Especial: Harry Potter


Pessoas,
como todos devem saber, amanhã, dia 15 de julho, é o dia da estreia do filme Harry Potter e As Relíquias da Morte, Parte 2. E pensei em aproveitar essa data para tentar passar um pouco do que Harry Potter significa para mim.

Conheci Harry Potter e A Pedra Filosofal, o livro, em meados de 2001, quando tinha meus dezesseis anos. Um amigo, o Áureo, me emprestou, dizendo que era muito bom. Até hoje, sempre que encontro o Áureo, agradeço a ele por te me apresentando o mundo de Hogwarts. Quando terminei de ler o primeiro livro, imediatamente solicitei à senhora minha mãe que comprasse os quatro primeiros, pois eram os que já tinham disponíveis no Brasil. Nesse mesmo ano, tive a oportunidade de ver Harry Potter e A Pedra Filosofal no cinema (tenho até hoje o VHS e o DVD desse filme).

Os anos seguinte foram de devoção fiel aos livros e filmes que eram lançados. Sempre assistindo os filmes no cinema, sempre lendo os livros assim que saíam no Brasil. Quando lançou o Relíquias da Morte, em inglês, não resisti, e acabei por lê-lo em inglês mesmo. Não iria aguentar até a Rocco lançar a tradução.

Nunca fui daqueles fãs fervorosos de usar roupas e acessórios do mundo de Hogwarts. Sempre fui o fã quieto. O fã que leu e releu os livros. Que viu e reviu os filmes. E que incentivou diversas pessoas a lerem Harry Potter.

Amanhã, dia 15/07, é a última vez que irei ver algo inédito de Harry Potter. Pode não ser o fim propriamente dito, pois Hogwarts estará para sempre no meu coração, na minha memória, na minha estante de livros. Mas, por mais que eu tente, eu não consigo pensar assim.

Hoje já é o fim para os sortudos que vão assistir o filme às 00h01min, nas sessões especiais.  Para mim, o fim vai ser amanhã, às 22h20min. Vai ser o último filme, o último suspiro inédito. Vai ser difícil controlar a emoção.
Afinal, foram dez anos convivendo com Harry, Mione, Ron, Hagrid, Dumby, Minerva e Snape. Seis anos odiando os Malfoy e mais quatro amando-os.

Dez anos, onde inúmeras vezes me peguei falando "Alohomorra", para tentar abrir uma porta. Pronunciando em alto e bom som "Accio Controle" na tentativa de que o controle remoto viesse até mim. Quando estava com sede, dizia "Aquamenti". Cansei de tentar levitar com o "Vingardium Leviosa".

Foram dez anos aprendendo o valor de uma amizade, de uma confiança, de respeito, de companheirismo, e todas as outras lições que a linda da Joanne Kathleen Rowling tentou passar para todos nós.

Falando em Joanne, - nunca consegui chamar ela de J.K. Rowling, pois acho muito formal - o que dizer dessa mulher? Nada a dizer, somente a agradecer.

Jo, muito obrigado por tudo. Obrigado por me mostrar o seu mundo maravilhoso de Hogwarts. Obrigado por nos dar a chance de sermos pessoas melhores. Obrigado por nos fazer gostar de Harry Potter e de você. De coração, muito obrigado.

Abaixo alguns materiais que coletei pelas minhas andanças na internet.

Vìdeo legendado pelo pessoal do Oclumência, com os atores dando adeus ao último filme.

Outro vídeo do Oclumência, dessa vez com a Joanne falando sobre os seus personagens na premiére de lançamento do último filme.

Uma imagem que me tocou muito, copiada do Burn_Book, fazendo um paralelo entre uma cena do filme com uma imagem registrada na Premiére do último filme.




E mais uma vez, Joanne Kathleen Rowling, muito obrigado por tudo.


Poderia passar o dia postando fotos, imagens, teasers, posters, vídeos. Mas está difícil fazer isso sem me emocionar, então, fico por aqui mesmo. 

Muito obrigado a todos os leitores do blog, que tenho certeza de que também se emocionam quando falamos do fim de Harry Potter.

Bruno Thomaz, diretamente do Caldeirão Furado.