Insaciável - Meg Cabot


Olá gente,

Fiquei um tempo pensando em como iria fazer a resenha sobre esse livro. Eu estava com uma expectativa muito grande sobre ele, principalmente pela capa que é MARAVILHOSA! E também pelas resenhas positivas que andei lendo em outros blogs. Eu já tinha lido outros livros da autora, mas esse sem dúvida foi o melhor.

Esse é o primeiro romance da diva Meg Cabot com a temática vampiros e ela realmente mostra que sabe o que está fazendo.

Insaciável conta a história de Meena Harper, uma jovem roteirista da famosa novela que dá nome ao livro. Meena almeja o cargo de redatora-chefe, mas vê os seus planos irem por água abaixo quando a fútil e superficial Shoshana, sua rival, ganha o cargo. Como a novela concorrente está ganhando toda a audiência, os patrocinadores de Insaciável obrigam Meena a inserir vampiros no enredo, o que não a agrada nenhum pouco, pois ela odeia vampiros e todas essas coisas sobrenaturais.

Meena possui essa aversão ao sobrenatural pelo fato de ser uma. Ela possui o dom de visualizar quando e como uma pessoa vai morrer. Os únicos que acreditam no seu dom são sua melhor amiga e seu irmão desempregado, que vive de favor em sua casa.

Em uma noite de insônia, Meena resolve dar uma volta, com seu cachorro Jack Bauer, quando é atacada por um bando de morcegos carnívoros. Mas, de súbito, um lindo desconhecido aparece para salvá-la. Este homem chama-se Lucien Antonesco, e Meena sente-se irresistivelmente atraída por ele.

Mal sabia ela que estava se envolvendo com nada mais nada menos que o Príncipe das Trevas e por consequência se tornando um alvo para os inimigos dele. E Meena, que até então não acreditava em vampiros, acaba descobrindo que, além de existirem, eles estão por todas as partes, inclusive morando em seu prédio.

Meena acredita que Lucien não é mau e quer protegê-lo, mas acaba ficando em dúvida quanto a seus sentimentos, quando conhece o belo e enigmático Alaric Wulf, um membro da Guarda Palatina, uma unidade criada pelo Vaticano para caçar e exterminar demônios.
E agora qual lado Menna deve escolher?

Os vampiros de Meg Cabot são como os tradicionais. Bebedores de sangue humano, vulneráveis ao sol e capazes de se metamorfosearem em animais e até em névoa. A autora busca, com a história, trazer um pouco da aura daqueles antigos filmes de terror do gênero, mas de uma forma muito bem humorada. Aqueles que já leram algumas dessas séries de vampiros, existentes hoje, vão encontrar muitas tiradas engraçadas sobre elas no livro.

Os personagens são incríveis também. Meena é uma mulher forte, determinada e mesmo apaixonada, não perde a individualidade e o bom senso (quer dizer, nem sempre). Lucien é um homem elegante e sofisticado, mas tem um lado triste e melancólico, que faz Meena ter vontade de protegê-lo e descobrir os seus segredos.

O caçador Alaric é um dos meus personagens preferidos na história. Apesar de bonito, é rústico, meio bronco, metido a macho-alfa e não tem nenhum tato com as mulheres, mas, às vezes, parece um menino ingênuo que a gente tem vontade de cuidar. Ele e Meena vivem soltando farpas, mas não passa de uma forma de esconder a atração que ambos sentem um pelo outro.

Outros que me cativaram foram o cachorro Jack Bauer, o único capaz de perceber os vampiros - ele sempre tentava avisar Meena, mas ela nunca entendia e acabava trancando ele em algum lugar - e a vizinha de Meena, a peruissíma vampira Mary Lou.

Como falei no início, o livro também me ganhou pela capa, que é linda, apesar da mocinha da capa não ter nada a ver com a personagem do livro. O projeto gráfico também merece um destaque. A história é muito divertida e prende o leitor do início ao fim. A única coisa que não me faz dar cinco estrelas ao livro, são as partes mais “chick lit” da história, quando a personagem fica refletindo sobre a sua vida. Mas nada que estrague a trama, é apenas porque eu não gosto muito de “chick lit”.

Já estou ansiosa pelo próximo volume da série, Overbite. ^ ^

Abraços,
Carol