Álbum de Casamento - Nora Roberts


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Sabe quando você vê um livro e percebe que está apaixonado por ele sem nem mesmo tê-lo lido? Foi exatamente isso que aconteceu comigo quando vi Álbum de Casamento. Sou daquele tipo de garota que suspira só de ouvir a palavra casamento, portanto tamanho interesse é facilmente justificável, contudo fiquei ainda mais instigada quando percebi que a história foi escrita por Nora Roberts. Como estava muito ansiosa para ler esse livro, o meu único temor era de que a história não atendesse minhas expectativas.



Com várias capas de revistas de noivas no currículo, a fotógrafa Mac é especialista em captar os momentos de pura felicidade, mesmo que nunca os tenha experimentado em sua vida. Por causa da separação dos pais e de seu difícil relacionamento com eles, Mac não leva muita fé no amor. Por isso não entende o frio na barriga que sente ao reencontrar Carter Maguire, um colega de escola com o qual nunca falara direito. Carter definitivamente não é o seu tipo. Professor de inglês apaixonado pelo que faz, ele cita Shakespeare e usa paletó de tweed. Por causa de uma antiga quedinha por Mac, fica atrapalhado na frente dela, sem saber bem como agir e o que falar. E mesmo assim ela não consegue resistir ao seu charme. Agora Carter está disposto a ganhar o coração de Mac e convencê-la de que ela é capaz de criar suas próprias lembranças felizes.




Desde crianças Mac, Parker, Emma e Laurel brincavam de planejar casamentos, durante uma dessas brincadeiras a paixão de Mac pela fotografia acabou se revelando; decidida a contrariar a avó que havia dito que ela não usaria a Nikon que tinha ganhado de presente do pai e enjoada de brincar de casamento Mac decide que não quer participar da cerimônia como "daminha" de honra e acaba sendo nomeada a fotógrafa oficial, sem saber exatamente o que estava fazendo ela acaba tirando a fotografia que viria a influenciar na sua escolha profissional.

Anos se passam e as quatro amigas montam uma empresa que qualquer noiva gostaria de contratar para planejar seu casamento. Mac lida com as fotografias e apesar de trabalhar rodeada por pessoas que acreditam no amor como um sentimento duradouro, ela prefere acreditar que com o tempo o divórcio e desgaste emocional são inevitáveis. Esse pensamento está implantado nela graças a sua mãe, Linda, uma mulher que teve inúmeros relacionamentos desastrosos e jamais se preocupou com a filha. Quando Sherry decide contratar a Votos para realizar seu casamento, Mac acaba reencontrando Carter, um rapaz que nutria por ela uma paixão de adolescente e que ao revê-la percebe que o que sentia ainda existe.

Em momentos decisivos, nossos sentimentos se revelam.
Filmes, pensou – especialmente os românticos -, devem ter final feliz. Porque a vida, com muita freqüência não tinha. O amor se dissipava ou se transformava em ódio. Ou ia parar em algum lugar entre essas duas coisas, uma espécie de indiferença dolorosa.
Pág. 89

Quem gosta de romance, pelo menos uma vez na vida já deve ter ouvido o nome de Nora Roberts, vez que ela é uma das maiores escritoras de livros do gênero e suas histórias estão sempre entre as mais vendidas do The New York Times. A história de Álbum de Casamento é bem ambientada e faz com que o leitor se sinta dentro de cada cenário descrito, a narrativa é em terceira pessoa e foca nos pontos de vista de Mac e Carter e com isso o leitor tem visão ampla do contexto que se desenvolve de forma fluida e ritmada.

As características de cada personagem são bem definidas e conforme o enredo vai se desenrolando percebemos que eles vão evoluindo e ganhando traços ainda mais fortes. Mac é o tipo de protagonista cabeça dura que se espelha no passado para construir seu futuro, por isso ela acredita que fotografias são formas de guardar momentos e sentimentos que se perderão com o tempo. Apesar de tímido, Carter é extremamente encantador, fiquei fascinada pela forma como ele expressa afeto por Mac e está sempre disposto a apoiá-la, é impossível não se apaixonar por ele. Linda é o tipo de personagem que existe para ser odiada e posso dizer que ela consegue despertar no leitor seu mais profundo ódio por meio de suas atitudes.

Fotografias são a melhor maneira de guardar aquilo que o tempo insiste em distorcer.
- Não tinha planejado ficar sozinho para sempre - disse ao gato. – Mas tinha muito tempo pela frente, não tinha? Tempo para curtir uma certa rotina, para curtir a minha casa, o meu trabalho, a liberdade de ser solteiro. Mal acabei de fazer 30 anos, pelo amor de Deus. E estou falando com um gato, coisa que não almejo fazer nas noites do resto da minha vida. Sem ofensa. Mas ninguém precisa se acomodar assim. Ficar com alguém só porque a alternativa é ficar sozinho. O amor não é um conceito amorfo criado pelos livros e pela poesia e impossível de existir. É real, vital e necessário. Caramba, isso muda tudo. Tudo. Não posso ser o que era antes de amá-la. É ridículo para qualquer um esperar isso.
Pág. 206

A conclusão do enredo é emocionante e satisfatória, estou ansiosa para ler o próximo volume da série no qual conheceremos a história de amor de Emma; através do pouco que li a respeito dessa personagem já pude ter uma ideia de que sua história será bem divertida. É claro que já iniciamos a leitura tendo em mente que o desfecho será algo previsível, a ideia de que os romances seguem a estrutura: mocinha tem uma vida complicada, conhece um rapaz lindo, supera os traumas e vive feliz para sempre, está impregnada em nossas mentes, e não vou dizer que isso de fato não ocorre na maioria dos livros do gênero, mas Nora consegue transformar uma premissa clichê em algo único e fascinante que nos arremata desde a primeira página.

A capa é linda e bastante chamativa, o nome da autora é em verde metalizado e a lombada em verde escuro com certeza deve deixar a estante muito bonita quando colocada ao lado dos demais volumes da série. A diagramação é agradável aos olhos, as páginas são em tom amarelado e a fonte é de tamanho mediano, os capítulos não são separados em páginas diferentes, mas isso não me incomodou e acredito que a Arqueiro fez um excelente trabalho nessa edição. Não encontrei nenhum erro de revisão. Leitura recomendada.

Abraços,
  Tamires Souza
TAMIRES DE SOUZA
É Resenhista aqui no Vida De Leitor. Desenvolveu sua paixão pela leitura ainda criança através de revistas em quadrinhos e desde então não vive sem um livro dentro da bolsa. Recém formada e sonha um dia cursar uma faculdade de Direito. Seus livros favoritos são: Série Rangers Ordem dos Arqueiros, A Seleção e a Série A Mediadora
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Quadrinho: Bom de Briga - Paulo Pope


Hey pessoal, tudo bem?

Trago hoje a resenha de mais um quadrinho para vocês. Dessa vez estou falando de Bom de Briga, lançado pela Quadrinhos na Cia., selo da Companhia das Letras especializado nesse gênero literário. Confesso que minha opinião sobre a obra ficou bastante dividia, vez que o mesmo apresenta uma história bacana, personagens inusitados e diferentes dos que encontramos em livros do mesmo gênero, mas que acaba sendo ofuscada pela estranheza do traço (desenho), principalmente nas fisionomias dos personagens.






Os monstros tomaram a cidade de Arcopolis, sequestrando as crianças para seu submundo nefasto e instaurando um reinado de terror. Apenas um homem pode salvar Arcopolis: o vigilante Haggard West, um misto de cientista e super-herói que patrulha as ruas da cidade. Infelizmente, Haggard West está morto. Após a morte de seu herói, Arcopolis acorda em pânico. A cidade está desesperada, mas os deuses reagem à altura, enviando o garoto Bom de Briga para salvar o dia e derrotar os monstros. O semideus, que tem apenas doze anos e está tão surpreso quanto a população de Arcopolis, precisará se aliar à filha de Haggard West enquanto descobre seus próprios poderes e se prepara para a batalha final. É hora de conhecer um novo e eletrizante herói.


A história se passa na cidade de Arcopolis, um lugar sombrio, que vive sendo ameaçado por criaturas humanoides de outro planeta, cuja única proteção reside no vigilante Haggard West. Contudo, uma série de acontecimentos faz com que ele seja morto e sua filha assuma seu papel como vigilante. Longe dali, em um lugar habitado por deuses, Bom de Briga recebe a missão de vir para a Terra e se tornar um herói, ato que constitui uma espécie de rito de passagem para seu povo, vez que seu pai é um dos heróis mais conhecidos da galáxia. Com poderes inusitados, que são providos por camisas (você não leu errado, são camisas mesmo), e uma personalidade que pode agradar ou não os leitores, Bom de Briga está para enfrentar um inimigo inesperado. O destino de Arcopolis está em suas mãos. 

Bom de Briga 
"Que tipos de sonhos sonha um Deus-Garoto? Que tipo de Pesadelos?"
Pág. 202

Os personagens são pouco desenvolvidos, mas pelo que pude notar essa obra faz parte de uma série, então penso que o autor fez isso propositalmente para que não assuste o leitor com muitas informações de uma vez só. O protagonista consegue ser cativante e ao mesmo tempo chato. Em alguns momentos ele demonstra uma atitude madura para sua idade, mas em outras situações ele não passa de, literalmente, um "filhinho de papai" que não consegue fazer nada sozinho sem ajuda, mesmo sendo filho de um Deus e tendo poderes sobre-humanos. Gostei muito de Haggard, que apesar de não ter muito destaque, vez que a história gira em torno de sua morte, conseguiu em poucas páginas se mostrar competente e um verdadeiro herói, mesmo não seguindo os padrões da classe. 

Como disse no começo do texto, o traço dessa obra não é bonito, chegando em alguns momentos ser até mesmo grosseiro. Contudo, penso que essa foi a intenção do autor e, mesmo não sendo chamativo, cumpre seu papel ao mostrar seres disformes e monstros de aparência tenebrosa. A edição de uma forma geral está muito bem feita, contendo folhas em papel revista e uma capa em papel cartão com brilho. O tamanho da fonte utilizada não é nem muito grande, nem muito pequena, o que ajuda na leitura. Não achei erros de revisão, ou tradução, aparentes. Recomendo que cada um leia e tire suas próprias conclusões, afinal, mesmo não gostando muito da obra, ela pode ser ótima e favoritada por outros. 

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 9º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Dica da Vez: El Fanzine - Gibi Independente. Quadrinhos Sem Padrinhos


Hey pessoal, tudo bem?

Hoje venho indicar para vocês a revista em quadrinhos (gibi, quadrinhos, cartoons, etc... depende de qual filosofia nerd você segue) El Fanzine, que é uma produção independente de um grupo de amigos apaixonados pelo estilo.


Na obra não há uma história sequencial como nos quadrinhos padrões. No lugar temos várias histórias com inicio e fim na própria edição, sendo algumas delas menores que outras, como é o caso do quadrinho In My Life que, apesar de ter apenas uma página, foi uma das mais engraçadas de toda a edição. Contudo, ela foi a única com um "tom" mais leve, e por isso senti falta de um pouco mais de humor ou tirinhas mais amenas ao longo da história, vez todas elas trazem narrativas um pouco mais pesadas. "¡NO HAY FOFURA!"

Recebi a 3ª edição da revista, que me foi enviada pelo Arthur Cordeiro, e devo dizer que fiquei impressionado com o trabalho. Normalmente as produções independentes não possuem grande qualidade gráfica, boa diagramação e revisão, e o que mais me surpreendeu é que a ELF, mesmo não tendo o "patrocínio" de alguma editora, não carece em nenhum desses quesitos. A capa é feita com uma espécie de papel fotográfico e é toda colorida, a diagramação está genial e não achei nenhum erro de digitação ou gramatical em toda a revista, o que prova a seriedade e qualidade do trabalho dos editores da mesma.


A única critica que faço é a ausência de numeração de páginas. Isso pode parecer algo simples para o leitor, mas se quisermos indicar para um amigo uma certa tirinha, ou até mesmo colocar um quote em um post de divulgação, não conseguimos precisar o posicionamento da mesma na revista pois não temos a referência da paginação. Fora isso, dou menções honrosas ao código de barras!! Sério, quem tiver a oportunidade de ter um exemplar em mãos, favor conferir. Não vou contar o que é para não estragar a surpresa, mas é algo simples e ao mesmo tempo genial e belo. Confira abaixo um pouco da história da revista narrado por um dos editores, o Rodrigo Procurando Nemo:

"O El Fanzine nasceu em 2008, quando os autores cursavam a escola de quadrinhos Impacto, no Rio de Janeiro. A primeira edição teve a participação de ABC, Rodrigo Nemo e Tito Camello, e Pato Vargas juntou-se ao grupo a partir do número 3 (quanto ao curso de quadrinhos, só quem ficou até o fim foi Tito Camello). Os quatro são os autores fixos/editores do gibi, que conta com participações de parceiros convidados, como Vagner Francisco. A quarta edição será lançada ainda este ano, e alguns previews já podem ser vistos em nosso BLOG, nosso Facebook e Twitter.

A primeira edição foi publicada no formato tradicional de fanzines - rodada em xerox - apenas como uma maneira de nos obrigar a praticar desenho, roteiro e narrativa, mas acabamos gostando da ideia e a revista sobreviveu . A partir da segunda edição, a impressão passou a ser feita em gráfica, mas conservamos o nome 'El Fanzine' porque traduz o espírito da publicação: manter a liberdade criativa, de experimentação e as demais possibilidades temáticas de um fanzine, embora com uma cara um pouco mais ajeitada. A cada edição trazemos histórias originais fechadas sem um tema específico, mas sempre que possível fugindo dos gêneros tradicionais dos quadrinhos geralmente produzidos ou publicados no Brasil."

O gibi pode ser adquirido através da fan page oficial do El Fanzine. O preço de capa da #03 edição é de R$5,00 (frete não incluso). Corre lá! ^_^

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 9º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Lançamentos e Divulgações #38


Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Já é de conhecimento da maioria que a 23ª Bienal Internacional do Livro está se aproximando. O evento que terá início no dia 22 de agosto em São Paulo e contará com grandes participações de autores internacionais e nacionais, sendo que alguns estarão lá para dar autógrafos, dentre outras coisas. Vamos conferir alguns lançamentos e divulgações e ficar por dentro da programação da Bienal?

A Vingança da Amante, escrito pela autora Tamar Cohen, é um lançamento da editora Record. O nome em si já é de causar curiosidade e expectativas, mas só lendo para saber o verdadeiro teor da trama. 





Sally e Clive viviam uma grande paixão proibida. Por cinco anos, Sally orquestrou sua rotina de jornalista freelancer e mãe de dois filhos para conciliar suas obrigações com os encontros tórridos e casuais com Clive. Daniel, seu marido, nunca desconfiou que a mulher tivesse um caso com um amigo da família. Um dia, sem mais nem menos, o amante resolve pôr um fim ao relacionamento extraconjugal na tentativa de salvar o casamento de mais de vinte anos, mas Sally não aceita o término. Ela fica obcecada pelo amante e não tem ideia de que essa obsessão pode levá-la a um caminho sem volta. A vingança da amante expõe os efeitos colaterais de um caso amoroso de forma perturbadora.




P.R.A.T.A: O Assassino Relutante é o primeiro volume da nova série do autor Eoin Colfer. Pela ilustração na capa e aspectos apontados na sinopse, pareceu-me tratar de um steampunk, justamente por se passar na Era Vitoriana, época mais trabalhada nesse "gênero", e conter elementos da evolução tecnológica e maquinária da época. Caso queira ler um trecho da obra, clique aqui




Chevie, 16 anos, era agente mirim do FBI até esse programa sair um pouco do controle. Trabalhando agora para Programa de RelocAção de Testemunhas Anônimas, enquanto a poeira do seu fracasso abaixa, ela acha que tudo o que precisa fazer é ficar de olho o dia todo numa máquina do tempo esquisita. Mas tédio é o que menos ela consegue quando, junto ao infeliz Riley, precisa fugir de um assassino em série da era vitoriana que os persegue através das épocas.








Coroa da Meia-Noite é o segundo livro da série Trono de Vidro. Caso não tenha lido a resenha feita pelo Matheus do primeiro volume, clique aqui. Caso queira ler um trecho da obra, clique aqui. Confira capa e sinopse. 

Celaena Sardothien, a melhor assassina de Adarlan, tornou-se a assassina real depois de vencer a competição do rei e se livrar da escravidão das Minas de Sal de Endovier. Mas sua lealdade nunca esteve com a coroa. Tudo o que deseja é ser livre — e fazer justiça. Nos arredores do castelo, surgem rumores a respeito de uma conspiração contra misteriosos planos do rei, mas antes de cuidar dos traidores, Celaena quer descobrir exatamente que planos são esses. O que ela não imaginava é que acabaria em meio a uma perigosa trama de segredos e traições tecida ao redor da coroa. Enquanto a amizade entre ela e o capitão Westfall cresce cada vez mais, o príncipe Dorian se afasta, imerso em seus próprios dilemas e descobertas. A princesa Nehemia acaba se tornando uma conselheira e confidente, mas sua atenção está mais voltada para outros assuntos. Em Adarlan, um segredo parece se esconder por trás de cada porta trancada, e Celaena está determinada a desvendar todos eles para proteger aqueles que aprendeu a amar. Mas o tempo é curto, e as ameaças ao redor castelo de vidro estão cada vez mais próximas. Quando menos se espera, uma trágica noite mudará a vida de todos no reino, e mais do que nunca Celaena quer descobrir a verdade para fazer justiça.

Escrito por Yuri Belov, Odalisca.com pareceu-me trabalhar sobre questões de dupla personalidade, além de conter pitadas de erotismo e sensualidade. O livro está disponível no formato e-book na Amazon e Kobo Books. Confira capa, sinopse e um book trailer. 

Ela era jovem, meiga, linda, culta, estudiosa, boa filha, pertencente a uma rica família, enfim, acima de qualquer suspeita. No entanto, vivia solitária, o que levava amigos, parentes e conhecidos a questionar a razão daquela solidão, pois qualidades e atributos não lhe faltavam, e pretendentes também não. Contudo, a realidade dos fatos era outra, ela nunca estava sozinha. Sobre ela pairava uma penumbra de mistério, na verdade, ela levava uma vida dupla. Seu lado obscuro a fazia procurar por amores proibidos, paixões violentas, regadas sempre a muito sexo, luxúria e participação em rituais de magia e missas negras. Seus amantes, em geral, eram encontrados em salas de chat na internet, onde ela se apresentava com o “nick” de “ODALISCA”, pois era exímia dançarina do ventre. Sentia-se atraída por homens maduros.
Um alto executivo, que trabalhava em uma das empresas de sua família, caí em suas teias, a princípio sem saber de quem realmente se tratava. Acusado de ser um golpista e tentar alcançar um alto posto usando-a como trampolim, sua carreira desmorona e o leva à ruína; sua reputação é atirada na lama. As circunstâncias o fazem refugiar-se em uma plataforma de petróleo, em posição subalterna. Sua chance de reabilitação profissional e recuperação da honra perdida se daria tempos depois, sob condições totalmente adversas, em um campo de petróleo, nas selvas peruanas, onde o destino se encarregaria de fazer um acerto de contas com o passado.


Escrito por Eucajus Eugênio, Ordem dos Fantasmas: Falei com Da Vinci... trabalha com uma trama misteriosas e enigmática, contando também com uma temática um tanto quanto polêmica. O livro se encontra em versão física, contudo, o autor disponibilizou gratuitamente, por tempo limitado, a versão digital, aqui

O jovem paciente internado no Sanatório Lier King, não sabe seu nome ou endereço, não fala coisa com coisa, e estranhamente se cala quando alguém diz o próprio nome. No entanto, naquela manhã, precisamente às 06h03min, chega ao Sanatório o misterioso Dr. Streem. Num breve e indecifrável diálogo ele quebra a resistência do jovem que finalmente se deixa analisar. Dr. Streem sabia que não se tratava de um simples caso de perda temporária de memória, mas de uma personalidade curiosamente dotada de incríveis ensinamentos herméticos emergindo no paciente. Iniciava ali uma sessão que se tornaria o palco de um embate ardiloso e enigmático, entre a ciência da Psicanálise e os conhecimentos Herméticos.
O desdobramento desse instigante confronto mental levará a extraordinárias revelações sobre o mistério nas obras de Leonardo da Vinci. Quem poderia imaginar que o principal símbolo da Cabala Judaica é dissimulado em cada gesto, expressão e postura dos personagens na Última Ceia? Quem poderia apresentar uma teoria inédita e surpreendente da verdadeira identidade de Mona Lisa? Quem teria a coragem expor a simplicidade do segredo mais sagrado dos esotéricos, o Santo Graal e o Cálice Sagrado? Quem! A não ser alguém constituído nessa admirável e estranha Ordem dos Fantasmas. Quem! A não ser alguém que falou com Da Vinci...

Programação da 23ª Bienal Internacional do Livro

HARLAN COBEN
O autor estará no evento no dia 23 de agosto para um bate papo que terá início às 10:30 na Arena Cultural (H201). A sessão de autógrafos começará às 11:30 no mesmo local, porém, a entrega das 200 senhas será realizado na Entrada da Bienal (em frente ao portão 2), a partir das 8 horas da manhã. Maiores informações, clique aqui

CASSANDRA CLARE
A Cassandra estará presente nos dias 23 e 24 de agosto para um bate papo com seus leitores na Arena Cultural às 14:00 em ambos os dias. A sessão de autógrafos de ambos os dias irá ocorrer no mesmo horário, às 15:30, entretanto, os locais serão outros, sendo que no dia 23 será no Espaço para autógrafos da Bienal (J200) e no dia 24 no Espaço para autógrafos da Bienal (I250). As 500 senhas para autógrafo serão distribuídas no Estande da Editora Record (C600) a partir das 10:00. Para maiores informações, tais como as regras para distribuição de senhas para autógrafos, clique aqui

KIERA CASS
A autora estará presente no evento dia 23 para um bate papo que terá início às 18:00 na Arena Cultural. A sessão de autógrafos irá ocorrer às 19:30 no mesmo local, sendo que as 500 senhas serão distribuídas na Área da Seguinte no estande da Editora Companhia das Letras (D 500) a partir das 10 horas. Para maiores informações, clique aqui

HUGH HOWEY
O autor de Silo estará presente no dia 24 para bater papo com seus leitores, além de debater sobre Leitura de Ficão Científica das 18:00 às 19:30 horas na Arena Cultural. Até o momento não há informações sobre autógrafos. 

AFFONSO SOLANO, CAROLINA MUNHÓZ E RAPHAEL DRACCON
No dia 28 os escritores Affonso Solano, Carolina Munhóz e Raphael Draccon estarão presentes na Arena Cultura das 18:00 às 19:00 horas para debater sobre Literatura Fantástica - A Fantasia ganhando Espaço. Para maiores informações, clique aqui.

KEN FOLLET
O autor estará no evento no dia 30 de agosto também para um bate papo às 10:30 na Arena Cultural (H201). Posteriormente, às 11h30 irá ocorrer a sessão de autógrafos no mesmo local. As 200 senhas destinadas para os autógrafos serão distribuídas na Entrada da Bienal (em frente ao portão 2) a partir das 8 horas da manhã. Para maiores informações, clique aqui

SALLY GARDNER
A inglesa estará presente no dia 30 de agosto para uma palestra e bate papo das 15:00 às 16:00 horas na Arena Cultural. Até o momento não foi divulgado se ocorrerá sessão de autógrafos. Para maiores informações, clique aqui

MAURÍCIO DE SOUZA
O cartunista marcará presença no evento no dia 30 de agosto para uma palestra sobre Os quadrinhos na formação de leitores - 50 anos de Turma da Mônica das 18:00 às 19:30 horas na Arena Cultural. Para maiores informações, clique aqui

- Demais informações sobre a 23ª Bienal Internacional do Livro, basta clicar aqui para ser redirecionado ao site oficial do evento, onde você encontrará a programação completa de quais editoras e livrarias estarão presentes, além dos eventos internos como palestras e espaços culturais, e informações úteis sobre ingressos, como chegar ao local e horários.

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre NegraTigana, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Evento Com Laura Conrado - SESI Pedro Leopoldo


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

No dia 11 de Agosto é comemorado o Dia do Estudante, por isso os alunos da escola SESI foram presenteados com uma visita super especial da autora nacional Laura Conrado. Como os projetos literários organizados por Josi são sempre muito interessantes, fui ao SESI representar o blog e tietar um pouco essa autora super carismática.



A apresentação foi rápida, Laura passou em todas as salas falando um pouco com os alunos a respeito da importância da literatura nos dias atuais e contando um pouco sobre suas vivencias na época escolar. Como os alunos do 1º ano do Ensino Médio haviam desenvolvido um projeto sobre Shakespeare, ela conversou um pouco com eles sobre esse autor e a respeito do livro Shakespeare e Elas - Skoob do livro aqui - que ela havia lançado juntamente com outras duas autoras nacionais (Lycia Barros / Janaina Vieira).

Achei muito interessante uma parte da palestra na qual ela perguntava aos alunos a respeito de suas experiências com livros e contava que ao iniciar uma leitura ela também sofria com os protagonistas. Fazendo jus ao ditado "quem lê vive mil vidas" através das histórias, ela já tinha tomado foras, se casado, enviuvado, entristecido, etc... Acho que como leitora foi impossível não me identificar com isso e essa foi a principal ideia passada para os alunos. Também tive a oportunidade de conversar um pouco com ela em particular e fazer algumas perguntas para o blog. Confira abaixo:


Quais são seus projetos para esse ano?

Estou terminando um livro novo, além de estar com um chick lit voltado para um público entre 20 e 30 anos em andamento.



Após ter lido Só Gosto de Cara Errado - resenha - estou ansiosa para o lançamento de Quero Ser Pop. Alguma previsão de lançamento?

Ele ainda está em fase de término e não tem data definida de lançamento.



Como você costuma fazer visitas às escolas, já passou por alguma situação difícil ou incomum?

Nessas visitas os alunos ficam livres para perguntar o que quiserem, então algumas perguntas são bastante inusitadas, algumas vezes perguntam a respeito da minha vida pessoal, se leio ou penso em escrever um livro erótico (risos), mas acho importante essa interação com um público jovem já que também sou uma escritora jovem.



E a respeito do livro Freud Me Segura Nessa!, o que pode nos dizer?

A história já vinha dando muito certo no livro Freud Me Tira Dessa!, nesse segundo livro a Cat volta mais madura, sem as paixões platônicas. O que acho interessante é que as fãs se identificam muito com a protagonista e muitas vezes me mandam e-mails falando que também são um pouco Catarina, inclusive foi por causa disso que a #SomosMuitoCat surgiu.



Já que estamos falando a respeito de seus fãs, eu costumo ver você se comunicando com eles através das redes sociais, como funciona isso?

A minha interação com meus fãs é muito legal, eles me mandam e-mails e às vezes alguns até chegam a falar um pouco a respeito de seus problemas. Faço questão de responder a todos eles, e o mais bacana disso é que ao mesmo tempo em que nós mantemos essa proximidade eu acabo pegando material para meus livros.



Fale um pouco sobre o Shakespeare e Elas...

Após ler Shakespeare eu evolui muito como leitora, porém existe um dificuldade, principalmente para os jovens, em entender um texto que é tão denso e cheio de dramaticidade, por isso ao adaptar o conto Sonhos de uma Noite de Verão fiz com que a história tivesse vários elementos comuns dos dias de hoje, além de dar um toque de comédia. Quando escolhi esse conto eu levei em conta o fato de que gosto de falar sobre relacionamentos. A maior dificuldade que tive durante a adaptação foi no fato de que a história conta com várias tramas que se desenvolvem em uma única noite, mas mesmo assim foi um trabalho muito gostoso de fazer.


Como a Laura já havia dado uma entrevista para o VDL na primeira vez que nos encontramos no SESI - confira aqui - optei por fazer uma espécie de bate papo com ela onde fui fazendo algumas perguntas aleatórias conduzidas pelo meu lado fã curiosa, já que suas respostas foram sendo anotadas por mim a medida que ela ia falando, nosso diálogo infelizmente não pôde ser reproduzido com as nossas exatas palavras.

Você pode comprar o livro Shakespeare e Elas na Saraiva, Extra ou Fnac.

Laura, adorei revê-la e muito obrigada por ter sido tão gentil!

Abraços,
  Tamires Souza
TAMIRES DE SOUZA
É Resenhista aqui no Vida De Leitor. Desenvolveu sua paixão pela leitura ainda criança através de revistas em quadrinhos e desde então não vive sem um livro dentro da bolsa. Recém formada e sonha um dia cursar uma faculdade de Direito. Seus livros favoritos são: Série Rangers Ordem dos Arqueiros, A Seleção e a Série A Mediadora
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Promoção: Nosferatu - Joe Hill



Hey pessoal, tudo bem?

Quem aqui está com vontade de ler Nosferatu do Joe Hill? Para concorrer é simples, basta preencher a primeira entrada, que é LIVRE, e você já está participando. Contudo, caso queira mais chances de ganhar, assim que a referida entrada for preenchida, as EXTRAS serão liberadas e algumas delas podem ser usadas todo dia, ou seja, muito mais chances para você!

A opção "tweet about the giveawey" é renovada a cada 24 horas, ou seja, todo dia que você tweetar a frase e preencher essa entrada, seu nome será adicionado mais vezes.

Qualquer dúvida quanto ao uso do formulário basta entrar em contato pelos comentários ou pela aba de "Contado" no menu do blog

a Rafflecopter giveaway

Importante

  1. O ganhador deverá responder ao e-mail que mandarmos em até 48 horas. Caso não o faça um novo sorteio será realizado.
  2. O livro será ENVIADO em até 30 dias.
  3. O blog não se responsabiliza por danos ou extravios causados pelos Correios.
  4. Caso o ganhador forneça o endereço errado e o pacote retorne, o mesmo perderá o direito ao prêmio.
  5. O ganhador deve ser residente e domiciliado em território nacional.
  6. O ganhador que descumprir alguma das regras será desclassificado.

"Que a sorte esteja sempre a seu favor!!"

Abraços,
  Matheus Braga
MATHEUS BRAGA
É Administrador e Resenhista do Vida de Leitor. Cursa o 9º período de Direito na UNIPEL e sonha em se tornar juiz um dia. É apaixonado por livros e possui em sua humilde coleção títulos que vão de Fiódor Dostoiévski a Cinda Willians Chima. Seus livros favoritos são: O Nome do VentoA Descoberta das BruxasThe Summoning, Hunger GamesWithe Cat e Contos de Meigan - A Fúria dos Cártagos
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Infinity Ring: A Maldição dos Ancestrais - Matt de La Peña


Saudações, caros leitores, como vocês estão?

Amor e ódio são as melhores palavras para definir a minha leitura. Apesar de gostar bastante da série infanto-juvenil Infinity Ring, A Maldição dos Ancestrais, escrito pelo Matt de La Peña, acabou não me conquistando. Porém, percebemos um avanço na trama, que por sinal, tornou-se mais pessoal e sentimental, e ao mesmo tempo enigmática. Confira as resenhas dos anteriores a este clicando AQUI.


Quando Dak, Sera e Riq chegam ao próximo destino em sua jornada para consertar falhas históricas, são recebidos por uma tempestade. Eles estão na península de Yucatán, lar dos antigos maias, na época da chegada dos colonizadores espanhóis -ou pelo menos deveria ser assim. Sera tem certeza de que programou o Anel do Infinito corretamente, mas eles parecem estar séculos adiantados. Enquanto tentam descobrir o que aconteceu, os três jovens desconfiam que talvez exista um motivo para estarem ali: bem naquele momento os anciãos da aldeia estão escrevendo um códice importantíssimo, que travaria o destino daquele povo para sempre. Na escola, Dak e Sera haviam aprendido que os maias eram uma civilização violenta e cruel, mas talvez a história e a cultura daquela sociedade tenham sido mal interpretadas...





Afim de corrigir várias fraturas na linha temporal da história, Dak, Sera e Riq partem em uma aventura arriscada, cujo objetivo é prevenir o cataclismo, uma destruição sem igual que poderia assolar a Terra. Assim sendo, depois dos acontecimentos em O Alçapão, os viajantes do tempo acabam desembarcando em terras maias, porém, sem ter ciência de qual ano estão e até mesmo o porque de estarem ali. Em meio a um desastre que deixou Dak calado inconsciente por alguns dias, Sera e Riq terão o árduo trabalho de solucionar um complicado enigma que foi mostrado no SQuare quando o trio havia chegado ali, além de terem que estabelecer bases fortes para o surgimento da filosofia empregada pelos Guardiões da História no continente Americano, uma vez que, como eles haviam desconfiado, ainda não existiam nessas terras.  

Image and video hosting by TinyPic
Matt de La Peña, autor do livro

"Ele nunca tinha falado sobre aquilo com os outros. E talvez nunca falaria. O fato era que a visita ao ano de 1850 tinha sido complicada demais para Riq. Ele fora obrigado a interferir na própria árvore genealógica, o que podia significar que sua família no presente não existia mais. Ele mesmo poderia deixar de existir se voltasse ao século XXI. Riq não conseguia nem imaginar qual das duas possibilidades era mais assustadora."
Pág. 64

Ao contrário dos volumes anteriores, em A Maldição dos Ancestrais encontramos uma trama mais centrada nos problemas pessoais do trio, sobretudo, nos da Sera, uma vez que em uma das suas viagens sozinha, ela acaba vivenciando o Cataclismo. É sobre essa base que o enredo vai sendo desenvolvido, com uma seriedade absurda e inacreditável, impondo o que ela viu nesse acontecimento e o que isso pode resultar como um dos longos mistérios apresentados durante o desenrolar dos fatos. Fora isso, deparamos com uma eminente desistência de Riq em relação as missões, dado que após os acontecimentos em O Alçapão ele não vê mais uma significância em continuar diante de um futuro incerto, estabelecendo que as pessoas e seus amigos são mais importantes que as viagens. 

Como nunca havia lido nada do autor, fiquei impressionado com a fluidez que encontramos em sua escrita, posto que é bastante cativante. Narrado em terceira pessoa, nessa trama nos deparamos com uma certa evolução quanto as atitudes de certos personagens. Contudo, Dak ainda continua sendo aquele bebezão brincalhão de sempre, chegando até certo ponto, irritar tanto os seus amigos, quanto nós leitores. Entretanto é inegável dizer que ele ainda é uma importante descontração usada para não deixar a história muito séria, já que mesmo ele sendo irritante em uma parte, em outra nos pegamos dando risadas de suas tiradas. Ademais, o Códice de Pacal tem uma suma importância durante todo o enredo (claro que não irei entrar em detalhes para não soltar spoilers).

Image and video hosting by TinyPic
Capa estadunidense do quinto volume | Tudo indica que a editora continuará usando esses modelos

"– Acredito que tudo o que existe vem da terra. Inclusive eu e você. Até a mais complexa invenção humana existiu em algum momento no nosso solo. Ninguém tenta fazer nada a partir do ar. Nós usamos os elementos já existentes, nascidos da terra, e os combinamos de outras formas. O progresso é uma simples questão de organização e criatividade."
Pág. 79

Achei o final um pouco previsível, tanto que desde o meio do livro já podemos ter um vislumbre do desfecho. A obra é pequena, 208 páginas ao todo, o que juntamente com a escrita do autor, faz com que a leitura seja feita em apenas um dia, como aconteceu comigo. O quinto volume, A Caverna das Maravilhas, de Matthew Kirby, tem seu lançamento previsto para agosto de 2014, assim sendo, fico no aguardo.

A diagramação segue os mesmos moldes dos livros anteriores, portanto, encontramos uma fonte com um agradável espaçamento entre as linhas e bom tamanho. A edição conta com páginas amareladas e os títulos e ilustração presentes na capa seguem o mesmo modelo da estadunidense, ou seja, envernizados. Sobre a revisão: não encontrei nenhum erro.

- Caso queira ler um trecho do livro, clique aqui.

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre NegraTigana, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

Nosferatu - Joe Hill

Saudações, caros leitores, como estão?

Vocês devem ter notado que o blog ficou um pouco desatualizado esses dias e o motivo é que o Matheus, que é o adm aqui do Vida de Leitor, iria prestar uma prova de concurso e por isso seu foco estava no certame e não aqui, atrasando um pouco a ordem das postagens em geral. Contudo, agora que a prova já ocorreu, nada melhor do que voltar à ativa com a resenha da obra do filho do Mestre do Terror

Confesso que minha curiosidade quanto a trama presente em Nosferatu estava bem aguçada, o que acabou refletindo na minha saúde mental ansiedade. O livro, escrito por Joe Hill, acabou me conquistando logo nas primeiras páginas, literalmente falando, uma vez que já somos surpreendidos no prólogo.


Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem. 
Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor.
E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie.
Mas isso faz muito tempo e Vic, a única criança que já conseguiu escapar, agora é uma adulta que tenta desesperadamente esquecer o que passou. Porém, Charlie Manx só vai descansar quando tiver conseguido se vingar. E ele está atrás de algo muito especial para Vic.
Perturbador, fascinante e repleto de reviravoltas carregadas de emoção, a obra-prima fantasmagórica e cruelmente brincalhona de Hill é uma viagem alucinante ao mundo do terror.

Apesar de Vic poder atravessar uma ponte, mais conhecida como O Atalho, e encontrar coisas perdidas, ela implementa mentalmente que esses acontecimentos são meras ilusões da sua própria imaginação, inventando histórias sobre como achou tal objeto. Mesmo assim, ela ainda continua com suas viagens, até que em uma delas ela acaba conhecendo Maggie, detentora de um dom diferente do de Vic, que a conta sobre o Espectro, deixando-a alarmada. 

A bordo do seu Rolls-Royce, cuja placa é NSO4A2 (leia-se Nosferatu), Charlie Manx consegue viajar para o que ele próprio chamou de a Terra do Natal, onde nenhuma criança é infeliz justamente por sempre estar em clima de natal, tocando músicas natalinas, dentre outros detalhes. Porém, ele é uma pessoa doentia, maníaca, psicopata e persuasiva, que usa um dom igual ao de Vic para "resgatar" crianças cujos pais não são qualificados para cuidarem dos seus filhos. Desta maneira, ele utiliza a persuasão para convencer Bing a ser seu ajudante, que na realidade seria uma cobaia para dar encobrimento aos casos, tendo como recompensa a estadia eterna na Terra do Natal

Ilustração posterior a contra-capa

"- Eu já disse que o caminho para a Terra do Natal é pavimentado por sonhos. Este carro velho tem o poder de sair do mundo cotidiano e adentrar as estradas secretas do pensamento. O sono é só a via de acesso. Quando um passageiro pega no sono, meu Espectro sai de qualquer estrada que esteja percorrendo e entra na Via Panorâmica São Nicolau. Nós estamos compartilhando este sonho. O sonho é seu, Bing, mas a viagem continua sendo minha. Venha, quero lhe mostrar uma coisa."
Pág. 69

Quando iniciei a leitura de Nosferatu, um dos primeiros pontos que notei foi justamente a forma como Joe Hill foi apresentando os acontecimentos ao leitor. Ele consegue ao mesmo tempo ser detalhista e objetivo, surpreendendo-nos a cada página, uma vez que ficamos bastante curiosos para saber o que vai acontecer. Além disso, achei interessante a maneira como ele distribuiu algumas informações no decorrer da leitura, ao mesmo passo que estruturou a sua narrativa, feita em terceira pessoa e em capítulos que apresentam sub-capítulos datados de forma coesa, sem deixar o leitor perdido. Porém, confesso que algumas partes foram entendiantes, mas nada que me desanimou a continuar.

Desde que li Sob a Redoma nunca havia sentido tanto ódio, desprezo e raiva de um vilão como Charlie Manx, a ponto de querer atirar o livro da janela mais próxima. Maníaco e serial-killer, o cara consegue ser odiado tanto pelos personagens, quanto pelos leitores. Porém, é inegável dizer que ele consegue nos prender, sendo pelas suas formas de expressão ou pela forma como ele usufrui do seu lado persuasivo. Olhando por um certo ângulo, todos os personagens presentes nessa trama apresentam algum defeito em sua personalidade. Perturbadora, desesperadora, tortuosa e agonizante talvez sejam as melhores palavras para classificar essa leitura que acabou rompendo completamente a minha expectativa, vez que fiquei completamente surpreendido com a ideia central do enredo. 

Joe Hill, autor da obra

"- O automóvel está fazendo nós dois melhorarmos. É feito um daqueles carros que existem agora, aqueles híbridos. Já ouviu falar nos híbridos? Eles funcionam metade a gasolina, metade a boas intenções. Mas este aqui é o híbrido original! Este veículo funciona metade a gasolina, metade a más intenções! Pensamentos e sentimentos não passam de um tipo diferente de energia, iguaizinhos à gasolina. Este Rolls-Royce antigo está rodando muito bem como todos os seus sentimentos ruins e todas as coisas que já machucaram e amedrontaram você. E não estou falando apenas metaforicamente. Você tem alguma cicatriz?"
Pág. 450

Claro que não irei comentar muito sobre o final, exatamente para não acabar soltando spoilers. Porém, posso dizer que gostei dele e fiquei com um gostinho de quero mais. Fora isso, digo e confirmo, Nosferatu é uma ótima leitura, recheada de reviravoltas e futuros incertos. Contudo, acredito que esse livro não atenda todos os requisitos dos leitores que estejam procurando MUITOS assuntos sobrenaturais e horripilantes, como acontece em alguns livros do Stephen King. 

Como havia dito, o livro é dividido em várias partes, que por sua vez, também são divididas em capítulos. Além disso, na diagramação contamos com fontes pequenas e um agradável espaçamento entre as linhas, além de ilustrações que se encontram posteriores à contra-capa. A edição conta com uma bela e enigmática capa mostrando o Rolls-Royce do demônio maníaco Charlie Manx, além de termos folhas amareladas. Encontrei alguns erros de revisão, mas nada que interfira. Leitura obrigatória. 

Abraços,
Gustavo Demétrio
GUSTAVO DEMÉTRIO
É Resenhista e CDC aqui no Vida De Leitor. Um ávido leitor que sonha um dia se tornar um Arquiteto de renome. Admirador do universo e grande fã do Stephen King. Seus livros favoritos são: Série Torre NegraTigana, Sherlock Holmes Sob a Redoma. 
Twitter/Facebook/Skoob/Instagram - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.

O Para Sempre de Ella & Micha - Jessica Sorensen


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Quando terminei de ler o Segredo de Ella e Micha, disse que o final não nos deixava ansiosos por uma continuação. Este é um romance despretensioso sem muitas reviravoltas ou segredos, por isso não criamos muitas expectativas a respeito do enredo, mesmo nos sentindo deliciados ao acompanhá-lo. Apesar de ser uma série que conta com cerca de quatro livros lançados no exterior, creio que o desfecho da história de Ella e Micha é satisfatório e isso deixa uma brecha para que o próximo volume seja focado em Lila e Ethan.





Jessica Sorensen está de volta com o segundo volume da série, três vezes mais hot! Ella e Micha começaram a namorar. Ella está na faculdade em Las Vegas. Micha saiu em turnê com sua banda de rock. Tudo parece se encaminhar para uma relação estável. Mas não é o que acontece. Pesadelos começam a assombrar Ella. O medo de ser abandonado persegue Micha aonde quer que ele vá. Tudo o que enfrentaram antes não pode ter sido em vão... eles não podem perder um ao outro. Ou podem? Os dois irão sentir essa verdade na pele quando a distância começa a se revelar mais destruidora do que eles poderiam imaginar. Ciúmes, segredos e fantasmas do passado ressurgem ainda mais ferozes, enquanto as vivências sexuais se incendeiam, apimentadas por jogos sensuais, bebedeiras e muita velocidade nas estradas do oeste americano.


Decidida a superar e enfrentar seus temores, Ella passa a se consultar com uma terapeuta e durante as sessões ela descobre que ainda se sente mal pelo que aconteceu com sua mãe e esse fato, juntamente com a possibilidade de que seu namorado encontre uma mulher melhor do que ela durante os shows da banda dele, fazem com que ela se sinta atormentada e incapaz de fornecer a ele um relacionamento normal e feliz.

Ficar longe de Ella por longos períodos e conviver com seus parceiros de estrada é um desafio cada vez maior para Micha, quando seu pai, que o abandonou quando ele era criança, aparece precisando de sua ajuda, ele terá que decidir se ajudá-lo é o que ele realmente deseja fazer. Como uma fuga alternativa, Micha passa a encontrar na bebida uma forma de esquecer tudo que o vem atormentando, e assim o receio de Ella de que eles terminem como seus pais se torna cada vez maior.

Capas americanas da série.

O importante não é se sentir bem com tudo o que fazemos, mas como nos sentimos no final, quando olhamos para trás e vemos tudo o que fizemos.
Pág. 8

A história aborda temas interessantes, possui cenas bem descritas e conta com linguajar leve e jovial. O enredo é envolvente, mas ao chegarmos na metade do livro nos vemos presos a um contexto cansativo e repetitivo a ponto de fazer com que a leitura se arraste até as páginas finais. As situações criadas podem ser facilmente comparadas a um bumerangue; o amor incondicional e perfeito dos protagonistas é demonstrado, Ella surta ou acontece algum outro conflito impactante na vida deles trazendo a tona um monte de dúvidas, e então o amor deles é novamente reafirmado, isso se repete várias vezes contando apenas com mudanças nos problemas, por esse motivo tive a impressão de que a autora tentou apenas encher páginas através de situações pouco empolgantes.

Ella encontra-se indecisa e confusa, conseqüentemente torna-se um pouco chata e incoerente. Algo que fica obvio desde o primeiro volume da série é que ela e Micha realmente se gostam, assim sendo, não gostei muito das atitudes tomadas por ela. Micha também perde parte do charme que possuía, apesar de ser um namorado quase perfeito ele acaba agindo feito um completo idiota em algumas cenas. Lila e Ethan ganham um pouco mais de destaque nesse livro e ao que tudo indica o próximo volume será focado neles. Senti um pouco de falta das corridas de carros das quais os personagens participavam, elas davam um toque de adrenalina ao enredo.

Pode o amor durar uma vida inteira?

Mas como vou lhe dizer isso, que eu estou pronto para começar um futuro com ela, quando sei que ela mesma ainda não tem noção do próprio futuro?
Pág. 62

Em o Segredo de Ella e Micha a autora trabalhou a sensualidade e a tensão que existe entre os protagonistas sem explorar muito a sexualidade, mas na contracapa desse segundo volume somos avisados de que dessa vez a história estará três vezes mais hot, e isso realmente acontece. A narrativa de Jessica Sorensen é feita de forma harmoniosa, ela descreve com precisão as cenas. Apesar de retratar temas complicados, este livro possui um perfeito equilíbrio entre situações difíceis e momentos leves regados de ironias que caracterizam o humor ácido dos personagens. Um dos dilemas propostos é o ciúmes e a possibilidade de outras pessoas atrapalharem o namoro dos protagonistas, contudo, a autora preocupou-se tanto em relatar como Ella e Micha se amam que acabou esquecendo de fazer com que Naomi e Blake fossem mais ativos em suas investidas e causassem conflitos maiores.

A arte da capa segue o mesmo padrão que o primeiro livro da série, mas dessa vez o personagem retratado é Micha. A diagramação é agradável aos olhos, a fonte é grande e existe um bom espaçamento entre as linhas. Senti falta de uma playlist nas últimas páginas, pois existem várias referencias musicais e é muito chato para o leitor ter que ficar marcando os títulos das músicas para ouvir depois. Apesar de ser cansativa em partes, essa é uma história que merece ser lida.

Abraços,
  Tamires Souza
TAMIRES DE SOUZA
É Resenhista aqui no Vida De Leitor. Desenvolveu sua paixão pela leitura ainda criança através de revistas em quadrinhos e desde então não vive sem um livro dentro da bolsa. Recém formada e sonha um dia cursar uma faculdade de Direito. Seus livros favoritos são: Série Rangers Ordem dos Arqueiros, A Seleção e a Série A Mediadora
Twitter/Facebook/Skoob - Blogvidadeleitor@gmail.com
Observação: Caso o formulário de comentário não esteja visível, atualize a página.