O Pistoleiro - A Torre Negra vol. 1


Quando comecei a pensar sobre a minha postagem de estreia no blog, muitos livros me vieram à cabeça, e eu não sabia bem qual deles traduziria melhor a minha personalidade. Escrevi várias resenhas, mas acabei por escolher um livro sobre o qual eu não havia escrito, justamente por tê-lo lido ainda essa semana. Esse livro tornou-se um dos meus favoritos, e seu nome é O pistoleiro, o primeiro volume da saga A Torre Negra escrita por meu escritor favorito, Stephen King.


O pistoleiro nos lança em um mundo pós apocalíptico, no encalço do pistoleiro Roland Deschain, o último do clã de Gilead. A terra de Roland seguiu adiante, um termo que sugere um fim apocalíptico. Roland, o último sobrevivente desta terra, persegue Walter, ou o homem de preto, como é chamado durante o livro, pelo deserto que se estende por toda parte. Walter é o único que pode ajudar Roland a chegar á Torre Negra, que é o eixo de todo o tempo e espaço do universo. A história, inspirada na saga O senhor dos anéis de J. R. R. Tolkien, nos antigos filmes de faroeste, e no poema épico "Childe Roland à Torre Negra chegou", é a obra prima de King. A edição mais recente do livro conta com um prefácio e uma introdução inéditas do autor, e segundo ele, algumas cenas inéditas que a primeira edição não continha.

Roland é um dos personagens mais marcantes de que já tive a chance de conhecer. Seu estilo solitário de pistoleiro parece torná-lo uma muralha de pedra, imune a sentimentos, mas essa muralha é fortemente derrubada por Allie, uma mulher que Roland conhece na cidade desolada de Tull, e posteriormente, por Jake Chambers, um garoto que foi transportado para este mundo após morrer na Nova Iorque de 1977.
A jornada de Roland pelo deserto, em sua perseguição ao homem de preto é cheia de armadilhas deixadas pelo mesmo. Enquanto eu lia o livro, quando fazia pausas, eu não conseguia deixar o mundo de Roland. Essa forma como King nos prende à leitura é incrível.

Curiosidade: A saga d'A torre negra está sendo adaptada para o cinema, e para uma série de tv, além de ter uma série em quadrinhos baseada nos livros.

Um abraço
Nicolas