Pense melhor antes de pensar - Renata Dembogurski

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Apesar de alguns não perceberem isso, o gênero fantasia, inserido na literatura nacional, aos poucos vai dando grandes saltos. Um exemplo disso é Pense melhor antes de pensar, escrito por Renata Dembogurski. Ainda assim, falhas são inevitáveis, e estas se mostraram presentes em alguns aspectos um tanto quanto simples. 


Bem mais do que você imagina, o nosso mundo não é o que parece ser. Há muito mais! Tem camadas. É Virkadaz. Ao seu lado deve ter alguém que saiba disso, mas não pode contar nada sobre esse universo expandido. Zuwi é um deles. Ele sabe como acessar os vários plix. Fazer isso exige prática. Mas não é algo chato e sem graça. Pelo contrário! É surpreendente, incrível e também... Perigoso. A cada plix, uma nova aventura. Nunca se sabe o que terá lá! E foi justamente em um desses treinos que Zuwi chegou ao plix das Ilusões. Um lugar extraordinário com impensáveis paisagens e animais impressionantes. Só tem um problema: Zuwi devia estar acompanhado de Anne, sua companheira de aula, para cumprir a tarefa “voltar juntos”. E agora? Para encontrar Anne, Zuwi terá que, antes de mais nada, entender como funciona o plix, unir forças para vencer grandes desafios e ainda sobreviver! Adversários? Perigosos abutres-crocodilos, terríveis tubarões-escorpiões e os beligerantes oclusos. Mas o pior confronto será Zuwi enfrentar seus próprios pensamentos. 



Digamos que o universo seja formado por infinitos Plix, que são "domínios dilatados da realidade apresentada". Ao chegar no Plix das Ilusões, o aventureiro Zuwi acaba sentindo falta de sua companheira de viagem, Anne. Ainda encantado e admirado pelas paisagens surreais e impensadas do local, tem sua atenção cortada por Cao, um garoto um pouco mais velho que havia entendido que ele havia chegado recentemente ali, e assim, convidando-lhe para conhecer a vila. Contudo, ele ainda tinha um problema, ou melhor, uma pergunta: onde estaria Anne?. Para ajudá-lo, seria necessário entender como aquele Plix funcionava, e, segundo uma explicação de Cao, aquela camada era dividida entre os Pensamentos Ideais e os Pensamentos Sombrios, onde possivelmente estaria sua amiga.

Livro e marcadores de páginas
- Olha, se aqui tudo que se imagina pode de alguma forma ter consequências, é melhor pensar bem no que irá pensar! Entende?
- Hã!?!
- Como eu te disse, tem que meditar sobre o assunto. Planejar e estudar, sabe? Não dá para sair falando e fazendo, sem analisar no que pode resultar. É bem arriscado isso por aqui.

Pág.: 30

Muitos ainda não sabem, mas Pense melhor antes de pensar é um spin-off de um livro ainda não publicado, Virkadaz. Chega a ser até interessante isso, já que o leitor passa a ter um conhecimento prévio da escrita e da forma como são passadas as informações da história, além de servir como um teste para algo maior. Sendo assim, Renata Dembogurski conseguiu transmitir uma boa imagem em relação ao seu trabalho, visto que o mundo criado por ela chega a ser complexo, encantador e fascinante, tanto que a obra veio a ser premiada no II Prêmio UFES de Literatura na categoria infanto-juvenil. 

A trama é narrada em terceira pessoa, mostrando o ponto de vista de todos os personagens, bem como toda a ambientação do lugar. O jogo de palavras utilizado pela autora ajuda na compreensão das informações referentes ao mundo criado, além de ter uma escrita linear e fluida. Apesar disso, alguns aspectos deixaram a desejar, principalmente quando analisamos os personagens, posto que alguns não conseguiram transmitir suas emoções/reações ao leitor, não conseguindo nos cativar completamente. Além disso, algumas cenas são narradas de maneira muito rápida, provavelmente uma consequência do fato da história ser um spin-off, gerando a dúvida no leitor se tais acontecimentos serão explicados  mais a fundo em algum outro volume. 

Renata Dembogurski, autora
[...] Ainda chegará um momento no qual terá que acreditar muito mais nas possibilidades e alternativas existentes em Virkadaz do que naquilo que seus olhos veem [...] 

O final é um pouco previsível. Mesmo assim, o fato da Renata mostrar que nossos próprios pensamentos podem ser na realidade nossos grandes vilões foi bastante interessante. Como Virkadaz ainda não foi publicado, a autora posta pequenos contos referentes aos Plix em sua conta no Twitter. Pense melhor antes de pensar foi um livro de fácil leitura e absorção.  

Alguns aspectos quanto a diagramação não me agradaram, sobretudo espaçamento entre parágrafos e o fato das falas estarem em itálico. Já na edição, temos páginas amareladas, uma ilustração de um abutre-crocodilo na capa e um acabamento muito bem feito. 

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre NegraTigana, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Ai, Meus Deuses! - Tera Lynn Childs


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Hoje vou falar um pouco de uma história que promete arrematar os fãs de mitologia grega. Apesar da grande quantidade de livros e filmes que abordam esse tema, acredito que ele faz parte dos que dificilmente se tornará batido, pois permite abordagens capazes de agradar aos mais variados públicos. Tera Childs traz a imponência dos Deuses gregos ao universo colegial e nos mostra como seria se uma adolescente nothos (terminologia usada para aqueles que são sem poderes) tivesse que se mudar para uma ilha onde todos tem dons extraordinários, exceto ela e sua mãe.






A vida de Phoebe Castro vira do avesso quando sua mãe anuncia que irá se casar com um estranho misterioso. Para completar, as duas terão que se mudar para o outro lado do mundo: a Grécia! Phoebe terá que dizer adeus ao sonho de cursar a mesma universidade que suas melhores amigas... Como se tudo isso não bastasse, ela ainda terá que frequentar uma escola superexclusiva na qual seu padrasto é o diretor. E os alunos são tudo, menos comuns —são descendentes dos deuses gregos e com direito a superpoderes! Se Phoebe achava o ensino médio difícil, ela já sabe que a vida ali vai ser um sofrimento de matar.





Phoebe sempre foi uma ótima atleta e tudo em sua vida era perfeitamente pacato e previsível, seu único anseio era conseguir uma bolsa de estudos na universidade USC para poder cursar Medicina do Esporte e continuar vendo suas duas melhores amigas de infância diariamente, mas tudo muda quando sua mãe viaja para uma reunião de família na Grécia e retorna noiva de um homem.

Agora que será obrigada a se mudar para uma ilha grega, Phoebe percebe que seus planos para o futuro podem sofrer sérias alterações se ela não tirar boas notas na nova escola e conseguir se destacar no time de corrida, contudo, isso não será fácil em um colégio onde todos os alunos são descendentes de Deuses gregos e dotados de superpoderes. Como se tudo isso não bastasse, seu padastro é o diretor, sua nova irmã é uma megera que não mede esforços para tornar sua vida um verdadeiro inferno, o cara de quem ela gosta tem uma personalidade instável, seu novo melhor amigo quer ser um pouco mais que isso, sua nova amiga odeia o cara por quem ela tem uma queda e como a existência de deuses é um segredo inviolável, ela não pode contar com a ajuda das amigas de infância para lidar com tudo o que está acontecendo. Você achava seu dia-a-dia complicado? Espere até conhecer o de Phoebe.

E se eles realmente existissem ?

O cursor fica piscando na tela à minha frente. Não sei o que falar. Quero dizer, Troy está sendo super legal comigo, mas...por quê? Quero que um garoto seja super legal comigo? Claro, ele é bonitinho, gentil e tudo que eu deveria querer num menino, mas eu quero? Quando na história as meninas gostam dos meninos que deveriam gostar?
Pág.: 117

A história possui um enredo simples com uma abordagem focada em conflitos colegiais. A mitologia acaba ficando em segundo plano por diversos momentos, sendo evidenciado somente o fato dos jovens terem poderes. Apesar da hierarquia do colégio ser dividida de acordo com o Deus de quem cada um é filho, ela é muito semelhante a de um colégio normal: populares ( Zeus e Hera), geeks (Hefesto), encrenqueiros (Hades), e assim por diante. Alguns pontos do contexto são pouco trabalhados e nem um pouco convincentes, confesso que no decorrer do livro fiquei esperando o momento em que compreenderia o que levou a mãe de Phoebe a se casar com um estranho que ela conhecia há pouco tempo, e confesso que estou até agora esperando o momento em que vou entender isso.

A personagem principal me agradou muito, apesar de ser a única diferente em um lugar completamente estranho, ela tenta prosseguir com seus objetivos mesmo tendo que lidar com obstáculos como o fato de ser menos resistente que os demais descendentes dos Deuses. Phoebe é uma atleta exemplar e pode ser um incentivo a todos os leitores que gostam de praticar exercícios físicos ou que estão afim de começar, vê-la descrever como essa atividade traz uma sensação boa é capaz de despertar uma vontade de levantar da cama e fazer o mesmo.

Autora

Meus joelhos ficam meio fracos por ficar tão perto dele. Não importa quantas vezes eu tenha dito ao meu coração que aquele cara era uma F-U-R-A-D-A, o mesmo coração ainda bate mais rápido sempre que penso nele. Posso sentir a adrenalina atravessar o meu corpo - preparada para fugir se o nível de constrangimento transbordar até a zona proibida.
Pág.: 148

Apesar de possuir alguns pontos que não me convenceram, este é o tipo de história que você lê em um único dia por ser leve e divertida. Ao abrir este livro perdemos a noção do tempo e, por conter um enredo que não exige muito do leitor, a leitura dele é bastante fluida. Acredito que Ai, Meus Deuses! é o livro perfeito para ajudar a curar uma ressaca literária, para presentear um amigo sem medo de que o final não o agrade, ou para ler enquanto aguarda ansiosamente a compra de livros do mês chegar.

A capa foi a primeira coisa me chamou a atenção, ela é linda e o título que nos remete a uma expressão muito utilizada por todos nós quando percebemos que algo não vai dar certo foi uma jogada de mestre, vez que ela é totalmente voltada ao tema. A diagramação está impecável, as páginas são de um tom amarelado, as letras possuem tamanho mediano e existe um bom espaçamento entre as frases, sem contar que não encontrei erros de revisão. Leitura recomendada.

Abraços,
  Tamires Souza
TAMIRES DE SOUZA
É Resenhista aqui no Vida De Leitor. Desenvolveu sua paixão pela leitura ainda criança através de revistas em quadrinhos e desde então não vive sem um livro dentro da bolsa. Recém formada e sonha um dia cursar uma faculdade de Direito. Seus livros favoritos são: Série Rangers Ordem dos Arqueiros, A Seleção e a Série A Mediadora
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Bienal do Livro Minas 2014 - Dragões, Fadas e Mockingjays

Hey pessoal, tudo bem?

Hoje vou narrar para vocês a minha experiência em mais uma edição da Bienal do Livro Minas, por isso apertem os cintos e me acompanhe por esse dia maravilhoso com direito a Dragões, Fadas e Mockingjays

Visão interna da entrada. 

Assim que cheguei na Bienal tomei um grande susto, estava simplesmente lotada! A fila para entrar estava serpenteado dentro de toda extensão interna da Expominas e parte da externa, o que me deixou muito feliz por sinal, vez que é gratificante saber que a cada dia as pessoas estão lendo mais e que a equipe de organização da Bienal Minas está fazendo de tudo para manter o mesmo nível de excelência de outros grandes eventos literários espalhados pelo Brasil. 

Leitura

Assim que entrei, dei de cara com o estande da Leitura e agi igual uma criança de 5 anos em uma loja de doce normalmente. O que senti falta foram dos arranjos em forma de livros gigantes que são comuns na Bienal SP e RJ, mas tínhamos enormes painéis de vidro com as capas dos livros, como pode ser visto na imagem acima (eles eram maior que eu). Confesso que os preços estavam um pouco salgados para o evento, vez que se assimilavam muito aos preços das demais lojas da franquia. Digo isso, pois, assim que saí da Bienal dei uma passada no Shopping e os preços encontrados lá estavam quase iguais ao da exposição. 

Comix / Panini

Se acham que fiquei deslumbrado com a Leitura, imaginem minha reação ao ver o estande da Comix e da Panini. Me senti entrando nos portões adamantinos do reino celeste e acabei perdendo a noção do tempo lá dentro. Grandes títulos como Naruto, Fairy Tail, Bleach, Sandman e One Piece estavam em promoção (não era um desconto muito grande, mas para quem iria comprar grandes quantidades, afinal, mangas são muitos volumes, conseguiria uma diferença de preço enorme).  

Bienal dos Quadrinhos

Não parando por aí com as histórias em quadrinhos, visitei a Bienal dos Quadrinhos, um setor dentro da própria Bienal Minas dedicado à venda, ensino e discussão sobre tais obras. Lá você conseguia encontrar quadrinhos renomados e publicações autônomas, bem como sessão de autógrafos, desenhos especiais, quadrinhos feitos por fãs e aulas de desenho básico. 

Fila e painel informativo sobre o Bate Papo e a Sessão de Autógrafos

Feito este pequeno tour pelas mediações do evento, me dirigi à fila de senhas para garantir meu autógrafo do Raphael Draccon e da Carolina Munhóz. Quando cheguei, uma hora antes do inicio da distribuição das referidas senhas, já haviam inúmeras pessoas aguardando na fila. O que me deixou muito feliz foi que a equipe de organização do evento estava fazendo de tudo para manter tudo bem organizado para que os leitores pudessem aproveitar o máximo a Bienal. Inúmeros oficiais de apoio e segurança, bem como membros do Corpo de Bombeiros, estavam espalhados pelo evento dando instruções a todos presentes, principalmente para os fãs desesperados como eu  que estavam correndo para garantir um lugar na fila. 

DC Comics

Com a senha em mãos, eu, Gustavo e Tamires, integrantes da equipe Vida de Leitor, decidimos dar mais uma olhada em todos os estandes presentes para ver as ofertas até o começo do bate papo com os autores. Eis que vejo que a Panini dedicou um espaço separado para a DC Comics - sim, sou mega hyper fã do estilo - e foi nesse momento que meu salário foi embora! HAHAHAHAHA.

Conexão Jovem

Meio-dia, no espaço Conexão Jovem, teve início um bate-papo incrível com o Raphael e a Carol. Eles contaram como entraram no mundo dos escritores e o que os motivou a se tornarem os grande ícones da literatura nacional fantástica que são hoje. Ambos são muito talentosos e, pelo pouco que pude ver, são pessoas humildes e que tem um carinho especial com todos os fãs, principalmente a Carolina, que sempre que possível responde seus leitores nas redes sociais. Após o evento e antes de nos dirigirmos à sessão de autógrafos, os autores tiraram uma selfie com todos os leitores. 

Raphael / Eu e Raphael / Autógrafo Estiloso *__*

Já a sessão de autógrafo foi um sucesso. Pude fazer várias perguntas, inclusive se o Raphael tem algum plano de escrever um spin-off da série Dragões de Éter, e ele me contou que já pensou na possibilidade de contar a história da Caçada às Bruxas que ocorreu antes dos eventos da trilogia, mas que não sabe se realmente o fará ou se tal história será contata por meio de livro, filme, game ou outro meio midiático. 

Selfie com a autora / Autógrafo

A Carolina foi um amor de pessoa. Essa semana ela havia compartilhado em suas redes sociais um trecho da resenha do livro Reino das Vozes que Não se Calam - clique aqui - que a Mayra escreveu aqui para o blog e comentou comigo que não só amou a resenha como queria ter tido a oportunidade de conhecer resenhista, que não pode comparecer ao evento por compromissos familiares. Infelizmente não consegui fazer as perguntas que queria para a autora, pois nesse momento a equipe do MGTV entrou para fazer a filmagem da sessão de autógrafos - mãe, tô na Globo! - e conduzir uma entrevista com os autores. 

Luva cortesia da Laila Ribeiro do Sobre Livros e do amigo dela que era dono da luva.

Depois de pegarmos os autógrafos, demos mais uma volta pela Bienal, compramos alguns livros - obviamente - e decidimos ir para o Shopping pegar uma sessão de Esperança/Mockingjay Parte I e comer 1kg de batata frita com bacon e queijo nosso fígado agradece HAHAHAHAHA. Como não estávamos com fome durante o evento, acabamos não comendo nada por lá, mas pelo que pude ver, haviam várias opções que iam desde um almoço completo com direito a uma passada no Rei do Brigadeiro de sobremesa, até um lanchinho básico na lojinha de biscoitos. Confesso que a praça de alimentação dessa edição sofreu uma melhoria aparente comparada com a da última, o que é mais um ponto a favor para a equipe de organização do evento. 

Equipe Vida de Leitor / Credencial

Gostaria de finalizar esse post deixando o meu muito obrigado para a Duda Las Casas e a toda a equipe da ETC Comunicação pela oportunidade de fazer a cobertura do evento, bem como pelo ótimo tratamento que recebi de vocês lá. Todos são muito simpáticos e ótimos profissionais. Aguardo ansiosamente a próxima edição da Bienal do Livro Minas. Para quem mora em BH e região, ainda dá tempo de correr lá e aproveitar, vez que o evento vai até as 22h de hoje. 

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 10º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Voos e Sinos e Misteriosos Destinos - Emma Trevayne


Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Então uma porta foi aberta e um mundo com infinitas possibilidades foi descoberto. Poderia resumir o livro com essa simples frase, vez que Voos e Sinos e Misteriosos Destinos apresenta um mundo complexo movido exclusivamente pela força estridente das engrenagens, mas que carrega no fardo uma premissa similar a de Coraline, famosa obra do Neil Gaiman. 


Nesta fábula moderna, com gosto das aventuras clássicas que encantam os jovens leitores há tantos anos, conhecemos a história de Jack Foster, um garoto de dez anos que, como qualquer um da sua idade, sonhava viver grandes aventuras. Ele morava em Londres mas estudava em um colégio interno, voltando para casa apenas nas férias, quando ficava completamente entediado. Mas, um certo dia, Jack atravessa uma porta mágica e, do outro lado, encontra uma cidade ao mesmo tempo muito parecida e muito diferente daquela que conhecia. Em Londinium, apesar de reconhecer as ruas e prédios, ele encontra um cenário steampunk, com engrenagens e fuligem por todos os lados. Por ali era raro encontrar alguém que não tivesse nenhuma parte do corpo feita de metal. E era justamente isso que a Senhora - uma mulher rígida e temperamental que governava a cidade desde sempre - buscava: um filho de carne e osso. Jack logo descobre que aquele lugar era extremamente perigoso, e que voltar para casa não seria tão fácil quanto tinha sido chegar até ali...



Jack Foster é conhecido por seus familiares por ser um garoto mimado, estranho e teimoso, devido a suas atitudes anormais. Como a família do garoto faz parte da alta sociedade londrina, é de se esperar um rígido comportamento, principalmente nas celebrações e grandes jantares que sua mãe participava, e como ele não tinha acesso a estas reuniões, ele tentava espioná-las. Partindo desse ponto, em um dessas tentativas ele acaba ficando fascinado com os truques mágicos do espiritualista Lorcan Haverlock, mal sabendo que esta pessoa seria o estopim para o que estaria a vim a seguir.

Ao tentar uma aproximação, o menino acaba seguindo o "mágico" que por uma misteriosa porta na base do Big Ben e, nos confins da escuridão, acaba saindo em Londinium / Império das Nuvens, uma Londres mais poluída, com densas camadas de fumaça e fuligem, e habitantes com estranhos implantes metálicos em alguma parte do corpo, além de seres mecânicos como fadas e autômatos formados por engrenagens e um sistema complexo de cordas. Porém, esse mundo alternativo é governado pela Senhora, uma mulher com temperamento indeciso que vive em busca de um filho para mimar.

Londinium

Jack sabia, da mesma maneira que as pessoas sabiam de um sonho do qual não conseguiam se lembrar. Apesar da superfície difusa, a verdade estava lá, no fundo, fugindo de seus esforços para tentar entendê-la.
Pág.: 73

Voos e Sinos e Misteriosos Destinos é um livro que apresenta uma trama metaforizada e imaginativa, o que pode despertar o lado criativo de seu público-alvo, os jovens. Assim como a abertura de uma porta, a narrativa possibilita alguns atos imaginários, uma vez que a autora cuidou perfeitamente de detalhar com extrema riqueza textual os cenários e acontecimentos, até porque esta é uma das características marcantes de um dos gêneros na qual a obra está inserida, o steampunk. Apesar disso, houve uma falha na passagem de emoções e acontecimento que prendam a atenção do leitor, sobretudo no começo da leitura, fato este que aos poucos vai sendo sobreposto por mistérios e ambientações sombrias um tanto quanto pesadas em termos de entendimento para leitores mais jovens. 

A narrativa é feita em terceira pessoa, apresentando o ponto de vista de todos personagens presentes na trama. Além da questão das viagens interdimensionais, a história trabalha assuntos políticos como dominação das colônias de Londinium e a declaração de guerra que ocorreu pela dominação das mesmas. Questões emocionais e psicológicas também foram bem empregadas, visto que de um lado temos uma mãe que vive ocupada preparando festas e reuniões para a alta sociedade, desprezando o garoto, e do outro uma que depois de viver anos em um mundo metálico e formado por pessoas com remendos tecnológicos, só queria um filho 100% humano. Não que a Senhora seja a "boazinha" da história, muito pelo contrário. São nessas horas que devemos nos questionarmos, já que podemos perceber que todas pessoas carregam características falhas, por menores sejam.  

Emma Trevayne, autora.

- Há portas entre esses mundos; você só precisa saber onde olhar. Ah sim, os sinais são sempre claros. Atravessei uma delas uma única vez, há muito tempo, na esperança de tomar sua terra para mim. Os erros alheios me amaldiçoaram. - Ela fez uma careta, seu rosto ficou feio por um instante. - Diga-me, pequeno Jack, é demais exigir perfeição?
Pág.: 174

O final é um pouco previsível, o que pode incomodar algumas pessoas. Mas apesar da previsibilidade, o desfecho é satisfatório. A minha recomendação fica para aquelas pessoas dispostas a abrir a imaginação para diversos detalhes e ambientações, e para os amantes do gênero steampunk

A diagramação está bem trabalhada; com um tamanho de fonte agradável, dois mapas representando Londres e Londinium e belas ilustrações feitas por Glenn Thomas. Na edição temos páginas amareladas, além de uma das mais belas capas que já vi, sem mencionar que a mesma é feita em papel soft touch, aquele com aspecto emborrachado. 

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre NegraTigana, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Portais - Ledinilson Moreira


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

A cada novo livro escrito por um autor nacional que recebo, me pego surpresa com a qualidade dos escritores que temos em nosso país. Essa semana tive o prazer de ler o livro Portais e conhecer seu autor e em breve vocês terão mais informações a respeito de como foi esse encontro.






Junto a um excêntrico grupo de amigos, com seus poderes inimagináveis, convido você a decifrar enigmas, juntar as peças de um grande quebra-cabeça para desvendar o código secreto que os levará aos Portais. Tudo isso em um curto espaço de tempo, já que clãs inescrupulosos ameaçam a vida da humanidade em busca de poder. Você também terá a oportunidade de conhecer lugares fascinantes, como Ouro Preto, Toronto, Bruxelas, Paris, Amsterdã e Praga. E descobrir que, quanto a amizade e o amor estão em jogo, os nossos heróis são capazes de tudo, ou, quase tudo... Seja bem-vindo aos PORTAIS!




Gabriel, Rafael, Michel e Mikaela sempre se consideraram adolescentes normais, cursavam a Universidade Federal de Ouro Preto, tinham muitos amigos, iam a festas, namoravam e a única coisa que até então consideravam estranha era um sonho estranho que não sofria alterações, não importava quantas vezes sonhassem. Contudo, quando descobrem que todos estavam tendo o mesmo sonho, ao mesmo tempo, algumas peças começam a se encaixar. Eles percebem em um momento crucial que estão rodeado por fatos estranhos e que agora além de tentar decifrar uma série de enigmas, eles terão que fugir de inimigos perigosos e ir em direção a um conhecimento que pode modificar a história do universo.

Encontre as chaves para Portais

- Diante dessa descoberta tão impressionante, no ano 1455, os lideres resolveram não utilizar mais dos portais, com medo de que as autoridades da época descobrissem tal preciosidade - disse Galileu.
Pág.: 83

A narrativa é feita em terceira pessoa, normalmente tenho problemas com esse tipo de escrita pelo simples fato de não gostar e não conseguir sentir uma conexão com os personagens, mas o fato é que a escrita do Ledinilson não me incomodou em nada! Ele consegue fazer uma boa ambientação dos cenários e consegue, de forma equilibrada, trazer a um livro que eu consideraria de ação, toques de humor, romance e muito suspense.

Os personagens são adolescentes e não deixam a desejar ao portarem-se como tais, por isso a história é recheada de gírias e expressões que nós normalmente usamos. As características de cada um são extremamente marcantes e é impossível não se divertir com as brincadeiras que eles fazem entre si, até mesmo quando a situação não vai muito bem.

Capa da primeira edição 

Pense: nós nascemos, estudamos, trabalhamos e morremos, onde está a graça? Precisamos aproveitar a vida, precisamos parar com essas guerras inúteis que apenas servem para destruir nosso planeta, ou essa dimensão, sei lá. O que sei é que a vida é um presente. Precisamos cuidar muito bem desse presente aproveitando o máximo. 
Pág.: 163

Portais é o primeiro livro de uma trilogia, e ao final deste livro ficamos ansiosos pelo próximo que provavelmente será lançado em breve. O contexto da obra possui aspectos capazes de prender todos os públicos, além de vários momentos de ação, o autor insere ao contexto conhecimentos históricos a respeito dos locais onde os personagens se encontram e cria uma teoria a respeito de universos paralelos e formas de conhecimentos científicos muito legais.

A capa pode ser encontrada em duas versões, já que o livro teve duas tiragens. A minha é a mais recente e eu considero que é a mais bonita também hehehe. A diagramação é muito bonita, as páginas são em folhas brancas e nas bordas encontramos os títulos de cada capítulo. Encontrei pequenos erros de revisão, como letras faltando, nada que vá atrapalhar a leitura. Leitura recomendada.

Abraços,
  Tamires Souza
TAMIRES DE SOUZA
É Resenhista aqui no Vida De Leitor. Desenvolveu sua paixão pela leitura ainda criança através de revistas em quadrinhos e desde então não vive sem um livro dentro da bolsa. Recém formada e sonha um dia cursar uma faculdade de Direito. Seus livros favoritos são: Série Rangers Ordem dos Arqueiros, A Seleção e a Série A Mediadora
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Promoção + Resenha: Garoto Encontra Garoto - David Levithan


Hey pessoal, tudo bem?

Como havia dito na resenha de Caminhos Incertos - aqui - livros que tenham como protagonista e história principal o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo estão a cada dia ocupando mais o mercado editorial atual e um exemplo disso é Garoto Encontra Garoto de David Levithan, mesmo autor de Todo Dia. O diferencial? David conseguiu criar um mundo onde ser diferente é normal, o capitão do time de futebol americano é uma drag queen e as lideres de torcida andam de Harley. 





Nesta mais que uma comédia romântica, Paul estuda em uma escola nada convencional. Líderes de torcida andam de moto, a rainha do baile é uma quarterback drag-queen, e a aliança entre gays e héteros ajudou os garotos héteros a aprenderem a dançar. Paul conhece Noah, o cara dos seus sonhos, mas estraga tudo de forma espetacular. E agora precisa vencer alguns desafios antes de reconquistá-lo: ajudar seu melhor amigo a lidar com os pais ultrarreligiosos que desaprovam sua orientação sexual, lidar com o fato de a sua melhor amiga estar namorando o maior babaca da escola... E, enfim, acreditar no amor o bastante para recuperar Noah!





O livro conta a história de Paul, um jovem que encontrou o amor da sua vida e conseguiu estragar todas as suas chances de uma maneira tão épica que fica difícil até tentar recuperar seu amor perdido. Contudo, ele não está sozinho, com a ajuda de uma drag queen que também é capitã do time de futebol, um melhor amigo gay enrustido e um ex namorado psicótico que acha que ainda tem alguma chance de reatar o namoro, ele irá fazer de tudo para reconquistar o cara dos seus sonhos, mesmo que para isso ele tenha que fazer o impensável. 

Que tal pintar um pouco de música?

Todos nós precisamos de um lugar. Eu tenho o meu, essa coleção maluca de amigos, músicas, atividades pós-escolares e sonhos. Quero que ele também tenha um lugar. Quando ele diz "Eu gosto daqui", não quero que seja com tom triste. Quero poder dizer: Então fique.
Pág.: 14/15

A narrativa consegue ser profunda e ao mesmo tempo engraçada. São muitos os momentos em que temos dizeres como o transcrito acima e outros onde as cenas são tão improváveis que você se vê rindo sem nem perceber. O que achei mais legal é que esse livro foi escrito em 2003 (publicado esse ano no Brasil), ou seja, em uma época em que seria impensável ter um livro desse circulando no mercado e fazendo tanto sucesso, o que mostra que David Levithan é um autor à frente de seu próprio tempo. 

Os personagens são muito engraçados e bem desenvolvidos, e alguns deles são estereotipados em um sentido cômico, como o novo namorado de Joni que possui todas as características dos famosos jocks, que seriam uma espécie de atletas populares, fortes e completamente desprovidos de inteligência. O protagonista é bem resolvido e sabe muito bem o que quer e, como foi dito, fará de tudo para reconquistar Noah. Outro fator que contribui muito para o sucesso da obra é que o mundo criado pelo autor é bem diferente, como o caso das lideres de torcida punk, a equipe de corrida de corredor e o time de boliche cultural. 

Até onde você iria para reconquistar o amor da sua vida?

O armário do zelador tem as tradicionais vassouras, rodos e baldes. Mas, no centro, há um computador de última geração. Nossa equipe de zeladores é uma das mais ricas do país por causa do talento para compra e venda de ações. Eles poderiam ter se aposentado há muito tempo, mas têm compulsão por limpar escolas. 
Pág.: 121

Esse não é o tipo de obra com finais mirabolantes, pois já é bem óbvio quem vai ficar com quem e o que realmente vai acontecer no desenrolar das páginas, contudo, o que realmente importa na obra é o miolo da história, são as artimanhas e reflexões que o autor propõe. Mesmo não sendo meu livro preferido do gênero, afinal, ele compete com grandes nomes como Caminhos Incertos e Aristóteles e Dante Desvendam os Segredos do Universo, Garoto Encontra Garoto é uma excelente leitura de férias e recomendada para todo mundo que quer fugir de temas densos e muito profundos. 

O livro possui uma edição simples, mas muito bonita. As cores usadas na capa e os efeitos que a mesma possui são muito bem trabalhados e dão um destaque especial na estante. A diagramação é simples e a revisão está muito bem feita, a fonte utilizada, bem como o espaçamento entre as linhas, fazem com que a leitura possa ser feita em questão de um dia. Leitura recomendada!


Para concorrer é simples, basta preencher a primeira entrada, que é LIVRE, e você já está participando. Contudo, caso queira mais chances de ganhar, assim que a referida entrada for preenchida, as EXTRAS serão liberadas e algumas delas podem ser usadas todo dia, ou seja, muito mais chances para você!

A opção "tweet about the giveaway" é renovada a cada 24 horas, ou seja, todo dia que você tweetar a frase e preencher essa entrada, seu nome será adicionado mais vezes.

Qualquer dúvida quanto ao uso do formulário basta entrar em contato pelos comentários ou pela aba de "Contato" no menu do blog.

a Rafflecopter giveaway


Importante

  1. O ganhador deverá responder ao e-mail que mandarmos em até 48 horas. Caso não o faça um novo sorteio será realizado.
  2. O livro será ENVIADO em até 30 dias úteis pela editora.
  3. O blog não se responsabiliza por danos ou extravios causados pelos Correios.
  4. Caso o ganhador forneça o endereço errado e o pacote retorne, o mesmo perderá o direito ao prêmio.
  5. O ganhador deve ser residente e domiciliado em território nacional.
  6. O ganhador que descumprir alguma das regras será desclassificado.

"Que a sorte esteja sempre a seu favor!!"

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 10º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Vintage Rock Store: O Reino das Vozes Que Não Se Calam - Carolina Munhóz & Sophia Abrahão


Hey pessoal, tudo bem?

Há algum tempo estava querendo dar uma mudada em alguns aspectos e abordagens do blog e a primeira delas será uma parceria entre o Vida de Leitor e a Vintage Rock Store. A Mayra, administradora da página, que além de uma grande leitora também possui um estilo único de ver o mundo, irá resenhar alguns livros aqui para o blog, trazendo para vocês um texto de qualidade, mas que foge aos padrões que sempre utilizamos. Penso que isso não só agradará muita gente, como também trará uma visão um pouco diferente das obras que estão circulando hoje pelo mercado.

Espero que gostem e deixem a opinião de vocês sobre o que acharam dessa ideia nos comentários ^_^. 

Att.
Matheus Braga
.............................................................................................................................................................................................

Olá vintages, tudo bem?

O Reino das Vozes Que Não se Calam é o primeiro livro da autora Carolina Munhóz em parceria com a atriz e cantora Sophia Abrahão (intérprete da personagem Mia na adaptação brasileira de Rebeldes).






O Reino das Vozes Que Não Se Calam traz uma espécie de conto de fadas contemporâneo, em que um mundo mágico é palco para uma história de autoconhecimento e o poder dos sonhos, o romance conta a história de Sophie, uma garota cansada de sofrer com a indiferença das pessoas até descobrir um Reino onde seus talentos são reconhecidos. Cedo ou tarde, porém, ela terá que decidir entre a realidade e a fantasia, numa jornada repleta de descobertas e desafios.





Resumo
Sophie é uma garota de 17 anos, vive em uma cidade pacata e estuda em uma escola normal. Apesar tudo, ela é diferente. De gosto “peculiar”, como muitos dizem, ela é ruiva e curte Rock’n Roll, gosta de usar roupas largas (preferencialmente blusas de bandas), tênis All Star e caveiras, um estilo considerado descolado por alguns e esquisito para muitos.

Porém ela possui um distúrbio alimentar e exibe uma magreza fora do comum, e por isso é taxada por todos de anoréxica e esquisita. Com isso já dá para perceber que Sophie sofre muito todos os dias, o que a torna uma garota triste, muito fechada, insegura e que enxerga a escola e sua cidade como um mundo cinzento, sem vida e cheio de criaturas asquerosas e cruéis. Sua melhor amiga, Anna, é aquela típica garota popular com um namorado gato e uma turma descolada e que, apesar de gostar de Sophie, fica evidente que elas não pertenciam a um mesmo mundo.

"Se você encontrasse um lugar onde todos te aceitassem... Seria capaz de abandoná-lo?"

Nossa protagonista adora explicar os acontecimentos em sua vida com trechos de algumas músicas, uma delas (e a que mais me chamou a atenção, e que eu amo) é Aerials da banda System of a Down

A vida é uma cachoeira
Nós somos um no rio
E um, de novo, após a queda
Nadando pelo vazio
Nós escutamos a palavra
Nós nos perdemos
Mas, encontramos de tudo...
- System of a Down, Aerials (tradução livre)

A letra diz claramente que a garota sofre de uma grave depressão graças às constantes humilhações dos colegas e a pressão dos pais em tentar ajudá-la. Sua situação nos atenta a uma questão séria e constante na realidade dos jovens, o bullying!

Eis que em uma noite de muitas humilhações, Sophie chega em casa arrasada e ao adormecer se sente “sugada” (esse é o termo que ela utiliza para retratar a sensação interessante e até então desconhecida) para uma outra dimensão, um mundo maravilhoso onde ela pode ser ela mesma e é aceita e admirada por todos, um lugar onde ela é uma princesa. 

Sophie passa por uma experiência incrível neste reino encantado chamado Reino (sim, esse é nome), e lá ela conhece criaturas excêntricas como pássaros gigantes, uma linda Fênix e um gato falante que canta Jazz. Neste lugar mágico ela encontra uma família, um povo que está pronto para lhe dar todo o amor e respeito que ela merece, eles são os Tirus (o legal é que este é o nome carinhoso dado pela atriz Sophia Abrahão para os seus fãs).

As descrições do Reino me lembraram os cenários do filme Malévola.

Apesar de se apaixonar por este novo mundo e querer viver lá para sempre Sophie não pode, ela precisa se dividir entre a realidade cinzenta e o “sonho” colorido e cheio de vida que é Reino. Com isso a garota vai ficando mais triste e deprimida por ter que suportar viver a realidade, mas ela percebe que nem todos querem feri-la depois que conhece um garoto mais que especial, lindo, rockeiro (hihihi) e descolado chamado Léo, que faz de tudo para chamar sua atenção e fazê-la enxergar que podemos aproveitar a vida ao máximo. 

Léo

Posso dizer que fiquei in love com o Léo por ele ser descrito como uma garoto tão fofo e meigo, daqueles que a gente fica querendo pegar no colo e sair correndo, mas vocês precisam ler e tirar suas próprias conclusões.

Opinião

Quando peguei O Reinos da Vozes Que Não Se Calam para ler, não sabia o que iria encontrar pela frente, principalmente por não saber como a questão do bullying, intercalada com um mundo fantástico, seriam abordados. Posso dizer de olhos fechados que me surpreendi, vez que nas entrelinhas da história podemos refletir sobre causas muito sérias envolvendo a autoaceitação, o preconceito, a depressão e até mesmo o suicídio. Mas toda essa questão “pesada” é dosada com uma porção de magia, porque nossa vida seria muito sem graça sem uma pitada de mágica, não é mesmo?

Neste livro conhecemos uma garota de personalidade forte, muito inteligente, mas que é muito maltratada - emocionalmente falando - que precisa de ajuda e encontra neste mundo encantado um refúgio. Porém, ter que escolher entre viver em um mundo eternamente feliz onde você é amada incondicionalmente e outro onde você é julgada e ridicularizada o tempo todo parece uma escolha fácil, não é? Mas será? É neste momento que nossa protagonista passa por momentos de provações e escolhas difíceis.

Outro ponto que me chamou muito a atenção na obra foi que, além da história, a autora explorou muito os elementos musicais (mais relacionados ao Rock, que é minha paixão, hehe) citando Ramones, Kurt Cobain, The Beatles, Oasis e muita gente bacana.

Playlist

Acredito que Carolina e Sophia alcançaram seu objetivo de atingir um público mais jovem unindo assuntos pertinentes a essa geração com uma escrita jovem e uma pitada de humor sarcástico e engraçado. O livro possui uma diagramação muito bonita, e na capa traz Sophia Abrahão como Sophie dentro de uma floresta densa que entendemos que seja um paradoxo entre o seu mundo sombrio e o Reino, e sua expressão preocupada nos remete à duras escolhas que Sophie precisa fazer durante o desenrolar do livro


Enfim, o Reino das Vozes que não se Calam vem para nos mostrar que nossa vida pode sim ser dura e difícil, mas precisamos ter força para carregar nossos fardos e que uma hora o sol vai nascer lindo e brilhante e aí sim as coisas irão se ajeitar aos poucos!

Rock Kisses,
             Mayra Luíza
É administradora do Vintage Rock Store e resenhista aqui no Vida de Leitor. Possui um estilo Rock Vintage de ser e, assim como Marilyn Monroe, acredita que a imperfeição é bela e toda loucura é genialSeus livros favoritos são: Harry Potter e Crônicas de Gelo e FogoSuas bandas favoritas são: Nightwish e Epica
Facebook/Vintage Rock - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Até Que Eu Morra - Amy Plum


Hey pessoal, tudo bem?

Morra Por Mim - resenha aqui - foi um dos melhores livros que li em 2014, com sua narrativa poética e mitologia refrescante, Amy Plum conseguiu se destacar em originalidade e estilo de escrita bem desenvolvido e atraente. Contudo, parece que todo o charme foi gasto no primeiro volume da série e Até Que Eu Morra caiu, infelizmente, na "maldição do segundo livro".







Kate e Vincent estão finalmente juntos em Paris, a cidade das luzes e do amor. Mas esse amor carrega uma questão que não pode ser ignorada: como eles poderão permanecer juntos se Vincent não resistir a se sacrificar para salvar outros mortais? A promessa de levar uma vida normal com Kate significa deixar que pessoas inocentes morram? Quando um novo e inesperado inimigo se revela, Kate descobre que há muito mais coisas em risco... e que até mesmo a imortalidade de Vincent pode estar ameaçada.






A história se inicia com o grupo de Vincent e Kate se recuperando dos ataques sofridos no final do primeiro livro, bem como com a preocupação de que agora que os numa estão em silêncio eles estão planejando algo ardiloso e mortal. Ao perceber que está encurralado entre a promessa que fez para Kate e os recentes acontecimentos, Vincent e os revenants pedem ajuda a Arthur e Violette, os mais antigos e sábios seres de sua estirpe. Com tantas ameaças e riscos, o amor de Kate e Vince será colocado à prova. É difícil lutar quando o inimigo é o próprio tempo. 

Ser imortal às vezes é uma maldição 

Agora você está aqui, agora que estamos juntos, não consigo me imaginar voltando à vida que tinha antes. Não sei o que eu faria se perdesse você. Eu te amo, demais. 
Pág.: 95

A narrativa de Amy Plum continua a mesma, poética e sedutora, contudo, a história narrada não possui todo aquele atrativo que o primeiro livro nos apresentou. Ela manteve um foco muito grande no relacionamento entre Vincent e Kate, suas brigas, suas declarações de amor e afins, e acabou não dando a devida atenção à guerra que ocorria de fundo entre os revenants e os numa. Não entendam mal, ela desenvolveu sim essa parte da história, mas não tanto quando seria o ideal, ou seja, o leitor colhia apenas migalhas de tais lutas enquanto o prato principal era apenas um relacionamento entre uma adolescente que perdeu os pais e um ser imortal que quer acabar com sua imortalidade para ficar ao lado de sua amada. 

Os personagens evoluíram um pouco. Kate não está tão mimada e introspectiva quanto no primeiro livro e o acréscimo de Violette e Arthur à história teve grande importância para os acontecimentos futuros, dando um ar mais aristocrático e misterioso à obra, afinal, não é todo dia que você pode ir ao cinema com uma mulher que já estava viva quando as artes cênicas surgiram. 

Até onde você iria para recuperar aquele que ama?

Minha garganta ficou apertada. Ele tinha dito aquelas três palavras mágicas. Em voz alta. Quando percebeu minha expressão atordoada, os cantos de sua boca se curvaram num sorriso.
- Mas você já sabia, não é?
Pág.: 95

O final foi o que realmente me agradou e acabou salvando a obra. Temos cenas de lutas, traições de pessoas que não esperávamos, a perda de um grande amor e acima de tudo, aquela sensação de que o mundo está acabando e que se não conseguirmos colocar as mãos na continuação do livro ele pode realmente acabar. Apesar de tudo que foi dito, estou ansioso para o próximo volume da série, afinal, com esse final é impossível não ficar curioso. Só espero que Amy Plum não cometa o mesmo erro de focar muito no romance e esquecer de contar uma história realmente envolvente. 

A edição está perfeita. A capa possui arabescos em prata, efeito que também é aplicado na lombada e parte traseira. As páginas são amarelas e a diagramação está muito bem feita, contendo um espaçamento entre linhas que facilita a leitura e uma fonte de tamanho médio. A revisão está impecável, exceto por um pequeno errinho de digitação, mas nada que vá atrapalhar a leitura. Recomendo que cada um leia para tirar as próprias conclusões sobre a obra. 

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 10º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.