O Leitor - Bernhard Schlink

Olá queridos amigos leitores! 

O livro que eu trago hoje tem muito a ver conosco, pois fala de leituras e de como elas podem mudar o caminho e o destino de vidas. Estou falando do livro O Leitor, de Bernhard Schlink. Uma história de amor e culpa, bem diferente de todas que já li.

A história se passa na Alemanha, onde Michael, de 15 anos, conhece Hannah, 21 anos mais velha. É um encontro surpreendente onde  o amor é vivido em sua forma mais livre. Ele se descobre como homem  no corpo de uma mulher mais velha e ela se descobre a partir das leituras que Michael faz para ela. Sem muitas conversas e em meio a tardes “litero-sexuais”, os dois se apoiam e Hannah encontra um pouco de companhia e leves pinceladas de alegria em sua vida misteriosa e solitária. Tolstói, Dickens e Goethe se revezam entre  beijos, braços, pernas e sexo.

A princípio parece mais uma história multifacetada do amor romântico, mas é justamente aí que o livro encontra  o seu ponto de inflexão. Hannah some misteriosamente e deixa apenas vazio e lembranças na vida de Michael. Sete anos se passam e Michael se torna um brilhante estudante de Direito. Ele é convidado a participar de um julgamento de criminosos nazistas e a sua grande surpresa é quando percebe que entre os acusados está a sua antiga amante, Hannah. E é neste momento que ele se vê confrontado com os valores mais importantes de sua vida. A partir daí as vidas dele e de Hannah se rearranjam num jogo de angústia, amor e culpa.

A história é dura, pungente, sofrida. E tem um desfecho surpreendente. Bernhard tem uma escrita forte e  direta que ao mesmo tempo nos comove e nos questiona. Ele mostra-nos como é tênue a linha que separa pessoas normais da “banalidade do Mal” e é nesta linha que algumas personagens de Schlink caminham, para desconcerto e angústia de nós, leitores.

O Leitor é um dos mais famosos livros alemães. Já foi traduzido para 39 idiomas e foi adaptado para o cinema pelo diretor inglês Stephen Daldry (o mesmo de As Horas). Foi também vencedor dos prêmios Welt (Alemanha), Grinzane Carvour (Itália) e o Laure Bataillon (França). É um livro magistral!

Um abração e boa leitura a todos!

Ilmara