The Originals: A Perda - Julie Plec

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Para passar uma opinião mais completa para vocês, decidi assistir à série televisiva The Originals. Acredito que se fossemos seguir uma ordem cronológica, o livro antecederia os acontecimentos da série, retratando os primeiros passos dos irmãos Mikaelson em Nova Orleans. A versão televisiva não me conquistou por inteiro, acabei colocando-a na minha lista de séries que um dia terminarei de ver, mas os livros são excelentes.

Esta resenha contém spoilers a respeito do volume anterior





Segundo volume da série The Originals, inspirada na série de TV homônima. Nesta continuação de Ascensão, os irmãos Mikaelson não demoram a perceber que reconstruir Nova Orleans foi apenas um passo na interminável guerra entre as milenares raças de vampiros, bruxas e lobisomens. Obcecado pelo poder, Klaus é o responsável por interferir no delicado equilíbrio sobrenatural da cidade. As bruxas estão isoladas nos pântanos e os lobisomens se foram, mas o Original está acostumado a ter o que quer e faz um pacto com uma bruxa para atender o que seu coração nunca deixou de desejar. O que ele não sabe é que com o pacto vem uma maldição, que pode lhe custar a vida e sua adorada cidade.





Quarenta e quatro anos após a morte de sua amada, Klaus ainda sofre. Desesperado para trazê-la de volta a vida, ele chegou a fazer diversas propostas às bruxas, mas não obteve nenhuma resposta, já que os vampiros eram as criaturas que elas mais desprezavam. Cansada de ter que enterrar seus mortos no pântano, Isabelle decide atender às investidas de Klaus, mas ele precisaria providenciar duas coisas: um pingente de opala que pertencera a Esther e um pouco de sangue para que a bruxa pudesse curar sua filha. Após conseguir isso ela realizaria o feitiço que traria Viviane de volta.

Bruxas rancorosas podem ser extremamente traiçoeiras, cego pela vontade de ter seu mais profundo desejo atendido, Klaus foi incapaz de perceber que algo de errado estava prestes a acontecer. Para garantir a própria segurança, Isabelle lançou um feitiço que ligasse sua vida à do vampiro, mas este seria o menor dos problemas que ele enfrentaria. Viv não seria a única a retornar do Outro Lado, e uma nova maldição estava prestes a cair sobre Nova Orleans.

Eles não serão os únicos com sede de sangue.

Ela não podia mais viver assim, não com Klaus, o terror. Ele não valorizava nada que ela ou Elijah faziam por ele. Era tão autocentrado que não conseguia imaginar que os irmãos talvez preferissem não passar a vida consertando o desastre que ele acabara de provocar, ou tentando prever qual seria o seguinte.
Pág.: 17

Os capítulos são divididos entre os diversos pontos de vista dos protagonistas, essa estratégia acabou impulsionando minha leitura nas cenas de ação, pois ficava ansiosa para saber o que estava acontecendo com cada personagem. Como a história já foi embasada no primeiro livro da série, a narrativa deste é mais acelerada, e isso a torna mais envolvente pois a todo instante um novo elemento é apresentado, criando uma reviravolta no contexto.

As personalidades dos protagonistas sofreram poucas alterações. Klaus ainda é arrogante, impulsivo, estrategista, egoísta e não se importa em ferir os irmãos para proteger os próprios interesses. Rebekah ainda apresenta alguns traços de seu romantismo extremo, entretanto, nesse volume ela age de maneira sensata em grande parte das vezes, e é a única capaz de questionar quando percebe que algo está errado. O lado de liderança de Elijah fica mais evidente, e percebemos que ele é muito centrado em seus objetivos, principalmente quando um deles é derrotar um inimigo.

Autora

Ela não havia simplesmente recebido uma segunda chance, como Klaus insistia e os irmãos esperavam. Tinha sido alterada de algum modo, e haveria conseqüências – sempre havia. Rebekah sentira no instante em que pusera os olhos em Viviane. É claro que os irmãos não tinham percebido. Sempre procuravam pela verdade nos lugares errados.
Pág.:76

Nesse volume observamos o desenrolar pós-guerra entre vampiros, lobisomens e bruxas, como cada clã se organizou após a batalha, e como os Mikaelson transformaram Nova Orleans em seu próprio reino, tendo centenas de vampiros a seu comando e um número ainda maior de inimigos que precisavam evitar. O final é um pouco previsível, mas ainda assim não faz com que percamos o interesse pela obra antes de chegar a ele, pelo contrário, a medida que o enredo se desenvolve ficamos ainda mais ansiosos para saber como será concluído.

A capa é maravilhosa e trás a imagem de Klaus e Elijah. A diagramação é simples, a fonte é de tamanho pequeno e as páginas são de tom amarelado. Acredito que haverá uma continuação para essa série, portanto, esperem mais resenhas sobre o passado dos vampiros Originais. Leitura mais do que recomendada.

Trama - Michael Jensen & David Powers King

Hey pessoal, tudo bem?

Apesar de Trama ser um livro bem escrito e muito bem desenvolvido, ele traz consigo uma das personagens mais mimadas e insuportáveis que já li na minha vida. Felizmente, temos em contrapartida um jovem aspirante a Cavaleiro que possui todas as qualidades do título, e traz consigo um senso de justiça único e uma nobreza inigualável. 

O sonho de Nels era ser cavaleiro do reino de Avërand. Filho obediente, ajudava como podia os moradores de sua pequena e tranquila aldeia. Querido por todos e tratado como herói, acreditava que logo seria selecionado como escudeiro da cavalaria.
Mas isso foi antes de ser assassinado por uma figura misteriosa.
Nels virou um fantasma, e agora só uma pessoa consegue vê-lo: a princesa Tyra, herdeira do reino e sua única esperança de entender o motivo do crime. A princípio, a jovem mimada não dá a menor confiança para o rapaz, mas, à medida que o mistério da morte dele vai se desenrolando, os dois percebem que têm em comum um segredo e um inimigo terrível, que pode se disfarçar de qualquer pessoa.
Nels e Tyra não têm escolha. Precisam fugir do castelo, desbravar um mundo oculto repleto de magia e espectros sombrios e encontrar uma agulha, a relíquia capaz de remendar o que foi descosturado na Grande Tapeçaria. E o tempo corre contra eles, pois o fio de Nels está prestes a desaparecer para sempre.


O livro conta a história de Nels, um jovem trabalhador do campo que sempre sonhou em se tornar um Cavaleiro do Reino, mas que era impedido por sua mãe por razões que ela se recusava a dizer. Do outro lado, temos Tyra, uma princesa mimada que é apaixonada pelo Cavaleiro mais famoso daquelas terras, mas que não sabe que ele só está interessado nela para poder ocupar o trono. Em meio a tantos eventos, Nels é assassinado e somente a princesa consegue vê-lo, iniciando assim uma aventura em busca de um objeto místico que promete ser capaz de costurar de voltar a alma ao corpo, e com isso trazer Nels de volta ao mundo dos vivos. Muitas pessoas estão atrás desse artefato, mas os desafios para consegui-lo colocarão à prova o coração de todos os que tentarem. 

Grande Tapeçaria

Por que alguém faria uma coisa tão terrível?

O que é o rasgo?

- Por quê? - Ulrich estendeu a mão para Lennart. - Por que você entrou na minha frente?
O príncipe soluçou.
- Você é meu amigo, Ulrich. Eu faria qualquer coisa por você...
- Agora você é o rei. entregue sua vida aos seus súditos, e não por eles...
Pág.: 104

Como disse no começo da resenha, Trama possui um enredo bem desenvolvido e uma mitologia que não tinha visto em nenhuma outra obra, apresentando novas magias, bem como novas possibilidades a serem exploradas. Contudo, os autores decidiram inserir na obra uma personagem mimada e mesquinha que se acha melhor que todo mundo só porque nasceu com sangue nobre. Alguém que está acostumada a ter todas as vontades realizadas e todos se curvando perante ela. É claro que o objetivo de Davig e King era de fazer a personagem passar por um amadurecimento ao longo da narrativa, mas eles deixaram para começar a fazer isso tarde demais, o que me fez querer atirar a princesa da torre mais alta do castelo por mais da metade do livro. 

Por outro lado, Nels é um protagonista justo, cativante e que preza a amizade acima de tudo, colocando sempre o bem estar dos outros acima do seu. O jovem camponês possui um passado misterioso e que consegue fazer o leitor torcer por seu sucesso. Entretanto, ele e Tyra embarcam em uma aventura juntos e nem mesmo todas as qualidades do rapaz são capazes de ofuscar os enormes defeitos de Tyra, o que acaba deixando a obra massante e quase insuportável de ler por vários capítulos. Toda vez que ela abria a boca eu revirava os olhos ao ponto de quase ver meu próprio cérebro. 

Urdidores são capazes de costurar os fios do destino.

O final foi satisfatório, porém, muito corrido. Lembra que disse que os autores demoraram para fazer a protagonista amadurecer? Então, isso acontece em mais ou menos 3 capítulos, quando ela do nada percebe que a vida não é do jeito que ela pensava que era. Sem falar que a batalha final não durou nem 5 páginas. A impressão que tive foi de que os autores foram escrevendo tudo o que vinha à mente e decidiram finalizar rápido para se dedicar a outros projetos. 

O livro tem na capa uma ilustração de uma agulha, linhas douradas e um anel, todo em um belo fundo azul. A capa pode não fazer muito sentido no começo, mas garanto que ela possui todos os principais elementos da história. A diagramação é bem simples e possui um mapa logo no começo, e vocês sabem o quanto amo mapas *__*. Não encontrei erros de revisão ou tradução aparentes. Recomendo que cada um leia para tirar as próprias conclusões. 

A Rebelde do Deserto - Alwyn Hamilton

Hey pessoal, tudo bem?

Não consigo pensar em A Rebelde do Deserto sem que a expressão "não vá com muita sede ao pote" me venha à mente, pois infelizmente foi isso que ocorreu. Comecei a leitura do livro depois de ler vários comentários positivos sobre a obra, de como ela era dinâmica e a personagem principal era forte. No final, acabei me decepcionando. 



O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher. Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele. Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por revelar a ela o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.



O livro conta a história de Amani, uma jovem que cresceu em uma sociedade na qual o simples fato de você nascer mulher te transforma em uma excluída social que depende sempre de um homem para tomar as decisões por você. Não satisfeita com tal situação, e correndo o risco de se tornar uma das muitas esposas de seu tio, ela faz de tudo para fujir de seu vilarejo e mudar para a capital. Sendo uma atiradora nata e sabendo manusear várias pistolas, ela entra em competições clandestinas para conseguir dinheiro para fujir, e é em uma dessas competições que ela conhece o Cobra do Oriente, um jovem tão talentoso quanto ela, mas que esconde vários segredos. Em um mundo onde criaturas imortais existem, Amani tentará alcançar seus objetivos de qualquer forma, mesmo que para isso tenha que deixar uma trilha de corpos no caminho. 

Um mundo de areia e suor.

Então o primeiro mortal criou uma arma de ferro e com ela decepou a enorme serpente que tinha engolido Deus em sua forma de sol. O sol foi liberado da garganta do monstro e a noite eterna terminou.
Os seres primordiais olharam para essa coisa mortal que tinham feito e viram com espanto que ela não tinha medo da morte. Ousava lutar porque seu destino era morrer. O primeiro mortal teve coragem de enfrentar o medo que a Destruidora de Mundos havia criado. Os imortais nunca precisaram de coragem. Mas os mortais, sim.

Apesar da sinopse ser super instigante e passar essa ideia de que a personagem principal é uma revolucionária que irá lutar contra seu destino, a forma como ela escolhe fazê-lo foi o que não me agradou nem um pouco. Durante toda a narrativa ela demonstrou ser covarde quando a situação "apertava", tanto que foi capaz de abandonar seu melhor amigo e uma garota inocente nas mãos do exército só para não correr o risco de perder sua chance de fuga. Aí, DO NADA, ela decide não fugir mais, mas só quando foi conveniente para ela. Não digo que ela está errada, se eu levasse a vida que ela levou e o mundo estivesse em chamas, eu usaria a água que tinha para fazer um suco/refresco e assistiria tudo pegar fogo. Contudo, o erro da autora foi pintar a protagonista como uma heroína que estava lutando para ser livre e fazer justiça para quem sofreu o mesmo que ela, mas quando é colocado na prática ela só faz o que é melhor para si, sem se preocupar com os outros. 

Outro ponto que me desagradou foi que a premissa do livro dá a entender que veremos inúmeros seres imortais ao longo da jornada, djinnis com poderes capazes de afundar cidades, cavalos feitos de areia e vento que cavalgam até o fim do mundo sem se cansar, seres primordiais criados dos próprios elementos, outros que assumem qualquer forma e confundem a mente do inimigo, etc. Entretanto, a narrativa nos traz um cavalo "meia boca" que foi derrotado por um prego enferrujado, um troca-formas que não durou 2 páginas e meia duzia de carniçais que morreram com um tiro cada. Comecei a leitura pensando em encontrar um mundo fantástico com um conflito entre os humanos e os seres imortais, mas o que encontrei foi apenas a protagonista andando pelo deserto e o famoso romance do tipo "não posso me apaixonar... não posso me apaixonar.... me apaixonei". 

Imortais e Carniçais. Uma guerra que acontece desde o começo dos tempos.

Um cavalo do deserto. Um ser primordial criado numa era anterior aos mortais, feito de areia e vento. Capaz de correr até o fim do mundo sem cansar. Uma criatura que valia seu peso em ouro, se capturada. Eu não ia voltar para a loja de jeito nenhum.
Apertei os olhos para observar o limite da cidade. Como imaginava, dava para ver uma nuvem de pó e homens se aproximando, conduzindo a criatura com barras de ferro. Ela devia ter acionado uma das antigas armadilhas.

O final foi dinâmico e bem desenvolvido, mas foi um pouco tarde para a autora tentar prender a atenção do leitor, pois já estava lendo só para saber o final desde a metade do livro. Apesar das críticas e dos pontos negativos expostos, o livro não é completamente ruim, afinal, muitos leitores adoraram a história e amaram a protagonista. Contudo, A Rebelde do Deserto não é um livro que me deixou com vontade de ler a continuação. 

A capa da obra é linda e os efeitos usados na borda em tinta dourada e azul dão um charme único ao livro. O interior possui os mesmos designs no começo de cada capítulo, o que dá um efeito interessante na lateral. Um grande ponto positivo é que a tinta metálica usada não descasca ou se desfaz com o manuseio, como acontece com muitos livros que possuem esse efeito. Não encontrei nenhum erro de revisão ou tradução aparentes. Recomendo que cada um leia para tirar as próprias conclusões. 

Promoção Mr. Mercedes - Stephen King


Hey pessoal, tudo bem?

Quer levar para casa um exemplar desse livro maravilhoso? Para concorrer é simples, basta preencher a primeira entrada, que é LIVRE, e você já está participando. Contudo, caso queira mais chances de ganhar, assim que a referida entrada for preenchida, as EXTRAS serão liberadas e algumas delas podem ser usadas todo dia, ou seja, muito mais chances para você!

A opção "tweet about the giveaway/ tweetar uma mensagem" é renovada a cada 24 horas, isto é, todo dia que você tweetar a frase e preencher essa entrada, seu nome será adicionado mais vezes.

Qualquer dúvida quanto ao uso do formulário basta entrar em contato pelos comentários ou pela aba de "Contato" no menu do blog.

OBS: O formulário do Rafflecopter sofreu alterações nas entradas EXTRAS para curtir a página no Facebook. Para que tal entrada seja validada, é necessário CURTIR a página, e não só visitá-la como manda o formulário.

a Rafflecopter giveaway

Importante

  1. O ganhador deverá responder ao e-mail que mandarmos em até 48 horas. Caso não o faça um novo sorteio será realizado.
  2. O livro será ENVIADO em até 30 dias úteis pela editora.
  3. O blog não se responsabiliza por danos ou extravios causados pelos Correios.
  4. Caso o ganhador forneça o endereço errado e o pacote retorne, o mesmo perderá o direito ao prêmio.
  5. O ganhador deve ser residente e domiciliado em território nacional.
  6. O ganhador que descumprir alguma das regras será desclassificado.

"Que a sorte esteja sempre a seu favor!!"

A Profecia do Pássaro de Fogo - Melissa Grey

Olá Vintagers, como vão?

Que tal mais uma boa dose de distopia para alegrar o dia? Hoje apresento a vocês A Profecia do Pássaro de Fogo, primeiro livro da trilogia Echo, da autora Melissa Grey.




No subterrâneo de lugares onde é muito difícil chegar, duas antigas raças travam uma guerra milenar: os Avicen, pessoas com penas no lugar de cabelos e pelos; e os Drakharin, que têm escamas sobre a pele. Ambas possuem magia correndo nas veias, o que os esconde de todos os humanos menos de uma adolescente chamada Echo. Echo conheceu os Avicen quando era criança, e desde então eles são sua única família. A pedido de sua tutora, a garota começa uma jornada em busca do pássaro de fogo, uma entidade mítica que, segundo uma velha profecia, é a única forma de acabar com a guerra de vez. Mas Echo precisa encontrar o pássaro antes dos Drakharin, ou então os Avicen podem desaparecer para sempre.





Opinião

Quando Echo conheceu Ala – uma estranha coberta de penas pretas – ela era apenas uma criança solitária com um passado misterioso. A partir desse dia a garota que era sempre sozinha e adepta na arte dos pequenos furtos passou a ter uma família: os Avicen. Com o passar dos anos, Echo foi conhecendo e praticando a magia desse povo, se tornando cada vez mais parte deste misterioso mundo. Foi lá que ela conheceu Ivy, sua melhor amiga, e Rowan, por quem é apaixonada desde a infância. 

A guerra com os Drakharin (pessoas que possuem escamas sobre a pele) se iniciou há tanto tempo que nem os mais sábios e antigos podem dizer como tudo começou. Porém, essa guerra se intensifica mais a cada dia. Os Avicen só vêem a falta de humanidade nos Drakharin, ao passo que estes culpam nossos amigos de penas pela perda da magia de sua raça. No meio deste conflito, Caius, o Príncipe Dragão, deverá conter a nobreza e a rebeldia de sua irmã, Tanith.

A única maneira de se conseguir paz entre os dois povos estaria em uma antiga profecia que diz que apenas o Pássaro de Fogo pode enfim acabar com o caos e conceder poderes e glória a quem o encontrar. Por ser uma lenda, nem todos acreditam que o Pássaro é real, mas Echo, com sua habilidade de furtar coisas preciosas, acaba encontrando uma possível pista sobre o paradeiro dessa entidade, e Ala não irá medir esforços para mandar a garota em uma jornada em busca de respostas. Será que uma simples humana será capaz de desvendar um mistério tão antigo?

Os Drakharin culpam os Avicen pelo desaparecimento de seus poderes no decorrer dos anos. Uma acusação ilegítima, claro. Como se uma coisa assim fosse possível! Mas o desespero faz as pessoas acreditarem em coisas malucas. A magia flui por este mundo como um oceano invisível. Ela vai e vem como as marés... Mas sei, em minha alma, que a maré esta mudando. O pássaro de fogo não é uma simples lenda contada aos pequenos Avicen antes de dormir. Ele está se elevando. Posso senti-lo como o movimento de uma onda no horizonte.
Pág.: 41

Opinião

Que a linha distópica está na moda todo mundo já sabe, e você pode esperar absolutamente tudo dessas histórias. A Profecia do Pássaro de Fogo (um belíssimo nome para um livro) possui um universo um tanto quanto curioso, e digo isso como uma adoradora do que é bizarro. Nesta trama temos duas raças em guerra, os Avicen, que são pessoas-pássaros (ainda estou tentando formular uma imagem mental dessa espécie) e os Drakharins, que são descendentes de dragões, mas possuem uma aparência humanoide. A criatividade da autora me chamou muito a atenção, principalmente pela conceituação dos Avicen, uma vez que ela sempre os descreve como seres extremamente belos, e cada um é representado por um pássaro diferente como um pavão, uma gralha, e até uma pomba. A minha maior dificuldade foi conseguir unir os elementos desses pássaros nos traços humanos, mas essa dificuldade de forma alguma prejudicou minha opinião sobre o livro.

Como personagem principal temos a espevitada Echo, uma garota que desde criança esteve sozinha no mundo e em função dessa adversidade precisou se sustentar da maneira que pode: roubando coisas e morando em uma biblioteca em Nova York. Ela com certeza não é o padrão de mocinhas que vemos nos livros, a garota é maliciosa em algumas coisas e bastante durona, diferente das demais personagens que vemos que adquirem o "poder" de serem fortes no decorrer da história. Conhecemos também o misterioso Caius, que é o Príncipe Dragão dos Drakharin, ou seja, o soberano supremo de seu povo. Apesar da tirania de sua espécie, ele é altruísta e bondoso (eu preciso parar de me encantar com todos os mocinhos de livros que eu vejo T_T). Também somos apresentados a Ala, uma curandeira Avicen que é quase uma mãe para Echo, foi ela quem a acolheu quando a garota ainda era uma criança 

É bem difícil uma história de distopia não me prender completamente, sou encantada por mundos desconhecidos, magia e seres diferentes. E foi essa mistura louca e empolgante que me fez crer que A Profecia do Pássaro de Fogo é uma história que tem tudo para agradar vários leitores, pois possui um pacote que vai desde uma trama bem elaborada, até o carisma e ótima construção dos personagens. E como uma boa história precisa de um romance para dar “aquela liga”, o nosso casal não deixa a desejar. Tudo foi se desenrolando de maneira equilibrada e gostosa de ler, e a sensação de proteção que Caius tem por Echo é linda, como se fosse um afeto de eras antigas.


Echo olhou pra Caius e o viu sorrindo para ela, com os olhos brilhando de curiosidade. O jogo estava rolando, e eles estavam jogando juntos. Drakharin ou não, talvez ele não fosse um parceiro tão ruim nesta aventura, afinal.
Pág.: 192

A escrita de Melissa Grey me agradou bastante, o livro é narrado em terceira pessoa e nos presenteia com as sensações de todos os personagens. É impressionante a riqueza de detalhes que a autora trabalha, e sua habilidade em construir personagens sólidos é digna de louvor. O livro é repleto de citações poéticas e lindas frases de efeito que em conjunto formam uma obra perfeita. A capa do livro é muito bonita e nos trás o Dragão que é símbolo dos Drakharin, e o Cisne que é símbolo dos Avicen,  o que nos faz refletir que não existe um lado ao no qual Pássaro de Fogo irá pertencer, ele está entre os dois mundos e sua chegada trará mudanças para todos.

Recomendo a obra para todos os amantes de fantasias. A Profecia do Pássaro de Fogo nos apresenta um universo impossível de esquecer e nos faz ficar ansiosos pelo próximo volume e as revelações que conseqüentemente vêm com ele.

Espero que aproveitem. Rock kisses e até a próxima!

O Estranho - Kristen Ashley {+18}

Olá pessoal, tudo bem com vocês ?

Como disse no Li até a Pagina 100 e... #18O Estranho é uma história cativante e instigante que retrata o envolvimento entre Gwen e um homem misterioso. À primeira vista esse relacionamento causa estranhamento e nos faz levantar várias hipóteses, mas garanto que você irá se encantar por este livro, seja por causa das partes românticas ou pela trama policial que o embasa.




O Estranho conta a história de Gwen Kidd, uma mulher bonita, atraente e determinada, que se entrega a um relacionamento peculiar com um perfeito sedutor que aparece todas as noites em sua cama, envolvendo-a num excitante jogo de sensações, e a deixa sem que ela perceba, antes do amanhecer, sem que ela saiba ao menos o seu nome. Mas quando Gwen precisa ajudar a irmã, que se envolveu com uma gangue da pesada, e as duas passam a correr perigo, o lado protetor de seu amante misterioso vem à tona. Será que aquele louco relacionamento pode se revelar algo bem mais complexo?







Algumas noites da semana, Gwen recebe a visita do Estranho. Ele aparece em seu quarto sem fazer nenhum barulho e faz com que tenha noites incríveis de sexo, desaparecendo da mesma forma silenciosa que chega antes que o dia nasça, deixando-a sem saber como esse homem a mais de um ano consegue entrar e sair de sua casa quando bem entende, e porque nunca perguntou sequer o nome dele.

Tudo em sua vida estava indo na mais perfeita ordem,ela tinha um emprego que permitia que vivesse com certo conforto em uma casa só sua, além de conseguir manter seu vício em roupas e Cosmopolitans. Quando Darla, uma amiga de sua irmã, aparece em sua porta fazendo ameaças, a vida de Gwen sofre uma reviravolta. Contudo, ela não está sozinha e conta com três caras gatos que irão fazer de tudo para protegê-la: um líder de uma gangue de motoqueiros, um detetive “certinho” e um “espião” super protetor que parece saber tudo a respeito dela.

Capas americanas da série O Homem dos Meus Sonhos

Era de se esperar. Porto-riquenho, italiano, cubano – a mistura perfeita para um cara gostoso e mandão, um coquetel foda.
Pág. 98

O Estranho é o tipo de livro que prende o leitor a pequenos mistérios da primeira até a última página, e essa foi a característica que mais me conquistou na obra. A história se inicia retratando de maneira muito superficial a relação de Gwendolyn com o Estranho, e isso nos leva a querer saber mais detalhes. Será que ele é fruto de uma imaginação fértil? Um garoto de programa? Um espião? Esse mistério me atormentou por inúmeras páginas, mas quando enfim o desvendei, o enredo sofreu um grande upgrade, ficando ainda mais interessante.

A protagonista é muito divertida, adorei cada detalhe de sua personalidade. Em determinados momentos ela tem péssimas atitudes, mas não é o tipo de personagem bobinha que faz besteira e fica se lamentando, a imagem que ela passa para o leitor é a de uma mulher forte, decidida e muito carismática. Não vou descrever detalhadamente os demais personagens porque acredito que vocês vão achar mais divertido ler a descrição que Gwen faz sobre eles, mas já vou avisando, preparem-se para conhecer três caras capazes de abalar a imaginação de qualquer uma.

Autora

E eu era muito boa em sonhar acordada. Passava a maior parte do tempo fazendo isso, inventava os melhores sonhos que existiam. Mas a realidade superou-os e a certeza se instalou. Firme.
Pág.: 213

Kristen Ashley me conquistou com sua escrita leve, personagens divertidos, história equilibrada e bem ambientada, cheia de cenas de ação e suspense. Para quem não curte livros eróticos muito detalhistas, este exemplar é perfeito, pois trabalha mais a sensualidade do envolvimento entre os protagonistas do que o ato sexual em si. Aliás, sensualidade é a palavra de ordem que melhor define a escrita dessa autora, tudo que ela descreve é muito sexy, e ao mesmo tempo é divertido. Preparem-se para uma leitura leve e envolvente.

A capa não me agradou muito, achei a fonte do título apagada e sem graça, e a imagem é muito escura e pouco criativa, não possui um efeito visual bacana. A diagramação fenomenal, característica do Selo Violeta (Fábrica 231), foi o que salvou o design do livro, já que é impossível não amar essas bordas cor de rosa. A fonte é de tamanho mediano. Não encontrei erros de revisão. Leitura recomendada.

Mr. Mercedes - Stephen King

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Mr. Mercedes é o mais recente livro de Stephen King, escritor mundialmente conhecido por suas conturbadas e perturbadoras histórias de horror. A obra é o primeiro volume da trilogia Bill Hodges e irá abordar diferentes conteúdos, principalmente o lado psicológico das pessoas e as consequências por trás de suas ações. Desta forma, há muitas coisas aqui que podemos julgar como pura e completa crueldade. 

Nas frigidas madrugadas, em uma angustiante cidade do Centro-Oeste, centenas de pessoas desempregadas estão na fila para uma vaga numa feira de empregos. Sem qualquer aviso um motorista solitário irrompe no meio da multidão em um Mercedes roubado, atropelando os inocentes, dando ré e voltando a atropelá-los. Oito pessoas são mortas, quinze feridos.
Em outra parte da cidade, meses mais tarde, um policial aposentado chamado Bill Hodges é ainda assombrado por um crime sem solução. Quando ele recebe uma carta enlouquecida de alguém que se auto-identifica como privilegiado e ameaça um ataque ainda mais diabólico, Hodges acorda de sua deprimente e vaga aposentadoria, empenhado em evitar outra tragédia.
Brady Hartfield vive com sua mãe alcoólatra na casa onde ele nasceu. Ele adorou a sensação de morte sob as rodas da Mercedes, e ele quer aquela corrida de novo. Apenas Bill Hodges, com um par de aliados altamente improváveis, pode prender o assassino antes que ele ataque novamente. E eles não têm tempo a perder, porque na próxima missão de Brady, se for bem sucedido, vai matar ou mutilar milhares.

Um Mercedes. Muito sangue. Diversas mortes. A trama do livro já é introduzida em meio ao caos, uma vez que logo nas primeiras páginas vemos um Mercedes branco atropelando uma fila de pessoas desempregadas que aguardavam em plena madrugada gélida o início de uma feira de empregos, resultando em oito mortes e algumas pessoas feridas. Alguns meses mais tarde, Kermit William Hodges, um ex-policial viciado em programas de TV, encontra-se deprimido e contemplando o revolver do pai. Seu potencial suicídio é interrompido após o recebimento de uma carta do "assassino do Mercedes", onde ele expõe detalhadamente seus sentimentos e emoções ao matar aqueles indivíduos e ainda aproveitar para irritar Hodges ao afirmar que ele foi único que o policial não conseguiu capturar. Em meio a esta afronta, o aposentado policial empenha-se em investigar o caso e deter o assassino a qualquer custo.

A trama de Mr. Mercedes é uma verdadeira flor de lótus¹: quanto mais lemos, mais submersos e presos estaremos à história. O livro é marcado por diversos momentos que vão desde as partes mais dramáticas, como ocorreu após a introdução, até trechos de pura crueldade, resultando em um encerramento apavorante. Apesar de alguns elementos e acontecimentos serem previsíveis ou clichês do gênero, King soube aproveitá-los ao seu favor, surpreendendo o leitor mesmo com estes pequenos "deslizes", o que auxiliou na fluidez da leitura.

Será que há um monstro dentro você?

Um belo elogio!
Se isso for verdade, e acho que é, já deve ter descoberto que sou um dos poucos que você não conseguiu capturar. Sou, na verdade, o homem que a imprensa decidiu chamar de:
a) O Coringa
b) O Palhaço
ou
c) O Assassino do Mercedes.
Prefiro o último nome!
Pág.: 27

Quem conhece as obras de SK, principalmente os clássicos, irá estranhar um pouco Mr. Mercedes, uma vez que o lado surreal/fantasioso é quase inexistente, dando lugar a algo mais realista e que não foge do nosso cotidiano. Essa atmosfera mais real talvez seja o reflexo de um momento em que o autor esteja passando ou/e é puramente um amadurecimento, que também é possível perceber em livros como Joyland (2013) e Revival (2014) que, apesar de ainda contar com a presença de elementos sobrenaturais, também trabalharam com questões psicológicas. O livro talvez se assemelhe à Misery (1987) neste quesito, já que ambos buscam inspirações na perversidade humana e suas consequências. 

King também trabalha com assuntos mais atuais, como a utilização de meios tecnológicos durante processos investigativos e quais são as implicações sobre isso, como a falta de privacidade que alguns usuários tem na internet. Como Hodges não domina muito bem o computador, será Jerome Robinson, um garoto de 17 anos, quem irá auxiliar o ex-policial nas partes que demandam coleta de informações na rede. 

O resultado de um bom desenvolvimento narrativo e considerável detalhamento são os personagens, que por sua vez esbanjam vida e sentimentos/emoções reais. Um exemplo disso é o próprio "vilão", um maluco que sentiu prazer (em todos os sentidos) em matar aquelas pessoas e que é conturbado pelo seu passado familiar. O que mais choca em toda essa história é saber que existem pessoas assim no mundo e que isso não é algo tão surreal, bem como o drama vivido por Hodges pós-aposentadoria, já que alguns aposentados, por falta daquela antiga rotina, acabam entrando em uma profunda depressão.

 Existem muitas coisas debaixo de um guarda-chuva azul.

Mas ele não consegue pensar em outras associações. Ou seriam metáforas?
Talvez, ele pensa com pesar, eu devesse me matar agora e acabar com tudo isso. Para me livrar desses pensamentos horríveis. Dessas imagens do inferno.
Pág.: 222

Como já disse, o resultado de todas as ações dos personagens principais culminam em um aterrorizante final. Mr. Mercedes tem seus pontos falhos, como a morosidade da narrativa em alguns momentos, mas a sua atmosfera verossímil consegue sobressaltar seus defeitos. Contudo, este está longe de ser o melhor livro do autor. O próximo volume da trilogia será Achados e Perdidos, que irá trabalhar outra história, e estará em junho nas livrarias, como previsto pela editora Suma de Letras. 

A diagramações está simples, com um tamanho de fonte agradável e um ótimo espaçamento entre linhas. Na edição temos páginas amareladas, uma ilustração bonita, mas que não faz muito sentido antes de ler a obra,  e título em verniz localizado. Quanto a revisão, não encontrei nenhum erro. 

¹No sentido da mitologia Grega

Li Até a Página 100 e... #18 - O Estranho, Kristen Ashley


Hey pessoal, tudo bem?

Essa TAG/MEME foi criado pelo blog Eu Li Eu Conto e consiste em pegar a página 100 de nossa leitura atual e dizer o que estamos achando ao responder algumas perguntas sobre a obra. O livro da vez é:



Primeira Frase da Página 100:

Então ele se virou e começou a descer as escadas

Do Que Se Trata o Livro?
Sinopse: "O Estranho" conta a história de Gwen Kidd, uma mulher bonita, atraente e determinada, que se entrega a um relacionamento peculiar com um perfeito sedutor que aparece todas as noites em sua cama, envolvendo-a num excitante jogo de sensações, e a deixa sem que ela perceba, antes do amanhecer, sem que ela saiba ao menos o seu nome. Mas quando Gwen precisa ajudar a irmã, que se envolveu com uma gangue da pesada, e as duas passam a correr perigo, o lado protetor de seu amante misterioso vem à tona. Será que aquele louco relacionamento pode se revelar algo bem mais complexo?

O Que Está Achando Até Agora?
Estou adorando essa história! Ela possui a dosagem perfeita de tudo que um livro precisa ter para me instigar a continuar a leitura. Há vários pequenos mistérios que quero muito desvendar e as breves dicas encontradas no enredo tornam tudo ainda mais interessante, pois até o momento sequer desconfio de como será o final.

O Que Está Achando do Personagem Principal?
Estou adorando a protagonista, ela é divertida, sarcástica e costuma bancar a durona ao enfrentar homens intimidadores. O uso constante da palavra baby pelo Estranho está me incomodando muito, mas acredito que isso só esteja acontecendo porque eu detesto esse apelido. Tirando esse fato, o personagem é muito misterioso, possui uma personalidade arrogante e é mandão, mas isso só o torna mais interessante. 

Melhor Quote Até Agora:

Eu não era chegada em motoqueiros, mas por esse homem eu juro que poderia me passar para o lado Harley.
Pág.: 20

Vai Continuar Lendo?
Sim, estou muito curiosa para descobrir em que tipo de confusão a irmã de Gwen está envolvida, e também quero saber um pouco mais a respeito dos três caras gatos que estão abalando o juízo da protagonista e me fazendo ter várias crises de risos.

Última Frase da Página:

- Quarta-Feira – murmurou Hawk quando terminou sua performance, os olhos fixos em Troy. – Merda, esqueci.

Lançamentos: Galera Record

Hey pessoal, tudo bem?

A Galera Record preparou muitos lançamentos para o mês de Maio e eu estou novamente naquela situação de querer todos, mas ter um total de zero reais na conta bancária T_T. Confira abaixo todas as novidades:



Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.




Darcy Patel escreveu seu primeiro livro em um mês. Não muito tempo depois, se mudou para Nova York, para realizar o sonho de viver de escrever. Lizzie se prepara para mais uma viagem de avião, até terroristas invadirem o aeroporto e começarem a atirar em todos. Desesperada, Lizzie se joga no chão. “Eu estou morta, eu estou morta”... No fim, está tão convencida de pertencer ao lugar dos mortos que acaba atravessando a fronteira do além-mundo. Darcy criou Lizzie. A menina de Além-mundos é sua protagonista. Enquanto Lizzie se vê cada vez mais envolvida nos assuntos dos mortos e do submundo, Darcy luta para se manter no paraíso do YA, na Big Apple, e quanto mais Darcy aprende e amadurece, mais a história de Lizzie também cresce. Ou seria o contrário? Sempre atravessando as barreiras entremundos, as duas irão se redescobrir, se reescrever e explorar os infinitos mundos dentro de si mesmas. 




Após a estranha morte de seu tio, os irmãos Wade e Darrell acompanhados de sua prima Lily e da amiga dela, Becca, partem numa missão cheia de ação em busca das relíquias que revelam o Legado de Copérnico. Pistas cada vez mais misteriosas os conduzem a uma assustadora tumba familiar. Quanto mais informações encontram, mais se aprofundam em um caminho tortuoso na direção de um antigo e perigoso segredo, destinado a lhes fazer acreditar em verdades que mais parecem ficção. Em uma corrida sem trégua, ameaçados por uma organização criminosa e lutando por suas vidas, a única esperança dos meninos é de que consigam salvar o mundo e encontrem as relíquias que podem mudar o curso da história.




Luca Vero tem a missão de identificar os sinais de Deus sobre o apocalipse e apontá-los ao seu superior na Ordem da Escuridão. Junto aos seus companheiros de viagem – entre eles a bela Isolde e a destemida Ishraq – o rapaz chega a uma aldeia pesqueira, onde se depara com uma cruzada formada por crianças determinadas a caminhar até a Terra Santa. Para que cheguem até lá, a promessa divina é de que o mar irá se abrir e, assim como nos relatos bíblicos, o povo passará. Seria mesmo de um sinal divino ou charlatanismo? O mar realmente irá se abrir para os filhos de Deus? Luca duvida dos próprios olhos quando, um dia, vê o mar recuando...







Uma história sobre bruxas modernas. Em pouco tempo, a vida de Morgana mudou drasticamente: ela descobriu ser uma bruxa de sangue e decidiu entrar para um coven. Porém, seus poderes são fortes demais, e controlá-los ainda é um problema. Para piorar, os pais de Morgana escondem um segredo a respeito de seu passado. E quando essa revelação vem à tona, tudo o que a jovem acreditava ser verdade é subitamente desmentido. Agora, Morgana conta apenas com o amor e apoio do namorado Cal para aprender a controlar seus poderes, encontrar de fato o pertencimento no coven e descobrir, de uma vez por todas, quem ela é e do que ela é capaz.







Após a misteriosa morte do irmão, Jared se torna o Príncipe de Toda a Archenfield. Aos 16 anos, no entanto, não acredita estar preparado para governar e enfrentar o caos que toma conta de todo o Principado, além de todas as intrigas que assolam toda a corte. Jared mergulha numa investigação que pode colocar em risco não apenas a sua vida, mas a de todos os seus amigos e familiares. O passado do seu irmão logo se torna turvo e cheio de mistérios. Muitos poderiam ter motivos para matá-lo. Mas quem? O preço de sangue deve ser pago. O assassino do Príncipe deve morrer. Mas Jared sequer sabe em quem pode confiar.





Mack sofre de um grau agudo de mediocridade. Aparência medíocre, notas medíocres, pais medíocres. E, com uma lista interminável de fobias e um bully em seu encalço, Mack está longe de um destino heroico. Pelo menos era isso que ele pensava. Até o dia em que um homem de 3 mil anos chamado Grimluk traz uma notícia surreal: Mack foi designado para lutar contra uma terrível força maligna que ameaça destruir o mundo. Ele é parte de um grupo chamado os 12 Magníficos, e cabe a ele encontrar os outros onze integrantes. Juntos, os Magníficos deverão enfrentar oponentes aterrorizantes em uma caçada internacional. E o ponto mais surreal dessa história é: a única pessoa que acompanhará Mack nessa jornada é Stefan, o rei dos bullies da escola e seu arqui-inimigo.





Qual deles você mais quer?

Temporada dos Ossos - Samantha Shannon

Hey pessoal, tudo bem?

O que dizer desse livro que me despertou amor e ódio e já considero pacas? Temporada dos Ossos, primeiro volume da série Bone Season, me fez ter opiniões muito conflitantes. Apesar de ter uma história original e uma narrativa envolvente e alucinante, a autora pecou pelo excesso no uso de palavras muito "diferentes", o que pode causar um certo desconforto, ou até mesmo confusão no leitor. Contudo, isso não apaga o fato de que atualmente estamos em um mercado editorial onde sempre há o famoso "mais do mesmo", e que Temporada dos Ossos veio para quebrar essa uniformidade literária que vivemos atualmente. 



Distopia com uma pegada sobrenatural são os ingredientes da série Bone Season, de Samantha Shannon, que chega ao Brasil pelo selo Fantástica Rocco. Ambientada em 2059, a trama acompanha a protagonista Paige Mahoney, uma andarilha onírica, alguém capaz de entrar na mente das pessoas e captar pensamentos e fragmentos de sonhos. Considerada traidora pelo governo, Paige paga por seu dom com a sua liberdade e é enviada para uma prisão secreta em Oxford. Lá, ela conhece os Rephaim, criaturas de uma raça antiga que desejam controlar a clarividência de Paige e de outros como ela, e precisará aprender a confiar em aliados improváveis não só para reconquistar a liberdade, mas garantir a própria sobrevivência. Considerada um dos principais nomes da literatura de fantasia dos últimos tempos, Samantha Shannon entrega aos leitores um romance surpreendente e arrebatador.



O livro conta a história de Paige Mahoney, uma jovem que vive em uma Londres distópica onde pessoas com habilidades clarividentes são tratadas como a doença da sociedade, afinal, a sociedade teme a ligação entre eles e o mundo dos mortos. Dentre os tipos de clarividentes, temos os médiuns, videntes, agregadores, cartomantes, aurospicistas, necromantes, cristalomantes, etc, e nossa protagonista, que é uma rara andarilha onírica. Durante anos ela levou uma vida clandestina, até o momento em que é capturada pelo novo sistema de governo e levada para Sheol I, um local dominado por criaturas que a desprezam como ser humano, mas que desejam seu poder acima de tudo. Quando a última esperança se apaga, é preciso confiar no inimigo para sobreviver.
 
 Alguns são capazes de ver outros mundos em uma bola de cristal.

Eu sempre soube que não havia paraíso algum. Jax tinha repetido isso para mim várias vezes. Até o Mestre havia falado isso. Havia apenas uma luz branca, a última luz: um descanso final na fronteira da consciência, o local onde todas as coisas chegam ao fim. Além disso, ninguém sabia. Mas, se havia um paraíso, devia ser assim. Tocar o éter com minhas mãos nuas. Eu nunca poderia ter previsto aquilo, não com ele. Nem com ninguém.
Pág.: 394

Como disse no começo do texto, estamos vivendo um mercado editorial onde é raro encontrar uma história original e que não te deixe com aquela sensação de "já vi isso em algum lugar", e é aí que Temporada dos Ossos inova. Confesso que me senti bem perdido no começo do livro, pois a autora usa muitas gírias específicas do mundo que criou, bem como palavras que eram constantemente usadas na Londres do Séc. XIX. Contudo, isso não ofusca a originalidade geral da obra, uma vez que ela apresenta ideias únicas e um mundo distópico criado à sua maneira. O que mais me chamou a atenção na foi a extensão dos poderes de Paige, afinal, algo que inicialmente parece ser simples pode se tornar uma arma letal, com o devido treinamento, e esse processo foi narrado com maestria pela autora.

De todos os personagens, os que mais gostei foram Paige (o que merece destaque, pois raramente vou com a cara dos protagonistas), Jaxon, Liss e Nick. Apesar dos Rephaim serem poderosos e descritos como seres belos e austeros, não me vi ligado a nenhum deles, mesmo os que eram "diferentes" (não posso dar detalhes por motivos de spoiler). Cada um dos personagens citados faz parte de um classe diferente de clarividentes, e são todos igualmente poderosos. As partes em que a autora descrevia o uso de seus poderes eram minhas favoritas. Não sei o que pensar de Arcturus, pois em alguns momentos ele parece ser confiável, mas em outros demonstra o mesmo ar de desprezo pelos seres humanos que os demais Rephaim possuem. Ele foi um personagem que dividiu bastante minha opinião.

 Outros são capazes de entrar em planos oníricos inacessíveis aos demais.

A palma da minha mão estava escorregadia. Mesmo depois do que eu fizera com o Subguarda no trem, o crime que me trouxera para cá, eu não tinha ideia se conseguiria fazer aquilo. Se conseguiria tirar mais uma vida. Mas então Kraz afastou as mãos do rosto, e eu soube que ele não tinha mais salvação. Nem hesitei.
Puxei o gatilho.
Pág.: 329

O final do livro foi um pouco corrido e inconclusivo, mas isso já era esperado, afinal, esse é apenas o primeiro livro. Ultimamente estou bem cansado de séries e trilogias e sinto falta de livros únicos, contudo, pelas primeira vez em muito tempo não me importei com esse fato, pois o mundo criado por Samantha Shannon é tão rico e cheio de possibilidades, que seria um desperdício terminar tudo em um livro só. Não vejo a hora de ler a continuação. 

A edição está linda e impecável. A capa é em material semi-soft touch (dá aquela sensação de emborrachamento, mas de uma forma mais leve) com o título em amarelo. Os riscos que saem do símbolo vermelho (feito em verniz localizado) são impressos em tinta dourada, o que dá uma certa sofisticação para a obra. A diagramação conta com um mapa de Sheol I, uma espécie de organograma com todas as espécies de clarividentes e um glossário que eu queria ter visto antes de terminar a leitura, afinal, fiquei perdido com as expressões usadas e só vi que ele existia quando li a última página T_T. Não encontrei erros de revisão ou tradução aparentes. Leitura recomendada para quem gosta de livros que trabalham com outros planos de existência e o éter (plano que nossas almas habitam depois da morte).