1984 - George Orwell


Um visionário.
George Orwell escreveu 1984 no ano de 1948, antes mesmo de a Guerra Fria conseguir concretizar-se de fato (a Guerra Fria começou ao término da Segunda Guerra Mundial, em 1945).

O universo que Orwell criou poderia parecer bizarro, para quem lera o livro na década de 50 ou 60, mas se torna muito verossímil para quem lê o livro nos dias atuais.

Um livro sério, com muitas questões que nos fazem refletir sobre o mundo, sobre a humanidade, sobre a internet, sobre a privacidade, e muitas outras.

O mundo é dividido em três continentes, a Eurásia, o Oceania e a Lestásia. A história se passa na Oceania, e nosso personagem é integrante do Partido do Grande Irmão, o único partido da Oceania e que controla tudo e todos. Em um mundo onde o passado é reescrito a todo instante, pois quem controla o passado controla o presente também, nosso personagem começa a ter lembranças de algo que, oficialmente, não existiu. E através dessa vaga sensação de que as coisas não são exatamente como o Partido diz ser que ele busca viver uma vida normal.

Mundo dividido em três grandes potências?
Teletela nos vigiando 24h?
Criação de uma novilíngua, diminuindo número de verbetes para diminuir também a liberdade de expressão?
Um partido único, ditatorial, controlando todas as ações minuciosamente?

É, a ficção de Orwell não chega a ser uma ficção propriamente dita.