A Coroa - Kiera Cass

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Quando li A Herdeira, me senti decepcionada com as características de Eadlyn, entretanto, no final da história, percebi que a personalidade dela estava começando a passar por algumas mudanças e isso foi o que me motivou a ler A Coroa. Inicialmente foi difícil superar o ódio que eu sentia por ela, mas após algumas páginas me vi completamente envolvida pela história.



Em A Herdeira, o universo de a Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção.
Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.
America Singer e o Príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção.
Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.



Eadlyn sempre soube que um dia assumiria o trono de Illéa, mas não esperava que isso ocorresse de forma tão repentina. Após o ataque cardíaco de sua mãe, a princesa passou a governar como regente, pois assim Maxon poderia permanecer ao lado de sua amada. Antes de partir, Ahren deixou uma carta com conselhos fundamentais para a mudança de personalidade de Eadlyn, e após ler as palavras do irmão ela percebe que pode ser feminina, corajosa, uma boa líder e ainda gostar de flores. Motivada por esse pensamento, ela decide mostrar aos seus súditos que não é tão indiferente e fria como acreditam.

Governar um país é uma tarefa que exige tempo e dedicação, mas o maior desafio que a regente irá enfrentar será o de encontrar um parceiro a altura do cargo, com quem possa vivenciar uma história de amor tão incrível quanto a dos seus pais, pois o medo de não fazer uma boa escolha é o que mais a atormenta. Cada candidato encanta Eadlyn de uma forma diferente, e o seu coração se mostra incapaz de escolher apenas um, para piorar um pouco mais a situação, surge um rapaz que apesar de não ter sido Selecionado, não medirá esforços para se casar com a futura rainha.

Cards Biográficos dos Personagens

Um silêncio perturbador se abatia sobre o palácio sem minha mãe e suas damas de companhia correndo de um lado para o outro e sem a risada de Ahren ressoando pelos corredores. Nada te deixa mais consciente da presença de uma pessoa do que a falta dela.
Pág.: 9

A evolução da protagonista neste volume é algo notável, acredito que os leitores que se decepcionaram ao perceber que Maxon e America haviam gerado uma filha tão arrogante e mandona se alegrarão com essa melhora na personalidade dela. O contexto da obra é mais ameno que o dos demais livros da saga, o país se encontra em uma situação um pouco mais estável do que quando Maxon assumiu o governo, a princesa só deverá encontrar uma forma de contornar a desigualdade e o preconceito ainda presentes entre a população. Confesso que nada que se compare a emoção de ler um livro onde ataques rebeldes garantem empolgantes cenas de ação *__*.

É impossível definir logo de cara quem a princesa escolherá no final da Seleção, como já disse, ela gosta de todos os pretendentes e cada um acabou me cativando de uma forma inusitada, comecei a leitura torcendo para que ela ficasse com Kile, mas antes da metade do livro já havia shippado ela com quase todos os outros candidatos, afinal, eles são adoráveis. Outro aspecto interessante é o fato de que os vilões dessa obra não são tão detestáveis quanto Celeste ou o Rei Clarkson.

Booktrailer

Eu estava rodeada de exemplos de como o amor, o amor verdadeiro, era capaz de tornar uma pessoa mais forte diante das circunstâncias, ainda que fosse necessário enfrentar a maior decepção da vida ou carregar o peso de um país nas costas.
De repente, não conseguia me lembrar por que eu tinha tanto medo daquilo.
Pág.: 147

Dá certa tristeza pensar que terei que me despedir novamente dessa série, foi maravilhoso conhecer Eadlyn (depois da mudança de personalidade) e seus irmãos, e saber um pouco mais a respeito do que aconteceu com os personagens de A Seleção. Apesar de Kiera ter alegado que este é o encerramento da saga, espero que histórias contendo cenas extras sejam lançadas, adorarei ler um pouco mais a respeito desse universo maravilhoso.

A capa segue o mesmo estilo das demais que compõem a série, lado a lado elas ficam maravilhosas, além de dar um contraste incrível para a estante. A diagramação também segue o padrão dos demais livros, contando com o desenho de uma coroa em cada começo de capítulo, a fonte é de tamanho mediano e as páginas possuem coloração amarelada. Se vocês não gostaram de A Herdeira, preparem-se para mudar de opinião, pois A Coroa vale muito à pena. Leitura recomendada.

Fração de Segundo - Kasie West

Olá Vintagers, como vão?

Yees, é hora de falar sobre continuações! A resenha de hoje é sobre o livro Fração de Segundo, volume dois da série Encruzilhada, escrito pela autora Kasie West. Na resenha do primeiro livro perguntei a vocês o que fariam se tivessem que fazer uma escolha e pudessem ver o futuro de cada uma delas. Hoje pergunto a vocês: Se tivessem a oportunidade de apagar uma parte da sua história, o que apagariam?



Por causa de sua habilidade paranormal, Addie é capaz de Investigar seu futuro sempre que se depara com uma escolha, mas isso não torna sua realidade mais fácil. Depois de ser usada pelo namorado e traída por Laila, sua melhor amiga, ela não hesita em passar as férias com o pai no mundo Normal. Lá ela conhece Trevor, um garoto incrivelmente familiar. Se até pouco tempo ele era um estranho, por que o coração de Addie acelera toda vez que o vê?
Enquanto isso, Laila guarda um grande segredo: ela pode Restaurar as memórias de Addie - só falta aprender como. Muita gente poderosa não quer que isso aconteça, e a única pessoa que pode ajudar Laila é Connor, um bad boy que não parece muito disposto a colaborar. Como ela vai ajudar a amiga a alcançar o futuro feliz que merece.




Resumo

Quando seus pais se separaram, a vida estável e tranquila de Addie se tornou uma bagunça. Após usar seu poder e “Investigar” seu possível destino, ela decidiu ficar com sua mãe no Complexo enquanto seu pai se mudou para o mundo Normal. Vivendo cheia de incertezas e se sentindo mal, a garota decide passar um feriado com seu pai.

Passar um tempo longe do Complexo parecia uma boa idéia, até a garota descobrir que sua habilidade está com algum problema, pois agora, além de Investigar os Destinos, ela consegue Desacelerar o Tempo, habilidade misteriosa que a faz sofrer toda vez que é usada. Em um momento de desatenção ela encontra Trevor, um garoto Normal que chama sua atenção. No entanto, ele vê que Addie guarda algum tipo de segredo, despertando assim seu interesse por ela. Addie se vê totalmente ligada a esse garoto que mal conhece e precisa entender o porquê desta atração, e a única pessoa capaz de ajudar é sua melhor amiga Laila.

Addie e Laila

Não era necessário encostar na cabeça da pessoa para Apagar sua memória, mas facilitava. Por ter que concentrar um pouco mais nesse caso e ter certeza de que havia chegado ao caminho certo, pus a mão sobre a cabeça dele. Três semanas atrás. As lembranças de curto prazo estavam mais agitadas, e tive que passar por elas para chegar à memória armazenada. Encontrar e Apagar uma memória de longo prazo podia ser complicado, mas encobrir o feito não era tão difícil. As pessoas normalmente não percebiam quando se esqueciam de fatos que tinham acontecido num determinado dia, várias semanas antes. Não achavam esquisito. No entanto, se perdiam os últimos cinco minutos. Estranhavam muito.
Pág.: 108

No Complexo, Laila guarda o bilhete que Addie deixou após acordar da Investigação e descobre que nele a amiga pede que restaure sua memória. Como forma de se redimir por seus erros passados, a garota começa a desenvolver sua habilidade, porém ela descobre que Connor, um garoto anti-social, é o único capaz de ajudá-la.

Opinião

Eu sou Team Sofredoras, pois quando Addie finalmente escolheu qual seria o melhor caminho a seguir para salvar as pessoas que ela ama, fiquei muito na bad. Estava com o coração na mão quando a garota abriu mão de tudo que ela sempre quis pelo mais puro amor, uma atitude linda por sinal. Desta vez vemos muito pouco do Complexo, e uma manifestação muito maior das habilidades dos nossos personagens. Addie se vê em uma nova vida, mas o desenvolvimento de sua habilidade, e o seu coração preso a uma pessoa que ela nem conhece, faz a garota se sentir insegura. O que mais me chama a atenção nesta história é a autora conseguir introduzir essas habilidades tão incríveis nos personagens. Não é algo sobrenatural, como vemos nas outras histórias, mas sim uma capacidade de desenvolver o cérebro de certas pessoas. 

Geralmente as continuações são chatas pelo fato de os autores terem que estender algo que às vezes deu certo somente uma vez. Contudo, só tenho elogios para Fração de Segundo, se ele não é melhor que o primeiro livro, ficou super empatado. Neste livro temos a oportunidade de conhecer muito melhor os personagens, a autora conseguiu trabalhar muito bem a personalidade deles e o amadurecimento. Outro plus super interessante é que somos presenteados com a divisão do livro entre Addie e Laila. A amiga da protagonista é espontânea, engraçada, e apesar de ter medo de demonstrar seus sentimentos, ela é intensa e leal na medida certa (Team Laila). Além de Trevor e Duke, temos como personagens secundários Connor, um rapaz misterioso, e Eli, o irmão de Laila.

Eu sabia que ele ainda não podia me amar. Só tinha começado a me conhecer agora. Então, era a melhor resposta que podia me dar. Uma nova onda de felicidade se formou dentro de mim. O tempo não ia voltar ao normal tão rápido. Passei os dedos pelo cabelo dele e o beijei de novo. Mesmo durante o beijo, continuamos devagar, com calma, o que apenas intensificava e aprimorava meus sentidos cada vez que ele respirava. 
Pág.: 255

Os capítulos da obra são divididos entre os pontos de vista de Addie e Laila, como já fora dito, o que deixa a narrativa menos cansativa e com mais expectativas. A capa como sempre surpreendente, feita em uma espécie de soft-touch, mas algo bem leve, sem dar aquela sensação de total emborrachamento.

Desde o primeiro livro a autora nos dá a oportunidade de refletir sobre nossas escolhas e o que nos faz decidir a tomar o caminho certo, e em Fração de Segundo não é diferente. Contudo, dessa vez ela nos mostra que somos sim capazes de consertar erros e que nem sempre trilharemos o caminho certo, mas que nunca é tarde para remediarmos decisões erradas.


Rock kisses e até a próxima!

Ligeiramente Seduzidos - Mary Balogh

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Se existe algo que realmente me incomoda, é ler um livro que faz parte de uma série sem ter lido os anteriores. Fico com a impressão de que está faltando algo, e isso me deixa inquieta. Essa semana li Ligeiramente Seduzidos, quarto livro da série Os Bedwyns, e acabei sendo consumida pelo desejo de abandonar a leitura para ler os três volumes que o antecede.


Jovem, estonteante e nascida em berço de ouro. É apenas isso que Gervase Ashford, o conde de Rosthorn, enxerga em Morgan Bedwyn quando a conhece, num dos bailes da alta sociedade inglesa em Bruxelas.
Em circunstâncias normais, ele não olharia para ela duas vezes - prefere mulheres mais velhas e experientes. Porém, ao saber que Morgan é irmã de Wulfric Bedwyn, a quem Gervase culpa pelos nove anos que passou longe da Inglaterra, decide que ela é o instrumento perfeito para satisfazer seu desejo de vingança.
Mas Morgan, apesar de jovem e inocente, também é independente e voluntariosa e, assim que entende as intenções do conde, se prepara para virar o jogo e deixar claro que não se deixará manipular por ninguém.
Em Ligeiramente Seduzidos, quarto livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos brinda com mais uma história fascinante. Em uma trama repleta de traição e vingança, escândalo e sedução, ela mostra que o caminho para o amor pode ser difícil, mas que a recompensa faz cada passo valer a pena.


Morgan é a caçula da família Bedwyn, e quando o assunto é casamento todos eles seguem apenas uma regra: Casar-se por amor. Após acompanhar as histórias de três dos seus irmãos, Morgan está decidida a vivenciar o seu próprio romance. Acreditando que a jovem poderia acabar firmando uma união com o capitão Gordon, os Caddicks convidam-na para acompanhá-los em sua viagem para Bruxelas, onde os batalhões se reuniam para uma possível batalha contra Napoleão Bonaparte.

Gervasse é um conde que passou anos exilado da Inglaterra, vagando pelo continente Europeu sem nunca se firmar por muito tempo em um local. Durante esse tempo ele cultivou a fama de ser libertino. A ruína de sua amizade com Bewcastle Bedwyn levou Gervasse a deixar sua terra natal, mas nove anos após o ocorrido ele retorna com um desejo de vingança. Para seu plano dar certo, a irmã mais nova de seu inimigo precisará ser seduzida.

Uma valsa pode iniciar um jogo de sedução.

Era um adversário ardiloso. Morgan se perguntou se lorde Rosthorn agora se cansaria do jogo e esqueceria dela depois daquela noite enquanto saía em busca de outra pessoa.
Pág.: 48

Existem ótimos livros que compõem uma coletânea e podem ser lidos separadamente, nestes casos a autora consegue dar um bom embasamento sobre o que ocorreu anteriormente e o enredo principal possui pouca ligação com o anterior. Entretanto, isso não acontece em Ligeiramente Seduzidos, durante as primeiras páginas o personagem principal alega ter tido uma desavença com um dos irmãos da mocinha mas não dá muitos detalhes, e apesar desse envolvimento ser melhor trabalhado posteriormente a impressão que fica no leitor é de que há uma lacuna que ele precisa fechar, e isso o leva a querer ler o outro volume.

A protagonista é uma jovem que possui um pensamento muito à frente de sua época, e a maturidade que demonstra a torna ainda mais fascinante, Morgan é ousada e não se deixa intimidar, características que fazem com que ela seja uma concorrente a altura de Gervasse, um conde arrogante e vingativo. Ele chega a acreditar que seria fácil seduzir a jovem Bedwyn, mas conforme a relação deles se desenvolve, o conde acaba se tornando refém em sua própria armadilha.

Autora

É uma tradição na minha família que o amor seja a força mestra de nossos casamentos – explicou ela. – Não se espera que nossos homens tenham amantes depois de se casarem. – O olhar direto dela não vacilou. – Espera-se que eles amem a esposa e permaneçam fiéis a ela. A mesma expectativa se aplica às mulheres Bedwyns.
Pág.: 73

Ligeiramente Seduzidos conta com um enredo capaz de fisgar o leitor do começo ao fim. A escrita de Mary Balogh é leve e sedutora, a forma como os personagens começam a criar laços afetivos, e o desfecho que ocorre logo após, são muito interessantes. Dá para compreender a história sem ler os demais da série, contudo, muitas referências a acontecimentos passados são feitas, fazendo com que o leitor fique um pouco perdido.

A capa é muito bonita e um pouco misteriosa. A diagramação é simples, a fonte é de tamanho mediano e as páginas são de tom amarelado. Não recomendo a leitura deste volume separado, mas caso queira se aventurar, é melhor ficar preparado para querer ler os anteriores.

[Resenha Premiada] Os 12 Magníficos: O Chamado - Michael Grant

Hey pessoal, tudo bem?

Depois de passar por uma série de decepções literárias, decidi optar pela leitura de algo mais leve e que não fazia propostas muito mirabolantes de enredo, e foi assim que achei Os 12 Magníficos, do autor bestseller, Michael Grant. A obra é uma ótima pedida para quem quer ter uma leitura mais descontraída e com uma pegada mais juvenil.



Mack sofre de um grau agudo de mediocridade. Aparência medíocre, notas medíocres, pais medíocres. E, com uma lista interminável de fobias e um bully em seu encalço, Mack está longe de um destino heroico. Pelo menos era isso que ele pensava.
Até o dia em que um homem de 3 mil anos chamado Grimluk traz uma notícia surreal: Mack foi designado para lutar contra uma terrível força maligna que ameaça destruir o mundo. Ele é parte de um grupo chamado os 12 Magníficos, e cabe a ele encontrar os outros onze integrantes. Juntos, os Magníficos deverão enfrentar oponentes aterrorizantes em uma caçada internacional.
E o ponto mais surreal dessa história é: a única pessoa que acompanhará Mack nessa jornada é Stefan, o rei dos bullies da escola e seu arqui-inimigo.





O livro conta a história de Mack, um jovem que se considera o mais medíocre de todos os medíocres e que possui as fobias mais incomuns existentes, contudo, apesar disso, seu passa-tempo favorito é provocar os bullies de sua escola para em seguida fugir de forma mirabolante e quase milagrosa. Até o dia que ele salva a vida de Stefan, o rei dos bullies.

Não muito tempo depois, um homem de 3 mil anos chamado Grimluk dá uma notícia surreal ao jovem: Mack havia sido selecionado para fazer parte de um grupo de elite chamado Os 12 Magníficos, e sua missão é ir em uma busca pelos outros 11 integrantes, para então enfrentar um mal milenar que está para sair de sua prisão mágica. 

Capas Americanas

Querido Mack,
Hoje comi pizza. Mas percebi que não tenho estômago, então tive que cuspir tudo na mesa. Depois enfiei uma colher na boca e cavei um estômago lá dentro. Tomei cuidado de jogar a lama toda no vaso e dar descarga várias vezes. Agora tem água no chão todo, até nas escadas. Acho que a mamãe percebeu. 
Seu amigo,
Golem.
Pág.: 100

A história segue uma premissa bem similar à da série 39 Clues, contudo, no lugar de saírem procurando por pistas ao redor do mundo, os protagonistas procuram por pessoas, para ao final combater um inimigo que coloca a vida na Terra em risco. A narrativa é descontraída e não demanda do leitor muito esforço, ou seja, é um livro de 192 páginas que pode ser lido em algumas horas. Fiquei bem dividido quanto aos diálogos, pois o autor já demonstrou, na série Gone, que é capaz de construir mundos e personagens de forma magnífica, mas penso que caso ele fizesse isso com O Chamado, a despretensão da narrativa iria se perder, o que não seria algo legal para a proposta do livro. Outro ponto que achei interessante foi que a história é alternada em dois núcleos: o presente, narrando as aventuras de Mack, e o passado, onde mostra Grimluk 3 mil anos atrás, bem como pequenas amostras da batalha envolvendo os primeiros Magníficos e a Rainha Branca.

Os personagens são muito bem trabalhados, o que é um grande ponto a favor, pois como o livro possui poucas páginas e é o primeiro de uma série, o autor conseguiu expor todos os pontos positivos e negativos dos personagens sem tornar a leitura cansativa com descrições excessivas. Mack é um personagem medíocre, como ele mesmo admite, e isso é o que o torna tão único, pois ele sabe que não é capaz de muita coisa e a visão de si mesmo me deixou rindo por vários minutos. Stefan, seu companheiro de viagem, é o típico bully cheio de músculos e com pouco cérebro, ou, nas palavras do Filipe Neto, alguém cujo "cérebro derreteu e virou gominho de abdome" HAHAHAHAHA.

Uma Rainha que promete trazer a destruição do mundo.

- Você e todos aqueles que o ajudarem carregam a marca. Todos os que veneram a Branca vão perseguí-lo até a morte. Até você e todos que você ama estarem mortos!
Pág.: 76

O final foi um pouco previsível, afinal, essa série já possui muitos volumes publicados nos EUA e por isso já sabia mais ou menos o que esperar, mas isso não quer dizer que ele não me deixou curioso para saber o que vai acontecer na continuação. Gosto do estilo narrativo de Grant, e em Os 12 Magníficos ele mostrou que é capaz de escrever sobre mundos diferentes, cada um com suas qualidades e defeitos, sem perder aquela característica única que seus livros possuem.

A capa é toda envernizada e possui uma ilustração que representa a sombra de Mack e dos demais Magníficos. A diagramação é bem simples, tendo como diferencial apenas os recados do Golem para Mack (como o quote acima), que é escrito em uma fonte diferente. Não encontrei erros de revisão. Recomendo a leitura para quem quer algo sem muitas complicações, O Chamado é uma ótima pedida para quem está passando por uma ressaca literária.


Quer levar para casa um exemplar desse livro? Para concorrer é simples, basta preencher a primeira entrada, que é LIVRE, e você já está participando. Contudo, caso queira mais chances de ganhar, assim que a referida entrada for preenchida, as EXTRAS serão liberadas e algumas delas podem ser usadas todo dia, ou seja, muito mais chances para você!

A opção "tweet about the giveaway/ tweetar uma mensagem" é renovada a cada 24 horas, isto é, todo dia que você tweetar a frase e preencher essa entrada, seu nome será adicionado mais vezes.

Qualquer dúvida quanto ao uso do formulário basta entrar em contato pelos comentários ou pela aba de "Contato" no menu do blog.

OBS: O formulário do Rafflecopter sofreu alterações nas entradas EXTRAS para curtir a página no Facebook. Para que tal entrada seja validada, é necessário CURTIR a página, e não só visitá-la como manda o formulário.

a Rafflecopter giveaway
Importante

  1. O ganhador deverá responder ao e-mail que mandarmos em até 48 horas. Caso não o faça um novo sorteio será realizado.
  2. O livro será ENVIADO em até 30 dias úteis pela editora.
  3. O blog não se responsabiliza por danos ou extravios causados pelos Correios.
  4. Caso o ganhador forneça o endereço errado e o pacote retorne, o mesmo perderá o direito ao prêmio.
  5. O ganhador deve ser residente e domiciliado em território nacional.
  6. O ganhador que descumprir alguma das regras será desclassificado.

"Que a sorte esteja sempre a seu favor!!"

Divulgação: O Tempo Não Existe - Lucio Panza

Hey pessoal, tudo bem?

Quem nunca se apaixonou, sonhou ou se enraiveceu com um poema, que atire a primeira pedra. Em um mercado literário onde sempre encontramos distopias e séries teen mundialmente conhecidas, o estilo clássico ainda encontra seu devido espaço, principalmente no âmbito nacional. Com isso em mente que trago a divulgação de hoje: 

Os versos podem nos levar ao encontro com nós mesmos resultando diversas sensações. Podemos achar respostas ou adquirir mais dúvidas que permeiam nosso imaginário. Nesse trajeto não-linear, a inspiração através da dança vadia das letras transita por lugares e cenas das nossas vidas que nos remetem amor ou nos faz um poeta melancólico e deixa nas mãos do acaso o jugo de nossas vidas. Todas as pessoas têm uma história com cores, aromas e sabores que se tornam melodias nas mãos artesãs da escrita. A importância do sentir, do amar acima de qualquer entendimento, do encontro com um espelho sincero estão compilados nessas poesias que une verdades à peças de ficção que despertam a criança que existe dentro de nós.
Sempre há tempo para a saudade, e; da janela avistamos um morro que pode ser a aquarela de um reino distante ou de um mundo fantástico que nos tire da realidade de uma prisão cotidiana ou até mesmo quem sabe fazer um dezembro, janeiro; janeiro, fevereiro; quinta, quarta-feira ou todo dia sem eira nem beira.
A tradição é viva, posso ser marinheiro ou um catraio-tamborim que retorna a seu pavilhão depois de longas primaveras. Posso ser cavaleiro, deixar minhas pegadas na areia, estender a mão e apaixonado caminhar.
Nesse percurso onde o autor caminha sorrindo, pincela e conta momentos de sua vida desde a tenra infância entre os rabiscos primários e engenhosos desenhos, até se deparar com grandes tribulações da vida adulta faz um convite ao leitor e o encoraja através da poesia embalada aos barulhos dos bichinhos da floresta a contar também sua própria história.


Sobre o autor: Professor das redes públicas de ensino estadual e municipal do Rio de Janeiro com diversos projetos em Educação. Especialista no Ensino de Ciências e Biologia. Participação em antologias como: "Eu sou o samba - Uma homenagem aos 100 Anos do Ritmo no Brasil. Fotógrafo profissional certificado pelo SENAC.


Conforme vamos lendo a essência do livro nos leva a ver e ouvir o que o autor descreve, a sorrir e chorar com os personagens e viajar sem sair do lugar.
Letícia - Blog Mad Minds

Eu estou encantado com o talento e sensibilidade que deu vida a cada uma das poesias. Entre todas, difícil citar somente uma em especial. Como não sentir a dor e a solidão de Perdas? Não ouvir o socorro pedido em Morro-Aquarela? Não se sentir como o principezinho em Reino de Verdade? 
Evandro e Fábio - Blog Atraente Mente  


O livro custa apenas R$20,00 (na data de publicação desse post), FRETE GRÁTIS, e você pode adquiri-lo clicando AQUI. Apoiem a literatura nacional!

Li Até a Página 100 e... #19 - Os 12 Magníficos: O Chamado, Michael Grant


Hey pessoal, tudo bem?

Essa TAG/MEME foi criado pelo blog Eu Li Eu Conto e consiste em pegar a página 100 de nossa leitura atual e dizer o que estamos achando ao responder algumas perguntas sobre a obra. O livro da vez é:



Primeira Frase da Página 100:

Querido Mack,
Hoje comi pizza. Mas percebi que não tenho estômago, então tive que cuspir tudo na mesa.

Do Que Se Trata o Livro?

Sinopse:Mack sofre de um grau agudo de mediocridade. Aparência medíocre, notas medíocres, pais medíocres. E, com uma lista interminável de fobias e um bully em seu encalço, Mack está longe de um destino heroico. Pelo menos era isso que ele pensava. Até o dia em que um homem de 3 mil anos chamado Grimluk traz uma notícia surreal: Mack foi designado para lutar contra uma terrível força maligna que ameaça destruir o mundo. Ele é parte de um grupo chamado os 12 Magníficos, e cabe a ele encontrar os outros onze integrantes. Juntos, os Magníficos deverão enfrentar oponentes aterrorizantes em uma caçada internacional. E o ponto mais surreal dessa história é: a única pessoa que acompanhará Mack nessa jornada é Stefan, o rei dos bullies da escola e seu arqui-inimigo.

O Que Está Achando Até Agora?

O livro possui uma narrativa bem descontraída, personagens interessantes e muita magia. Depois de ler várias decepções literárias seguidas, é bom sair um pouco do "mais do mesmo" e buscar uma leitura mais despretensiosa.

O Que Está Achando do Personagem Principal?

Medíocre, como ele mesmo gosta de se definir. Contudo, é essa mediocridade, um senso de humor e visão distorcida de si mesmo que tornam a leitura tão prazerosa e engraçada. Nunca vi alguém tão ciente de que é tão comum.

Melhor Quote Até Agora:

- Você e todos aqueles que o ajudarem carregam a marca. Todos os que veneram a Branca vão perseguí-lo até a morte. Até você e todos que você ama estarem mortos!
Pág.: 76

Vai Continuar Lendo?

Sim, o livro possui apenas 192 páginas e é de leitura rápida, pois o autor não utiliza palavras muito complexas ou demanda do leitor reflexões desnecessárias sobre o enredo. Esse livro está sendo ótimo para minha ressaca literária.


Última Frase da Página:

Seu amigo, 
Golem.

A Guardiã de Histórias - Victoria Schwab

Hey pessoal, tudo bem?

Quando vi que A Guardiã de Histórias iria ser lançado no Brasil, fiquei extremamente feliz e ansioso para conferir a obra, afinal, estava doido para ler o livro desde que ele havia sido publicado nos EUA. Contudo, apesar de ter adorado a ideia da autora de transformar o “mundo dos mortos” em uma espécie de biblioteca/arquivo, o livro também conta com alguns pontos negativos.




Imagine um lugar onde, como livros, os mortos repousam em prateleiras. Cada corpo tem uma história para contar, uma vida disposta em imagens que apenas os Bibliotecários podem ler. Aqui, os mortos são chamados de Histórias, e o vasto domínio em que eles descansam é o Arquivo. Mackenzie Bishop é uma implacável Guardiã, cuja tarefa é impedir Histórias geralmente violentas de acordar e fugir do Arquivo. Naqueles domínios, os mortos jamais devem ser perturbados, mas alguém parece estar, deliberadamente, alterando Histórias e apagando seus trechos essenciais. A menos que Mac consiga juntar as peças restantes, o próprio Arquivo sofrerá as consequências.






Imagine que após a morte você seria colocado para "dormir" em uma prateleira/estante e a história de sua vida seria narrada através de imagens e poderia ser vista apenas pelos Bibliotecários que tomam conta do Arquivo. Esse é o mundo de Mackenzie Bishop, uma jovem que seguiu os passos do avô e se tornou uma excelente Guardiã cuja função é impedir que as Histórias acordem, ou trazer de volta aos Arquivos aqueles que por algum motivo despertaram.

Após a morte do avô e do irmão, a família de Mac decide mudar de casa e recomeçar a vida, e é aí que as coisas começam a complicar. Nossa jovem guardiã descobre que em seu novo quarto ocorreu um assassinato, momento em que decide investigar o que realmente aconteceu. Com o tempo ela começa a perceber que a quantidade de Histórias violentas que estão despertando e fugindo do Arquivo está cada vez maior, e inexplicavelmente tudo parece estar ligado ao misterioso assassinato. Entre superar a morte do irmão e caçar aqueles que não deveriam ter acordado, nossa protagonista nos leva para uma aventura onde a linha entre a vida e a morte é muito mais tênue do que imaginamos.

Mas você não me falou uma coisa.
Que ele é lindo.
Tão lindo que, por um momento, esqueço que as paredes estão cobertas de corpos. Que as estantes e os armários que compõem as paredes, embora adoráveis, guardam Histórias. Em cada gaveta, um suporte de bronze com etiquetas cuidadosamente impressas com um nome e datas. Tão fácil se esquecer disso.
Pág. 48

A genialidade da autora ao criar esse novo mundo foi o que mais me agradou no livro. Adorei essa ideia de que quando morrermos seremos colocados em prateleiras e nossas histórias seriam administradas pelos implacáveis Guardiões, afinal, apesar dos vivos sempre lembrarem dos mortos com carinho, eles não têm acesso a toda história de vida de uma pessoa, principalmente seus segredos. Contudo, apesar de ter amado a mitologia, confesso que fiquei um pouco confuso no começo do da narrativa. Entendo que a autora está narrando um mundo novo e que para isso ela precisa explicar tudo com muitos detalhes, mas penso que ela poderia ter feito isso de forma um pouco mais dinâmica e de maneira a não deixar o leitor tão perdido com as novas terminologias.

Mackenzie é uma personagem bem desenvolvida e tem uma personalidade forte, e a narrativa em primeira pessoa ajuda o leitor a entender o que está realmente acontecendo com a protagonista, principalmente após a morte de seu irmão. Percebemos logo no começo que ela foi forçada a amadurecer muito cedo, afinal, ela é uma Guardiã desde a pré-adolescência, mas em alguns momentos as atitudes dela são um tanto quanto imaturas e impulsivas, e isso me incomodou um pouco.

Capa Americana

Era uma mar de tijolos lá embaixo, mas, se olhasse para cima em vez de para baixo, eu poderia estar em qualquer lugar. 
Se ele não pulou, o que aconteceu? 
Uma morte é traumática. Vivida o bastante para deixar qualquer superfície marcada, queimar como a luz sobre papel fotográfico.
Pág. 197 

Não vou me estender muito na resenha, pois não quero correr o risco de soltar algum spoiler sem querer, mas o que posso dizer é que apesar dos pontos negativos, A Guardiã de História é um livro que vale a pena ser lido, principalmente depois que Mac descobre que algumas Histórias relacionadas à sua nova moradia, e consequentemente ao assassinato, foram alteradas nos registros do Arquivo. Afinal, quem não gosta de um bom mistério? *__*

A edição nacional está linda, entretanto, achei a ilustração da capa americana mais bonita e que ela representa melhor o enredo. O material usado foi o soft-touch, mas em uma grau mais leve, ou seja, você consegue sentir que não é apenas papel cartão, mas também não é tão "emborrachado" quanto os livros da série Fallen. Recomendo a leitura para todos que gostam de um bom mistério sobrenatural.

Na Estrada Jellicoe - Melina Marchetta

Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Na Estrada Jellicoe, escrito por Melina Marchetta, foi uma grande surpresa para mim, uma vez que não tinha muitas expectativas quanto ao seu conteúdo. Entretanto, seus acertos podem ser considerados defeitos aos olhos dos outros, até mesmo pelo fato da trama requerer paciência e compreensão até o seu encerramento. 




A pequena cidade de Jellicoe, na Austrália, vive uma guerra territorial travada entre três grupos: os estudantes do internato, os adolescentes da cidade e os alunos de uma escola militar que acampa na região uma vez por ano. Taylor é líder de um dos dormitórios do internato e foi escolhida para representar seus colegas nessa disputa.
Mas a garota não precisa apenas liderar negociações: ela vai ter que enfrentar seu passado misterioso e criar coragem para finalmente tentar compreender por que foi abandonada pela mãe na estrada Jellicoe quando era criança. Hannah, a única adulta em quem Taylor confia e que poderia ajudar, desaparece repentinamente e a pista sobre seu paradeiro é um manuscrito que narra a história de cinco crianças que viveram em Jellicoe dezoito anos atrás.




Abandonada pela mãe aos onze anos de idade na estrada Jellicoe, Taylor Markham, atualmente com seus dezessete anos, é líder de um dormitório do internato e pretende ir atrás de respostas acerca do seu passado e da sua misteriosa família. Como Hannah (uma de seus tutoras) teve que fazer uma inesperada e estranha viagem, a jovem deposita toda sua esperança em um manuscrito que ela encontrara na casa da amiga, onde ela irá passar a conhecer a história de cinco crianças que também cresceram em Jellicoe, além de tentar entender como elas estão associadas ao seu passado. 

Ao mesmo tempo, ela precisará lidar com as anuais guerras territoriais entre três grupos: os cadetes (alunos da escola militar), os citadinos (os jovens da cidade) e os estudantes do internato. Será durante esse conflito que algumas coisas de seu conturbado passado serão desvendadas. 

Capas Estrangeiras

[...] Às vezes, depois de trabalhar o dia todo na casa, eu e Hannah sentávamos no sótão e conversávamos. Ela nunca falava muito sobre a família dela, só em algumas dessas conversas. Se eu perguntasse alguma coisa sobre os parentes, ela só dizia que todos tinham morrido e que ela, se ela se permitisse sentir toda a tristeza, nunca conseguiria agir como uma pessoa normal novamente.
- Já estive nesse vazio - ela me disse uma vez. - Nunca se entregue a ele.
Pág. 88

Como disse anteriormente, este é um daqueles livros que devem ser lidos com bastante atenção e, consequentemente, paciência, uma vez que sua história começará a fazer sentido perto das últimas páginas. Não devo considerar isso como um ponto negativo, mas sim como um produto da narrativa confusa da autora. Ela soube sustentar alguns mistérios por trás do passado de Taylor até a conclusão da obra, o que é um ponto positivo, mas a trama contem trechos monótonos e cansativos, como o começo que se mostrou confuso, fazendo com que haja um decréscimo no ritmo da leitura. 

Apesar disso, é justamente esse desenvolvimento narrativo ligeiramente confuso que chama a atenção, uma vez que há vários contextos se desenvolvendo praticamente ao mesmo tempo dentro de uma única história, e todos contam com personagens bem construídos e singulares. Acredito que este livro não teria a mesma "magia" caso tivesse sido escrito em outra pessoa gramatical além da primeira pessoa, já que os sentimentos e emoções da protagonista se dão de forma tão real e viva que é quase impossível não se coloca no lugar dela. 

Ainda que Taylor tenha que lidar com diversas situações, como ser líder de um dos grupos da guerra territorial, com um suposto serial killer a solta, e tentar encontrar respostas para suas perguntas acerca do seu passado, sua personalidade se mostrou forte e corajosa, porém sensível a coisas como o amor. Assim como a protagonista, os personagens secundários, como as cinco crianças (Narnie, Tate, Webb, Fitz e Jude), bem como Raffy, Chaz e Jonah são fundamentais para o desenvolvimento da trama e suas personalidades conquistam rapidamente o leitor. 

Melina Marchetta

Lembro do amor. É do que preciso ficar me lembrando. É engraçado como esquecemos tudo, menos de sermos amados. Talvez seja por isso que os humanos achem tão difícil superar relacionamentos amorosos. Não é a tristeza que eles precisam superar, é o amor.
Pág. 184

Não vou negar que terminei a leitura com a percepção de que as guerras territoriais são completamente dispensáveis para o objetivo final da autora. Contudo, o final do livro é esclarecedor e é neste momento que as peças que foram desenvolvidas e exploradas ao longo da história são juntadas, resultando em um ótimo encerramento. Na Estrada Jellicoe certamente entrará para a lista de melhores leitura de 2016. 

A diagramação está simples, mas com um tamanho de fonte agradável e um ótimo espaçamento entre linhas. Na edição temos páginas amareladas e uma bela e condizente ilustração na capa. Quanto a revisão, não encontrei erros aparentes. Deixo a minha recomendação a todos.

The Originals: A Perda - Julie Plec

Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Para passar uma opinião mais completa para vocês, decidi assistir à série televisiva The Originals. Acredito que se fossemos seguir uma ordem cronológica, o livro antecederia os acontecimentos da série, retratando os primeiros passos dos irmãos Mikaelson em Nova Orleans. A versão televisiva não me conquistou por inteiro, acabei colocando-a na minha lista de séries que um dia terminarei de ver, mas os livros são excelentes.

Esta resenha contém spoilers a respeito do volume anterior





Segundo volume da série The Originals, inspirada na série de TV homônima. Nesta continuação de Ascensão, os irmãos Mikaelson não demoram a perceber que reconstruir Nova Orleans foi apenas um passo na interminável guerra entre as milenares raças de vampiros, bruxas e lobisomens. Obcecado pelo poder, Klaus é o responsável por interferir no delicado equilíbrio sobrenatural da cidade. As bruxas estão isoladas nos pântanos e os lobisomens se foram, mas o Original está acostumado a ter o que quer e faz um pacto com uma bruxa para atender o que seu coração nunca deixou de desejar. O que ele não sabe é que com o pacto vem uma maldição, que pode lhe custar a vida e sua adorada cidade.





Quarenta e quatro anos após a morte de sua amada, Klaus ainda sofre. Desesperado para trazê-la de volta a vida, ele chegou a fazer diversas propostas às bruxas, mas não obteve nenhuma resposta, já que os vampiros eram as criaturas que elas mais desprezavam. Cansada de ter que enterrar seus mortos no pântano, Isabelle decide atender às investidas de Klaus, mas ele precisaria providenciar duas coisas: um pingente de opala que pertencera a Esther e um pouco de sangue para que a bruxa pudesse curar sua filha. Após conseguir isso ela realizaria o feitiço que traria Viviane de volta.

Bruxas rancorosas podem ser extremamente traiçoeiras, cego pela vontade de ter seu mais profundo desejo atendido, Klaus foi incapaz de perceber que algo de errado estava prestes a acontecer. Para garantir a própria segurança, Isabelle lançou um feitiço que ligasse sua vida à do vampiro, mas este seria o menor dos problemas que ele enfrentaria. Viv não seria a única a retornar do Outro Lado, e uma nova maldição estava prestes a cair sobre Nova Orleans.

Eles não serão os únicos com sede de sangue.

Ela não podia mais viver assim, não com Klaus, o terror. Ele não valorizava nada que ela ou Elijah faziam por ele. Era tão autocentrado que não conseguia imaginar que os irmãos talvez preferissem não passar a vida consertando o desastre que ele acabara de provocar, ou tentando prever qual seria o seguinte.
Pág.: 17

Os capítulos são divididos entre os diversos pontos de vista dos protagonistas, essa estratégia acabou impulsionando minha leitura nas cenas de ação, pois ficava ansiosa para saber o que estava acontecendo com cada personagem. Como a história já foi embasada no primeiro livro da série, a narrativa deste é mais acelerada, e isso a torna mais envolvente pois a todo instante um novo elemento é apresentado, criando uma reviravolta no contexto.

As personalidades dos protagonistas sofreram poucas alterações. Klaus ainda é arrogante, impulsivo, estrategista, egoísta e não se importa em ferir os irmãos para proteger os próprios interesses. Rebekah ainda apresenta alguns traços de seu romantismo extremo, entretanto, nesse volume ela age de maneira sensata em grande parte das vezes, e é a única capaz de questionar quando percebe que algo está errado. O lado de liderança de Elijah fica mais evidente, e percebemos que ele é muito centrado em seus objetivos, principalmente quando um deles é derrotar um inimigo.

Autora

Ela não havia simplesmente recebido uma segunda chance, como Klaus insistia e os irmãos esperavam. Tinha sido alterada de algum modo, e haveria conseqüências – sempre havia. Rebekah sentira no instante em que pusera os olhos em Viviane. É claro que os irmãos não tinham percebido. Sempre procuravam pela verdade nos lugares errados.
Pág.:76

Nesse volume observamos o desenrolar pós-guerra entre vampiros, lobisomens e bruxas, como cada clã se organizou após a batalha, e como os Mikaelson transformaram Nova Orleans em seu próprio reino, tendo centenas de vampiros a seu comando e um número ainda maior de inimigos que precisavam evitar. O final é um pouco previsível, mas ainda assim não faz com que percamos o interesse pela obra antes de chegar a ele, pelo contrário, a medida que o enredo se desenvolve ficamos ainda mais ansiosos para saber como será concluído.

A capa é maravilhosa e trás a imagem de Klaus e Elijah. A diagramação é simples, a fonte é de tamanho pequeno e as páginas são de tom amarelado. Acredito que haverá uma continuação para essa série, portanto, esperem mais resenhas sobre o passado dos vampiros Originais. Leitura mais do que recomendada.

Trama - Michael Jensen & David Powers King

Hey pessoal, tudo bem?

Apesar de Trama ser um livro bem escrito e muito bem desenvolvido, ele traz consigo uma das personagens mais mimadas e insuportáveis que já li na minha vida. Felizmente, temos em contrapartida um jovem aspirante a Cavaleiro que possui todas as qualidades do título, e traz consigo um senso de justiça único e uma nobreza inigualável. 

O sonho de Nels era ser cavaleiro do reino de Avërand. Filho obediente, ajudava como podia os moradores de sua pequena e tranquila aldeia. Querido por todos e tratado como herói, acreditava que logo seria selecionado como escudeiro da cavalaria.
Mas isso foi antes de ser assassinado por uma figura misteriosa.
Nels virou um fantasma, e agora só uma pessoa consegue vê-lo: a princesa Tyra, herdeira do reino e sua única esperança de entender o motivo do crime. A princípio, a jovem mimada não dá a menor confiança para o rapaz, mas, à medida que o mistério da morte dele vai se desenrolando, os dois percebem que têm em comum um segredo e um inimigo terrível, que pode se disfarçar de qualquer pessoa.
Nels e Tyra não têm escolha. Precisam fugir do castelo, desbravar um mundo oculto repleto de magia e espectros sombrios e encontrar uma agulha, a relíquia capaz de remendar o que foi descosturado na Grande Tapeçaria. E o tempo corre contra eles, pois o fio de Nels está prestes a desaparecer para sempre.


O livro conta a história de Nels, um jovem trabalhador do campo que sempre sonhou em se tornar um Cavaleiro do Reino, mas que era impedido por sua mãe por razões que ela se recusava a dizer. Do outro lado, temos Tyra, uma princesa mimada que é apaixonada pelo Cavaleiro mais famoso daquelas terras, mas que não sabe que ele só está interessado nela para poder ocupar o trono. Em meio a tantos eventos, Nels é assassinado e somente a princesa consegue vê-lo, iniciando assim uma aventura em busca de um objeto místico que promete ser capaz de costurar de voltar a alma ao corpo, e com isso trazer Nels de volta ao mundo dos vivos. Muitas pessoas estão atrás desse artefato, mas os desafios para consegui-lo colocarão à prova o coração de todos os que tentarem. 

Grande Tapeçaria

Por que alguém faria uma coisa tão terrível?

O que é o rasgo?

- Por quê? - Ulrich estendeu a mão para Lennart. - Por que você entrou na minha frente?
O príncipe soluçou.
- Você é meu amigo, Ulrich. Eu faria qualquer coisa por você...
- Agora você é o rei. entregue sua vida aos seus súditos, e não por eles...
Pág.: 104

Como disse no começo da resenha, Trama possui um enredo bem desenvolvido e uma mitologia que não tinha visto em nenhuma outra obra, apresentando novas magias, bem como novas possibilidades a serem exploradas. Contudo, os autores decidiram inserir na obra uma personagem mimada e mesquinha que se acha melhor que todo mundo só porque nasceu com sangue nobre. Alguém que está acostumada a ter todas as vontades realizadas e todos se curvando perante ela. É claro que o objetivo de Davig e King era de fazer a personagem passar por um amadurecimento ao longo da narrativa, mas eles deixaram para começar a fazer isso tarde demais, o que me fez querer atirar a princesa da torre mais alta do castelo por mais da metade do livro. 

Por outro lado, Nels é um protagonista justo, cativante e que preza a amizade acima de tudo, colocando sempre o bem estar dos outros acima do seu. O jovem camponês possui um passado misterioso e que consegue fazer o leitor torcer por seu sucesso. Entretanto, ele e Tyra embarcam em uma aventura juntos e nem mesmo todas as qualidades do rapaz são capazes de ofuscar os enormes defeitos de Tyra, o que acaba deixando a obra massante e quase insuportável de ler por vários capítulos. Toda vez que ela abria a boca eu revirava os olhos ao ponto de quase ver meu próprio cérebro. 

Urdidores são capazes de costurar os fios do destino.

O final foi satisfatório, porém, muito corrido. Lembra que disse que os autores demoraram para fazer a protagonista amadurecer? Então, isso acontece em mais ou menos 3 capítulos, quando ela do nada percebe que a vida não é do jeito que ela pensava que era. Sem falar que a batalha final não durou nem 5 páginas. A impressão que tive foi de que os autores foram escrevendo tudo o que vinha à mente e decidiram finalizar rápido para se dedicar a outros projetos. 

O livro tem na capa uma ilustração de uma agulha, linhas douradas e um anel, todo em um belo fundo azul. A capa pode não fazer muito sentido no começo, mas garanto que ela possui todos os principais elementos da história. A diagramação é bem simples e possui um mapa logo no começo, e vocês sabem o quanto amo mapas *__*. Não encontrei erros de revisão ou tradução aparentes. Recomendo que cada um leia para tirar as próprias conclusões.