel. Um homem recebe pelo correio uma carta provocadora que termina da seguinte forma: “Se alguém lhe dissesse para pensar em um número, sei em que número você pensaria. Não acredita? Vou provar. Pense em qualquer número de um a mil. Agora veja como conheço seus segredos.” O destinatário, Mark Mellery, pensa no número 658 e, ao abrir um envelope que acompanha a mensagem, descobre que o autor da carta previu corretamente o número que ele acabara de escolher de modo aleatório. 

Como isso seria possível? Desesperado com os bilhetes ameaçadores que se seguem à carta, Mark, um guru da autoajuda, procura um velho colega de faculdade, o brilhante detetive David Gurney, recentemente aposentado do Departamento de Polícia de Nova York. Aos 47 anos, 25 deles dedicados a desvendar terríveis casos de homicídio, David acaba de se mudar com a esposa, Madeleine, para uma fazenda no interior do estado e tenta se adaptar a um novo estilo de vida. 

Mas sua mente, extremamente lógica, é fisgada pelo quebra-cabeça apresentado por Mark. O “superdetetive”, apelido que ganhou da imprensa no auge da carreira, percebe que encontrou um vilão à sua altura quando as estranhas ameaças terminam em morte. Tudo leva a crer que o assassino, além de ser clarividente, cometeu um crime impossível, deixando pistas sem sentido e desaparecendo no meio do nada. Consumido pelo desafio de encontrar uma resposta lógica para o caso, David aceita trabalhar como consultor na investigação, colocando em risco seu já debilitado casamento e até mesmo sua vida. Considerado uma revelação, John Verdon criou em seu livro de estreia um personagem denso, cerebral, capaz de resolver crimes dignos de Hercule Poirot e Sherlock Holmes. Aclamado pelo público e pela crítica, Eu sei o que você está pensando foi vendido para 24 países.